21 de ago de 2013

Rockstar - Capítulo CXXXIX



Poucas horas depois Jack e Clara estavam novamente nos bastidores da Arena O2 e enquanto  Pablo ajeitava os cabelos de Clara, ela sentia-se mais do que um pouco aliviada por Mick não estar com eles naquele momento. Assim, ela poderia conversar  com suas amigas, que tinham tido sua entrada liberada por Michael Peters e David Mersey.

- Amiga... estas suas unhas estão lindas... - Jenniffer pegou a mão de Clara para ver melhor suas unhas pintadas com esmalte cor de cobre e depois cobertas parcialmente por pequenos cristais que brilhavam intensamente, como pequenos diamantes. - Quem fez?

- Ah, foi a Rachel, que trabalha lá no salão do Pablo, não é querido? - Clara sorriu para o cabelereiro que estava mais quieto e concentrado do que o de costume.

- Ela mesmo... acho a Rachel uma artista... - Pablo sorriu pela primeira vez naquele dia. - Sabia que o senhor Peters está negociando com ela, para levá-la na turnê também?

- Que ótimo, Pablo! - Clara sorriu. - O Peters não está mesmo medindo despesas dessa vez...

- Eu não deveria dizer isso... mas o senhor Peters me disse que tem ordens para deixá-la feliz, por isso tantos cuidados... aliás, ontem, antes do show, ele fez uma reunião até com o médico da senhora, que indicou a equipe que vai cuidar da sua saúde durante a turnê... tem tudo, nutricionista, médico, enfermeiro, massagista e personal trainer... todos irão viajar conosco...

- Mas ele não me disse nada...

- Pois é... eu também não entendi... achei que a senhora tinha pedido, mas a senhora nem está sabendo... ele disse, na reunião, que eram ordens do senhor e da senhora Noble... pelo jeito, só o senhor Noble pediu...

- Meu marido é maravilhoso... - Clara começou a chorar novamente. - eu não o mereço...

- Ah, querida... não chora... - Pablo tentou consolá-la. - Vocês dois estavam tão lindos ontem... eu até chorei quando vocês dançaram juntos... dá para sentir o amor que vocês têm um pelo outro de longe...

- Verdade... sabe que alguém filmou vocês dançando e não se fala de outra coisa na internet hoje? Você chegou a ver, Clara? - Cindy pegou seu tablet e abriu uma reportagem sobre Clara e Jack em um site de fofocas. "Do inferno ao céu, protagonistas do casamento do ano brigam de manhã e fazem as pazes à noite, em festa que comemorava estreia da turnê." - Olha só...

Clara leu rapidamente a matéria que comparava os dois vídeos, o filmado de manhã, em uma estação de metrô e o feito durante a festa. Depois abriu o vídeo da festa, a música "Night and Day"  de Cole Porter tocando e ela e Jack, nos braços um do outro, dançando. Apaixonados como nunca.

- Que lindo, isso... - ela suspirou. - Eu o amo tanto...

- Dá para ver... querida...  - Pablo sorriu. - Ah... como eu queria um amor assim... vocês têm tanta sorte...

- Acho que nós temos... - Clara tentava sorrir, mas continuava sentindo vontade de chorar. Temia estar destruindo seu casamento, mas sabia que não conseguiria simplesmente passar a ver Mick apenas como um amigo.

- Pronto, amor... tudo preso... vou lá conversar com o senhor Peters agora, daqui a pouco volto para cá... finalizar seu cabelo e fazer a maquiagem...

- Está bem... obrigada, querido...

Assim que o cabelereiro deixou o camarim, Clara desabou em lágrimas, debruçando-se sobre a bancada com espelho à sua frente.

- Querida... o que foi? - Cindy disse assustada. - Jenni, chama o Jack...

- Não... não chama ele, por favor... estou destruída agora... preciso contar a vocês o que está acontecendo...

- O que está acontecendo? - Cindy perguntou preocupada. - Calma, querida... vocês brigaram de novo?

- Não... mas... eu continuo me sentindo um lixo... um pouco antes de vir para cá, eu, o Jack e o Mick brindamos com champagne o fato de que vamos viver juntos, depois, no caminho para cá, o Jack nem abriu a boca no carro... parecia tão frio e distante que eu nem conseguia mais reconhecê-lo... éramos dois estranhos de novo, por acaso andando no mesmo carro...

- Espera... vocês vão viver juntos?

- É... eu tenho dois maridos agora... lá em casa, o Jack me disse que aceitava tudo... na verdade ele mesmo incentivou a ideia de vivermos os três juntos... mas depois, enquanto eu e ele nos arrumávamos e vínhamos para cá... ele nem me olhou nos olhos...

- Ah, querida... não fica assim... - Jennifer tentou acalmá-la. - Calma... vou pegar água para você... ou você quer alguma bebida mais forte?

- Não... só água... obrigada... estou muito nervosa... acho que meu casamento acabou...

- Ah, querida... o David também fica assim, distante, quando tem show... - Cindy disse tentando acalmá-la.

- Não... é diferente... estávamos muito bem hoje... fomos todos almoçar juntos no francês; o Mick, meus parentes, o Jack... ele me deu esse anel lindo...

- Nossa! - Jennifer pegou a mão de Clara para ver melhor o anel. - Lindo mesmo... puxa... ele tem mesmo a intenção de te cobrir de diamantes...

- É... mas depois, quando ficamos sozinhos... ele nem olhou direito para mim, tivemos aquela conversa com o Mick, em que ele convidou o Mick novamente para viver conosco e subimos para nos arrumarmos para sair.... e daí em diante, ele se calou... como se eu fosse um fantasma que ele evitava perceber dentro do quarto e do carro.

- Acho que vocês precisam conversar... que ideia é essa de viver com o Mick? Vocês não iam discutir essa situação no castelo? Por que isso agora?

- Não sei... eu e o Jack estávamos super bem, tivemos uma noite linda... o Mick nem tinha voltado para casa hoje de manhã e eu senti que ele tinha desistido de mim... fiquei triste, mas fiz questão de ir até o final daquilo que eu estava sentindo... mas o  Jack me viu triste e chamou-o de volta, eu pensei comigo mesma, tudo bem... é só até amanhã mesmo... vamos todos para Nice... então... vamos em frente, estávamos muito bem, completamente unidos e, de repente, ele se afasta de mim...

- Isso não pode ser bom... - Jennifer balançou a cabeça. - Eu acho melhor vocês conversarem... eu e a Cindy vamos dar uma volta e pedimos para ele vir aqui, vocês conversam e tudo vai ficar bem...

- Acho que vocês têm razão... não disse nada antes, no carro, porque fiquei com medo... mas acho que é melhor conversar com ele... preciso entender o que ele está pensando, se bem que acho que já entendi... ele esperava se livrar do Mick hoje e como isso não aconteceu, ele só está desistindo de mim...

- Pode ser que não... você sabe como eles ficam antes dos shows... de qualquer jeito, vocês conversam e tenho certeza que vão se entender... você ainda o ama, não?

- Muito...

- Então... eu e a Jenni vamos ao camarim dos rapazes e pedimos que ele venha para cá, conversar com você... e tudo vai ficar bem, querida...

- Está bem... obrigada... - Clara tentou sorrir, mesmo com os olhos molhados de lágrimas. - Obrigada, queridas... tentarei conversar com ele...

Assim que Jennifer e Cindy sairam do camarim, Clara levantou-se da cadeira, caminhou até a mesa onde comidas e bebidas estavam à sua disposição novamente, serviu para si mesma uma dose de conhaque e caminhou até o sofá, onde deitou-se, com seu tablet na mão para ver novamente o vídeo em que dançava com Jack, na festa da noite passada.

Agora, sozinha ela sentia que tudo tinha terminado. Precisava agora criar coragem e ir embora, também amava Mick, mas não tinha intenção de deixar Jack para ir viver com ele. Sem Jack, ela sequer queria continuar vivendo; voltaria para o Brasil, se fecharia em seu apartamento e esperaria a natureza terminar sua obra. Não demoraria muito desta vez; tinha recuperado apenas um dos 5 quilos que perdeu nos últimos tempos e não precisava de muito stress para retornar à condição anterior. Quem disse que ela não tinha um plano?

- Ann, por favor... vem comigo... não confio em te deixar aqui nesta casa, sozinha... ela pode tentar te machucar...

- Não posso... meu pai está doente, preciso cuidar dele... vou com ele para a vila... já nos escondemos lá por tanto tempo, podemos nos esconder novamente... 

- Vou deixar algum ouro com você; vamos fazer o seguinte, eu levo vocês até o esconderijo na vila hoje à noite e amanhã cedo, parto para Paris. Não confio em Catherine, se ela sequer desconfiar que você está esperando um filho meu...

- Não se preocupe, querido... vai dar tudo certo... mas sei que sentirei falta deste lugar, da nossa árvore... lembra quando você lia para mim e eu sonhava com a nossa montanha?

- Vamos para lá... para a nossa montanha... tenho medo de te perder... vou deixar  o rei me esperando em Paris... e...

- Não... ele mandaria soldados para te perseguir, não estaríamos mais seguros em nenhum lugar... vamos fazer tudo direito, querido... eu me escondo das vistas de todos do castelo, você faz o que precisa fazer e depois partimos juntos...

- Mas eu posso não voltar... a situação em Paris está ficando mais difícil a cada dia que passa...

- Clara... - Jack agora a chamava do lado de fora da porta. - Amor... a porta está trancada.

Um pouco tonta, tentando entender onde estava, ela levantou-se do sofá e derrubou o tablet que estava em seu colo, no chão. - Já vou, amor... - disse tentando secar os olhos no caminho.

Assim que a porta abriu, Jack agarrou-se em Clara e beijou-a. Pegando-a completamente de surpresa.

- Me desculpe, encontrei a Jennifer agora no camarim e ela me contou... - Jack disse acariciando o rosto de Clara.

- Espera... elas sairam daqui faz tempo, você não estava no camarim?

- Não... fui a uma reunião com o Peters sobre o show de ontem, lá em cima, na sala dele. Ah, meu amor... você deveria ter me dito alguma coisa... não suporto te ver triste...

- Você não está me deixando, então?

- Não... no carro, agora... eu estava um pouco longe sim, mas por causa do show... o Peters convocou essa reunião para hoje e precisamos adiantar algumas coisas para termos os dias livres irmos para Nice...

- Sério que era só isso? Quero dizer... se você não quer o Mick na nossa casa...

- Não se preocupa com isso, meu amor... vamos para Nice amanhã, com ele, não vamos? Está tudo certo... Olha só... até derrubou seu tablet... - Jack disse pegando o aparelho do chão.

- As meninas saíram para te chamar, eu fiquei aqui te esperando e acho que peguei no sono... chorei de novo, até dormir...

- Ah, meu amor... não fica triste... sou teu... não duvida disso nem por um segundo, eu te amo tanto que chega a doer aqui dentro... e eu morro um pouco quando te vejo triste....

- Jack, meu amor... - Clara agarrou-se nele e beijou-o. - Eu não sei nem o que te dizer, minha vida... obrigada por ser tão doce comigo... É muito bom saber que você ainda não desistiu de mim, apesar de tudo o que eu te fiz...

- Você só me faz bem... de verdade, meu amor... eu só tenho vontade de passar os meus dias te mimando... nunca achei que isso fosse acontecer, mas para mim, estar com você é ainda melhor do que subir naquele palco... se você me fizer aquela pergunta agora, aquela clássica, que toda mulher com quem já me relacionei chegou a me fazer de um jeito ou de outro; "eu ou a música?", sabe? Graças a você, tenho uma nova resposta para ela: Você!

- Jack... - Clara suspirou, os olhos afogados novamente em lágrimas. - Você ainda me mata de emoção, meu amor... mas eu quero te pedir para nunca, mas nunca mesmo abandonar nada por mim... eu te amo demais para aceitar qualquer sacrifício seu... sei o quanto a música significa para você...

- Mas estou te dizendo que faria isso sem olhar para trás, meu amor... passaria o resto dos meus dias do seu lado, lá no Brasil, ou no topo da nossa montanha, ou onde quer que você se sentisse melhor, se fosse isso que você me pedisse...

- Eu te amo tanto... ah, Jack... tive tanto medo de te perder... vem aqui, vem... vamos comemorar do nosso jeito  - ela puxou Jack para o sofá e os dois se entregaram um ao outro, completamente envolvidos em sentimentos que afloravam mais e mais a cada minuto que passava.

Continua


Nenhum comentário: