5 de mar de 2013

Rockstar - Capítulo CXX


- Querido, vou dar uma olhada no Jack... e já desço... - ela disse depois de passar alguns minutos nos braços de Mick e dar um longo suspiro. - Diz para a senhora Hammer que o jantar deve ser servido daqui uma hora, ok?

- Você sabe que ele está bem... não precisa fazer isso...

- Mas vou fazer... de qualquer jeito... ele é meu marido... não posso sentir o que estou sentindo por você agora... preciso cuidar dele, não posso mais... - ela disse já com os olhos cheios de lágrimas.

- Clara... - Mick levantou-se do piano e a seguiu, pegando-a pelo braço e agarrando-se a ela. - Vou junto com você...

Os dois foram até o quarto rapidamente e viram que Jack continuava dormindo profundamente, na mesma posição que o tinham deixado e desceram para a sala, em silêncio, com lágrimas nos olhos.

- O que está acontecendo nessa casa? - Jonas perguntou ao vê-los descendo. - Vocês estão juntos de novo, é isso?

- Desculpa Jonas... a Clara não está bem... ela precisa de um pouco de paz para recuperar-se. - Mick disse tentando protegê-la. - Por favor...  não faça perguntas...

- Tudo bem, Mick... eu não me importo... Jonas... eu... estou apaixonada pelo Mick e... o amo tanto que estou pensando até em me divorciar do Jack para ficar com ele... é isso o que você quer saber? - ela disse chorando ainda mais.

- Por favor, Jonas... ela não pode passar por isso agora. - Mick abraçou-a. - Vem aqui meu amor... não chora...

- Desculpa, não queria fazer isso... - Jonas disse aproximando-se dos dois. - Me perdoa...

- Não é culpa sua, Jonas... estou vivendo um momento muito difícil... estou confusa, cansada, doente...  o meu marido está lá em cima apagado de tanto beber... e não tem a mínima ideia de que estou aqui fazendo planos de  ir embora desta casa... ele não sabe ainda que sou uma monstra e irei partir seu coração...

- Não faça isso com você, Clara... não mesmo... - Mick disse abraçando-a novamente. - Calma, meu amor... descansa... vamos resolver tudo... Não queremos que ninguém saiba sobre isso... ainda não, pelo menos...

- Está bem... - Jonas suspirou preocupado com a saúde de sua amiga, especialmente com o escândalo que  viria quando as pessoas descobrissem. - Eu só peço para vocês que não deixem as coisas fugirem do controle... você está doente, querida... precisa ter um pouco de paz para melhorar... por favor...

- O Jonas tem razão... querida... sua saúde antes de qualquer coisa... primeiro você melhora, depois resolvemos tudo... está bem?

Clara apenas balançou a cabeça afirmativamente, enquanto Mick secava suas lágrimas. - Vai ficar tudo bem, Clara. - ele dizia procurando arrumá-la novamente e tentando acalmá-la. - Vou pegar um copo de água para você, querida...

- Obrigada, meu amor... - ela disse beijando-o. - Eu te amo....

- Te amo, querida... - ele sorriu. - Não chora mais... tá...

- Não vou chorar, Mick... - ela suspirou, sorriu e caminhou até Jonas. - É muito importante que eu consiga  melhorar e colocar minha vida nos eixos  de novo, Jonas... me ajuda, por favor...

- Claro, minha amiga... claro... estou do seu lado no que você decidir... quero te ver feliz... 

- Obrigada, querido... você não sabe o quanto isso significa para mim...

- Eu sei... - ele disse abraçando-a a beijando-a na testa. - Quero te ver bem...

- Vou melhorar... te prometo... - ela sorriu.

- Bebe a água, meu amor... quer tomar um calmante leve? Só para relaxar um pouco? - Mick aproximou-se dela carinhosamente com um frasco de comprimidos nas mãos. - Quer?

- Não sei... preciso cuidar de tudo aqui... não quero ficar sonolenta...

- Está bem, querida... você que sabe... está aqui no meu bolso, se você quiser... - devolvendo o frasco ao bolso do blaser que estava usando, enquanto os três caminhavam até os sofás da sala de estar. - Ela está linda, não Jonas?

- Está sim... - seu amigo sorriu. - Você vai arrasar  naquele show amanhã, querida...

- Com certeza... - Mick sorriu. - Você ainda não me disse como foram os ensaios...

- Foi tudo maravilhoso... - ela sorriu. - Aquele palco... estar lá, do lado do Jack... foi muito especial...

- Eu sabia que você se sentiria bem no palco, você é uma estrela, meu amor... - Mick sorriu.

- Não me sinto uma estrela, Mick... pelo contrário... parece que a qualquer momento alguém vai perceber que sou uma fraude completa e vai me atirar para fora...

- De jeito nenhum, meu amor... Você brilha no escuro... - Mick sorriu, pegou a mão de Clara e beijou-a. 

- Mick, querido... você falou com a senhora Hammer?

- Sim... está tudo pronto e daqui a pouco, os empregados começarão a servir um coquetel... só depende de seus convidados descerem...  Jonas, aceita um whisky?

- Obrigado, Mick...

- A Clara ainda não pode beber... está tomando remédios.... Já pedi para a senhora Hammer trazer um cocktail de frutas para você, querida...

- Obrigada, meu amor... - ela sorriu para ele. - Eu não sei o que faria sem você...

- Eu é que não sei... - ele sorriu e mandou um beijo para ela, de longe.

Os pais de Clara, sua irmã e amiga  voltaram à sala de estar, prontos para o jantar e assim, Mick pediu que o cocktail que antecederia o jantar começasse a ser servido.

Eles traziam em suas mãos souvenires de seu passeio e fotos para mostrar a ela, e aos poucos,  o clima na casa tinha voltado a ser  familiar e amistoso embora ainda, o  pai de Clara olhasse para Mick muito desconfiado, enquanto os demais naquela sala estavam encantados com seu charme e sua inteligência, conversando em português, na mesa de jantar e depois colocando músicas e dançando com todas as mulheres presentes. 

- Filha... seu amigo é encantador... sempre simpatizei com os Rolling Stones, mas não podia imaginar que ele é assim...

- Eu sei, mamãe... ele é maravilhoso...

- E você... como você está?

- Melhor... graças a ele...

- E o seu marido? Onde ele está?

- De verdade... ele voltou do ensaio muito bebado e o Mick me ajudou a colocá-lo para dormir, no nosso quarto, lá em cima...

- Ah filha... - a mãe de Clara deu um longo suspiro, enquanto a filha a abraçava, chorando mais uma vez. - Por isso, ele está aqui te ajudando?

- Não... mamãe... ele está aqui porque tem trabalhado com o Jack em umas músicas novas, para o disco que eles querem que eu grave... mas eu fiquei doente e ele, com pena de mim, resolveu que ficaria aqui para me ajudar... ele gosta muito de mim...

- Vocês estão juntos, filha?

- Não... mamãe... que ideia! - Clara caprichou na expressão de estranheza, mesmo assim, sabia que sua mãe já tinha compreendido tudo o que acontecia naquela casa.

- Filha... eu sei que não temos nada com isso... mas quando seu pai começou com as teorias dele... bem... eu também comecei a pensar e juntando todos os detalhes, inclusive as coisas que andam comentando na imprensa...

- Ah, mamãe... você não pode acreditar no que dizem...

- Tem certeza?

Clara deu um longo suspiro e levantou-se do sofá: - Desculpa mamãe... preciso ir dar uma olhada na cozinha, vou mandar servir um café para todos...

- Desculpa, querida... se você não quer contar, eu confio em você... mas se precisar da minha ajuda, do meu colo... estou aqui... está bem?

- Obrigada mamãe! - ela abraçou e beijou sua mãe, escapando para a cozinha para esconder suas lágrimas.

- Bradley, por favor, mande servir café expresso e aqueles bombons de chocolate para meus convidados... - ela disse ao encontrar o mordomo. - Obrigada e parabéns a todos, o jantar estava divino... 

- Obrigada, senhora Noble... providenciarei imediatamente.

- Obrigada, Bradley...

- A senhora está bem? - o mordomo perguntou ao percebê-la secando as lágrimas. - Quer que eu chame o senhor Jagger?

- Não... obrigada Bradley... vou ficar bem... - ela sorriu e voltou para a sala de estar, caminhando até o piano, onde Mick agora tocava e cantava para entreter seus convidados.

- Querida, vamos cantar para eles aquela música de ontem? - Mick perguntou a ela, abrindo a letra em seu tablet para que ela pudesse acompanhá-lo. - Fiz esta música para a Clara gravar... vamos ver se vocês também gostam dela, como nós gostamos ontem à noite.... Pronta, querida?

- Pronta...

- Um, dois, três... um, dois, três, quatro... - Mick começou a tocar  a melodia suave, enquanto Clara concentrava-se na letra escrita no tablet de Mick e cantava na frente daquela pequena plateia que já estava em sua mão, antes mesmo que abrisse a boca. Aquelas eram pessoas que a amavam e nunca a criticariam, mesmo que sua interpretação fosse um desastre.

- Lindo! - Jonas foi o primeiro a manifestar-se. - Clara, estou maravilhado! Essa música é linda e você está cantando muito bem...

- Obrigada, querido... você é muito gentil...

- Filhinha... você cantou tão bonito... - Ana, a mãe de Clara foi até o piano e abraçou-a. - Lindo mesmo! Esta música é de vocês dois?

- Não... só do Mick... ele tem escrito algumas músicas para eu gravar.

- A Clara é minha protegida agora... - Mick disse em português. - Ela tem muito talento e será um prazer para mim cuidar da carreira musical dela...

- Mas e o marido dela? - o pai de Clara, sempre nem um pouco sutil, fez a pergunta que todos ali queriam fazer.

- Ele também cuidará... nós todos juntos, os Stones e a Crossroads...

- Poxa... quantos padrinhos, irmã! Você podia me emprestar um ou dois... - Ciça disse fazendo todos rirem.

- Você também canta? - Mick perguntou para Ciça.

- Não... desafino até respirando... - ela disse rindo. - As pessoas costumam me expulsar do palco quando vou em karaokê...

Clara explicou a Mick a resposta de sua irmã e ele riu muito. - Sua família é muito linda, querida... - Mick disse no ouvido de Clara.

- Obrigada, Mick... - ela respondeu pegando a mão dele. Um gesto que não passou despercebido naquela sala.

- Eu acho que já está ficando tarde... - o pai de Clara disse olhando no belo relógio sobre a lareira da sala, uma preciosa antiguidade francesa que tinha custado mais do que o carro de seus pais. - Acordamos bem cedo hoje, querida... estou que só o pó...

- Me perdoa, papai... não queria que nada disso tivesse acontecido...

- Nós sabemos... o que importa agora é que você melhore... fique bem... você estava tão triste que tive vontade de te pegar no meu colo e te levar de volta para casa... - ele disse com lágrimas nos olhos. - Fiquei quase louco de preocupação, mas agora sei que você vai ficar bem...

- Ah papai... - Clara abraçou seu pai, chorando. - Eu vou ficar bem, sim... eles estão cuidando de mim...

- Eu sei, querida... não chora... - Paulo secou suas lágrimas com os dedos. - Quando te vi cercada por esses roqueiros, fiquei com tanto medo que eles fossem te machucar...

- Eles são maravilhosos comigo, papai... não se preocupe...

- Paulo... não faz a menina chorar desse jeito... - Ana disse pegando-a pela mão e sentando-a no sofá. - Ciça, traz um copo de água para ela...

- Eu vou pegar... - Mick disse, levantando-se e caminhando até o bar. - Bebe, querida... você está bem?

- Estou, Mick... obrigada! - Ela sorriu e abraçou-o. Mais uma vez todos naquela sala olhavam para os dois. Mick percebeu o olhar, mas Clara, cansada e emocionada, apenas passava mais uma rodada de chocolate entre seus convidados.

- Querida... acho que você deveria ir descansar... - Mick sussurrou em inglês para Clara, depois que ela sentou-se novamente no sofá. - É melhor que você descanse, para sua voz, para ter mais força também para enfrentar o dia de amanhã... meu amor...

- Acho que você está certo... vou me deitar... - Clara abraçou Mick longamente e só depois disse para seus parentes que estava indo descansar para preservar-se um pouco para o show, abraçou um por um e subiu as escadas rumo a seu quarto.

Mick que estava lá para ajudá-la com seus convidados, continuou a entretê-los, sentando no piano, ele deu um show particular para eles, cantando e tocando músicas que eles pediam.

Ela abriu a porta do quarto, esforçando-se para não fazer barulho, ela atravessou o quarto e foi até o banheiro, onde retirou cuidadosamente toda a maquiagem e passou uma generosa camada de um creme que ganhou de Mick, para cuidar de sua pele. Prendeu seus longos cabelos em duas tranças e caminhou até a cama.

Alguns minutos depois, ela via Jack levantar-se para ir até o banheiro, na volta, ao vê-la na cama, ele acendeu o abajur; - Está acordada, Menininha?

- Não consigo dormir...  - ela disse, sentando-se na cama. - Você está bem, meu amor?

- Estou... vou tomar um banho agora, quer vir comigo?

- Quero sim... - ela sorriu e os dois caminharam juntos até o banheiro, onde Jack já tinha aberto as torneiras da banheira. - Preciso relaxar, estou morrendo de ansiedade...

- Vem, meu amor... vou te fazer relaxar...

Na água quentinha da banheira, os dois relaxaram e começaram a sentir-se melhor. - Meu amor, eu quero te pedir desculpas pelo que eu fiz hoje... - Jack disse beijando as manchas escurecidas nos pulsos de Clara. - Eu sou um idiota...

- Não, meu amor... você não é um idiota... eu te amo tanto...

- E o Mick?

- Me desculpa... eu ainda  não consigo deixar de amá-lo...

- Eu sei, minha querida... você quer passar o resto da noite com ele?

- Não... eu estou onde quero estar agora... - ela disse, beijando Jack. - Só não desiste de mim... por favor...

- Você também... eu te juro que estou tentando entender o que está acontecendo, mas ainda me dói tanto saber que vocês estão tão próximos...

- Eu sei, meu amor... eu sei... me dói muito te machucar... será que não era melhor eu me afastar de você?

- De jeito nenhum... não consigo viver sem você... estou tentando com todas as minhas forças aceitar isso... por favor, não me deixa...

- Não vou te deixar, meu amor... nunca...

- Senti tanto orgulho de você hoje, no palco... você estava linda...

- Eu me senti muito bem naquele palco, meu amor... só fiquei chateada de voltar para casa e não poder assistir a todo o ensaio...

- Eu sei, amor... mas você  precisa descansar... no fim, foi bom porque você passou o dia ao lado dele, não? Assim, sua saúde melhorou...

- Querido... eu não sei por que isso acontece... mas me senti mais forte hoje... talvez sejam os remédios...

- Eu sei que é ele... eu consigo aceitar, se sua saúde  reagir, fico feliz... mesmo sabendo que estou te perdendo...

- Você não está me perdendo, Jack... eu te amo desesperadamente, mas sinto que estou te ferindo...

- Não se preocupa comigo, Menininha... quero te deixar em paz... acho que é esse o segredo, ele não te cobra nada... mas sempre que você me vê, acha que está quebrando as regras, que me deve alguma coisa... você não me deve nada, ok? Se eu me machuco, o erro é meu...

- Não faça isso com você, Jack... eu sou culpada...

- Não é... descansa em mim... eu te amo...

Clara começou a chorar, no colo dele, dentro da banheira. - Me perdoa... me perdoa...

Jack levantou-se na banheira e pegou a esposa no colo para levá-la ao quarto.

- Eu te amo, Menininha... fica tranquila... vamos ficar bem... vou fazer uma massagem, você precisa relaxar... perdoa essa minha falta de jeito... sei que não me comparo com ele, sou um ogro e ele, um príncipe...

Quando ele a pousava suavemente sobre a cama, Clara agarrou-se em seu pescoço e beijou-o com um desejo que não acontecia entre eles há algum tempo. Ainda molhados da banheira, eles se amaram, esquecendo de tudo o que tinha acontecido durante a  última semana, a traição, os problemas de saúde. Deixaram tudo para trás para reafirmar aquele amor que os fazia sofrer, mas que estava mais vivo do que nunca, novamente.

Continua

Nenhum comentário: