9 de jan de 2014

Rockstar - Capítulo CXLV



- Bom dia, Princesa, bom dia Velhão.... - David disse assim que os viu chegando ao salão de jantar. - Então? Prontos para o estúdio?

- Bom dia, Dave... - Jack sorriu para o amigo. - Acho que estamos prontos... e o nosso anfitrião? Onde está?

- Lá fora, despedindo-se da Doutora Hubllot... disse que já volta... e então, passaram muito frio nesta noite?

- Bastante... - Clara sorriu. - Mas meu amor, me aqueceu...

- Muito bem, Velhão... cuida da Princesa porque ela merece. Incrível essa história do sonho do Mick, não?

- É... - Jack apenas suspirou, não estava disposto a falar sobre aquele assunto,  sentia muito mais ciúmes do que gostaria de admitir. - Então, vamos fazer o que no estúdio hoje?

- Ainda não sei, Velhão... estou esperando conversar com o Mick e o Keith para saber...

- E o Keith?

- Ainda não acordou, Velhão... o Ron e o Charlie já levantaram e foram dar uma olhada na torre lá em cima, agora que parou de chover...

- E o Mike?

- Estava aqui, mas o celular dele tocou e ele foi para a sala de estar atender... a Cindy e a Jenni estão na sala de ginástica... você sabe como elas são...

- Sala de ginástica? - Clara sorriu. - Querido, você se importa se eu for até lá encontrá-las?

- Acho melhor você comer um pouquinho antes, amor... sua noite foi tão difícil...

- Mas não vou me exercitar, querido... sei que não posso ainda... só pensei em ir até lá para conversar mesmo...

- Eu sei, meu amor... eu só quero que você se alimente um pouco antes... preciso que você se cuide...

- Está bem, querido... vou comer alguma coisa, então...

- Bom dia, meus querido... - Mick sorriu ao ver que Jack e Clara já estavam no salão de jantar. - Então, vamos brincar um pouco lá no estúdio hoje?

- Vamos... - Jack sorriu. -  Vamos gravar aquela música que você nos mostrou na outra noite, Mick?

- Aquela e umas outras que eu tenho e que vocês ainda não ouviram... Clarinha, meu amor... você está bem hoje? Está pronta para cantar um pouco?

- Estou...

- Hum... este "estou" não me pareceu exatamente animado... o que foi, minha querida?

Clara não sabia o que responder, apertou a mão de Jack, que a ajudou. - Ela ainda está se recuperando, Mick... um dia ela está melhor, no outro, nem tanto...

- Mas você vai cantar, meu amor e tudo vai melhorar... eu te prometo... - Mick pegou a mão de Clara e beijou-a.

- Obrigada, querido... - ela sorriu para ele, ainda preocupada com uma possível reação de Jack. - Acho que você tem razão...

- Então, Princesa... Vamos lá cantar um pouco... acordei com a cabeça fervilhando de ideias e acho que hoje faremos músicas lindas...

- Que bom, David... - Clara sorriu para ele. Sua cabeça também fervilhava, estava ainda mais confusa, agora que tinha entendido que Mick também tinha feito parte de uma de suas vidas passadas.

Depois de comer tudo o que Jack e Mick serviram a ela, Clara levantou-se da mesa e foi até a academia completa que Mick mantinha no segundo andar do castelo.

- Bom dia, amigas... - ela disse assim que chegou. - Nossa! Que academia linda essa aqui...

- Oi Clara... - Cindy sorriu para ela, parando a esteira em que corria. - Que tal isso aqui, amiga? Vamos fazer um pouco de Yoga?

- Bom dia, querida... - Jennifer sorriu, também parando a bicicleta. - Lindo isso aqui, não?

- Lindo mesmo... - Clara sorria e examinava o enorme salão com piso de madeira, uma grande  parede espelhada e os mais modernos aparelhos de ginástica, além de uma grande área, próxima do espelho, coberta por um tatame, onde seria possível ensaiar passos de dança. - É a cara do Mick... olha só...

- Então, querida... ficou com ciúmes ontem? - Jennifer caminhou até ela, pegando uma garrafinha de água mineral e seu celular que estavam em uma bela mesinha, em um dos cantos da academia. - O Mick não deixa mesmo passar nada...

- Só um pouco... mas já passou... sabe... acho que ter ciúmes do Mick seria mesmo uma perda de tempo... - Clara sorriu. - Queria tanto conseguir deixar de amá-lo...

- Você me parece abatida hoje, querida... você está bem? - Cindy disse, enquanto regulava os pesos de outro aparelho para exercitar-se.

- Tive um pesadelo horrível na noite passada... eu era a Anne de Bretagne, estava grávida, com uma barriga enorme e tinha saído do meu esconderijo para respirar um pouco, quando soldados da duquesa me encontraram, me perseguiram entre a praia e a floresta, aqui ao lado e me mataram...

- Meu Deus! Você está bem, querida? - Jennifer aproximou-se dela e abraçou-a. - Então...

- É... acho que eu era ela...

- E o Mick era o Duque, certo?

- Era... será que todas as vezes em que eu encontrar o amor será assim?

- Querida... não fica assim... puxa... isso explica muita coisa... vocês se gostam tanto, não?

- Eu o amo... e vai me doer muito ter que deixá-lo...

- Mas você vai mesmo separar-se dele?

- Vou... o Jack não disse nada, mas eu sinto que ele está muito abalado... não posso perdê-lo...

-Ah, querida... calma... acho que o Jack está tranquilo com isso...

- Não está... eu sinto aqui dentro do meu peito, é uma dor horrível... ele está muito decepcionado...

- Calma, querida... vem aqui, bebe um pouco de água... - Cindy puxou Clara pela mão e levou-a até o banheiro da academia, para lavar o rosto e beber água. - Isso, querida... relaxa... vai dar tudo certo...

- Espero que sim... Obrigada por me ouvir, por me ajudar... amo muito vocês...

- E nós te amamos amiga... - Jannifer abraçou Clara, que tentava parar de chorar.

- O Mick já sabe disso? - Cindy perguntou preocupada.

- Não... e não sei se devo contar para ele... tenho medo de magoar ainda mais o Jack... não tenho intenção de contar...

- Meninas, cadê vocês? - Mick disse ao abrir a porta da academia, procurando pelas três amigas. - Clara, querida... onde você está?

- É o Mick... vou lá fora falar com ele... - Jennifer ajeitou-se no espelho e saiu rapidamente do banheiro. - Oi, querido... tudo bem?

- Oi Jenni... onde a Clara está?

- No banheiro... ela já vem...

- Está tudo bem com ela?

- Está, querido...

- Preciso falar com ela... o Jack acabou de me contar uma coisa... estou preocupado com ela agora...

- Oi Mick... - Clara disse ao sair do banheiro, ainda lutando com suas lágrimas.

- Queridas... será que vocês podem nos deixar conversar um pouco?

Jennifer e Cindy pegaram seu material e deixaram a academia, enquanto Mick e Clara olhavam um para o outro, parados, esperando.

- Meu amor... - Mick caminhou na direção de Clara e abraçou-a. - O Jack me contou tudo...

Clara apenas voltava a chorar nos braços de Mick. Estava cansada, pela noite mal dormida e ainda chocada por tudo o que tinha visto em seu sonho.

- Ah, querido... foi tão horrível...

- Eu sei, meu amor... eu sei... eu queria muito que isso tudo nunca tivesse acontecido... a ignorância pode mesmo ser uma bênção... eu... o que eu posso fazer para te ajudar, minha vida... preciso te fazer feliz...

- Você me faz feliz, querido... muito... e eu te amo tanto...

Mick beijou-a apaixonadamente, envolvendo-a em seus braços, aquele era um reencontro diferente, de dois amantes que passaram séculos separados.

- Ah... querida... - Mick também chorava, segurando-a. - Meu amor... você sabe que essa coisa mística nunca me seduziu, mas... quando o Jack veio me contar... tudo fez sentido... esse amor que eu sinto...

- Eu sei querido... para mim também fez sentido... o que vamos fazer sobre isso?

- O que você decidir, minha querida... eu estou nas suas mãos...

- Não sei, meu amor... você vai precisar me ajudar... estou completamente perdida agora...

- Mas tudo vai ficar bem, meu amor... você vai continuar tomando seus remédios, vai recuperar o peso, vai fazer a turnê com seu marido e se precisar de mim, você me terá por perto... basta me chamar...

- Ah, Mick... eu te amo tanto...

- Também te amo, querida... nada para mim é mais lindo do que ter você nos meus braços...

- Meu amor... - Clara beijou-o novamente, sentindo-se derreter mais e mais em seus braços.

No momento exato em que Jack abria a porta da academia. Sem fazer qualquer som, ele simplesmente fechou a porta e foi até o quarto que dividia com ela no castelo. Tinha tomado uma decisão e sabia que iria doer muito, mas que a faria feliz e fazê-la feliz era a única coisa que importava para ele.

Continua