10 de ago de 2013

Rockstar - Capítulo CXXXVIII



- Poxa Velhão... calma... você não podia achar que ele desapareceria da vida dela, assim, por encanto... cara... você não pode ser ingênuo a esse ponto...

- Mas tivemos a melhor noite de nossas vidas...

- Mesmo assim... ela ama o Mick, não é um caso bobo, uma  noite de loucuras que acabou na manhã seguinte. Se não fosse acontecer um tremendo de um escândalo, você sabe que ela seria capaz de casar-se com ele, conviver com dois maridos ao mesmo tempo... não vai acabar assim...

- Eu sei disso... só pensei que ela poderia ter percebido o quanto me ama na noite passada... foi tão incrível... tão maravilhoso...

- Mas sinceramente... acho que ela só vai encontrar forças para esquecer o Mick, quando estiver grávida de você... é isso que você precisa fazer agora, deixá-la grávida...

- Essa é minha maior esperança e também meu maior medo... ontem foi tão perfeito que achei de verdade que tinhamos feito nosso filho... mas me apavora a possibilidade do Mick também  tentar fazer isso... e aí, eu estarei perdido...

- Conversa com ela... pede para que ela use proteção com ele... caramba, Velhão... ela é tua mulher ainda...

- Tenho medo dela achar que é ciúmes...

- Mas ao menos você tem o direito de ter um filho com a mulher que você ama, não tem?

- Não sei  mais, cara... você sabe que o médico que me operou disse que provavelmente ela não vai conseguir engravidar e, se conseguir, vai ser uma gravidez de alto risco... Não disse isso a ela,  não suporto vê-la sofrer... você sabe disso...

- Eu sei... não diga nada a ela ainda... ela está se tratando, já melhorou tanto nestes últimos dias, quem sabe esse diagnóstico do seu médico não foi precipitado...

- Claro que sim... não direi nada a ela... sei o quanto significa para ela ter um filho comigo... nós já o vimos até... nosso filho vai acontecer, tenho certeza disso... Bom, cara... obrigado por me ouvir desabafar... está difícil aqui... não quero que ela me veja chorando...

- Calma, cara... respira fundo... onde ela está, agora?

- Lá na sala de estar, ele está cantando para ela no piano...

- Vai lá e tira ela para dançar... ele não vai parar de tocar e você sabe que ela gosta de dançar com você... que tal?

- Gênio, amigo... gênio... vou lá... mais tarde te conto como foi...

Jack limpou as lágrimas dos olhos e desceu rapidamente as escadas, Mick continuava cantando baladas, agora dos Stones, ela ainda sentada ao lado dele, cantando junto, completamente concentrada nele. Respirando fundo, Jack estendeu a mão para ela e tirou-a para dançar, recebendo de volta um lindo sorriso e envolvendo-a mais uma vez em seus braços.

- Meu amor... como é bom dançar com você... - ele sussurrou no ouvido de Clara. - Eu te amo tanto...

- Ah Jack... - ela beijou-o. - Eu te amo... muito...

- Bem... senhoras e senhores... - Mick disse após terminar mais uma canção, sob os protestos de todos presentes. - Desculpem... mas preciso cuidar de alguns assuntos que deixei pendentes, antes de sairmos para o show de hoje à noite... estarei no meu quarto... boa tarde...

- Obrigada, querido... - Clara sorriu e beijou-o no rosto. - Eu amo a sua música... Você tem sido um grande amigo, nestes últimos dias e eu preciso muito te agradecer por isso... eu te amo...

- Também te amo, querida... - Mick beijou-a na testa. - Vou ver se já tenho respostas e já volto...

- Filhinha, a que horas nós vamos para o show hoje? - dona Ana aproximou-se de Clara para perguntar. - Porque tenho que deixar as malas prontas antes de sair...

- Daqui a pouco mamãe... o Jack pediu ao Khaled para passar por aqui às 7 da noite. Posso ajudar vocês com as malas...

- Não precisa, querida... está quase tudo arrumado... mas preciso agora empacotar as compras que fizemos... descansa um pouquinho com o seu marido... vamos subir?

- Vamos sim, dona Ana... - Jonas sorriu, entendendo o recado de deixar Clara sozinha com o marido.

- Hum... sua mãe pelo menos, gosta de mim... - Jack disse agarrando-se a Clara, assim que todos desapareceram da sala. - Porque seu pai, parece que eu perdi para sempre, depois da Ferrari...

- Ah, querido... o papai adora carros... sempre adorou... mas ele gosta de você... não fica pensando que não gosta, porque ele gosta...

- Não importa, se você gosta.. já tenho tudo o que queria... - Jack puxou-a para mais perto e beijou-a, um beijo ardente, apaixonado, com a intenção de tirar-lhe o fôlego.  - Eu te adoro e estava morrendo de ciúmes de você com ele...

- Ah, querido... não fica... estou te amando tanto... depois do que senti na noite passada está difícil pensar em outra coisa além de nós dois... ainda mais depois desta manhã, quando achei que o Mick tinha me abandonado... parece que meu amor por ele se encolheu para proteger meu coração...

- Você está querendo me dizer que já o esqueceu?

- Não... só que acabei achando que o que nós temos, eu e o Mick, pode terminar assim... do nada e entendi que vou sobreviver se isso acontecer... entendeu?

- Meu Deus!!!! - Jack agarrou-se a Clara e levantou-a do chão. - Menininha!!!!! Você está me fazendo muito feliz!!!!!!

- Jack... meu amor.... seu maluquinho... me põe no chão...

- Eu te amo, Menininha... eu te amo...

- Também te amo, querido... muito... - Clara suspirou e beijou-o novamente. - Ainda estou te sentindo em mim... ah... queria tanto estar esperando um filho seu...

- Você vai ter o nosso filho, amor... não se preocupe... é tudo o que eu mais quero também...

- Tenho tanto medo de não poder... de não ter saúde...

- Amor... não... você está bem... já melhorou muito... vamos conseguir, não se preocupe... sinto ele cada vez mais perto da gente...

- Sente? - Os olhos de Clara se encheram de lágrimas em um segundo. - Você também sente ele?

- Sim querida... - Jack abraçou-a. - Sonho muito com ele... na noite passada, sonhei que estava embaixo da sua árvore, lá no jardim e ele veio sentar-se ao meu lado...

- Mesmo? E ele falou com você? - Clara em prantos, perguntava com medo da resposta.

- Falou sim... me disse... cuida da minha mamãe, papai...

- Ele disse? Ah, amor... acho que não vou conseguir parar de chorar hoje...

- Ah, vida... não chora... vamos conseguir, você vai ver... - Jack disse levando-a em seu colo até o sofá da sala de estar. - Vou pegar um copo de água para você...

- Não... fica comigo... me abraça...

- Desculpem... - Mick disse ao voltar à sala de estar e vê-los juntos, no sofá. - Não queria interromper... Você está chorando, querida?

- Não... quer dizer... estava... mas está tudo bem... este choro é de alegria, Mick...

- Que bom! - Mick sorriu. - Para onde todos foram?

- Foram arrumar as malas, partem amanhã cedo para o Brasil...

- Ah, que pena... adoraria recebe-los no meu castelo para uma temporada...

- Ah, querido... vai ficar para a próxima vez... é mesmo uma pena... eu sei que eles adorariam...

- E eu adoraria recebê-los... sua família é maravilhosa, meu amor...

- Obrigada, querido... - Clara sorriu e levantou-se do sofá. - Vocês querem uma bebida?

- Deixa, amor... vou buscar, querem beber o que? Champagne, whisky?

- Eu quero um champagne, amor...

- Eu também, amigo... - Mick respondeu.

- Então vamos de champagne... estou muito feliz hoje, preciso comemorar... já volto, amor...

- Ele tem muitas razões para comemorar hoje... - Mick sorriu. - A mulher mais linda do mundo está novamente apaixonada por ele...

- Nunca deixei de amá-lo... mesmo amando você... meu coração ainda é dele...

- Eu sei... tenho minhas teorias sobre isso, querida...

- Quais teorias?

- Vocês dois se encontraram e ficaram impressionados com todas aquelas coisas místicas que descobriram um do outro. Mas tirando isso, não têm muita coisa em comum...

- Pode parar... eu não tenho muita coisa em comum com o Jack? Ah... você só pode estar brincando...

- Não, querida... acho que você tem mais intimidade comigo do que com ele... Você sempre parece mais à vontade comigo...

- Gosto de conversar com você... mas também gosto de conversar com ele... me sinto bem ao lado dos dois, à vontade...

- Mas eu sinto que você parece mais relaxada quando está comigo, do que quando está com ele... gostamos das mesmas coisas, na arte, no cinema, na literatura... 

- Sim... você é meu amigo mais querido... mas o Jack também é... sempre nos demos muito bem... foi amor à primeira vista e mesmo antes de conhecer o Jack pessoalmente, ele já me atraia muito...

- Mas não estou falando em sexo, querida...

- Ufa... ainda bem... - Jack disse trazendo a bandeja com o champagne dentro do balde de gelo e as taças. - Então... vamos comemorar?

- Ah, querido... estávamos discutindo nossa relação...

- Não tem importância, querida... não preciso saber...

- Na verdade, eu e a Clara estávamos tentando descobrir com quem ela se sente mais relaxada, quem é o melhor amigo dela, eu ou você?

- Ela sabe que pode contar comigo para o que quiser...

- Não nesse sentido, querido... o Mick disse que estou sempre mais relaxada ao lado dele, porque eu e ele temos muito mais coisas em comum, do que tenho com você...

- Só você pode responder isso, Menininha... quanto a mim, posso dizer que me sinto ao lado do sol... sabe... eu vim de uma região da Inglaterra em que os dias de sol são raros... pela proximidade das montanhas, tudo por lá é muito cinzento, enevoado...  principalmente enquanto aquela fábrica funcionava e eu vivia naquela vila de operários que meu pai construiu...

- Eu sei, querido... mas a beleza das montanhas, compensa tudo, não é meu amor?

- Sim, amor... eu sei... mas quando eu estava crescendo, a coisa que mais me impressionava eram os dias de sol... sentir o calor do sol na minha pele era mágico... você é isso para mim, o calor do sol, a sensação daqueles dias mágicos de volta para mim...

- Ah, Jack... que lindo!

- Para mim, você é alguém com quem eu gosto de conversar... nada é mágico, nem me traz recordações da minha infância... que nem foi exatamente pobre, mas também foi triste... mas você é a  primeira mulher da minha vida com quem eu me sinto realmente a vontade para dizer tudo o que passa pela minha cabeça e pelo meu coração... por isso, eu te amo tanto...

- Mick, querido... você sabe que sempre me terá como amiga... não sabe? - ela suspirou e acariciou os cabelos dele, enquanto Jack abria a champagne e a servia nas três taças.

- Quero propor um brinde, querida... - Jack disse, enchendo as taças e distribuindo-as. - Antes que eu e o nosso amigo comecemos a rolar no chão disputando o seu coração...  Quero brindar à sua generosidade, ao que ela representa para nós dois e à paz que nós  precisamos ter para continuar tendo o privilégio de conviver com essa Deusa...

- Meus queridos! Amo vocês! - ela disse erguendo a taça com eles. - E a privilegiada aqui sou eu... vocês dois me fazem muito feliz... como meus amigos e amantes... sei que não sou exatamente o que vocês queriam, mas as coisas foram acontecendo e hoje, me sinto pertencendo a dois homens... me perdoem por isso...

- Meu amor... fica tranquila... - Jack  sorriu e acariciou o rosto dela, já molhado de lágrimas. - Não chora, meu amor... tudo está bem...

- Eu não posso ferir vocês...

- Não vai... - Mick também sorriu para ela. - Eu e o Jack pertencemos a você... e estamos felizes assim...

- Não vamos nunca cobrar nada... você é livre... o Mick vai viver conosco...

- Não... Jack... eu... não quero nem posso te ferir...

- Não me fere... - Jack sorriu. - Nem fere o nosso amigo aqui... Está tudo bem, não quero nunca mais te ver triste... nem preocupada conosco... ok?

- Está bem... - ela concordou com os olhos molhados de novo e o coração ainda muito aflito. Aquilo que Jack e Mick pareciam aceitar tão tranquilamente, ela não conseguia aceitar de jeito nenhum. Mas não tinha outra escolha, já que continuava completamente apaixonada pelos dois que agora comemoravam a decisão momentânea de manter aquele arranjo a três que tinham.

Continua

Nenhum comentário: