23 de ago de 2013

Rockstar - capítulo CXL



- E o seu namorado? - Jack deu um sorrisinho malicioso, enquanto terminava de vestir-se novamente. - Ele te disse a que horas vem para cá?

- Não... - Clara olhou para ele indignada com o tom que ele estava usando. - Você não vai começar com isso de novo, vai?

- Não estou começando com nada, meu amor... calma... não fica toda bravinha... ele é seu namorado, não é?

- É... quero dizer... acho que continuará sendo, pelo menos até o final desta semana...

- É isso o que você está planejando? Romper com ele no castelo?

- Não estou planejando nada, Jack... apesar de estar sendo tudo tão maravilhoso entre nós, nestes últimos dois dias, ele continua muito importante para mim...

- Meu amor... eu sei... não se preocupe com isso... eu só queria saber onde está seu coração agora...

- Com você, meu querido... ele está sempre com você... - Clara sorriu e ajeitou os cabelos longos de Jack. - Mas arrumei esse problema sozinha e sairei dele sozinha também... por enquanto, não quero perder nenhum dos dois... aliás, antes de você vir aqui e conversarmos, achei que tinha te perdido e doeu tanto que me deu vontade de morrer...

- Ah, meu amor... não suporto te ver triste... estamos bem, não estamos? - Jack sentou-se novamente no sofá e pegou-a no colo.

- Muito bem, querido... mas tenho medo... tenho tido uns sonhos estranhos, não consigo lembrar de nada quando acordo, mas sinto que alguma coisa de muito ruim está para acontecer...

- Ah, meu amor... não fica assim... será que não seria melhor conversar com alguém sobre isso? Quer que eu ligue para a Kate? Acho que ela pode te indicar um bom terapeuta...

- Acho que você tem razão, querido... ela pode me ajudar sim... vou ligar para ela quando voltarmos de Nice... aliás, agora, que já melhorei bastante e minha família vai voltar ao Brasil, quero que ela venha novamente morar conosco... até o apartamento deles estar pronto... estou com saudades do pequeno Jack...

- Está bem, minha vida... o que você quiser... como você quiser... para mim também será muito bom... você sabe que convivi muito pouco com a minha filha e ainda me sinto bastante culpado por isso...

- Eu sei, querido... - Clara deitou a cabeça no peito de Jack. - Minha culpa também não me deixa... sei o quanto estou te magoando, magoando o Mick... você tem razão, acho que conversar com a Kate pode me ajudar... estou tão cansada de sentir que estou fazendo tudo errado...

- Não está, meu amor... você nos ama, não tem nada de errado nisso... nós dois somos seus amantes e amigos... além disso, você nunca nos enganou... nós dois sempre soubemos o que estava acontecendo, você nunca mentiu para nós, mentiu?

- Não... não consigo mentir para quem eu amo... sou assim...

- Eu te amo tanto...  Só você tem este efeito sobre mim... Olha isso... - ele disse tentando secar as lágrimas que agora escorriam de seus olhos.

Clara agarrou-se nele e os dois apenas choraram em silêncio por alguns minutos, interrompidos por batidas na porta. - Velhão... você está aí? - David Mersey e Michael Peters precisavam de respostas de Jack e Clara enxugou os olhos e abriu a porta, enquanto Jack também se ajeitava.

- Desculpa Princesa, mas precisamos do Velhão... estamos com um problema com a setlist, será que você pode vir conosco?

- Está bem... - Jack disse com uma expressão contrariada. - Amor... eu já volto...

- Ok, querido... - ela disse, beijando-o na boca. - Vou estar aqui...

Clara pegou o tablet e ligou-o novamente. Enquanto ela dava uma olhada no que tinha sido publicado sobre o show da noite passada, o tablet começou a apitar, avisando que alguém queria falar com ela. Do outro lado da tela, Mick Jagger sorrindo.

- Olá querida... está tudo bem com você?

- Oi Mick... tudo bem... você não vem para cá?

- Mais tarde... estou resolvendo algumas coisas aqui no escritório antes... Já vou para aí... ele te deixou sozinha, de novo?

- Estava com o Jack, mas o David veio buscá-lo aqui e eu acabei sozinha... achei que as coisas estariam mais calmas hoje, mas não estão...

- Ah... não se preocupe... as coisas são assim mesmo... puxa... queria estar aí com você...

- Estou muito triste hoje... meus parentes vão embora amanhã cedo e  mesmo assim, o Peters não os deixa ficarem aqui comigo...

- Meu amor... ele trabalha para vocês e não ao contrário... quer que eu ligue para ele?

- Não... - ela disse não conseguindo mais segurar as lágrimas. - Desculpe querido... estou tão triste...

- Estou indo para aí... não consigo te ver assim...

- Não precisa vir, querido... não se preocupe comigo, vou ficar bem...

- Não vai não... vou cuidar de você... é por mim também... estou tendo um dia muito difícil... só você consegue me fazer relaxar, depois do que passei por aqui neste escritório... tem aquele chocolate maravilhoso aí?

- Não, querido... ontem acabou tudo...

- Vou passar naquela loja, perto da nossa casa e levar, então...

- Está bem... vou tentar comer alguma coisa agora... ligar para casa para saber se meus pais já saíram para vir para cá... o Jack quer que eu converse com a filha dele que é terapeuta...

- E o que você acha disso?

- Preciso de ajuda, estou cansada de me sentir culpada... não consigo aceitar o que eu sinto...

- Calma, meu amor... vou ligar para o meu piloto e já vou para aí... quero ir cedo amanhã para Nice... aliás, por mim, ia para lá nesta noite mesmo, logo depois do show...

- Por favor Mick, não venha... o Jack não vai entender, eu sinto que ele espera que eu converse com você no castelo e que tudo termine neste final de semana entre nós...

- Eu sei, meu amor... mas não se preocupe... vou fazer exatamente o que você me pedir que eu faça... mas quero estar com você agora, não suporto a ideia de te ver assim tão triste, meu amor...

- Estou ficando cansada de mim mesma... eu te adoro, mas sinto que isso está machucando muito o Jack...

- Fica tranquila, meu amor... vou até aí, conversamos, comemos chocolate e você já vai sentir-se melhor... me deixa te fazer feliz, por favor...

- Está bem, querido... eu queria tanto poder te fazer feliz de verdade...

- Mas você faz... Pronto... mandei uma mensagem para o celular do meu piloto pedindo que ele me ligue... já estou a caminho... eu te amo...

- Eu te amo, querido... mas não precisa vir até aqui agora...

- Mas eu quero ir... preciso cuidar de você... já estou a caminho....

- Ok, então... já que não vou te convencer a não vir,  estou te esperando...

Ela desligou o tablet, levantou-se do sofá e caminhou até a mesa com comida e bebida, pronta para ela. Pegou um croissant de chocolate, uma taça de champagne e voltou para o sofá, pegou o celular, ligou para Jonas que disse que tinham acabado de sair de casa e estavam no trânsito, a caminho da Arena.

Mick chegou a considerar usar o helicóptero para ir até a a Arena, mas não era só a pressa, pensou que queria fazê-la feliz e por isso passou antes na sala de sua secretária e pediu a ela que contatasse duas lojas para ele, pediu que a floricultura preparasse um grande maço com rosas cor de lavanda e que a loja próxima da casa de Clara, entregasse 20 caixas de chocolate na casa dela e deixasse duas prontas para ele retirar nos próximos 10 minutos.

Enquanto isso, continuava conversando com uma historiadora francesa que finalmente tinha localizado e estava disponível para ir ao castelo naquele dia mesmo, examinar livros da biblioteca e contar a história de sua longa pesquisa sobre a família que habitara aquele lugar há muitos séculos.

Precisava fazê-la feliz... sabia que estava remando completamente contra a maré. Mas sentia que precisava continuar lutando para manter vivo aquele amor. 


Continua 

21 de ago de 2013

Rockstar - Capítulo CXXXIX



Poucas horas depois Jack e Clara estavam novamente nos bastidores da Arena O2 e enquanto  Pablo ajeitava os cabelos de Clara, ela sentia-se mais do que um pouco aliviada por Mick não estar com eles naquele momento. Assim, ela poderia conversar  com suas amigas, que tinham tido sua entrada liberada por Michael Peters e David Mersey.

- Amiga... estas suas unhas estão lindas... - Jenniffer pegou a mão de Clara para ver melhor suas unhas pintadas com esmalte cor de cobre e depois cobertas parcialmente por pequenos cristais que brilhavam intensamente, como pequenos diamantes. - Quem fez?

- Ah, foi a Rachel, que trabalha lá no salão do Pablo, não é querido? - Clara sorriu para o cabelereiro que estava mais quieto e concentrado do que o de costume.

- Ela mesmo... acho a Rachel uma artista... - Pablo sorriu pela primeira vez naquele dia. - Sabia que o senhor Peters está negociando com ela, para levá-la na turnê também?

- Que ótimo, Pablo! - Clara sorriu. - O Peters não está mesmo medindo despesas dessa vez...

- Eu não deveria dizer isso... mas o senhor Peters me disse que tem ordens para deixá-la feliz, por isso tantos cuidados... aliás, ontem, antes do show, ele fez uma reunião até com o médico da senhora, que indicou a equipe que vai cuidar da sua saúde durante a turnê... tem tudo, nutricionista, médico, enfermeiro, massagista e personal trainer... todos irão viajar conosco...

- Mas ele não me disse nada...

- Pois é... eu também não entendi... achei que a senhora tinha pedido, mas a senhora nem está sabendo... ele disse, na reunião, que eram ordens do senhor e da senhora Noble... pelo jeito, só o senhor Noble pediu...

- Meu marido é maravilhoso... - Clara começou a chorar novamente. - eu não o mereço...

- Ah, querida... não chora... - Pablo tentou consolá-la. - Vocês dois estavam tão lindos ontem... eu até chorei quando vocês dançaram juntos... dá para sentir o amor que vocês têm um pelo outro de longe...

- Verdade... sabe que alguém filmou vocês dançando e não se fala de outra coisa na internet hoje? Você chegou a ver, Clara? - Cindy pegou seu tablet e abriu uma reportagem sobre Clara e Jack em um site de fofocas. "Do inferno ao céu, protagonistas do casamento do ano brigam de manhã e fazem as pazes à noite, em festa que comemorava estreia da turnê." - Olha só...

Clara leu rapidamente a matéria que comparava os dois vídeos, o filmado de manhã, em uma estação de metrô e o feito durante a festa. Depois abriu o vídeo da festa, a música "Night and Day"  de Cole Porter tocando e ela e Jack, nos braços um do outro, dançando. Apaixonados como nunca.

- Que lindo, isso... - ela suspirou. - Eu o amo tanto...

- Dá para ver... querida...  - Pablo sorriu. - Ah... como eu queria um amor assim... vocês têm tanta sorte...

- Acho que nós temos... - Clara tentava sorrir, mas continuava sentindo vontade de chorar. Temia estar destruindo seu casamento, mas sabia que não conseguiria simplesmente passar a ver Mick apenas como um amigo.

- Pronto, amor... tudo preso... vou lá conversar com o senhor Peters agora, daqui a pouco volto para cá... finalizar seu cabelo e fazer a maquiagem...

- Está bem... obrigada, querido...

Assim que o cabelereiro deixou o camarim, Clara desabou em lágrimas, debruçando-se sobre a bancada com espelho à sua frente.

- Querida... o que foi? - Cindy disse assustada. - Jenni, chama o Jack...

- Não... não chama ele, por favor... estou destruída agora... preciso contar a vocês o que está acontecendo...

- O que está acontecendo? - Cindy perguntou preocupada. - Calma, querida... vocês brigaram de novo?

- Não... mas... eu continuo me sentindo um lixo... um pouco antes de vir para cá, eu, o Jack e o Mick brindamos com champagne o fato de que vamos viver juntos, depois, no caminho para cá, o Jack nem abriu a boca no carro... parecia tão frio e distante que eu nem conseguia mais reconhecê-lo... éramos dois estranhos de novo, por acaso andando no mesmo carro...

- Espera... vocês vão viver juntos?

- É... eu tenho dois maridos agora... lá em casa, o Jack me disse que aceitava tudo... na verdade ele mesmo incentivou a ideia de vivermos os três juntos... mas depois, enquanto eu e ele nos arrumávamos e vínhamos para cá... ele nem me olhou nos olhos...

- Ah, querida... não fica assim... - Jennifer tentou acalmá-la. - Calma... vou pegar água para você... ou você quer alguma bebida mais forte?

- Não... só água... obrigada... estou muito nervosa... acho que meu casamento acabou...

- Ah, querida... o David também fica assim, distante, quando tem show... - Cindy disse tentando acalmá-la.

- Não... é diferente... estávamos muito bem hoje... fomos todos almoçar juntos no francês; o Mick, meus parentes, o Jack... ele me deu esse anel lindo...

- Nossa! - Jennifer pegou a mão de Clara para ver melhor o anel. - Lindo mesmo... puxa... ele tem mesmo a intenção de te cobrir de diamantes...

- É... mas depois, quando ficamos sozinhos... ele nem olhou direito para mim, tivemos aquela conversa com o Mick, em que ele convidou o Mick novamente para viver conosco e subimos para nos arrumarmos para sair.... e daí em diante, ele se calou... como se eu fosse um fantasma que ele evitava perceber dentro do quarto e do carro.

- Acho que vocês precisam conversar... que ideia é essa de viver com o Mick? Vocês não iam discutir essa situação no castelo? Por que isso agora?

- Não sei... eu e o Jack estávamos super bem, tivemos uma noite linda... o Mick nem tinha voltado para casa hoje de manhã e eu senti que ele tinha desistido de mim... fiquei triste, mas fiz questão de ir até o final daquilo que eu estava sentindo... mas o  Jack me viu triste e chamou-o de volta, eu pensei comigo mesma, tudo bem... é só até amanhã mesmo... vamos todos para Nice... então... vamos em frente, estávamos muito bem, completamente unidos e, de repente, ele se afasta de mim...

- Isso não pode ser bom... - Jennifer balançou a cabeça. - Eu acho melhor vocês conversarem... eu e a Cindy vamos dar uma volta e pedimos para ele vir aqui, vocês conversam e tudo vai ficar bem...

- Acho que vocês têm razão... não disse nada antes, no carro, porque fiquei com medo... mas acho que é melhor conversar com ele... preciso entender o que ele está pensando, se bem que acho que já entendi... ele esperava se livrar do Mick hoje e como isso não aconteceu, ele só está desistindo de mim...

- Pode ser que não... você sabe como eles ficam antes dos shows... de qualquer jeito, vocês conversam e tenho certeza que vão se entender... você ainda o ama, não?

- Muito...

- Então... eu e a Jenni vamos ao camarim dos rapazes e pedimos que ele venha para cá, conversar com você... e tudo vai ficar bem, querida...

- Está bem... obrigada... - Clara tentou sorrir, mesmo com os olhos molhados de lágrimas. - Obrigada, queridas... tentarei conversar com ele...

Assim que Jennifer e Cindy sairam do camarim, Clara levantou-se da cadeira, caminhou até a mesa onde comidas e bebidas estavam à sua disposição novamente, serviu para si mesma uma dose de conhaque e caminhou até o sofá, onde deitou-se, com seu tablet na mão para ver novamente o vídeo em que dançava com Jack, na festa da noite passada.

Agora, sozinha ela sentia que tudo tinha terminado. Precisava agora criar coragem e ir embora, também amava Mick, mas não tinha intenção de deixar Jack para ir viver com ele. Sem Jack, ela sequer queria continuar vivendo; voltaria para o Brasil, se fecharia em seu apartamento e esperaria a natureza terminar sua obra. Não demoraria muito desta vez; tinha recuperado apenas um dos 5 quilos que perdeu nos últimos tempos e não precisava de muito stress para retornar à condição anterior. Quem disse que ela não tinha um plano?

- Ann, por favor... vem comigo... não confio em te deixar aqui nesta casa, sozinha... ela pode tentar te machucar...

- Não posso... meu pai está doente, preciso cuidar dele... vou com ele para a vila... já nos escondemos lá por tanto tempo, podemos nos esconder novamente... 

- Vou deixar algum ouro com você; vamos fazer o seguinte, eu levo vocês até o esconderijo na vila hoje à noite e amanhã cedo, parto para Paris. Não confio em Catherine, se ela sequer desconfiar que você está esperando um filho meu...

- Não se preocupe, querido... vai dar tudo certo... mas sei que sentirei falta deste lugar, da nossa árvore... lembra quando você lia para mim e eu sonhava com a nossa montanha?

- Vamos para lá... para a nossa montanha... tenho medo de te perder... vou deixar  o rei me esperando em Paris... e...

- Não... ele mandaria soldados para te perseguir, não estaríamos mais seguros em nenhum lugar... vamos fazer tudo direito, querido... eu me escondo das vistas de todos do castelo, você faz o que precisa fazer e depois partimos juntos...

- Mas eu posso não voltar... a situação em Paris está ficando mais difícil a cada dia que passa...

- Clara... - Jack agora a chamava do lado de fora da porta. - Amor... a porta está trancada.

Um pouco tonta, tentando entender onde estava, ela levantou-se do sofá e derrubou o tablet que estava em seu colo, no chão. - Já vou, amor... - disse tentando secar os olhos no caminho.

Assim que a porta abriu, Jack agarrou-se em Clara e beijou-a. Pegando-a completamente de surpresa.

- Me desculpe, encontrei a Jennifer agora no camarim e ela me contou... - Jack disse acariciando o rosto de Clara.

- Espera... elas sairam daqui faz tempo, você não estava no camarim?

- Não... fui a uma reunião com o Peters sobre o show de ontem, lá em cima, na sala dele. Ah, meu amor... você deveria ter me dito alguma coisa... não suporto te ver triste...

- Você não está me deixando, então?

- Não... no carro, agora... eu estava um pouco longe sim, mas por causa do show... o Peters convocou essa reunião para hoje e precisamos adiantar algumas coisas para termos os dias livres irmos para Nice...

- Sério que era só isso? Quero dizer... se você não quer o Mick na nossa casa...

- Não se preocupa com isso, meu amor... vamos para Nice amanhã, com ele, não vamos? Está tudo certo... Olha só... até derrubou seu tablet... - Jack disse pegando o aparelho do chão.

- As meninas saíram para te chamar, eu fiquei aqui te esperando e acho que peguei no sono... chorei de novo, até dormir...

- Ah, meu amor... não fica triste... sou teu... não duvida disso nem por um segundo, eu te amo tanto que chega a doer aqui dentro... e eu morro um pouco quando te vejo triste....

- Jack, meu amor... - Clara agarrou-se nele e beijou-o. - Eu não sei nem o que te dizer, minha vida... obrigada por ser tão doce comigo... É muito bom saber que você ainda não desistiu de mim, apesar de tudo o que eu te fiz...

- Você só me faz bem... de verdade, meu amor... eu só tenho vontade de passar os meus dias te mimando... nunca achei que isso fosse acontecer, mas para mim, estar com você é ainda melhor do que subir naquele palco... se você me fizer aquela pergunta agora, aquela clássica, que toda mulher com quem já me relacionei chegou a me fazer de um jeito ou de outro; "eu ou a música?", sabe? Graças a você, tenho uma nova resposta para ela: Você!

- Jack... - Clara suspirou, os olhos afogados novamente em lágrimas. - Você ainda me mata de emoção, meu amor... mas eu quero te pedir para nunca, mas nunca mesmo abandonar nada por mim... eu te amo demais para aceitar qualquer sacrifício seu... sei o quanto a música significa para você...

- Mas estou te dizendo que faria isso sem olhar para trás, meu amor... passaria o resto dos meus dias do seu lado, lá no Brasil, ou no topo da nossa montanha, ou onde quer que você se sentisse melhor, se fosse isso que você me pedisse...

- Eu te amo tanto... ah, Jack... tive tanto medo de te perder... vem aqui, vem... vamos comemorar do nosso jeito  - ela puxou Jack para o sofá e os dois se entregaram um ao outro, completamente envolvidos em sentimentos que afloravam mais e mais a cada minuto que passava.

Continua


10 de ago de 2013

Rockstar - Capítulo CXXXVIII



- Poxa Velhão... calma... você não podia achar que ele desapareceria da vida dela, assim, por encanto... cara... você não pode ser ingênuo a esse ponto...

- Mas tivemos a melhor noite de nossas vidas...

- Mesmo assim... ela ama o Mick, não é um caso bobo, uma  noite de loucuras que acabou na manhã seguinte. Se não fosse acontecer um tremendo de um escândalo, você sabe que ela seria capaz de casar-se com ele, conviver com dois maridos ao mesmo tempo... não vai acabar assim...

- Eu sei disso... só pensei que ela poderia ter percebido o quanto me ama na noite passada... foi tão incrível... tão maravilhoso...

- Mas sinceramente... acho que ela só vai encontrar forças para esquecer o Mick, quando estiver grávida de você... é isso que você precisa fazer agora, deixá-la grávida...

- Essa é minha maior esperança e também meu maior medo... ontem foi tão perfeito que achei de verdade que tinhamos feito nosso filho... mas me apavora a possibilidade do Mick também  tentar fazer isso... e aí, eu estarei perdido...

- Conversa com ela... pede para que ela use proteção com ele... caramba, Velhão... ela é tua mulher ainda...

- Tenho medo dela achar que é ciúmes...

- Mas ao menos você tem o direito de ter um filho com a mulher que você ama, não tem?

- Não sei  mais, cara... você sabe que o médico que me operou disse que provavelmente ela não vai conseguir engravidar e, se conseguir, vai ser uma gravidez de alto risco... Não disse isso a ela,  não suporto vê-la sofrer... você sabe disso...

- Eu sei... não diga nada a ela ainda... ela está se tratando, já melhorou tanto nestes últimos dias, quem sabe esse diagnóstico do seu médico não foi precipitado...

- Claro que sim... não direi nada a ela... sei o quanto significa para ela ter um filho comigo... nós já o vimos até... nosso filho vai acontecer, tenho certeza disso... Bom, cara... obrigado por me ouvir desabafar... está difícil aqui... não quero que ela me veja chorando...

- Calma, cara... respira fundo... onde ela está, agora?

- Lá na sala de estar, ele está cantando para ela no piano...

- Vai lá e tira ela para dançar... ele não vai parar de tocar e você sabe que ela gosta de dançar com você... que tal?

- Gênio, amigo... gênio... vou lá... mais tarde te conto como foi...

Jack limpou as lágrimas dos olhos e desceu rapidamente as escadas, Mick continuava cantando baladas, agora dos Stones, ela ainda sentada ao lado dele, cantando junto, completamente concentrada nele. Respirando fundo, Jack estendeu a mão para ela e tirou-a para dançar, recebendo de volta um lindo sorriso e envolvendo-a mais uma vez em seus braços.

- Meu amor... como é bom dançar com você... - ele sussurrou no ouvido de Clara. - Eu te amo tanto...

- Ah Jack... - ela beijou-o. - Eu te amo... muito...

- Bem... senhoras e senhores... - Mick disse após terminar mais uma canção, sob os protestos de todos presentes. - Desculpem... mas preciso cuidar de alguns assuntos que deixei pendentes, antes de sairmos para o show de hoje à noite... estarei no meu quarto... boa tarde...

- Obrigada, querido... - Clara sorriu e beijou-o no rosto. - Eu amo a sua música... Você tem sido um grande amigo, nestes últimos dias e eu preciso muito te agradecer por isso... eu te amo...

- Também te amo, querida... - Mick beijou-a na testa. - Vou ver se já tenho respostas e já volto...

- Filhinha, a que horas nós vamos para o show hoje? - dona Ana aproximou-se de Clara para perguntar. - Porque tenho que deixar as malas prontas antes de sair...

- Daqui a pouco mamãe... o Jack pediu ao Khaled para passar por aqui às 7 da noite. Posso ajudar vocês com as malas...

- Não precisa, querida... está quase tudo arrumado... mas preciso agora empacotar as compras que fizemos... descansa um pouquinho com o seu marido... vamos subir?

- Vamos sim, dona Ana... - Jonas sorriu, entendendo o recado de deixar Clara sozinha com o marido.

- Hum... sua mãe pelo menos, gosta de mim... - Jack disse agarrando-se a Clara, assim que todos desapareceram da sala. - Porque seu pai, parece que eu perdi para sempre, depois da Ferrari...

- Ah, querido... o papai adora carros... sempre adorou... mas ele gosta de você... não fica pensando que não gosta, porque ele gosta...

- Não importa, se você gosta.. já tenho tudo o que queria... - Jack puxou-a para mais perto e beijou-a, um beijo ardente, apaixonado, com a intenção de tirar-lhe o fôlego.  - Eu te adoro e estava morrendo de ciúmes de você com ele...

- Ah, querido... não fica... estou te amando tanto... depois do que senti na noite passada está difícil pensar em outra coisa além de nós dois... ainda mais depois desta manhã, quando achei que o Mick tinha me abandonado... parece que meu amor por ele se encolheu para proteger meu coração...

- Você está querendo me dizer que já o esqueceu?

- Não... só que acabei achando que o que nós temos, eu e o Mick, pode terminar assim... do nada e entendi que vou sobreviver se isso acontecer... entendeu?

- Meu Deus!!!! - Jack agarrou-se a Clara e levantou-a do chão. - Menininha!!!!! Você está me fazendo muito feliz!!!!!!

- Jack... meu amor.... seu maluquinho... me põe no chão...

- Eu te amo, Menininha... eu te amo...

- Também te amo, querido... muito... - Clara suspirou e beijou-o novamente. - Ainda estou te sentindo em mim... ah... queria tanto estar esperando um filho seu...

- Você vai ter o nosso filho, amor... não se preocupe... é tudo o que eu mais quero também...

- Tenho tanto medo de não poder... de não ter saúde...

- Amor... não... você está bem... já melhorou muito... vamos conseguir, não se preocupe... sinto ele cada vez mais perto da gente...

- Sente? - Os olhos de Clara se encheram de lágrimas em um segundo. - Você também sente ele?

- Sim querida... - Jack abraçou-a. - Sonho muito com ele... na noite passada, sonhei que estava embaixo da sua árvore, lá no jardim e ele veio sentar-se ao meu lado...

- Mesmo? E ele falou com você? - Clara em prantos, perguntava com medo da resposta.

- Falou sim... me disse... cuida da minha mamãe, papai...

- Ele disse? Ah, amor... acho que não vou conseguir parar de chorar hoje...

- Ah, vida... não chora... vamos conseguir, você vai ver... - Jack disse levando-a em seu colo até o sofá da sala de estar. - Vou pegar um copo de água para você...

- Não... fica comigo... me abraça...

- Desculpem... - Mick disse ao voltar à sala de estar e vê-los juntos, no sofá. - Não queria interromper... Você está chorando, querida?

- Não... quer dizer... estava... mas está tudo bem... este choro é de alegria, Mick...

- Que bom! - Mick sorriu. - Para onde todos foram?

- Foram arrumar as malas, partem amanhã cedo para o Brasil...

- Ah, que pena... adoraria recebe-los no meu castelo para uma temporada...

- Ah, querido... vai ficar para a próxima vez... é mesmo uma pena... eu sei que eles adorariam...

- E eu adoraria recebê-los... sua família é maravilhosa, meu amor...

- Obrigada, querido... - Clara sorriu e levantou-se do sofá. - Vocês querem uma bebida?

- Deixa, amor... vou buscar, querem beber o que? Champagne, whisky?

- Eu quero um champagne, amor...

- Eu também, amigo... - Mick respondeu.

- Então vamos de champagne... estou muito feliz hoje, preciso comemorar... já volto, amor...

- Ele tem muitas razões para comemorar hoje... - Mick sorriu. - A mulher mais linda do mundo está novamente apaixonada por ele...

- Nunca deixei de amá-lo... mesmo amando você... meu coração ainda é dele...

- Eu sei... tenho minhas teorias sobre isso, querida...

- Quais teorias?

- Vocês dois se encontraram e ficaram impressionados com todas aquelas coisas místicas que descobriram um do outro. Mas tirando isso, não têm muita coisa em comum...

- Pode parar... eu não tenho muita coisa em comum com o Jack? Ah... você só pode estar brincando...

- Não, querida... acho que você tem mais intimidade comigo do que com ele... Você sempre parece mais à vontade comigo...

- Gosto de conversar com você... mas também gosto de conversar com ele... me sinto bem ao lado dos dois, à vontade...

- Mas eu sinto que você parece mais relaxada quando está comigo, do que quando está com ele... gostamos das mesmas coisas, na arte, no cinema, na literatura... 

- Sim... você é meu amigo mais querido... mas o Jack também é... sempre nos demos muito bem... foi amor à primeira vista e mesmo antes de conhecer o Jack pessoalmente, ele já me atraia muito...

- Mas não estou falando em sexo, querida...

- Ufa... ainda bem... - Jack disse trazendo a bandeja com o champagne dentro do balde de gelo e as taças. - Então... vamos comemorar?

- Ah, querido... estávamos discutindo nossa relação...

- Não tem importância, querida... não preciso saber...

- Na verdade, eu e a Clara estávamos tentando descobrir com quem ela se sente mais relaxada, quem é o melhor amigo dela, eu ou você?

- Ela sabe que pode contar comigo para o que quiser...

- Não nesse sentido, querido... o Mick disse que estou sempre mais relaxada ao lado dele, porque eu e ele temos muito mais coisas em comum, do que tenho com você...

- Só você pode responder isso, Menininha... quanto a mim, posso dizer que me sinto ao lado do sol... sabe... eu vim de uma região da Inglaterra em que os dias de sol são raros... pela proximidade das montanhas, tudo por lá é muito cinzento, enevoado...  principalmente enquanto aquela fábrica funcionava e eu vivia naquela vila de operários que meu pai construiu...

- Eu sei, querido... mas a beleza das montanhas, compensa tudo, não é meu amor?

- Sim, amor... eu sei... mas quando eu estava crescendo, a coisa que mais me impressionava eram os dias de sol... sentir o calor do sol na minha pele era mágico... você é isso para mim, o calor do sol, a sensação daqueles dias mágicos de volta para mim...

- Ah, Jack... que lindo!

- Para mim, você é alguém com quem eu gosto de conversar... nada é mágico, nem me traz recordações da minha infância... que nem foi exatamente pobre, mas também foi triste... mas você é a  primeira mulher da minha vida com quem eu me sinto realmente a vontade para dizer tudo o que passa pela minha cabeça e pelo meu coração... por isso, eu te amo tanto...

- Mick, querido... você sabe que sempre me terá como amiga... não sabe? - ela suspirou e acariciou os cabelos dele, enquanto Jack abria a champagne e a servia nas três taças.

- Quero propor um brinde, querida... - Jack disse, enchendo as taças e distribuindo-as. - Antes que eu e o nosso amigo comecemos a rolar no chão disputando o seu coração...  Quero brindar à sua generosidade, ao que ela representa para nós dois e à paz que nós  precisamos ter para continuar tendo o privilégio de conviver com essa Deusa...

- Meus queridos! Amo vocês! - ela disse erguendo a taça com eles. - E a privilegiada aqui sou eu... vocês dois me fazem muito feliz... como meus amigos e amantes... sei que não sou exatamente o que vocês queriam, mas as coisas foram acontecendo e hoje, me sinto pertencendo a dois homens... me perdoem por isso...

- Meu amor... fica tranquila... - Jack  sorriu e acariciou o rosto dela, já molhado de lágrimas. - Não chora, meu amor... tudo está bem...

- Eu não posso ferir vocês...

- Não vai... - Mick também sorriu para ela. - Eu e o Jack pertencemos a você... e estamos felizes assim...

- Não vamos nunca cobrar nada... você é livre... o Mick vai viver conosco...

- Não... Jack... eu... não quero nem posso te ferir...

- Não me fere... - Jack sorriu. - Nem fere o nosso amigo aqui... Está tudo bem, não quero nunca mais te ver triste... nem preocupada conosco... ok?

- Está bem... - ela concordou com os olhos molhados de novo e o coração ainda muito aflito. Aquilo que Jack e Mick pareciam aceitar tão tranquilamente, ela não conseguia aceitar de jeito nenhum. Mas não tinha outra escolha, já que continuava completamente apaixonada pelos dois que agora comemoravam a decisão momentânea de manter aquele arranjo a três que tinham.

Continua