6 de abr de 2013

Rockstar - Capítulo CXXVII


- Oi Jack, oi Princesa... então é hoje, não?

- Pois é, cara... tudo bem com você?

- Ótimo... o Dave me disse que está lá no palco... vou deixar minhas coisas no camarim e vou para lá, vocês vão comigo?

- Vamos sim, Mike... - Clara sorriu. - E a Jenny? Quando ela vem para cá?

- Daqui a pouco... está no salão de beleza com a Cindy... elas estão super ansiosas...

- Eu queria que elas chegassem logo... para ficar um pouco aqui comigo, estou tão nervosa...

- Não fica, Princesa... todo mundo aqui te ama muito...

- Pessoal... - David disse aparecendo no final do corredor e vindo na direção do grupo, com o celular na mão. - Velhão, o Mick Jagger acabou de me ligar, perguntou se estamos interessados uma canja dele e do Keith, hoje à noite... o que você acha?

- Por mim tudo bem... - Jack sorriu, olhando Clara nos olhos por um momento. - O que você acha, Mike?

- Ótimo! Já fizemos isso em Paris, lembra? - Mike sorriu e também olhou para Clara. - O que você acha, Princesa?

- Por mim, tudo bem... - Clara deu um sorriso sem graça. - Nem acho que tem cabimento dar minha opinião em uma coisa dessas... são os Rolling Stones querendo tocar com a Crossroads... não cabe a mim decidir...

- Cabe sim, Princesa... - David sorriu. - Aqui, você  é quem manda... e não só no Velhão....

- Vocês são uns queridos... - Clara sorriu. - Amo vocês...

- Quer que eu ligue para o Mick para dar a resposta? Será que eles vão querer passar o som?

- Ah, não precisa... - David sorriu. - Aqui todo mundo é macaco velho, brother... Vou ligar para ele...

- Deixa que eu ligo... - Jack interrompeu o amigo. - Já precisava falar com ele mesmo...

- Nós vamos lá para o palco, Jack... - Michael Silver disse, seguindo David Mersey.

- Nós já vamos... - Jack disse parando no corredor com Clara, para ligar para Mick. - Então Menininha... vou ligar, ou você liga?

- Prefiro que você ligue, meu amor... - Clara disse agarrando-se a Jack.

- Oi Mick, tudo bem?

- Oi Jack... liguei para o David e ele disse que ia ver se vocês queriam a gente aí, hoje à noite...

- Claro que queremos, amigo... estamos aqui te esperando... vocês querem passar o som?

- Você acha que precisa?

- Fica a vontade, amigo... pergunta para o Keith e se vocês quiserem podem vir para cá agora... assim, você pode fazer companhia para a Clara, ela está tão nervosa...

- Ela está bem?

- Está... um pouco nervosa, mas não tem jeito... é a estreia e todo mundo está assim por aqui...

- Nós vamos para aí, então... posso passar, Jack?

- Claro, amigo... vem sim... estamos esperando por vocês...

Clara estava agora preocupada, sentia os olhos de Jack examinando-a todo o tempo,  mesmo enquanto conversavam sobre o palco e a banda checava novamente cada detalhe agora que os portões estavam para ser abertos ao público.

- Princesa... está chegando a hora... - David disse sorrindo para ela. - Nervosa?

- Um pouco... - ela sorriu de volta.

- Ela já vai ficar bem calma, não é, amor? - Jack provocou, abraçando-a e sussurrando em seu ouvido. - Ele está vindo...

- Jack... por favor... - Clara abraçou-o e começou a chorar. - Me perdoa... - ela sussurrou no ouvido dele.

- Oh, meu amor... - Jack disse beijando-a apaixonadamente. - Eu te apoio completamente, não se preocupe mais... sou seu...

- Eu te amo... - ela suspirou.

- Velhão... tudo certo por aí? Dá para liberar o palco?

- Por mim, tudo ok, Dave... - Jack sorriu. - E se ninguém precisa mais de mim, estou indo para o camarim da minha mulher...

- Ok, Velhão... vai namorar... - David sorriu. - Quando eles chegarem, eu te chamo...

Todos deixaram o palco juntos, enquanto as pesadas cortinas de veludo vermelho se fechavam na frente dele.  Jack e Clara continuaram caminhando mais alguns passos até o camarim com a estrela dourada na porta.

- Querido... eu queria conversar com você...

- O que foi, meu amor... desde que o Mick disse que está vindo para cá você ficou tão nervosa...

- Ah, Jack... - Clara agarrou-se ao marido. - estou cansada, mas vou conseguir... vou falar com o Mick assim que ele chegar aqui... pedir que ele se afaste...

- Não faça isso, não quero te ver sofrer nunca mais e se precisar, eu mesmo peço a ele para ficar... eu sei o que ele significa para você... você melhora quando ele está por perto. Ah, amor... não se preocupa, tudo vai ficar bem... - Jack sorriu. - Quer uma bebida?

- Quero sim, amor... - Clara suspirou vendo Jack servindo duas doses de whisky. - Está bem... estou cansada de lutar, talvez você tenha razão... deixa passar os shows, vamos conversar melhor e decidir tudo no castelo... eu preciso tanto ficar em paz...

- Nós vamos ficar em paz, querida... eu te prometo...

- Eu te amo, Jack...

- Vem aqui... você comeu tão pouquinho hoje... eu preciso cuidar de você... - ele disse entregando a ela um dos copos que estavam em sua mão.

- Ah, meu querido... eu te amo tanto... não posso te perder...

- Não vai... ok? Então... - ele sentou-se ao lado dela, tentando mudar de assunto. - Acho que seus pais já estão vindo para cá...

- Estou tão triste porque te decepcionei...

- Não, meu amor... você não me decepcionou... pelo contrário... estou muito feliz porque você está aqui comigo, porque sei que você me ama...

Os dois foram interrompidos por alguém batendo na porta. Jack abriu. Era Pablo acompanhado de Michael Peters e pela manicure que tinha acabado de chegar para fazer as mãos de Clara. A abertura da porta trouxe também para dentro o burburinho do público, que lentamente começava a encher as dependências da Arena.

- Querida... essa é a minha auxiliar Raquel... ela vai fazer suas unhas... - Pablo disse sorrindo para Clara, completamente sem jeito por perceber que estava interrompendo o que ele imaginava ser o namoro dos dois.

- Oi Raquel, por favor, entrem... vamos fazer logo essa mão... Onde é melhor?

- Aqui, amor... - o cabelereiro indicou a cadeira próxima da bancada com espelho onde mais tarde seria feita a maquiagem.

Ela sentou-se, levando consigo o copo de whisky,  com pressa de fazer logo as unhas antes que Mick chegasse, não queria que seu cabelereiro e agora a manicure, o vissem por lá, quando chegasse.

- Que cores você tem, querida?

- As que você quiser... - a manicure disse abrindo uma maleta onde existia uma enorme variedade de esmaltes de todas as cores imagináveis. 

- Antes de qualquer coisa, meu figurino é aquele que está ali na arara, e o vestido que usarei depois é o que está atrás dele... então, que cor?

- Que tal este dourado?

- Acho que é um pouco claro demais... - Clara disse examinando o vidrinho de esmalte, enquanto Jack sentava-se ao seu lado.

- Este aqui cor de cobre me parece mais bonito... O que você acha Pablo?

- Lindo, querida... vai ficar perfeito com todas as suas jóias... Olha só.... ela também vai aplicar estes cristais na unha...

- Que lindo! Olha só, amor... - Clara mostrou para Jack as pequenas pedrinhas que seriam presas pelo esmalte.

- Pablo, você gostaria de comer alguma coisa? Quer uma bebida? - Jack disse levantando-se novamente e servindo mais uma dose de whisky em seu copo.

- Não, obrigado, senhor Noble.

- Amor... quer mais croissant, enquanto ela ainda não começou?

- Quero sim, querido... obrigada... - Clara sorriu para o marido, que entregou-lhe mais um croissant de chocolate nas mãos e deu-lhe um beijo. - Eu te amo...

- Sabe, Pablo... encomendei esses croissants em Paris... eles valem a pena... de verdade... - Jack disse sorrindo.

- Senhor Noble, eu sei que não é da minha conta o que eu vou dizer, mas fico até emocionado com o carinho que eu sinto que existe entre vocês dois... sério... algum dia, eu gostaria de ter tanto amor por alguém como eu percebo que vocês têm um pelo outro..

- Obrigada, Pablo... - Clara disse secando os olhos que lacrimejavam alheios à sua vontade.

Jack aproximou-se de Clara e beijou-a na testa. - Não chora, meu amor... Quer mais uma bebida?

- Não, querido... - ela disse, sentindo seu coração dar um salto, assustado com o toque que anunciava que o celular de Jack tinha acabado de receber uma mensagem.

- Amor, o Mick e o Keith chegaram... vou lá no camarim encontrar com eles... já volto...

- Vai lá, querido... - Clara disse  aflita, com medo da possiblidade de eles virem ao seu camarim. - Quando terminar de fazer a unha, vou até lá...

- Amor, Mick e Keith? Os Rolling Stones estão aqui? - Pablo perguntou assim que Jack saiu da sala.

- É, Pablo... eles estão combinando uma participação especial  no show...

- Amor... não me leva a mal... mas as pessoas estão falando... quer dizer... depois daquele vídeo de hoje de manhã...

- Não tem problema, Pablo... o Mick é nosso amigo, estamos trabalhando juntos e não.... ele não foi a causa daquela briga de hoje cedo... daqui a pouco vou passar lá no camarim para vê-los.  Está ficando tão linda essa unha, Raquel... - Clara sorriu tentando mudar de assunto.

- Você ouviu o barulho que veio do corredor, quando o senhor Noble abriu a porta? ... esse show vai ser uma loucura.

- Não fala isso, Pablo, já estou tão nervosa...

- Amor, não fica... você é uma estrela... tão linda...

- Obrigada, Pablo... você é um querido... - Clara sorriu. - Vai lá provar os  croissants de chocolate que meu marido mandou vir de Paris, eles são feitos no nosso café favorito de lá... experimenta, amor...

- Vocês são mesmo chiques, né amor...

- Não... só estamos muito apaixonados e adoramos ficar juntos, namorando em Paris... como todo mundo...

- Amor, seu celular está tocando...

- Quem é? Pega ele para mim e traz aqui para a bancada....

- É Sarah, amor...

- Ótimo... atende para mim e aperta esse botãozinho do viva-voz.... Obrigada... - Clara disse para o cabelereiro que tinha trazido o aparelho para perto dela. - Oi querida, você está no viva-voz, estou fazendo a unha...

- Já cheguei, Clara, o Hutton já me entregou o backstage pass e agora, estou só esperando alguém para me guiar até o seu camarim.

- Que bom, querida... estou aqui esperando.... precisa que eu agilize alguma coisa para você?

- Não... o Hutton já está voltando com uma outra pessoa... já estou indo para aí, então... beijos...

- Beijos, querida...

- Nossa! Dizem que português e espanhol são línguas parecidas, eu não vejo onde.... - Pablo sorriu. - Não entendi quase nada...

- É engraçado isso, mas também tenho a maior dificuldade para entender espanhol... e falo inglês, francês, italiano e português... mas o espanhol... não entra na minha cabeça...

- Você é linda, querida... já fala tantas línguas, não precisa falar espanhol também...

Logo Sarah batia na porta e Clara suspirava aliviada por tê-la por perto, para ajudá-la a acalmar-se. - Querida! Que bom que você chegou!

- Oi Clara...

- Este é o Pablo, meu cabelereiro e essa é a Raquel, minha manicure... essa aqui é a Sarah Hudson, uma velha amiga...

Sarah cumprimentou os dois e sentou-se perto de Clara,  contou sobre a efervescência que tinha encontrado na porta da Arena, sobre a animação das pessoas que ela tinha ouvido cantando nas muitas filas que se formavam lá fora, por onde passava, a caminho da porta de entrada destinada a imprensa.

- Eles já abriram os portões para o público, não?

- Já... - Sarah sorriu. - Que lindo esse esmalte...

- Também achei lindo, Sarah... - Clara sorriu. - Você viu os cristais que ela vai aplicar na minha unha?

- Olha... que lindo! Você vai arrasar hoje, querida... Você vai usar aquele vestido ali? - Sarah disse, mexendo nos vestidos pendurados na arara. 

- Não... aquele é para a festa, depois do show... meu figurino é aquele azul, bordado... do outro lado...

- Ah, que lindo...

- E tem aquela capa de veludo, que vai por cima...

- Uau... essa capa é linda... Você vai mesmo arrasar nesse show... Já mostrou essas roupas para o Jo?

- Ainda não... ele me deixou muito triste hoje, com umas coisas que ele disse...

- Ah, não leva em conta... você conhece o Jo... ele acha que tem a solução para a vida de todo mundo e acaba sempre falando demais...

- Eu sei... mas o que ele disse me deixou tão inquieta... não queria estar assim... não hoje... - ela disse tomando mais um gole de whisky. - Quer uma bebida, amiga?

- Só água, querida... ainda tenho que gravar uma matéria, na hora do show... - ela sorriu. - Deixa, que eu me sirvo...  Clara, na boa, descansa... não vale a pena enlouquecer por causa do Jo...

- Juro que estou tentando...

- Bom, já te disse que meu editor adorou a entrevista de vocês e vai colocá-la não só no canal a cabo, como na TV aberta... vai ser a primeira vez que eu vou entrar em rede nacional,  em um noticiário de TV aberta, graças a você, querida...

- Que ótimo! Fico feliz... quanto mais audiência melhor.

- Ah... e já mandaram o escritório daqui conversar com uns especialistas porque o seu problema médico vai entrar na pauta do Fantástico, no próximo final de semana... vou entrevistar uns dois ou três médicos da Academia Real de Medicina...

- Algum deles se chama Lanee, por acaso? Doutor Pat Lanee?

- Acho que vi esse nome na pauta sim... por que? É o seu médico?

- É... ele é a maior autoridade em sangue aqui do Reino Unido... foi ele quem me levantou...

- Ótimo...

- Senhora Noble, desculpa interromper... - disse Raquel. - o esmalte está pronto... agora vou preparar os cristais para a aplicação... e eu preciso secar essa camada, vamos usar esse aparelho aqui... a senhora coloca os dedos aqui, por favor...

- Ok... - Clara sorriu ao ver um pequeno aparelho que lembrava uma sanduicheira com um espaço onde encaixar os dedos. Quando ligado, o aparelho emitia uma estranha luz arroxeada.

- Sarah... você pode me fazer um favor? Pega o meu celular e liga para o Jonas... veja se eles já chegaram aqui... estou preocupada...

- Calma querida... já vou ligar...  Alô, Jonas?

- Clara?

- Não, querido... é a Sarah... ela me pediu para te ligar, quer saber onde vocês estão... já chegaram aqui na arena?

- Ainda não... estamos chegando, mas estamos parados no trânsito... quando chegarmos, eu ligo para você, pode ser?

- Pode... ela está esperando, ok?

- Ok, querida... manda um beijo para ela...

Sarah desligou o celular e colocou-o de volta na bancada do camarim. - É... o trânsito aqui perto da Arena está um caos... o motorista da minha equipe ficou quase maluco...

- Estou ficando tão nervosa, amiga...

- Não fica... quer que eu vá buscar o Jack?

- Não... deixa ele...

- Pronto... agora vou colocar os cristais, senhora Noble... - a manicure disse, interrompendo o diálogo das duas, enquanto começava a delicadamente colar um a um, cada pequeno cristal nas unhas de Clara e depois  de mais uma sessão de secagem, as mãos estavam prontas para o show.

- Nossa que lindo! - Sarah sorriu ao ver as unhas de Clara prontas. - Puxa... é luxo puro, amiga!

- Definitivamente, estou nervosa agora... olha.... estou gelada....

- Calma, amor... vai dar tudo certo...

- Vocês já combinaram com o Michael Peters como assistirão ao show, não combinaram? - Clara perguntou ao cabelereiro assim que a manicure terminou de ajeitar suas coisas para deixar o camarim.

- Sim... o senhor Peters nos deu um ingresso para um camarote onde estarão as pessoas que estão trabalhando no show... já está tudo certo, senhora Noble...

- Ok... obrigada por esta obra de arte, querida... - Clara cumprimentou a manicure simpaticamente, enquanto ela deixava o camarim junto com o cabelereiro, que voltaria mais tarde para ajeitar seu cabelo e maquiá-la para o palco.

Assim que os dois saíram do camarim, Clara contou tudo o que tinha acontecido para Sarah e disse que naquele momento, Mick estava no camarim dos rapazes, provavelmente conversando com Jack sobre aquela situação sem esperança de solução em que ela tinha atirado os três.

- Você vai comigo até lá, não vai?

- Não sei se devo, amiga...

- Por favor, Sarah... me ajuda... não tenho forças de entrar lá sozinha, mas preciso vê-lo... preciso saber o que aconteceu hoje entre ele e a Gianna...

- A ex dele?

- É... ele me disse que ia tentar trazê-la ao show hoje à noite.

- Você acha que eles voltaram?

- Não sei o que pensar... mas estou morrendo de ciúmes... como fiquei com ciúmes do Jack hoje de manhã...

- Calma... vou com você então... vou lá agradecer o Jack pela entrevista... está bem?

- Então vamos... - Clara supirou profundamente e conferiu mais uma vez sua imagem no espelho, antes de sair com a amiga e trancar a porta do camarim novamente. - Estou me sentindo ridícula com meus cabelos assim presos...

- Você não tem um lenço para esconder esses rolinhos?

- Boa ideia, amiga.... - ela disse pegando um lenço de seda que estava amarrado à sua bolsa e amarrando-o em sua cabeça. - Então?

- Lindo! Vamos?

Clara e Sarah caminharam pelo corredor e ficaram impressionadas com o som que ecoava pela Arena vindo da plateia, Clara lembrou-se que sua família já devia estar por lá e ligou para Jonas, mas não conseguiu falar. Decidiu então bater na porta do camarim.

Continua

Nenhum comentário: