31 de mar de 2013

Rockstar - Capítulo CXXVI


Não precisou andar muito, apenas abriu a porta de seu camarim, encontrou Jack vindo em sua direção. - Amor... - ele disse carinhosamente. - Como você está?

- Não muito bem, querido... preciso falar com você...

- O que foi, meu amor?

- Vem... - Clara puxou Jack pela mão para dentro de seu camarim. - Preciso de você, agora... - ela disse trancando a porta e beijando-o, os olhos lacrimejando ainda mais  do que antes.

- O que está acontecendo, meu amor...

- Eu quero você... - ela disse, em prantos. - Jack... vem... tem aquele sofá ali...

- Espera... me conta primeiro... - Jack pegou-a pela mão, sentou-se no sofá e pegou-a no colo. - Calma... por que você está chorando?

- Ah Jack... só me abraça... eu preciso de você...

- Ah, Menininha.... - Jack agarrou-se nela e beijou-a. - Me conta agora, o que está acontecendo...

- O Jo, meu amigo, me disse coisas horríveis e eu estou me sentindo muito mal...

- Vem aqui... - Jack segurou-a em seus braços. - estou aqui para você, meu amor... - ele sussurrou em seu ouvido. - Sou completamente seu...

Clara apenas chorou em seus braços, estava cansada, ansiosa e mais confusa do que nunca e agora tinha mais uma razão para admirar Jack, por querer escutá-la e acalmá-la, antes de simplesmente aproveitar-se de sua crise para tê-la mais uma vez.

- Amor... você já comeu alguma coisa?

- Não... não consigo comer, amor... estou muito nervosa agora...

- Mas afinal, o que esse cara disse?

- A verdade... eu estou apaixonada por dois homens e ficando mais e mais doente porque me sinto culpada...

- Não quero te ver assim... quer que eu chame o Mick para cuidar de você?

- Não... eu quero esquecê-lo... me ajuda a esquecê-lo... - Clara disse, abrindo a camisa de Jack e beijando seu peito. - por favor...

Jack reagiu prendendo o corpo de Clara sob o seu, abrindo suas roupas e acariciando-a com a ponta dos dedos. - Eu te amo... Menininha... sou seu... - ele sussurrava em seu ouvido, enquanto ela o ajudava a despir-se, ainda sem entender exatamente o porque daquele desejo súbito, ele tinha decidido entregar-se completamente a ele, pois vinha de encontro com seu próprio desejo de possuí-la mais uma vez.

Um pouco mais relaxada depois do sexo, ela levantou-se do sofá para beber água, enquanto Jack ajeitava-se novamente em suas roupas. - Você está bem, querida?

- Estou melhor, amor... o Jo me deixou tão nervosa, me desculpa...

- O que eu tenho para desculpar?

- Estou parecendo uma louca nestes últimos dias... não sou assim... nem eu estou encontrando uma lógica nas minhas atitudes ultimamente e sei que você também não...

- Vem aqui, minha querida... - Jack disse puxando-a para sentar-se em seu colo. - Eu te amo e estou do seu lado em qualquer decisão que você tome...

- Eu te amo, Jack... - ela disse agarrando-se a ele novamente e beijando-o com paixão. - Eu quero melhorar, por você, por nós dois...

- Você é perfeita como é e não precisa afastar-se do Mick, se não quiser...

- Mas eu quero... vou lutar contra o que eu sinto...

- Não precisa... fica em paz, minha vida... só você pode conseguir isso... eu quero te ver em paz...

- Você é a minha paz, meu amor... vou conseguir, querido... se você me apoiar, eu consigo...

Jack sorriu e abraçou-a com carinho. - Estou com fome, o que tem naquela mesa para comer?

- Nem sei... não comi nada até agora... fiquei tão nervosa, que perdi a fome...

- Você precisa comer... vou até a mesa fazer um prato para você... Olha amor... os nossos croissants de chocolate...

- Vou até aí... - ela sorriu e levantou-se do sofá. - Adoro esses croissants, eles me fazem lembrar de Paris...

- Não sei como está nossa agenda, mas vou falar com o Peters, pedir para ele um ou dois dias livres para que a gente possa namorar um pouquinho por lá... o que você acha?

- Maravilhoso, querido... Paris fica tão mais linda quando você está comigo... - ela suspirou.

- Ah, querida... eu nem ligava muito para aquela cidade até você aparecer... Agora só consigo pensar em te levar para lá... é tão bom te ver feliz... Quer um capuccino?

- Quero sim, amor... - Clara sorriu. - Hum... estão batendo na porta...

Clara foi até a porta do camarim e abriu, era o mesmo roadie de antes, com mais um carrinho cheio de flores que ele juntou às anteriores, no canto do camarim.

- Amor... quantas flores! Acho que oficialmente eu já posso começar a sentir ciúmes... - Jack sorriu, abraçando-a. - Vem, vamos olhar de quem são...

Os dois passaram a ler os cartõezinhos com mensagens carinhosas. - Acho que precisaremos de um caminhão para levarmos todas essas flores para casa, amor... - ele sorriu. - Olha essa que o Paul McCartney te mandou... é uma orquidea, não?

- É sim... linda... eu adoro o Paul, ele é sempre tão fofo comigo...

- Ele é um cara do bem, amor... pensando bem, acho que nunca o vi sendo rude com ninguém... e ele gosta muito de você...  O Mick não te mandou flores?

- Mandou... este buquê de rosas cor de lavanda, amor...

- Ah... está sem cartão?

- Não... o cartão está aqui no meu bolso... - ela disse puxando o cartãozinho e entregando-o nas mãos de Jack.

- Não precisa me mostrar... - ele sorriu.

- Sem segredos entre nós... - Clara sorriu, tirando o cartão do envelope e mostrando-o a Jack. - Olha...

- Bonito... você gostou do que ele escreveu?

- Gostei... ele sempre foi muito carinhoso comigo...

- Você ligou para ele?

- Não... não acho apropriado ligar hoje... a Gianna tem ciúmes...

- Você sabe que seu rosto se ilumina quando fala dele?

- Mesmo?

- Você ainda o ama muito... não precisa se afastar dele, sou seu e aceito o que você decidir... de verdade...

- Eu estou confusa, querido... mas já sei de algumas coisas, uma delas é que eu não consigo mais viver sem você...

- Eu te amo, Clara... - Jack sorriu. - Vamos dar um passeio por aí, ver como estão as coisas?

- Vamos, querido... - os dois saíram e trancaram a porta do camarim. Caminhando pelos corredores, os dois encontraram com Michael Silver que estava chegando à Arena naquele momento.

Continua


28 de mar de 2013

Rockstar - Capítulo CXXV

 


Diferente do ambiente tranquilo e organizado que encontraram de manhã, a O2 Arena e suas proximidades agora fervilhavam. De dentro do carro, Clara sentia a expectativa das pessoas que caminhavam pelos arredores, juntando-se às enormes filas já formadas na entrada.

Mesmo com as regras severas de segurança, que incluiam detectores de metal e revista corporal na porta, muitas pessoas passavam pela limusine carregando garrafas e latas de bebida alcoolica, que consumiam no caminho e na fila, já sabendo que seria proibido entrar na Arena com eles.

No meio da multidão, aqui e ali, Clara sorria ao ver diversas bandeiras do Brasil, carregadas por pessoas de todas as faixas etárias e de todos os tipos. Sabia que a colônia brasileira em Londres era numerosa, mas também que muitas pessoas tinham vindo especialmente para a apresentação, desfilando com camisas da seleção brasileira e dos mais diversos times de futebol do país.

- Olha amor... quantos brasileiros na fila... - Clara apontava para Jack sabendo que estavam protegidos pelos vidros escuros do carro. - Acho que estaria entre eles se não tivessemos nos conhecido...

- Se você não estivesse aqui, isso não estaria acontecendo, Princesa.... - David sorriu. - Há muito tempo eu tentava conversar com o Jack sobre a banda e ele nem parava para escutar... e olha que os empresários que estavam sempre ao redor faziam ofertas cada vez mais altas... ele desligava o telefone na minha cara ou saia andando e me deixava falando sozinho... você conhece seu marido, não?

- Conheço... ele sempre sai andando... me deixa falando sozinha....

- Mentira, Menininha... só quando você me enlouquece... - Jack riu. - Mas você também já fez isso algumas vezes... - Jack imitou a voz de Clara, pegou sua bolsa e colocou-a no ombro. - Vou para o Brasil... agora...

- Ah amor... eu não sou assim...

- Claro que não... você, quando faz isso, parece um anjo... eu me pareço com um homem das cavernas...

- O Jack tem razão, Princesa... - David riu. - Já assisti esse filme algumas vezes... e só digo uma coisa, ainda bem que podemos rir disso tudo agora, porque quando está acontecendo... me dá um medo enorme, parece que o Velhão vai morrer... de verdade... vocês se gostam tanto... não entendo tanta complicação...

- Nem eu entendo, David... mas elas acabam acontecendo... - Clara suspirou. - Espero que  algum dia elas acabem...

- Eu também, meu amor... - Jack pegou as mãos de Clara e beijou-as. - Vamos conseguir... tudo vai ficar para trás... você vai ver...

Com alguma dificuldade, a limusine conseguiu entrar no estacionamento da Arena e os três puderam finalmente descer. Michael Peters esperava por eles na entrada e antes de embarcar no carrinho de golfe que os levaria até os camarins, Clara pediu a Peters que sua amiga Sarah Hudson recebesse um backstage pass e fosse guiada até o camarim assim que chegasse.

- Amor, estou indo até o palco com o Dave, quer ir conosco?

- Não, querido... vou dar uma olhada na internet e ligar para o Jonas, ver como estão as coisas lá em casa...

- Clara, querida... o seu cabelereiro está te esperando no camarim... - Peters sorriu.

- Ótimo... - Clara sorriu. - Então acho que vou arrumar meu cabelo, queridos... daqui a pouco eu procuro vocês... E se a Jenni ou a Cindy chegarem, manda elas lá no meu camarim...

- Ok, Princesa... pode deixar... - David sorriu e deu um beijo na testa de Clara.

- Oh Cara... fica longe... - Jack disse puxando Clara para longe do amigo. - Meu amor... eu te amo... - Jack beijou-a na boca e seguiu Peters e David pelos corredores que levavam ao palco, enquanto Clara entrava em seu camarim para encontrar-se com Pablo, seu cabelereiro.

- Amor! Que luxo isso aqui!

- Você viu? Ah, querido... obrigada por aceitar me arrumar durante a turnê... eu nem sabia... os rapazes da Crossroads me fizeram esse carinho de chamar você...

- Ah, querida... fiquei lisonjeado com o convite e acho que será muito bom estabelecer uma parceria aqui com vocês... seu agente é um cara muito bacana, acho que vai ser lindo viajar pelo mundo com vocês...

- Eu fiquei muito feliz quando eles me disseram... então... o que você vai fazer com os meus cabelos?

- Bom... eu acho que precisamos um cabelo de fada... o Peters me mostrou o videoclipe que vocês gravaram e eu pensei em um cabelo como aquele... você sabe que também farei sua maquiagem, não?

- Sei, querido... quero que você me deixe com uma cara saudável... fiquei doente há poucos dias, já estou me recuperando, mas ainda me sinto tão feia...

- Feia? Amor... tá maluca, né? Olha ali no espelho, querida... você é linda...

- Não me sinto linda, Pablo... estou muito magra e já vi pessoas comentando na internet que querem parar de comer para ficar como eu... fiquei tão chateada com isso...

- Amor... não liga... finge que não está vendo... essas garotas são loucas...

- Mas eu me sinto responsável... eu estou assim porque tenho um problema grave de anemia... se eu não me cuidar, acabo morrendo de inanição...

- Sério, amor... eu te achei mesmo mais magrinha, mas pensei que era alguma coisa de dieta... para a turnê...

- Não, querido... eu não faço dietas... eu tenho um problema genético e quando ele se desequilibra, eu perco muito peso e posso até morrer de inanição... estou me tratando agora, mas nos últimos dias cheguei a ficar sem forças  até para ficar de pé... tiveram que me internar, para fazer transfusão de sangue...

- Amor... que terrível... fico triste por você, querida... mas agora, você está bem?

- Estou me tratando, mas tem uma ambulância só para mim lá fora, caso eu me sinta mal...

- Pelo menos você tem tudo nas mãos, não é querida...

- Com certeza... se fosse pobre, provavelmente já estaria morta... quando minha anemia se desequilibra, posso comer igual a um lenhador e mesmo assim,  continuar emagrecendo....

- Pobrezinha... mas vamos te deixar linda hoje... essa sua produção é um luxo... me mostraram o vestido que você vai usar hoje... é tão lindo...

- Tive que mandar apertar todos os meus figurinos... ah! Eu trouxe comigo também um vestido de festa para depois do show... está aqui na minha mala... olha que lindo... o Jean Paul me mandou hoje... já está com as minhas medidas novas... Ele é sempre muito carinhoso comigo...

- Amor, não conheço ninguém nesse mundo que não goste de você...

- Você é um querido, Pablo! - Clara sorriu. - Mas tenho certeza que tem uma porção de gente que preferia ver o Jack solteiro, como era antes...

- Amor... ele te adora tanto... acho vocês dois  lindos juntos... não é a toa que a mídia fica tão enlouquecida...

Um funcionário da  Arena bateu na porta e Pablo parou de cuidar dos cabelos de Clara para abrir. - Senhora Noble, chegaram estas flores para a senhora...

- Obrigada... coloque-as por aí, já vou vê-las... - ela respondeu ao rapaz muito tímido que empurrava um grande carrinho cheio de flores para dentro do aposento.

- Não disse que as pessoas te amam... olha só, que coisa mais linda... te mandaram um jardim inteiro...

- As pessoas são muito boas para mim, querido... posso levantar para pegar os cartões?

- Claro, amor... vai lá... vou também... quero ver tudo isso de perto...

Clara foi olhando um a um os cartõezinhos dos lindos arranjos, todos enviados por amigos e o maior e também mais bonito, veio com um cartão que Clara pegou rapidamente e escondeu no bolso para ler mais tarde porque não queria que Pablo soubesse.

- Meu amor...  todo mundo te ama... olha só...

- Queria que isso fosse verdade, Pablo...

- Pronto... seu cabelo vai ficar assim, preso nesses rolinhos... eu vou conversar com o Peters,  porque ele me pediu e volto aqui daqui a pouco com a minha manicure, que vai fazer sua mão... mais tarde, na hora do show, eu venho até aqui  para soltar e ajeitar seus cabelos e prender aquela coroa linda, aí fazemos também a maquiagem... você vai arrasar, meu amor...

- Obrigada Pablo... acho que vou ligar para uns amigos e depois vou ver o que os rapazes estão fazendo...

Assim que Pablo deixou-a sozinha, ela pegou o cartãozinho de Mick em seu bolso para lê-lo: "Meu amor, meu coração te deseja todo o sucesso e a melhor das estreias para você. Que as multidões possam ver a luz do seu talento e te levem ao topo do mundo. Do seu para sempre, Mick."

- Ah... como eu queria falar com você... - Clara suspirou em voz alta e beijou o cartão. - Vai ser tão difícil te deixar ir... mas eu preciso que você vá.... ou vou enlouquecer... Já enlouqueci... estou falando com um cartão...

Como tinha prometido para seu amigo Jo, ela aproveitou que estava sozinha e chamou-o no Skype.

- Oi querida... como estão as coisas?

- Ótimas... quer dizer... estou aqui, no meu camarim exclusivo, sozinha, com os cabelos ajeitados pelo meu cabelereiro exclusivo, recebi uma porção de flores lindas... mas estou me sentindo a mais solitária das criaturas...

- Ah, amor... calma... onde está seu marido?

- Não faço ideia... estou com vergonha de andar por aí com esse cabelo todo preso em rolinhos...

- Pára de ser boba... vai lá atrás do seu bofe... será que ele não está lá com a ex? Porque não é possivel que ele ainda está ajustando o equipamento... e se ele está lá no outro camarim ajustando ela?

- Não acredito que ele faça isso... não hoje... não depois da briga de hoje de manhã...

- É, querida... você é ciumenta mesmo... que barraco foi aquele... 

-  Fiquei morrendo de vergonha, mas não consegui me controlar... não suporto vê-lo perto daquela biscate...

- Hum... que bravinha! - Jo ria da amiga, do outro lado da tela. - Mas você tinha me prometido mostrar o camarim todo, amor...

- Ah... vou mostrar... vou começar com uma coisa que está aqui no meu bolso... - Clara colocou na frente da câmera o cartão que Mick mandou junto com as flores. - Agora me diz... onde vou arrumar forças para me afastar dele, quando tudo o que eu quero é beijá-lo...

- Mas você vai mesmo dispensar ele?

- Tenho que dispensar... eu estou sentindo que preciso fazer isso, pelo meu casamento... disse isso hoje ao Jack... aliás, queria resolver isso ainda hoje, mas ele se mandou... disse hoje de manhã que ia sair com a ex dele e que só nos veríamos depois do show, porque ele viria para cá com ela...

- Ah tá... entendi agora... você quer mandar ele embora porque está com ciúmes...

- Não... não estou com ciúmes... é uma coisa que estou sentindo que preciso fazer... pensa bem... daqui uma semana, faz três meses que me casei com o Jack e já fui para a cama duas vezes com o Mick... isso está muito errado... estou muito apaixonada por ele e não posso estar... entendeu?

- Não entenderei nunca, amor... quem disse que você só pode amar um homem?

- Minha vida está ligada a vida do Jack... nosso casamento é para sempre... eu quero ter um filho dele...

- Já sei... aquele misticismo todo... sua alma gêmea... mas amor... o que importa é o que você sente quando está com ele...

- Eu o amo muito...

- Então, boba... fica com os dois... e quer saber o que eu acho mesmo? Você quer ficar com o Mick e ficou doente porque não se conforma com isso... se sente culpada por transar com ele... ufa! Consegui falar!

- Você acha mesmo isso?

- Tenho certeza... eu te conheço... você ficou toda impressionada com os tais  sonhos, mas o fato de vocês terem tido uma outra vida juntos, não significa  que precisam ficar juntos para sempre...

- Significa sim... - Clara respondeu ríspida, irritada com a insistência de Jô. - Tem que significar...

- Não significa, não... Mais uma vez você vai se jogar na mesma armadilha, eu sei que você gosta dele, mas gosta do Mick também... E se o Mick for o tal do grande amor? Eu não acho que você deve ficar presa ao Jack só por que se casou com ele e muito menos por causa dos sonhos...   nada é pra sempre.... nada...

- Não fala assim... - Clara começou a chorar sentia-se mais nervosa e mais culpada a cada minuto que passava. - Eu não vou ficar mais aqui ouvindo isso, Jo... o dia de hoje está sendo difícil demais para mim... eu não consigo nem imaginar a minha vida sem o Jack...

- Então fica com os dois, querida... mas você precisa se livrar da culpa, ou ela vai continuar te deixando doente...

- Eu estou muito confusa ainda, não sei o que eu quero... e isso está me matando, Jo... - Clara disse chorando ainda mais. - Vou desligar, isso não pode acontecer comigo, não hoje...

- Querida... calma... respira fundo, lava o rosto e vai atrás do seu marido... não fica aí sozinha... não é bom... e me perdoa... acho que errei a mão, não deveria dizer essas coisas em um dia em que você já está tão nervosa... meu amor... não fica assim ou vou mandar a imigração americana às favas para ir até aí no próximo voo... - ele disse chorando também.

- Eu te amo, Jo... obrigada por me dizer a verdade... eu precisava ouvir... - ela respondeu secando as lágrimas com as mãos. - Nos vemos mais tarde, quando estiver no meu figurino de "Rainha da Luz" e se você me prometer ser um bom menino e não mandar nada para o Youtube, vou te mostrar um pouco do show da Crossroads e pedir para alguém te mostrar a minha música... você tem certeza que precisa mesmo desse passaporte americano? Vem morar em Londres querido... te dou um apartamento onde você quiser...

- Amor... calma agora... falta só um pouquinho... logo a gente vai rir disso tudo em Paris... te amo... até daqui a pouco...

- Tchau querido...

Clara guardou seu tablet, foi até o banheiro lavar o rosto e ajeitar-se um pouco antes de sair pelo labirinto de corredores da arena, atrás de Jack. Não queria perturbá-lo, mas precisava do conforto de estar perto dele e de seus braços, para envolvê-la e acalmá-la.

Continua


24 de mar de 2013

Rockstar - Capítulo CXXIV



Depois dos momentos tão especiais que tiveram no jardim, Clara e Jack entraram novamente em casa, pegaram as coisas que levariam com eles para a O2 Arena e embarcaram junto com David na limusine enviada por Peters.

E mesmo prestes a enfrentar uma plateia de 18 mil pessoas, pela primeira vez em sua vida, Clara sentia-se estranhamente em paz, nos braços de Jack durante todo o percurso de sua casa até o local do show.

Ainda não poderia explicar para ninguém suas últimas decisões, mas sabia dentro de seu coração que era o que deveria fazer, como se depois de atravessar uma longa noite escura e enevoada, a luz do sol pintasse com seu ouro o caminho a ser seguido, sem espaço para sombras e,  principalmente, sem dor.

Faltava apenas conversar com Mick sobre sua decisão, mas ele haveria de compreender. Contava que o amor que sentia por ela o faria respeitar sua vontade. E enquanto o momento de comunicar-lhe o que tinha decidido não chegava, ela optou por apenas relaxar nos braços de Jack.

- Então, Princesa... como foi a entrevista? - David sorriu para Clara depois de desligar o celular. - Estranhei ver vocês dispostos a falar com a imprensa...

- Foi muito bem, David... eu só aceitei porque a Sarah é minha amiga e também porque eu fiquei muito aflita quando vi alguns comentários de adolescentes no vídeo falando da minha magreza... me senti muito mal, eu estou assim porque estou doente... não faço dieta, não tenho anorexia... você me viu lutando para conseguir  ficar de pé... e essas adolescentes dizendo que queriam saber qual o truque para perder peso como eu... ah... me deu desespero, tive vontade de gritar para elas que morrer de inanição não tem nada de bonito...

- Ah, Princesa... acho que vocês tinham mesmo que dizer alguma coisa... eu nunca entendi isso nas mulheres... essa obssessão com magreza... a Cindy para mim sempre foi perfeita, mas ela vive de dieta... eu já disse isso para ela muitas vezes, que ela é linda, que eu a amo... mas nada adianta...

- Como vocês estão, David?

- Bem... sinceramente, eu não sei... estive super envolvido com o show nos últimos dias e percebi que ela está triste, mas não tive tempo de lidar com isso...

- Ah David... cuida dela... ela te ama tanto...

- E eu a amo muito, Princesa... mas agora preciso trabalhar... você sabe que esperei muito para ter minha banda de volta...

- Eu sei... mas ela está se sentindo abandonada... ela me disse que acha que você tem um caso...

- Só se as minhas amantes forem minhas guitarras... - David sorriu. - Se você puder, Princesa... diz para ela ter mais um pouquinho de paciência... que eu a amo e que teremos uma lua de mel linda durante as férias de final de ano... decidi levá-la para a nossa casa no Brasil...

- Mesmo? Que bom! Estou tão feliz por vocês... aquele lugar é tão lindo...

- Ah que saudades de lá, Menininha... - Jack suspirou, agarrando-se a Clara. - Vamos para o Brasil de novo, amor?

- Quando você quiser, querido... - Clara sorriu e suspirou. - Sabe que há um mês atrás estávamos indo para o Rio de Janeiro?

- É mesmo... que lembrança boa, amor... - Jack disse abraçando-a e beijando-a na testa. - Acho que vamos precisar voltar lá daqui um tempo, Dave...

- Claro que sim, Velhão... aquele lugar é mágico... por isso gosto tanto de lá... - David sorriu. - Eu e a Cindy vamos para lá agora no final do ano... todo ano fazemos tudo igual, passamos as festas com meus filhos na América, mas agora acho que estamos precisando de um tempo juntos... ela anda muito chateada comigo e tenho certeza de que meus filhos entenderão... aliás, se eles quiserem ir ao Brasil, será ainda melhor...

- Ela já sabe que vocês vão?

- Ainda não... vou falar com ela hoje, depois do show...

- Ok... então vou ficar quieta, não vou comentar nada com ela para que você possa surpreendê-la... Eu fiquei muito triste quando ela me disse que estava sentindo-se muito sozinha em Heathcliff Hall nos últimos tempos...

- Eu sei, Princesa... mas é a música, eu preciso trabalhar... você sabe...

- Eu entendo... quer dizer... eu sei o quanto a música significa para você e para o Jack... mas acho que você precisa cuidar da Cindy também... desculpa dizer isso, mas relacionamento dá trabalho...

- Tem razão, querida... eu me empolguei com a banda, as músicas novas...  e acho que acabei esquecendo um pouco dela... a culpa é toda minha... mas eu a amo e ela sabe disso...

- Nunca é tarde para voltar a ser feliz... - Clara sorriu, pegando a mão de Jack. - Eu e o Jack decidimos hoje dar uma nova chance ao nosso casamento. Vou conversar com o  Mick e pedir que ele se afaste... 

- Que bom, Princesa.... eu estou sempre torcendo por vocês... O Mick é um cara bacana, mas eu sei que você e o Velhão nasceram um para o outro... Fico feliz por vocês dois...

- Eu estou muito feliz hoje, cara... a minha Menininha está voltando para mim... - Jack disse beijando as mãos de Clara. - Consegui!

- É, meu amor... conseguiu... sou sua novamente... completamente sua...

- Eu te amo, Menininha... - Jack beijou-a, deixando David embaraçado, procurando seu celular para ligar novamente para Peters.

No trânsito lento, Jack e Clara namoravam no carro, alheios a presença do amigo, sussurravam um no ouvido do outro frases doces e carinhosas.

- Amor, o seu celular está tocando... - Jack disse puxando a bolsa de Clara do banco e entregando-a em sua mão.

- É a Sarah! Oi, querida...

- Oi Clara... estou te ligando para contar que o meu editor amou a entrevista que nós fizemos e vai colocar no ar ainda  hoje, junto com o material que eu gravar no show...

- Que bom! Fico tão feliz, querida! A que horas você vem para cá?

- Assim que o meu editor me liberar, eu vou até aí com a minha equipe...

- Queria que você ficasse comigo no camarim... vou pedir ao Peters para te liberar... ele andou implicando comigo mais cedo, mas eu preciso de alguém perto... vou me sentir sozinha naquele camarim enorme...

- Mas você não vai falar com o Jo pelo Skype?

- Vou... mas não é a mesma coisa...

- Vocês querem um uísque? - David pegou a garrafa no bar, serviu um copo para si mesmo e ofereceu a eles.

Jack e Clara agradeceram, mas não aceitaram. Até abririam uma exceção e beberiam um pouco naquele dia, mas achavam que ainda era um pouco cedo demais.

- Vamos fazer uma coisa, Sarah... assim que você chegar na O2, você me avisa, porque vou mandar alguém te buscar.... ok?

- Ok, querida... obrigada de novo pela entrevista!

- Eu que agradeço... você me deu a chance de dizer o que eu queria... não me conformo com aquelas garotas falando daquele jeito da minha magreza... eu estou doente, quase morri...

- Eu sei, querida... mas não se preocupe... meu editor me mandou até pesquisar sobre a sua doença e já pediu para o pessoal da arte, lá no Brasil, para fazer um infográfico sobre ela...

- Ótimo! Eu quero mesmo fazer alguma coisa sobre isso... alguém precisa  lutar contra essa maluquice. Bom, querida... estou te esperando... me liga, ok?

- Ligo sim...

- Que maluquice, amor?

- Daquelas garotas... que escreveram no Youtube... eu fiquei tão nervosa com aquilo... eu não sou assim magra porque eu quero...

- Eu sei, meu amor... fica tranquila... vai dar tudo certo...

- Estou até com vontade de fazer uma campanha sobre isso, amor... falar para as pessoas para se cuidarem...

- Faça mesmo, querida... mas você precisa entender uma coisa... você é responsável pelo que diz, mas não é responsável pelo que as pessoas entendem... por isso, calma... Ok?

- Vou tentar... mas me sinto responsável... quando li aquilo, fiquei com vontade de me esconder e só voltar a aparecer em público depois de me recuperar... não quero inspirar esse tipo de ideia, amor...

- Ah, Princesa... não ligar é a melhor política... sempre vão falar; às vezes bem, às vezes muito mal... o truque é não se abalar com o que dizem...

- Mas não é sobre isso, Dave... eu sinto que se deixar essas meninas dizendo essas coisas, eu estarei aprovando essa loucura... Quando eu me separei do Roberto,  eu parei de comer, mas parei porque queria morrer, não fiz isso porque queria emagrecer, nem nada;  e estou sentindo os efeitos do que fiz até hoje... Poxa, essas meninas estão arriscando a vida porque acham que eu sou bonita e glamurosa assim magra... isso é um absurdo...

- Tem razão, querida... vamos te ajudar nessa campanha... - David disse. - Estamos a sua disposição para o que você quiser...

- Obrigada Dave... - Clara sorriu e mandou um beijo para o amigo.

- De novo, Cara? - Jack disse brincando. - Minha mulher... fique longe...

- Ah Jack... eu te adoro! - Clara deu um beijo no rosto do marido. - Onde eu estava com a cabeça para colocar nosso relacionamento em risco...

- Meu amor... não se preocupe mais com isso... sou teu, como sempre fui e nunca deixarei de ser... está bem?

Clara não disse nada, apenas beijou-o e deitou a cabeça em seu ombro. Estava assustada com as possibilidades, mas decidida a resolver sua vida naquelas poucas horas que a separavam do novo dia. 

Continua

23 de mar de 2013

Rockstar - Capítulo CXXIII


Enquanto David discutia com Peters e mais dois ou três roadies, em volta de uma imensa mesa de som, atrás da área que estaria mais tarde ocupada pelo público; Jack conversava relaxadamente com Ann Kurtiss, os dois sentados na beirada do palco; rindo e bebendo cerveja direto de garrafinhas.

- Olá Ann... então voltou de Nashville...

- Querida... - ela levantou-se para cumprimentar Clara. - Como você está? O Mike me disse que você estava doentinha...

- Já melhorei... - Clara sorriu.

- Quer uma cerveja, amor?

- Não posso, querido... ainda estou tomando remédios...

- Mas o Mike exagerou bastante, você não está como ele disse... está linda... olha só isso, Jack...

- Ela é linda, Ann... - Jack respondeu abraçando a esposa. - A Ann estava aqui me contando uma história tão engraçada que você não vai acreditar...

- O que, amor?

- Lá em Nashville... nós tinhamos um vizinho, um advogado arrogante que torcia o nariz para toda a vizinhança... o senhor Todd... e na semana passada... ele abriu a porta de casa, de manhã cedo para pegar o jornal, que estava no degrau da porta... - Jack parou o relato para rir  e beber mais um gole de cerveja.

- Esse senhor Todd, Clara, é um horror... sempre chama a polícia quando alguém dá festa na vizinhança, maltrata todo mundo, ano passado, ele saiu com um revolver na mão quando as crianças tocaram a campainha da casa dele para pedir doces no Hallowen e depois, quando os pais das crianças reclamaram, ainda deu um jeito de processar todo mundo. - Ann continuou a história. - Enfim... é o republicano mais azedo e chato do mundo. Bom, na semana passada, este homem abre a porta bem cedo e está completamente nu, quando sai de casa para pegar o jornal, mas se esquece de trazer com ele a chave e... a porta bate... - ela começou a rir.

- Que situação... ele bateu na porta e alguém abriu para ele? 

- Não... ele vive sozinho, amor... - Jack sorriu. - E a casa dele tem tantos alarmes, que no momento em que começou a tentar forçar a porta e a janela para entrar, o alarme disparou e a empresa de segurança, a polícia e até os bombeiros foram parar na porta dele... e ele lá nu... gritando, dizendo que ia processar todo mundo... deve ter sido muito engraçado...

- Nossa... que vexame... - Clara sorriu. - Mas é bem feito... detesto gente arrogante...

- Nós também... não é Jack? - Ann disse pegando a mão de Jack. - Queria tanto que você tivesse visto... aquele idiota com as mãos pra cima, levando prensa da polícia...

- Querido... está quase na hora do almoço... prometi aos meus parentes que almoçariamos juntos... - Clara interrompeu muito mais movida pelo ciúme, do que por qualquer outra razão.

- Verdade, meu amor... Ann... quer ir almoçar lá em casa? Já convidei o Dave, os parentes da Clara estão nos esperando... queremos que você e o Peters venham também...

- Obrigada, querido... mas eu e o Mike vamos comer qualquer coisa por aqui mesmo... você sabe como ele é...  só sai daqui quando tudo estiver pronto... é dia de estreia, não é?

- Tudo bem, então... não faltarão ocasiões... foi muito bom rever você... - Jack disse dando um selinho em Ann e deixando Clara em uma guerra interna silenciosa por seu autocontrole.

Caminhando na direção do carro, ao lado de Jack e David, ela respirava fundo e mesmo assim, continuava furiosa. Pensava que era realmente muita sorte Ann e Peters terem outros compromissos, ela não conseguiria receber aquela mulher em sua casa, não depois de saber que ela contava para quem quisesse ouvir seus planos de reatar seu relacionamento com Jack.

- Então, Princesa? Gostou do seu camarim?

- Muito... - ela sorriu. - Vocês são muito bons comigo... sei que não mereço nada disso...

- Merece sim, meu amor... - Jack disse pegando a mão dela e tentando beijar, mas em um movimento rápido, ela soltou-se da mão dele. - O que foi?

- Nada... por que? Aconteceu alguma coisa além de um doce reencontro com seu passado? O que ela falava antes de eu chegar no palco? De como ia transar com você em todos os comodos da casa de Nashville, quando voltasse para ela? Para que esperar? Os camarins da O2 são tão grandes e confortáveis...

- Você não está com ciúmes de novo... não você que colocou seu amante dentro da nossa casa...

- Você o chamou, lembra? Não sabia o que fazer para lidar comigo... não tinha coragem de enfrentar sozinho minha morte, não é? Precisava dele para ter quem culpar quando eu me fosse...

- Mas se ele é tão bom assim, por que você não vai embora com ele? Vai lá para o tal do castelo... fica lá... é isso o que você quer fazer mesmo desde a primeira vez que esteve naquele lugar...

Naquele ponto, os dois já estavam chorando e gritando tanto, que tinham chamado a atenção de todos os carros parados no trânsito ao redor, David tentou intervir, mas antes que pudesse fazer qualquer coisa e aproveitando-se do trânsito parado, Clara desceu do carro e entrou na primeira estação de metrô que viu na calçada.

- Clara... - Jack gritou, deixando o carro sem motorista e correndo entre os carros atrás dela. Para David, não restou muito a fazer, além de passar para o assento do motorista e procurar uma vaga para estacionar.

Jack desceu as escadarias, entrou pelos túneis do metrô e encontrou-a na fila para comprar passagem,  enquanto algumas pessoas, na estação movimentada,  filmavam e fotografavam os dois com seus celulares, eles continuavam brigando.

- O que você está fazendo aqui? - ela disse ao vê-lo puxando-a da fila.

- Eu quero falar com você... me perdoa... por favor...

- Você está certo... eu vou embora...

- Não me deixa... por favor... - ele disse chorando. - Por favor....

Também chorando, ela percebeu as inúmeras câmeras ao redor dos dois, pegou-o pela mão e subiu as escadas de volta para a calçada. - Vem, Jack... me perdoa... me perdoa...

As pessoas com suas câmeras, os seguiram até a calçada e continuaram filmando. Com pressa de fugir dali, ela avistou  David parado do outro lado da rua e os dois correram na direção dele. - David... cadê o carro? - ela perguntou desesperada, uma pequena multidão já parada nas calçadas continuava acompanhando e filmando tudo.

Os três correram para o carro e fugiram das câmeras, tão rapidamente quanto o trânsito permitiu.

- Vocês estão loucos? - David dizia enquanto tentava retomar o caminho da casa de Clara e Jack. - Você viu a quantidade de gente com câmeras filmando lá na rua? O Peters vai matar vocês...

- Me desculpa... - Clara chorava sem parar, nos braços de Jack, no banco detrás do jaguar. - Eu não podia fazer isso...

- Eu também... me perdoa... por favor... - Jack beijou-a e agarrou-se a ela como se sua vida dependesse disso.

- Eu fiquei fora de mim, quando ela te beijou...  eu morro de ciúmes...

- Eu sei querida... me perdoa...

David tentando concentrar-se no caminho, errou uma entrada e recebeu o sinal de um policial de trânsito para parar o carro. - Agora sim... vou ter que parar...

- Está bem, amigo... você não bebeu hoje, bebeu?

- Ainda não...

- Ainda bem... - Jack sorriu.

- Mas minha carteira de motorista ficou em casa... o motorista do Peters foi me buscar...

- Estamos ferrados então...

- Por favor, sua carteira de motorista e os documentos do carro, senhor...

- Ok... ele disse... - Jack,  os documentos do carro...

Jack pegou os papeis em sua carteira e entregou-os ao policial...

- Desculpa, tivemos um problema, este carro é do meu amigo e para fugir de alguns fãs, eu peguei a direção... mas minha carteira não está comigo... está na minha casa...

- O senhor, ou a senhora têm carteira de motorista?

- Eu tenho... - Jack respondeu. - Está aqui...

- O senhor é o proprietário do automóvel... por que não o dirigia?

- É uma longa história... tivemos um problema, eu e minha esposa e o carro ficou nas mãos do meu amigo... - Jack disse, já começando a ficar preocupado com o tempo em que ficariam retidos ali.

- Está bem... senhor Noble... - o policial disse devolvendo a ele os documentos. - Desta vez, vamos relevar... mas da próxima vez que o senhor deixar um amigo levar seu carro, por favor, tenha certeza de que ele está com sua carteira de motorista.

- Obrigado senhor... e nos desculpe...

O policial liberou o carro para seguir e os três suspiraram aliviados. No auge da Crossroads, provavelmente, o policial não seria tão compreensivo e arrumaria um jeito de levar os três até a delegacia e prendê-los simplesmente porque não aprovava seu corte de cabelo e seu modo de vida.

- Meu Deus... desculpa... estou me sentindo tão culpada agora...

- Não fique assim, Princesa... tudo está bem, quando acaba bem... Vamos lá almoçar, relaxar um pouco e depois fazemos nosso show... Velhão... é melhor ter cuidado com a Princesa... ela é brava mesmo...

- Eu sei... eu a amo também por isso...

Quando os três chegaram em casa para almoçar, o incidente entre Clara e Jack, no metrô, já tinha chegado aos canais de TV, depois de ser o assunto do dia em toda a internet.

Charles Hutton e Michael Peters não conseguiam falar nem com Clara, nem com Jack no celular,  coube então a David Mersey ligar para acalmar os ânimos e informá-los o que tinha acontecido. 

Ninguém disse nada à família de Clara, mas ela estava preocupada, a imprensa estaria toda no show e depois de conversar com Jack, David e Jonas, ela decidiu contar tudo e  mostrar o vídeo que estava na internet.

- Filhinha... que horror... mas vocês estão bem agora?

- Sim, mamãe... nós dois ficamos nervosos, nos descontrolamos... desculpem, mas agora a imprensa deve piorar um pouco as coisas para nós todos... 

- Então o roqueiro estava beijando a ex... na sua frente... - o pai de Clara perguntou irritado. - E achava que você ia ficar quieta, só olhando...

- Não fala assim, papai... estou morrendo de vergonha do que fiz...

- Mas ele não pode sair por aí beijando quem bem entender...

- Por favor, papai... não... ele não fez nada demais... eu exagerei... ok?

- Mas filha...

- Mas nada, papai... está tudo bem agora e só contei isso para  que vocês porque a imprensa hoje vai incomodar vocês...

- Mas eu nem entendo o que eles perguntam... - Renata sorriu, abraçando Clara. - Acho que vocês não terão problemas conosco...

- Eu sei... mas só fiquei aflita porque os jornalistas aqui não dão sossego... me desculpem... mas eles virão atrás de vocês...

- Está bem, querida... - Jonas disse pegando a mão de Clara. - Nós já entendemos... pessoal... ela precisa de calma agora... hoje é o dia da estreia...

- Está bem... - o pai de Clara beijou-a na testa. - Não vamos ficar no seu caminho, filha...

- Obrigada... eu amo muito vocês todos... e me desculpem... prometo que quando vocês vierem para cá no Natal, tudo vai estar bem... ok?  Jonas, você pode me fazer um favor? Liga para a Sarah... ela não deu sinal de vida até agora... - Clara caiu mais uma vez no choro e Jack apenas tirou-a do meio de seus parentes e levou-a até o jardim...

- Eu faço tudo errado... - ela disse chorando, deitada no colo de Jack, no banco de madeira do jardim. - Eu te amo, querido... me desculpa...

- Não se preocupa... até acho que esse vídeo vai ajudar a divulgar nossos shows... estamos bem, estamos juntos...

- Mas eu não posso fazer esse tipo de coisa...

- Está tudo bem, meu amor... já desculpei... vamos seguir nossa vida... Quer que eu ligue para o Mick?

- Não... ele está lá com a Gianna, não quero atrapalhar os planos dele...

- Você não sente ciúmes dele?

- Sinto... mas acho que não tenho direito de sentir... Jack... meu coração está dolorido... estou me sentindo tão culpada que tenho vontade de desaparecer no mundo...

- Calma, meu amor... você precisa de paz... sei que não sou exatamente o que você quer... mas...

Clara beijou-o apaixonadamente para mostrá-lo que o amava. - Você é exatamente o que eu quero, Jack... você está sendo maravilhoso comigo, paciente, carinhoso... sou eu que não te mereço... olha... eu quero ser completamente sincera... estou te fazendo sofrer e isso me faz muito mal...

- Você só me faz sofrer quando diz que vai me deixar... você acaba comigo quando faz isso... eu não consigo ficar longe de você, não me peça isso... você vai me matar, se me abandonar...

- Não vou te abandonar... só achei que, talvez fosse melhor para você ficar longe de mim... me sinto muito  culpada por que não estou te fazendo feliz...

- Mas eu sou feliz... você é meu paraíso, meu amor... então... está mais calminha? Acho que você precisa comer alguma coisa, tomar seus remédios... vamos entrar?

- Estou melhor querido... vamos sim, todo mundo deve estar preocupado lá dentro... - ela disse secando suas lágrimas. - Obrigada por me ouvir...

- Eu te amo, querida... - Jack sorriu e os dois caminharam juntos para dentro de casa.

Clara tomou os remédios que precisava e descobriu que seus parentes estavam conversando com David Mersey, que como Mick falava muito bem português. Jack e ela juntaram-se ao grupo, que conversava  sobre os mistérios de Stonehenge.

Sarah tinha ligado do aeroporto para avisar que pegaria o metrô e chegaria logo,  enquanto esperavam por ela, todos relaxavam, tomando capuccinos e comendo os deliciosos bombons de chocolate belga que Clara nunca deixava faltar em casa.

- Como vai ser lá na hora do show? Nós vamos poder ver você no camarim, filhinha? - Paulo perguntou ao ver que agora conversavam sobre o assunto.

- Vocês vão assistir ao show de um camarote especial, depois, todo mundo vem para a festa da estreia no camarim... vai ser lindo... - ela sorriu. - vocês precisam ver as roupas e as joias que eu vou usar...

- Jóias? - Renata sorriu. - Adoro jóias... elas já estão lá na O2?

- Não.. vou levá-las comigo e trazê-las de volta para casa depois do show... significam muito para mim, não posso deixá-las lá, sozinhas...

- Ah... deixa eu ver... Você nem mostrou para a gente as roupas que vai usar....

- Serão surpresa, querida... - Clara sorriu.

- Ah irmã... eu gosto tanto dessas coisas... você não vai mesmo deixar a gente dar uma olhada no seu closet? - Renata sorriu. - Todas nós queremos ver, não queremos, Ciça, dona Ana?

- Está bem... assim que a Sarah chegar, levo todo mundo para uma tour no meu closet... não pude comprar quase nada em Nova York porque fiquei doente, mas vou mostrar para vocês minhas roupas... e aí vocês podem me ajudar a escolher um vestido bonito para a festa que vai ter no camarim, depois do show... nem sei se meus vestidos ainda servem em mim...

- Vamos te ajudar sim, filhinha... - Ana sorriu.

David agora falava pelo celular com Peters, enquanto Jack, ao seu lado, ajudava-o a decidir sobre o problema da iluminação que tinham descoberto em sua passagem pelo palco, de manhã. 

Jonas e Paulo agora, alienados da conversa feminina sobre vestidos e jóias, estavam no jardim, inspecionando as obras já iniciadas, mas paradas no momento,  da pequena estufa para orquídeas e da "casa da piscina", quase pronta, transformada em uma área para festas informais, um mini-pub a beira da piscina, que logo seria bem equipado.

- Olha aí... tanto dinheiro e nem uma churrasqueira eles fizeram nesse quintal... - Paulo disse, olhando tudo ao redor.

- Ah, seu Paulo... aqui não se usa muito isso... mas eu achei bonito... olha a madeira desse balcão, que bonita... eles vão ter uma torneira de chope aqui...

- É... mas se é igual aquele do pub... é ruim... quente... esses ingleses não sabem o que é bom... Você viu o que aquele roqueiro fez para a minha filha hoje... queria dar um soco naquele cretino... traz o namorado para morar com eles e agora fica de coisa com a ex... não é a toa que a coitada está parecendo uma caveira...

- Ela melhorou um pouco, seu Paulo, o senhor não achou?

- Não achei não, Jonas... para mim ela continua magra demais... deve estar sofrendo o diabo nas mãos desse cara...

- Não está não, seu Paulo... ela me disse que está muito bem... que melhorou bastante, desde aquele dia da internação...

- Espero que sim... - Paulo respondeu sem qualquer convicção. - E aquela casinha ali, o que é?

- Acho que é a garagem...

- Vamos lá dar uma olhada...

Os dois entraram pela porta aberta da garagem e se depararam com uma bela coleção de carros, que agora incluia o mini Cooper de Clara. - Você viu? Ele tem até um Jaguar... e qual o carro que ele dá para ela? Essa porcariazinha aqui...

- Pelo que eu sei, foi ela que quis, seu Paulo...

- Mas não deixa de ser uma humilhação... olha só esse jipe... com o preço dele dava para comprar uma dúzia desse carrinho de brinquedo que ele deu para ela...

- Ah, seu Paulo, se você falar isso para a Clara ela vai é brigar com o senhor...

- Eu sei, Jonas... ela está cega... esse cabeludo foi a pior coisa que poderia ter acontecido na vida dela... agora que ela estava tão bem, com os livros dela, naquele apartamentinho,  mas feliz... nem lembrava mais da existência daquele inútil do Roberto... e olha agora... doente, traída, humilhada... vou te dizer uma coisa, eu acho que esse casamento dela já era... daqui a pouco ela volta para o Brasil com uma mão na frente outra atrás... eu já não gostei desse cara desde a primeira vez que o vi... lembra da impáfia dele nadando naquela piscina dentro do quarto do hotel deles, no dia do casamento?

- Ah, seu Paulo... ele ama muito a Clara... o senhor não viu as coisas que ele andou dizendo na imprensa sobre ela... Já vi o Jack chorando tantas vezes por causa dela... tenho certeza de que ele a ama muito...

- Então por que ele trouxe o amante dele para morar aqui?

- Mas o Mick nunca foi amante dele, seu Paulo... sabe... o Mick também gosta muito da Clara... ele mesmo me disse isso várias vezes...

- Você acha que... espera aí, Jonas... será que ele está aqui por causa dela?

- Ele está por causa do disco dela e como eles são muito amigos, quero dizer, a Clara e ele, então ele resolveu ficar aqui para ajudar... só isso... o senhor sabe que ele e a Clara estão adaptando um dos livros dela para o cinema, não sabe?

- Sei...

- Então... eles ficaram amigos assim... a Clara e ele... sabe, seu Paulo, as pessoas ricas e famosas como eles, são diferentes da gente... eles cismam que vão fazer uma coisa, largam tudo, mudam de país, param de trabalhar um ano, dois... eles são assim... a Clara estava me dizendo que o Mick tem até um castelo na França... imagina só as coisas que um cara desses pode fazer...

- Ah... o problema deles não tem nada a ver com grana, Jonas... ou tem... é dinheiro demais e todos ficam malucos... até avião esse roqueiro tem agora...

- Não é dele, seu Paulo, é para a turnê...

- Mesmo assim... eles são tratados como reis todo o tempo... não pode dar boa coisa...

Enquanto Jonas e Paulo continuavam a conversa no jardim, o celular de Clara recebeu uma mensagem de Sarah, avisando que já estava no portão. Clara acompanhou seu mordomo até o portão para receber sua amiga.

- Querida! - Sarah disse ao chegar. - Desculpa pela demora, mas foi tudo tão complicado em Nova York... eles não queriam que eu viesse, mas prometi a eles uma exclusiva com você e eles mudaram de ideia...

- Vamos fazer sim... Aliás você vai ganhar um tremendo furo, não vou falar com mais ninguém e depois do que aconteceu hoje de manhã, a importância dessa exclusiva será ainda maior...

- O que aconteceu hoje de manhã?

- Você não sabe?

- Não... tudo o que vi no dia de hoje foi o avião, a fila da imigração e o metrô até aqui... o que aconteceu?

- Vamos entrar que eu te mostro... - Clara sorriu. - Foi uma estupidez... mas eu não consegui me conter...

- Ah! O Jo... ele me pediu para ligar para ele do Skype... ele quer ver um pouco você, sua casa, as roupas que você vai usar... prometi para ele...

- Claro... queria muito que ele estivesse aqui...

- Eu também...

Sarah entrou junto com Clara e logo todas as mulheres subiam para o prometido tour do closet. Mas antes de chegar ao armário propriamente dito, Clara mostrou à Sarah o vídeo postado na internet em que ela e Jack discutiam em plena estação de metrô. Naquele momento, os seus seis minutos e 38 segundos de exibição já tinham sido vistos por mais de 2 milhões de pessoas ao redor do mundo.

- Querida! Não tinha a menor ideia... Nossa! Se você não se importa, eu queria mandar a entrevista ainda hoje para a emissora... você se importa se eu chamar a equipe para gravar aqui?

- Não, querida... vai ser bom para esclarecer o que aconteceu... mas precisa ser antes das 4 porque preciso ir para a O2 com o Jack e com o David...

- Tudo bem... vou ligar para a emissora agora... mas antes, posso saber o que você vai dizer?

- Por que?

- Porque não quero que você se exponha à toa...

- Nada de especial... vou  só dizer que tivemos uma discussão boba, que acontece com qualquer casal e, por ter sido em um lugar público, em um horário de muito movimento essa coisa boba acabou indo parar na imprensa... Também vou dizer que já fizemos as pazes e que estamos ansiosos pelo show de estreia da turnê, que vai acontecer daqui a poucas horas... O que você acha?

- Ótimo! Nossa, amiga... eu vou ficar bem popular lá na emissora depois dessa... graças a você... obrigada!

- Eu que agradeço... vai ser um jeito de calar a boca de todo mundo... olha só esses comentários... meu Deus! As pessoas deveriam cuidar da própria vida antes de ficar falando esse monte de bobagens... olha isso aqui: "Será o fim do Casamento do Ano? Jack e Clara Noble brigam na frente das câmeras dos fãs no Metrô de Londres."

- Isso é um absurdo... olha aqui... estão dizendo que você tem sido vista constantemente com o Mick Jagger e que ele seria a razão da briga de vocês...

- Vamos gravar essa entrevista e vamos gravá-la o mais cedo possível, Sarah... não posso deixar eles continuarem falando esses absurdos sem reagir...  Olha isso... estão dizendo que sou anoréxica... 

- Você sabe que vai ser ainda pior, não sabe?

- Sei... mas pelo menos terei respondido... não acho certo  ficar quieta, como se não me incomodasse... é a minha vida, eles não têm direito de ficar por aí falando essas coisas...

- Não acho que isso vá adiantar, filha... pelo contrário... acho que dar uma entrevista agora só vai confirmar ainda mais que esses boatos têm fundamento... - Ana, a mãe de Clara, que até agora apenas observava em silêncio resolveu intervir, vendo a ansiedade da filha. - Eu acho que você e o Jack deveriam dar esta entrevista juntos, lá na sala de estar... senão vai parecer que ele não te apoia...

- A Dona Ana tem razão, Clara... vamos lá perguntar se ele aceita fazer? Dependendo do que ele disser, eu ligo para a equipe e gravamos tudo rapidinho... na sala de estar, ou lá fora, no jardim...

- Está bem... vamos lá falar com o Jack...  - Clara sorriu. - Tenho certeza que ele vai concordar...

- Ok... Vamos descer todas?

- Vamos... deixa eu só avisar o Jo sobre o que está acontecendo aqui... - Sarah disse chamando o amigo pelo Skype.

- Oi Jo!!!! - Todas gritaram e acenaram para o amigo, do outro lado da tela.

- Oi suas malucas... Clara, me liga agora que preciso falar com você, em particular...

- Ok... - ela disse pegando seu celular e ligando para o amigo. - Oi Jo...

- Me conta o que aconteceu, que estou aflito aqui... mal acordei e dei de cara com aquele video de vocês brigando... Me diz... o que foi aquilo, por favor...

- Eu fiquei enlouquecida de ver o Jack conversando com a ex dele e me segurei, mas quando estávamos indo embora, ele a beijou na boca e eu enlouqueci... o carro parou no trânsito e eu só queria ir para longe dele... daí, desci e corri para a estação de metrô e ele deixou o carro, que estava dirigindo, parado, no meio da rua e foi atrás de mim...

- Amor... você trai o homem a torto e a direito e não aceita que ele beije a ex? Não entendo isso... você tem noção de que com essa bobagem colocou o mundo de olho em vocês dois, não tem?

- Ah Jo... não é assim também... ele sabe que não gosto de ver aquela mulher perto dele... - Clara começou a chorar. - O que eu faço...

- Calma, amor... calma... não fica assim... respira fundo, porque você está bem, está linda e vai arrebentar hoje... e se você não falar comigo do Skype, quando estiver pronta para entrar no palco, eu não falo mais com você...

- Ah amor... eu estou tão nervosa... fui lá hoje de manhã e aquele lugar é tão enorme... já tem tanta gente na fila...  estou com medo de congelar e dar vexame...

- Amor, você nasceu pra isso... você é uma estrela, todo mundo está torcendo por você...

- Obrigada, querido... eu queria muito que você estivesse aqui... vou gravar uma entrevista agora com a Sarah, explicando tudo o que aconteceu...

- Vê lá o que vai falar, amada... às vezes você é sincera demais... fala que foi uma bobagem, uma pequena crise e que você está muito ansiosa hoje e por isso saiu do carro...

- Eu sei amor... vou dizer exatamente isso... eu te amo, viu... quando estiver no camarim, te ligo do Skype, ok?

- Ok, meu amor... força na peruca!

- Então, vamos descer? - Clara disse, secando os olhos.

- Ah... Eu e a Renata vamos ficar aqui no seu armário, se você não se importa... Esses seus vestidos são tão lindos...

- Está bem... mas por favor, não baguncem muito as coisas porque a turnê começa hoje e não terei  tempo para arrumar nada de agora em diante... ah! E não mexam no lado  do Jack porque ele não gosta... Ok?

- Tá bom, irmã... vai lá dar sua entrevista e deixa a gente aqui... - Ciça sorriu e continuou divertindo-se com Renata, que também tirava um a um os muitos cabides com as roupas que Clara já tinha acumulado nos últimos meses.

Jack continuava na sala de estar com David, Jonas e Paulo e a conversa deles era bastante fragmentada, interrompida a todo momento por telefonemas de Peters, que tinha ordens de mantê-los informados sobre tudo o que estava acontecendo na O2 Arena.

- Está tudo bem, meu amor? - Jack perguntou ao vê-la descendo as escadas com Sarah e Ana.

- Querido... a Sarah me pediu uma entrevista exclusiva e eu decidi que vou gravar... será que você se incomodaria de falar com ela também? Nós dois juntos?

- Claro que não me incomodo... vamos gravar onde? Lá na Arena?

- Eu acho melhor gravar aqui mesmo... você precisa ver as coisas que estão publicando sobre nós por aí...

- Eu imagino... O que você acha Dave?

- Eu acho que vocês não deveriam fazer isso... dar satisfação da vida de vocês... mas se vocês acham que devem...

- Acho melhor, David... - Clara respondeu. - Assim as pessoas vão ouvir algo além do monte de mentiras que estão publicando por aí...

- Você acha que isso adianta, Clara? - Jonas perguntou preocupado. - Será que não vão dizer que se estão negando é porque é verdade? Ou qualquer coisa do tipo?

- Não sei, Jonas... mas acho que precisamos tentar... se você lesse os comentários das pessoas, na página do Youtube em que o vídeo está... - Clara disse com os olhos cheios de lágrimas. - Desculpem... mas acho que é preciso...

- Ok, amor... vem aqui... não fica assim... vamos gravar sim... Você já chamou o cinegrafista, Sarah?

- Vou chamar... - ela sorriu. - A emissora é aqui perto, eles chegam rápido...

- Ótimo... Bradley, traga um copo d'água para a senhora Noble... Por favor, sentem-se... vamos nos preparar para essa entrevista, amor? Vem... vou cuidar de você... Bradley, sirva uns refrescos para nossos convidados, vou ajudar a senhora Noble a arrumar-se um pouco para a entrevista e já voltamos... Jonas, por favor, cuide de tudo...

 - Ana, o que está acontecendo? - Paulo perguntou para a esposa por não ter entendido o que estava sendo falado lá dentro.

- Eles vão dar uma entrevista para a Sarah contando o que aconteceu no metrô hoje de manhã... eu achei uma boa ideia...

- O que? Vão ficar dando justificativas para os outros? Ah... deixa a imprensa falando sozinha que é melhor...

- Ah, Paulo... você não imagina... aquele video que está na internet já está chegando nos 4 milhões de visualizações e a notícia de que os dois estão se separando está em todos os lugares... é melhor falar alguma coisa... a Clara está muito chateada com tudo isso...

- Mas esses caras são assim mesmo... é melhor fingir que nada está acontecendo... quanto mais você der atenção, mais eles vão inventar... é a vida de vocês, ninguém tem nada com isso...

- Papai... eu sei que eles não têm... mas continuar deixando só eles falando, sem dizer nada, vai parecer que estamos aceitando tudo o que eles dizem... preciso deixar claro que estas pessoas estão mentindo...

- Está bem, querida... você que sabe... só não fique nervosa com essas bobagens...

- Estou tentando, papai...  Não se preocupe...

Clara e Jack subiram as escadas que levavam à sua suite. - Meu amor... vem... vou te ajudar... não tenho a habilidade do seu namorado, mas você já é linda, então sei que não terei muito trabalho...

- Desculpa, meninas, mas eu e o Jack vamos nos arrumar um pouco para gravar a entrevista agora...

Renata e Ciça sorriram e desceram até a sala de estar, enquanto Jack ía até o closet pegar a necessaire de Clara, com sua maquiagem.  - Espera, amor... - Clara interrompeu-o. - Obrigada... você é maravilhoso comigo...

- Eu te amo muito, Menininha... eu quero te fazer feliz, meu amor... eu concordo com seu pai, também acho que falar com a imprensa não surtirá nenhum efeito, mas tudo bem ainda é uma chance de mostrar ao mundo o quanto te amo...

- Jack, meu amor... - Clara beijou-o. - Eu te amo muito... Me perdoa por mais esta confusão... eu fui muito tola...

- Não se preocupe, meu amor... para mim, isso só quer dizer uma coisa, eu vi claramente hoje que você me ama... o Mick disse que ia passar o dia com a Gianna e você nem se abalou, eu fiquei alguns minutos conversando com a Ann e  você ficou tão nervosa que perdeu a cabeça... não preciso nem me preocupar mais, já ganhei essa guerra...

- Eu sou sua, meu amor... muito sua...

Jack puxou-a para mais perto de seu corpo e o clima entre eles esquentou e exigiu muito autocontrole de ambos  para que voltassem a concentrar-se naquilo que tinham ido fazer lá em cima. Rapidamente voltaram a ajeitar-se e logo estavam prontos para gravar a entrevista.

A equipe da emissora chegou em poucos minutos e instalou o equipamento na sala de estar, David que não tinha gostado nem um pouco da ideia daquela entrevista, refugiou-se com seu celular no escritório, antes que pudesse ser visto e Jonas assumiu a posição de assessor de imprensa, apenas para dar uma impressão de organização aos profissionais que lá chegaram.

Sarah também estava pronta, tinha em suas mãos seu tablet com algumas perguntas que já tinha mostrado a Clara e a Jack. A entrevista seria feita em inglês para que ela pudesse conversar com os dois ao mesmo tempo.

Os amigos e parentes de Clara foram para a sala de jantar, não queriam atrapalhar a gravação; enquanto ela e o marido sentavam-se no sofá, Sarah sentou-se em uma poltrona menor, trazida para mais perto por sua equipe.

- Vamos começar? Está tudo pronto? Ok... Estou aqui para falar com um casal que protagoniza o vídeo que nas últimas horas virou uma verdadeira febre na internet. Então, o que aconteceu? O que vocês estavam fazendo em uma estação de metrô, aqui em Londres...

- Foi uma bobagem... - Clara sorriu. - Eu e o Jack estávamos voltando para casa depois de irmos até a O2 Arena, ver como estavam as coisas para a estreia, hoje à noite e acabamos discutindo no carro, na volta para casa, mas como o trânsito estava parado,  eu comecei a me sentir presa, nem sei o que pensei, me senti presa naquele carro e acho que eu só não queria mais ouvir aquela discussão,  desci do carro e entrei no primeiro lugar que eu vi, era a tal  estação de metrô.

- Mas você não pensou que fazendo isso seria reconhecida pelas pessoas? Que sua presença poderia criar um tumulto, ainda mais hoje, quando as pessoas estão se deslocando para a Arena O2?

- Não pensei em nada; só percebi o que estava acontecendo quando vi que as pessoas estavam filmando tudo com seus celulares e eu nervosa, chorando,  querendo comprar um bilhete para sair dali e todos com seus telefones me filmando... Sabe, eu entendo que as pessoas têm interesse pelo que acontece na vida das pessoas que são famosas, mas filmar alguém naquela situação em que eu estava... é falta de humanidade... - Clara suspirou.

- Eu e a Clara sempre recebemos bem nossos fãs, mesmo com tantos pedidos para tirar fotos, assinar autógrafos; damos atenção a eles e não sei por que, imaginávamos que eles gostavam da gente... para nós, entretenimento é o que fazemos no palco... a nossa vida particular  não é da conta de ninguém. Não queremos dividir nossa vida com o mundo. Com essas câmeras em todo lugar, eu até entendo que as pessoas nos filmem, mas o que eu não entendo, nem perdoo,  é o fato da imprensa pegar essas imagens para tentar lucrar com um momento, que para nós foi muito dolorido...

- Vocês estavam brigando, então... - Sarah perguntou.

- Sim... era uma discussão normal entre marido e mulher... somos pessoas comuns, que têm problemas como todo mundo e já tinhamos brigado no carro... depois, o Jack me seguiu até a estação e continuamos a discutir até que percebemos que já tinha uma roda de pessoas ao nosso redor...  mas logo a briga acabou e fugimos da multidão... foi ridículo de verdade e estamos muito envergonhados... É claro que isso tomou uma proporção gigantesca por causa da popularidade do Jack e agora parece que o mundo inteiro resolveu falar sobre o nosso casamento... Mas não foi nada, estamos bem, felizes e esperando ansiosamente pelo momento da estreia da nova turnê, hoje à noite.

- Mas as pessoas disseram que você falava que estava indo embora... - Sarah perguntou para Clara.

- E estava... ah... mas acho que isso já aconteceu com todo mundo, em algum momento... você está tendo uma discussão com seu marido, esposa, namorado e diz que vai embora... e depois cai em si e a briga acaba como começou...

- Era mesmo uma bobagem e hoje já acordamos naturalmente um pouco mais nervosos, por causa da estreia... - Jack disse. - E dissemos coisas um  ao outro que não diríamos normalmente. Como tudo era uma tremenda bobagem, a discussão acabou como começou e voltamos para o carro, que o nosso amigo David Mersey já tinha estacionado e de verdade, quando chegamos em casa, já estávamos até rindo de toda a situação.....

- Então todos aqueles boatos que as pessoas andam publicando sobre vocês...

- São só boatos... estamos bem, felizes... sim, brigamos de vez em quando... como todo mundo, mas estamos muito bem... - Clara respondeu sorrindo.

- Bem... falando em boatos... em muitos deles tem aparecido o nome do Mick Jagger, da banda Rolling Stones...

- Ele tem passado uns dias conosco... - Jack sorriu. - Estamos trabalhando juntos, eu e ele, em músicas para o disco solo da Clara... e ele também tem trabalhado com a Clara na adaptação do livro dela para o cinema...

- Eu estou muito feliz de estar cercada por estas grandes estrelas da música, só espero ser uma cantora a altura do trabalho que eles estão fazendo para mim... - Clara sorriu. - Porque tem sido um privilégio tê-los aqui ao meu lado nestes últimos dias.

- Clara, outra coisa que tem sido bastante comentada no dia de hoje é a sua magreza... estão dizendo que você estaria com anorexia nervosa...

- Não... na verdade, eu aceitei esta entrevista pensando exatamente nesta parte dos boatos... não estou fazendo dieta, não tenho anorexia, mas estou com um problema de saúde sério, eu tenho um problema genético, meu corpo tem muita dificuldade para aproveitar o que eu como e isso significa que mesmo quando estou bem, ainda  tenho algum grau de anemia. Em alguns momentos e repentinamente, essa anemia se agrava e isso faz com que eu perca peso muito rapidamente... mas estou me tratando, com um grande especialista em sangue daqui e já melhorei bastante.... O que me incomodou foi o número de comentários de adolescentes que acham que minha atual imagem é glamurosa... eu preciso dizer que não tem glamour nenhum em não ter forças sequer para levantar-se da cama, ou precisar da ajuda de uma pessoa para vestir-se ou tomar banho... meninas não caiam nessa, por favor...

- Foi bem difícil esse problema de saúde da Clara, passamos por coisas bem complicadas nestes últimos dias, eu quase enlouqueci de preocupação... - Jack disse com os olhos cheios de lágrimas. - Ela está melhorando a cada dia, mas tive muito medo de perdê-la...

- Vamos agora para assuntos mais alegres, a poucas horas da estreia da turnê, qual a expectativa de vocês para o show de hoje à noite?

- São as melhores possíveis... sempre fui contra a volta da Crossroads, mas este anjo aqui, apareceu na minha vida e isso mudou tudo... ela me disse que sonhava em ver a banda tocando e eu nem tive que pensar duas vezes... se assim eu vou fazer meu anjo feliz, ok... vamos para o palco...

- Então os fãs tem a Clara para agradecer...

- Sim... ela é a minha maior razão... e hoje será ainda mais especial porque ela subirá no palco comigo... ela é a  "Rainha da Luz" na música "The Light"  e sempre me emociona muito cantar com ela, amor da minha vida...  - Jack disse beijando-a na boca na frente da câmera.

- Com essa cena romântica, nos despedimos, a turnê da banda Crossroads tem algumas apresentações nos próximos dias aqui na Europa e depois reinicia em Janeiro, em Nova York e passa pela América do Sul em Março de 2012. Mais sobre a estreia da Crossroads, ao vivo, daqui a pouco, direto da O2 Arena em Londres... Sarah disse sorrindo um pouco antes de avisar ao cinegrafista para cortar.  - Valeu! Nossa! O que foi isso? Obrigada a vocês dois, meu editor vai adorar...

- Nós que agradecemos, Sarah! - Clara sorriu e abraçou a amiga. - Foi muito bom dar essa entrevista para você...

- Só tem uma coisa... será que abrir essa história do seu problema de saúde é bom?

- É ótimo... fiquei muito incomodada quando vi aqueles comentários do vídeo... a última coisa que eu quero é que adolescentes bobas achem que precisam emagrecer para ficar como eu... quero que elas entendam que estou assim porque estou doente...

- Tem razão, Menininha... achei um pouco assustador isso... essas crianças não têm ideia do que passamos... ainda bem que você já está melhorando... - Jack disse puxando Clara para seu colo. - Amor, vamos aproveitar um pouco o sol lá fora, antes de irmos embora?

- Vamos amor... - Clara sorriu. - Sarah, querida... precisa de mais alguma coisa?

- Não... está tudo perfeito...

- Vocês querem um café? Vou mandar servir um lanchinho para vocês...  - Clara disse para Sarah e sua equipe. - Bradley traga um lanchinho para nossos amigos... Eu e o Jack vamos descansar um pouco lá fora...

- Sim, senhora Noble...

Jack e Clara despediram-se da equipe de filmagem e de Sarah e saíram pela porta detrás da casa para caminharem pelo jardim, estavam mais relaxados agora e só queriam aproveitar o pouco tempo livre que teriam juntos, naquele lindo dia de sol. Assim que perceberam que a equipe tinha deixado a casa, ainda mandaram uma mensagem para o celular de David Mersey avisando que ele poderia sair de seu esconderijo, no escritório.

- Vem meu amor... eu gosto de ficar aqui, embaixo desta árvore... - Clara disse puxando Jack pela mão até o mesmo carvalho sob o qual tinha passado algumas horas no dia anterior, junto com Mick Jagger. - Ela é tão linda...

- E muito antiga também... acho que é mais velha do que eu e você juntos... - Jack sorriu. - Amo a sensação desse lugar... que bom que estamos no nosso jardim...

- Que bom que estamos juntos... - Clara sorriu encaixando-se entre os braços de Jack. - É inacreditável tudo o que aconteceu hoje e ainda tudo o que vai acontecer... estou transbordando de felicidade meu amor...

- Eu também... você viu como esta casa é um paraíso, quando seu namorado não está por perto?

- Ah, Jack... isso é muito maldoso, sabia? - Clara riu. - Eu ainda gosto dele...

- Eu sei, meu amor... estou brincando... será que está tudo bem com ele?

- Espero que sim, Jack... - Clara sorriu. - Mas não quero pensar nele, querido... hoje o dia é nosso...

- É tão bom te ouvir falando assim, Menininha... você faz com que eu me apaixone de novo... - Jack beijou-a. - Eu queria te fazer uma pergunta...

- Pode perguntar, meu amor...

- Eu quero tentar te ganhar de novo... Já que ele está lá com a ex e nós dois estamos aqui, juntos... você estaria disposta a se afastar, pelo menos até a viagem para o castelo... esquecer dele um pouco...

- Estou, meu amor... vou conversar com ele hoje à noite, na festa... eu sei o quanto isso é importante para você... Ele vai ter que entender... Querido, estou disposta a resolver este problema de uma vez por todas. Quero ter paz, quero que você tenha paz... eu te amo tanto...  vamos resolver isso...

- Já resolvemos... estou feliz demais só por sentir aqui dentro do meu coração que você está  disposta a me dar essa chance... eu queria que o dia de hoje nunca mais terminasse... você está aqui inteira comigo de novo... e eu vou ter a  chance de te fazer feliz...

- Eu te amo, Jack... nunca deixei de te amar... nem por um momento... - Clara sorriu envolvida pelos braços fortes de Jack. - Só preciso que você acredite em mim e tenha um pouco de paciência para que eu me cure de verdade... e tudo volte a ficar bem... eu te amo... acredita um pouco nesse amor, querido...

- Acreditar? Meu amor, eu estou mergulhado em você e só saio se você me expulsar da sua vida...

- Lindo... eu te amo... - Clara disse, beijando-o. Era o que seu coração pedia para fazer. Não tinha nada de racional em sua decisão, seguia puramente sua intuição que a mandava dar uma nova chance a seu casamento, concentrar-se novamente em seu marido e  afastar-se de Mick.

Continua

18 de mar de 2013

Rockstar - Capítulo CXXII


Clara levantou-se, tomou um banho rápido, vestiu-se e encontrou Jack acordado assim que saiu do closet.

- Bom dia, meu amor... - ele sorriu, olhando-a já pronta para descer. - Tomou banho sozinha? É uma pena que não me esperou...

- Ah amor... estou me sentindo melhor... quis testar para ver se conseguia... e consegui...

- Estou feliz por isso... mas queria passar o dia cuidando de você... vem aqui, vem...

Ela sorriu e caminhou até Jack, beijou-o com paixão, estavam novamente bem, unidos e prontos para viver todas as emoções que o dia reservava. Com medo de abalar seu marido, no dia da estreia da turnê, ela se calou, não disse nada sobre o que tinha acontecido entre ela e Jagger no dia anterior, nem sobre a sensação que tinha de estar sonhando com coisas que não compreendia, mas sabia que eram importantes.

- Vem amor... hoje sou eu quem vai te vestir... e te cuidar... Quer que eu te dê banho?

- Se você vier, não sairemos de casa hoje e logo depois do café, quero te levar à O2 para dar uma olhada em tudo... o David já deve estar por lá...

- Estou tão ansiosa...

- Bom sinal... eu também sempre fico bastante ansioso antes de cada show e hoje um pouco mais porque... você sabe... é a Crossroads, além disso, você também estará lá... meu anjo, meu amor...

- Ah, meu querido... - ela suspirou. - Me perdoa... eu te fiz sofrer tanto...

- Já perdoei... e seria capaz até de pagar por este sofrimento se soubesse que no final, teria você ao meu lado...

- E tem... você sabe que tem...

Depois do banho, Clara fez uma longa massagem com óleos essenciais em Jack, secou e ajeitou os longos cachos de seus cabelos e ajudou-o a vestir-se com elegância. Os dois desceram a escadaria e encontraram todos tomando café da manhã na sala de jantar.

- Bom dia... - Mick sorriu. - As estrelas de hoje acordaram, veja, senhor Giacome!

- Bom dia a todos - eles caminharam até suas cadeiras na mesa longa, carregada de guloseimas.

- Então, tiveram uma boa noite? - Clara perguntou sorrindo.

- Muito boa, Clara... o Mick tocou para nós por horas... - Ciça sorriu. - Todos os meus amigos do Facebook estão com inveja agora...

- Ciça, querida... por favor não poste esse tipo de coisa...

- Não tem importância, querida... - Mick interrompeu-a. - Ela me perguntou antes se podia e eu autorizei...

- Então está bem...

- E você Jack? Está melhor? - Mick perguntou ao notar que ele sorria todo o tempo. - Estávamos preocupados com você...

- Estou ótimo, amigo... obrigado por tudo o que fez ontem... minha mulher está muito bem hoje graças à você... e eu, muito feliz com a recuperação dela.

- Não precisa me agradecer, Jack... é um prazer poder ajudá-los... - Mick sorriu. - Ver minha querida Clara bem novamente enche meu coração de alegria.

- Então... todos prontos para irem ao show hoje? - Clara perguntou em português tentando desviar a atenção de seus parentes da conversa entre os dois que poderia desandar a qualquer momento. - A van irá levá-los até a O2 às 6 da tarde... todos precisam estar prontos porque o trânsito aqui é um horror...

- Vocês vão conosco? - Ciça perguntou à Clara.

- Não... eu e o Jack vamos para lá antes... Mick, querido, a que horas você vai para a O2?

- Bem mais tarde, Clara... vou pegar a Gianna no hotel antes...

- A Gianna? - Clara sorriu. - Mesmo? Vocês voltaram?

- Ainda não... mas vou levá-la comigo ao show... Sei que ela andou dizendo uma porção de coisas por aí, mas gosto daquela italianinha de boca enorme...

- Eu gosto muito dela, querido... apesar de tudo o que ela disse,  ficarei feliz de recebê-la hoje à noite no camarim...

- Vamos conversar hoje... combinei de levá-la almoçar e depois, vamos passar umas horas juntos, no Ritz...

- Que bom... - Clara sorriu. - Amo muito vocês dois e quero vê-los felizes...

- Eu também... - Jack sorriu. - Eu e minha mulher queremos muito te ver feliz, Mick... de verdade...

Jonas observava a conversa tenso, com medo de presenciar, naquela mesa, a explosão de uma guerra. Ele não tinha muita certeza, mas sentia que a ideia de Mick tentar mais uma vez fazer seu casamento funcionar tinha efeitos opostos, Mick provocava, Clara ficava com ciúmes e Jack, que parecia sorrir feliz, começava a se irritar com a reação dela.

- Menininha? Você está pronta? - Jack disse já aflito. - O David já está lá e ainda nem saímos de casa...

- Calma, amor... - Clara disse, tentando concentrar-se novamente. - Pessoal, vou voltar para o almoço, se alguém quiser qualquer coisa é só pedir ao Jonas, que ele conversa com os empregados... Ok?  A Sarah ainda não deu sinal de vida, mas disse que chegaria hoje de Nova York, por isso, fiquem atentos... beijos para todos...

- Tchau filhinha... - Ana sorriu ainda na mesa. - Você viu que dia lindo está fazendo hoje?

- Vi mamãe... está até quente lá fora...  aproveitem para passear no parque... é tão gostoso lá quando o dia está assim ensolarado... Melhor eu ir.... o Jack está ficando nervoso... - ela sorriu, mandou beijos para todos e seguiu atrás de Jack que já tinha saído na frente da casa.

- O que foi, amor? - Clara disse com dificuldade para acompanhar o passo apressado dele, através do jardim...

- Nada... é que o Dave já está lá... desculpa Menininha... onde eu estou com a minha cabeça... vem, não precisa correr...

- Está bem... - ela sorriu. - Viu? Estou com minhas botas novamente...

- Você está linda hoje, meu amor... - Jack abraçou-a, enquanto esperavam a porta da garagem abrir-se. - Me perdoa, estou muito ansioso...

- Eu também... Meu coração já está aqui na garganta e ainda é tão cedo...

- É, amor... eu sempre me senti assim em todas as estreias... - Jack disse abrindo o jaguar. - Vamos no jaguar hoje, faz tempo que não o tiro da garagem...

Clara sorriu e entrou no carro que, como os outros, era impecavelmente bem cuidado.

- Então... oficialmente, seu namorado está desistindo de você? - Jack perguntou assim que o carro começou a rodar na rua em que moravam. - Vai sair com a Gianna Carli?

- Sei tanto quanto você, meu amor... há muito tempo digo a ele para tentar voltar com ela... 

- Mas como você se sente sobre isso?

- Bem... eu não posso ter dois maridos, posso? Então é melhor que ele se esqueça de mim e volte com ela... Isso vai nos libertar dessa loucura...

- Meu medo é você voltar a ficar doente, quando ele se afastar...

- Acho que não... estou me sentindo mais forte a cada dia... o tratamento do doutor Lanee está dando certo... vamos voltar a nossa vida normal e daqui a pouco teremos nosso filho nos braços...

- Eu não vejo a hora disso acontecer... - Jack sorriu. - Me fala que você ainda quer nosso casamento... mesmo que isso não seja verdade...

- Mas é verdade... serei sincera com você, no meu desespero para ter uma vida normal, ontem... cheguei até a pensar em me separar dos dois e ir embora para o Brasil... mas se o Mick voltar a ficar com a Gianna, acho que voltaremos a ter alguma paz... você não acha?

- Acho que sim... Ok, meu amor... - Jack suspirou. - Estamos quase chegando... olha só a fila do público...

- Meu amor... estou tão feliz por vocês...

- É tudo culpa sua... se você não estivesse aqui, nada disso estaria acontecendo... - ele disse, pegando uma credencial no bolso e mostrando-a ao policial que cuidava da barreira, na frente da porta de serviço da Arena O2, para o deleite de inúmeros fãs colados na grade, que começaram a agitar-se assim que os viram descer do carro, antes de entrarem no ginásio.

- Bom dia, Peters... - Jack disse assim que entrou. - O David já chegou, não?

- Faz tempo... está no palco... bom dia, Clara... como você está?

- Muito melhor, Peters... - ela sorriu.

- Ótimo... - Peters sorriu de volta. - Vamos lá para o palco, depois vou levá-los para a tour completa, este lugar é provavelmente o melhor em que tocaremos durante toda a turnê, dá até um certo orgulho de ter nascido neste país...  E falando em orgulho, a  polícia está dizendo que já tem mais de 5 mil pessoas lá fora... estão  pensando até em abrir as portas mais cedo para evitar tumulto...

- Ainda estou gelada de medo... é tanta gente...

- Não se preocupa, amor... você nem os vê direito de cima do palco... vamos?

Os três subiram em um carrinho de golfe e seguiram pelos corredores da arena até chegar à area da pista, onde David discutia com um dos produtores alguns detalhes da iluminação.

- Bom dia, Velhão... Princesa... - ele sorriu, ao vê-los chegando. - É hoje!

- É hoje, Dave... - Jack beijou o amigo no rosto. - Então? Tudo certo por aí?

- Quase tudo, ainda tem uma luz que eu acho que está caindo muito nos olhos da gente, estava falando com o Burdon...  lá no ensaio isso não estava acontecendo, por que aqui? É horrível, desse jeito terei que fazer o show de óculos escuros... vamos subir lá, Velhão e Princesa e vocês vão entender o que eu quero dizer...

Clara manteve-se calada todo o tempo,  não soltava Jack nem por um segundo. Ela estava a um passo de ficar paralisada pelo medo.

- Meu amor, você está com frio? - Jack perguntou ao tocar sua mão.

- Não, querido... acho que estou com medo...

- Calma, Princesa... todos ficamos assim no dia da estreia, não é verdade, Velhão? É só uma questão de saber onde estão as coisas, relaxar e soltar a voz...

- Isso mesmo, amor... olha... esse palco é igualzinho aquele do estúdio... está vendo? Olha o nosso teleprompter ali...

- Eu sei, querido... mas... as pessoas... elas vão estar ali embaixo...

- Vão... mas você não precisa olhar para elas... olha para a tela, olha para mim...  eu sei que você consegue... além disso, eu já te disse que em lugares grandes como este, mal dá para enxergá-las daqui de cima...

- Eu sei, amor... mas eu nunca fiz nada desse tamanho... estou assustada...

- Vem... vou te mostrar uma coisa... - ele disse gesticulando para Peters, que logo entendeu e guiou-os pelos bastidores.

- Clara... está vendo essa  linha amarela no chão? Basta seguí-la para chegar aos camarins... Vamos até eles que eu quero que vocês dois conheçam...  este primeiro  será nosso salão de festas, depois do show... aqui ao lado... é o camarim dos rapazes... e este aqui... com esta estrela dourada na porta é exclusivamente seu, Clara... - Peters disse abrindo a porta de um salão amplo, com espelhos, araras com seus figurinos, sofás confortáveis, onde ela poderia relaxar. E espalhados pelo salão, muitos vasos com arranjos de  rosas cor de lavanda.

- Que lindo! Obrigada!

- Seu cabelereiro estará aqui à sua disposição mais tarde, ele me disse que também é maquiador e nós fizemos uma proposta e ele aceitou. O Pablo irá te acompanhar por toda a turnê...

- Eu amo vocês... - Clara sorriu e pegou Jack e seus amigos pela mão. - Vocês estão sendo maravilhosos comigo... não mereço isso...

- Ah, Princesa... a gente adora te mimar...

- Todos aqui estamos a sua disposição, senhora Noble... Tem mais algum pedido para seu camarim?

- Minha família poderá ficar aqui comigo antes do show?

- Sim, vou mandar deixar os backstage passes prontos para eles... Mas você tem certeza que quer mesmo que eles tenham acesso ao backstage, não prefere que fiquem acomodados no camarote vip durante o show?

- O que você acha melhor, Peters?

- Claro que eles terão acesso à festa, depois do show e podem vir aqui, mas estou inclinado a  liberar esta área só para as esposas mesmo, pelo menos antes do show...  São quantas pessoas?

- Deixa eu ver... - Clara contou nos dedos seus amigos e parentes. - Seis pessoas? Ah... tem também o Mick Jagger e a Gianna...

- Eles já estão na lista do Jack de "acesso livre", querida...

- Está bem, acho que você tem razão... muita gente aqui tumultuaria tudo... - Clara sorriu e caminhou até a arara, no canto do camarim. - Meus figurinos já estão aqui... e as jóias?

- Quando vocês vierem para cá, mais tarde, vocês trazem... e  sugiro que as levem de volta para casa com vocês, no final do show... - Peters disse preocupado. - Temos segurança reforçada, mas todo cuidado é pouco...

- Está bem... - Clara sorriu.

- Gostou Princesa?

- Muito!

- Aquela tela de led, ali atrás, serve para acompanhar o show daqui deste sofá, se preferir e eu não quero que você se canse, não precisa ficar de pé lá na coxia... sua música será bem no meio do show...você pode descansar aqui...

- Vocês são lindos... meus queridos... mas acho que vou querer ver tudo da coxia... eu amo vocês... - ela disse secando as lágrimas dos olhos. - obrigada por me mimarem tanto...

- Você merece, Menininha... - Jack disse abraçando-a e beijando-a. - Você é a minha "Rainha da Luz".

- Peters, vou voltar para o palco... - David disse ao empresário. - tem mais uma coisa lá que está me perturbando um pouco...

- É melhor você ir atrás deles, Jack...

- E você?

- Vou curtir meu camarim mais um pouquinho e já vou atrás de vocês... o que você acha?

- Está bem... - Jack disse beijando-a no rosto e correndo atrás dos dois.

Clara por sua vez, sentou-se no sofá e  ainda intrigada com o que Mick tinha dito para eles de manhã, pegou seu celular e ligou para ele. - Oi meu amor... sabia que você iria ligar...

- Me desculpa... mas preciso saber... é sério que você tem intenção de voltar com a Gianna?

- Claro que não... na verdade, nem pensei direito... ontem estava tão feliz pelo que tivemos, sonhando mesmo em estar com você... mas de repente lembrei que  seria melhor para nós dois eu não ir sozinho ao show, para evitar comentários da imprensa... então liguei para ela...

- Ah, meu amor... mas será que isso não vai provocá-la ainda mais?

- Hoje serei o mais encantador possível com ela... não se preocupe... depois... teremos uma conversa séria e acredito que ela irá entender... fica tranquila... continuo seu...

- Sei que continua... Ah Mick... eu deveria estar aqui pedindo para você tentar voltar com ela... mas estou morrendo de ciúmes... o que está acontecendo comigo?

- Meu amor... não se preocupe nem por um segundo... Eu te amo...

- Te amo também... beijo...

- Beijo, meu amor...

Clara desligou o celular, secou os olhos, checou seu reflexo no espelho e saiu do camarim, seguindo a linha amarela pelo longo corredor até o palco. E não gostou nada do que viu.

Continua

14 de mar de 2013

Rockstar - Capítulo CXXI


Agora que o príncipe Jacques estava de volta ao castelo era só uma questão de tempo até ele começar a passar diariamente com seu cavalo, pela estrada próxima do casebre em que Ann vivia com seu pai, sempre esperando pelo momento em que a encontraria sozinha em casa.

Assim, em uma bela manhã de outono, quando a carroça que o pai dela usava para levar os fardos com flores até a vila, não estava onde costumava ficar, ele decidiu que podia aproximar-se.

Anos tinham se passado e ela poderia estar casada agora, ter tido filhos, mas se os boatos de que era a filha de uma mulher queimada na estaca por bruxaria já afastavam qualquer pretendente daquela região, ter passado alguns anos escondida na vila, fugindo dos assassinos contratados pela duquesa de Grimaldi para matá-la, adicionavam um peso extra à sua condição e contribuíam para que mesmo bela e educada como uma dama da nobreza, ela continuasse presa a seu pai.

Para o príncipe, apesar dos anos que tinham passado, ela continuava linda. Mesmo com as vestes de camponesa que usava agora,  ela ainda  iluminava tudo ao redor quando chegava.
Quando era dama de companhia da duquesa, ela era a mais admirada de todas as damas dos salões que frequentava, pairando leve como uma borboleta, vestida em sedas finas e com suas maneiras impecáveis, era confundida com alguém de berço nobre, culta, bela e talentosa, cantava como um anjo, tocava piano muito bem e surpreendia a todos quando revelava ser apenas a filha do cavalariço do Duque, alguém sem berço ou  posição social.

Sua atual aparência era  muito menos polida e por isso, ainda mais atraente aos olhos do príncipe,  seus longos cabelos ruivos antes escondidos sob as perucas da moda,  voavam ao sabor do vento, a pele muito branca, os lábios carnudos e os enormes olhos azuis, faziam dela quase uma das criaturas selvagens da floresta,  mas suas maneiras ainda suaves de dama bem educada, a deixavam parecida com as tais fadas que os antigos costumavam ver  entre as árvores, ou um anjo, como os que estavam pintados nas paredes da capela do castelo.

Ainda lembrava-se em detalhes de tudo o que tinham vivido juntos e os últimos momentos de dor absoluta, quando a julgava morta pelas ordens cruéis de sua própria mãe.

Não conseguia perdoar sua mãe por mandar matá-la e mesmo depois de descobrir que ela estava viva, escondida em uma casa muito humilde, na vila, sua dor o fez desejar afastar-se para sempre do castelo.

Escolheu para si mesmo o caminho da covardia e da desonra, fugiu do  casamento que seus pais haviam decidido para ele e  pediu a um amigo que falsificasse uma mensagem do Rei da França, convocando-o para a guerra.

Discutiu muito com seus pais sobre seu dever de servir o Rei e finalmente partiu, levando consigo ouro dos cofres de seu pai,  seguiu para a Corte, onde passou anos vivendo como bem entendia, até sua mãe mandar-lhe  uma carta avisando que seu pai, o Duque de Grimaldi, estava morto e que o castelo agora pertencia a ele.

Aquela morte era providencial para seus planos, agora que suas indiscrições com a Marquesa de Vaublanc tinham sido descobertas, sua situação em Versalhes não poderia ser pior: A moça em questão também se dizia, era a amante favorita do  rei.

Seu castelo, na província era suficientemente distante de Paris para dar-lhe alguma segurança, depois de tornar-se persona non grata na corte.

Mas também no castelo existiam pendências que ele não esperava encontrar.

Nos últimos anos, os cofres do Duque quase não tinham mais ouro e, seus campos, afetados por uma longa seca, não produziam mais o suficiente para enchê-los novamente.
As vilas ao redor morriam, perdendo sua população para lugares mais ricos e a grande casa de Grimaldi estava fadada a um fim, caso ele, o único descendente do Duque, não se casasse e não tivesse filhos.

Amigos de sua família há muito tempo, o Duque e a Duquesa de Villeneuve tinham ajudado a Duquesa de Grimaldi durante toda a doença do Duque e esperavam por uma retribuição, embora soubessem de tudo o que tinha acontecido na corte, eles queriam que Jacques cumprisse a  promessa de casar-se com a princesa Catherine, unindo assim os dois castelos.


Para Jacques o cerco estava fechado, se antes tinha conseguido escapar do casamento, agora certamente não conseguiria e não valeria a pena nem tentar, seu destino estava selado e o casamento com Catherine era uma questão de mais alguns dias.

Nos anos que passou escondendo-se dos assassinos da Duquesa, Ann aprendeu que nunca deveria abrir a porta para estranhos, mas Jacques não era um estranho e quando ela abriu a porta para ele, logo ficou prisioneira de seus braços e envolvida por eles, recebeu seu primeiro beijo de amor, depois de tanto medo e espera...

Clara abriu os olhos assustada. Olhou para as janelas, banhadas pela luz dourada do sol e percebeu que o dia já tinha amanhecido. Também ouvia a  suave melodia que os pássaros faziam nas árvores ao redor de sua casa.
Sem lembrar-se exatamente o que tinha sonhado, sentou-se na cama e olhou para as próprias mãos, não sabia por que, mas esperava  vê-las com as unhas sujas e as muitas calosidades dos anos de trabalho no campo; mas suspirou aliviada ao ver  sua aliança de ouro e seu anel de diamante, os "olhos de Jack" e sorriu ao vê-lo adormecido na cama, ao seu lado.

Continua