23 de fev de 2013

Rockstar - Capítulo CXVII


Quando a limusine que ia levá-los aos Estúdios Shepperton chegou, os dois já aguardavam prontos na sala de estar. Mick também já de volta de seus exercícios, tinha tomado banho e saído para trabalhar em seu escritório.

Com tudo que precisavam já embalado e em suas mãos; eles caminharam abraçados até o carro e prontos para a longa viagem, de pouco mais de uma hora que os separava do lugar, no meio da semana, com o costumeiro trânsito pesado da cidade.

Como eles não precisavam de mais stress, Jack e Clara apenas relaxaram nos braços um do outro, enquanto atravessavam lentamente o mar de carros quase parados até seu destino.

- Ah, amor... - Clara suspirou. - Não vamos chegar nunca...

- Vamos sim, querida... fica tranquila e descansa em mim... não quero que você se desgaste por nada nesse mundo... só fica aqui comigo... não é tão ruim assim, é?

- De jeito nenhum, meu amor... você é a melhor coisa da minha vida... estou me sentindo tão bem hoje, aqui... com você... - ela disse acariciando a barba de Jack, que imediatamente puxou-a para seu colo.

- Eu sei que o médico não quer que você se canse, mas...

- Jack... eu também quero, mas você ainda não pode e eu... acho que não consigo... fico cansada só de ficar em pé por mais de cinco minutos... não quero piorar nossa situação, amor...

- Eu sei... me perdoa, tenta descansar Menininha, logo você estará bem novamente...

- Me perdoa,  eu só quero te ver feliz, Grandão...

- Tenho certeza disso, meu amor...

O carro chegou apenas quinze minutos depois do horário combinado, mas nem Jack, nem Clara se preocupavam mais com isso. A melhor parte foi que quando chegaram, descobriram que Michael Silver ainda estava preso no trânsito e podiam relaxar no camarim preparado para eles junto com David e Cindy, os primeiros a chegar naquela manhã gelada.

- Princesa! Como você está se sentindo hoje? - David perguntou ao vê-la entrar  com Jack.

- Bom dia, queridos! - ela sorriu. - Estou me recuperando, Dave...

- Está linda, como sempre, querida... - David disse beijando sua mão. - Ela não está linda, Cindy?

- Está sim... bom dia, amiga... então... como vocês estão?

- Bem... - Clara sorriu. - Já me sinto melhor... ansiosa pelo show de amanhã,  mas muito feliz de ter essa chance de subir no mesmo palco que a Crossroads... é um sonho que eu nem sabia que tinha... mas que agora está aquecendo meu coração como nada...

- Querida... você vai precisar amanhã de maquiagem a prova d'água, não? - Cindy aproximou-se de Clara para oferecer-lhe lenços de papel, pois ela já tinha começado a chorar.

Jack agarrou-a e sentou-a em seu colo, no sofá, envolvendo-a carinhosamente com seus braços até que as lágrimas terminassem. 

- Desculpem... estou muito emotiva nestes últimos dias. Já estou com pena do Jack, ele passa metade do  dia cuidando de mim e a outra metade, me fazendo parar de chorar...

- Ah, Menininha... eu amo cuidar de você... - Jack sorriu e beijou-a no rosto.

- Achei que o Mick Jagger estaria por aqui também... - David disse, irritando Jack sem querer.

- Não... ele foi cuidar dos negócios hoje, para ter o dia de amanhã livre... - Clara respondeu, levantando-se do colo de Jack. - Acho que preciso comer alguma coisa, estou começando a ficar tonta...

- Vou pegar um sanduiche para você.... fica aqui, bem quietinha...

Jack foi até a mesa, encheu um copo com suco de laranja e preparou para ela um sanduíche com fatias de presunto e queijo, que encontrou na grande mesa que tinha um brunch completo para eles. A pedido de Jack a mesa tinha até croissants de chocolate encomendados diretamente do café parisiense favorito deles. 

- Olha amor... eu pedi os nossos croissants de chocolate e eles trouxeram...

- Mas o papel... que delícia, amor... vai me dizer que eles vieram daquele lugar perto do hotel?

- São... eu pedi... estão quentinhos... você quer?

- Claro, meu amor...

Enquanto todos aproveitavam as guloseimas à sua disposição, David pegou um croissant e foi direto ao palco para saber como estavam as coisas e conversar um pouco com Paul Clarke, o baterista contratado para tocar com eles nos shows, mas voltou rápido ao camarim porque ainda estava com fome.

- Vem amor... tem outro comprimido aqui para você tomar...

- São tantos remédios... - Cindy olhou penalizada para a amiga, que agora estava deitada no sofá, para recuperar-se.

- O que aconteceu com a Princesa, Jack?

- Ela está com um pouco de tontura, cansou-se... - Jack disse, sentando-se ao lado dela e acariciando seus cabelos. - Como estão as coisas lá fora?

- Já está tudo pronto, queria que você viesse comigo dar uma olhada... - David disse um tanto contrariado pela atenção que ele dava a esposa. - Vamos lá, Velhão? A Cindy cuida da Princesa... se tiver qualquer problema ela nos chama, ok?

- Vai amor... - Mesmo tonta, Clara sentou-se no sofá para incentivá-lo.- Já estou melhor...

Jack puxou-a mais uma vez para seu colo e beijou-a. - Eu te amo! Qualquer problema você me chama, ok Cindy?

- Não se preocupe... ela está bem... - Cindy sorriu. - Vai trabalhar, Jack...

Jack e David seguiram por corredores até o enorme galpão dos estúdios, onde normalmente se rodavam filmes. O palco que estava montado ali era o terceiro, dos quatro encomendados pela banda a uma grande empresa que costumava atender as solicitações de estruturas para shows grandiosos de artistas como Madonna e U2.

Um pouco menos complicado, mas igualmente grandioso, o palco da turnê "Forever" da banda Crossroads era dominado por um imenso telão de led que além de servir como cenário, facilitaria a vida dos fãs, nas apresentações nos grandes estádios e arenas, ele permitiria que seus ídolos fossem vistos em detalhes, pois era ainda maior do que a dos cinemas.
Trinta anos mais velhos do que no momento em que a banda se desfez, mas ainda com o mesmo talento musical de antes, reconhecido facilmente no novo repertório do álbum "Forever", um disco carregado de emoções fortes e marcado pela alegria dos reencontros, entre os membros da banda, entre eles e sua música e principalmente entre dois amantes que se conheciam há séculos.

- Espera, acho que seu celular está tocando.... - Cindy disse pegando a bolsa de Clara e levando-a até ela no sofá.

- É o Mick! - Clara disse ao pegar o aparelho. - Alô!

- Oi querida... como você está se sentindo... estou aqui resolvendo umas coisas, mas não consigo parar de pensar em você...

- Estou melhor, querido... descansando um pouco no camarim... daqui a pouco vou conhecer o palco...

- O Jack está aí com você?

- Não... ele foi dar uma olhada nos equipamentos... eles estão esperando o Silver chegar, parece que ele está preso no trânsito...

- O Laurent me mandou mais fotos do quadro... está quase pronto... está tão lindo, meu amor... vou mandá-las para você...

- Obrigada, querido... aliás, queria agradecer tudo o que você tem feito por mim e pelo Jack nestes últimos dias...

- Ah, meu amor... é tão bom estar perto de você, que até me esqueço que o Jack tem ciúmes... e que você ainda é casada com ele...

- Mick, eu te amo... mas  precisamos tomar cuidado... Não posso permitir que ele se machuque...

- Está bem, meu amor... o que você quiser, como você quiser... Daqui a pouco estarei com vocês... seus pais já te ligaram?

- Não... o Jonas certamente está cuidando deles para me poupar.... o Jack diz que não fez nada disso, mas sei que ele os está mantendo quietos para que eu não precise me preocupar...

- O Jack faz qualquer coisa por você Clara, até aceitar a minha presença na casa de vocês... Nunca duvide do amor dele...

- Nunca duvidei... me desculpa te dizer isso, mas eu o amo muito... talvez mais do que amo a mim mesma....

- Eu sei, querida... não precisa desculpar-se por isso... eu sei que ainda sou o bandido dessa história de vocês, mas me apaixonei por você... e te amo o bastante para aceitar que vocês continuem juntos, para me contentar em apenas estar perto de você, em te ajudar a ficar bem... em poder dividir um momento de alegria como o que nós tivemos na noite passada... te ouvir cantando a minha música, foi lindo para mim...

- Ah, Mick.... queria tanto poder te ajudar... eu te amo... mas preciso me recuperar, esquecer do que estou sentindo por enquanto... pelo menos até me sentir melhor, ter condições de pensar com calma, sem desespero... - Clara já chorava muito naquele instante. Cindy, que a observava de longe resolveu que era o momento de interferir.

- Clara, querida... chega... me entrega seu celular, por favor...

- Mick, me desculpa... a Cindy está me pedindo o celular...

- Desculpa, não queria te deixar nervosa...

- Mick, por favor... ela precisa descansar... não a deixe nervosa... vou desligar agora e tentar ajudá-la...

- Cindy... me perdoa... não queria deixá-la nervosa... eu a amo muito...

- Eu sei, querido... vou desligar agora, depois vocês conversam... mas eu gostaria de te pedir para  não deixá-la mais assim nervosa... está bem?

- Está... cuida dela por favor... diga que mandei um beijo para ela... tchau...

- Tchau, querido... - Cindy desligou o celular de Clara e colocou-o novamente em sua bolsa.

- Clara, querida... toma mais um copo de suco... - Cindy levou até ela um copo de suco de laranja. - Calma agora...

- Estou bem, Cindy... - ela disse secando as lágrimas e pegando o copo de suco. - A minha situação continua horrível... eu amo o Mick... mas não posso amar porque também amo o Jack... a minha cabeça fica muito confusa... e meu coração, muito triste, dolorido...

- Mas você acha mesmo que deve ficar com os dois? Quero dizer... transar com os dois, viver com eles... tipo, dois maridos...

- Eu não sei... sinto vontade de beijar o Mick... eu o adoro... mas não consigo achar certo um casamento a três... e isso está me matando...

- Calma... tenta relaxar e faça um favor para você mesma... não pense em nada... você não precisa resolver nada agora, os dois estão a sua disposição, descansa nos braços dos dois... e quando estiver melhor, senta com eles e conversa... mas melhora primeiro... você está muito frágil ainda para ficar se torturando assim...

- Eu sei... o Jean Paul, hoje cedo, não conseguiu esconder a cara de aflição, quando me viu... eu fiquei muito triste... da outra vez também foi assim... as pessoas me olhavam e queriam chorar, mas saiam de perto e disfarçavam para que eu não visse.

- Então, querida... simplifica sua vida... se acalma... agora é hora de descansar e recuperar-se, depois, você vai encontrar um jeito de seguir em frente, de ser feliz, com ou sem eles...

- Eu quero muito acreditar nisso... mas estou tão perdida... engraçado, mas quando comecei a namorar com o Jack achei que tudo na minha vida estava resolvido... nunca pensei que fosse me sentir triste de novo...e agora...

- Querida... esquece disso por enquanto, ou seu marido vai me matar porque eu deveria cuidar para te manter bem...

- Vou me acalmar... - Clara disse levantando-se do sofá e indo novamente até o bufet. - Quer um croissant de chocolate?

- Quero sim... - Cindy sorriu. - Esses croissants são maravilhosos... e Deus sabe que preciso de muito chocolate hoje...

- Por que?

- Com o show chegando, mal tenho visto o David... desde que chegamos de Nova York, me sinto isolada  naquela casa... passei o dia de ontem inteiro na minha estufa...

- Eu sinto muito... mas deixa passar a estreia, acho que tudo vai se acalmar um pouco depois dela...

- Isso é o que eu espero... estou muito chateada, gosto muito do David, não quero perdê-lo...

- Não vai, querida... eu sei que ele te ama... vi isso nos olhos dele, no outro dia,  em Nova York, quando estava preocupado por não conseguir falar com você...

- Boa noite, amigas! - Jennifer disse sorrindo ao abrir a porta. - Londres não é uma cidade linda? Se já está assim agora, imagina durante a Olimpíada, no ano que vem?

- Ah... tudo vai dar certo... - Clara sorriu. - Vem até aqui pegar um desses croissants de chocolate e tudo vai melhorar!

- Deus sabe que depois desse trânsito, eu preciso deles... - Jennifer riu, deixando sua bolsa sobre o sofá, beijou suas amigas e foi até o bufet pegar um croissant. - Deus... é do Saint Ettienne?

- É... o Jack pediu para a produção e eles trouxeram... está uma delícia...

- Ser casada com um rockstar tem que ter alguma vantagem... - Cindy sorriu, tentando distanciar-se agora de seus problemas. - Isso é bom demais...

- Ah... Jenni... preciso te agradecer...

- Me agradecer? Por que, querida?

- Você ajudou o Jack a encomendar aquele colar lindo na Tiffany's... eu amei!

- Ah! Pobrezinho... a ideia dele era muito boa, mas ele se enrolou tanto para explicar... eu só fui lá servir de tradutora... - Jennifer sorriu. - Você está com ele aí? Não vi como ficou...

- Estou... fiz questão de trazer para mostrar para vocês... Olha só que lindo... - Clara mostrou a gargantilha para suas amigas que ficaram encantadas com a beleza e a delicadeza da jóia.

- Lindo! O Jack daria um bom designer de jóias, Clara... ele tem umas ideias ótimas... só não sabe explicar direito o que quer... de resto, ele tem muito bom gosto...

- Falo sempre isso para ele, mas cada vez que ele me dá um presente ele se desculpa, diz que se não for do meu gosto, eu posso pedir para trocar... ah, ele é tão lindo...- Clara suspirou.

- É... você tem muita sorte... o Mike nem me dá mais presentes...

- Eu amo meu marido... gostaria muito de conseguir fazê-lo feliz como ele merece...

- E o Mick?

- Ele fez músicas lindas para eu gravar... estou cada vez mais apaixonada...

- Ele te ama muito... sabia que ele me ligou hoje cedo me pedindo para ajudar o Jack a cuidar de você?

- Ah! - Clara suspirou. - Ele é muito doce...

- Querida... melhor não pensar nisso agora... - Cindy disse aproximando-se dela e abraçando-a. - Calma... logo tudo vai melhorar...

- Por que? O que houve? - Jennifer perguntou a Clara ainda sem entender o que estava acontecendo.

- Nada... eu estava conversando com o Mick e eu estou me sentindo tão impotente para resolver essa situação, que comecei a chorar... a Cindy me pediu para desligar... quero ligar para ele de novo... dizer que está tudo bem...

- Não precisa fazer isso... - Cindy disse preocupada.

- Só vou dizer que está tudo bem... - ela pegou o celular para ligar para ele.

- Querida... não faça isso... ele está tranquilo... - Cindy disse, pegando o celular das mãos de Clara. - O Jack me pediu para cuidar de você, por favor, tenta me ajudar, você conversa com ele mais tarde, na sua casa...

- Está bem... acho que você tem razão... eu preciso me reequilibrar... estou tão cansada...

- Então, querida... relaxa... - Jennifer disse abraçando-a, pois mais uma vez ela começava a chorar.

- Tem champagne aqui na mesa... - Cindy disse pegando uma garrafa. - Querida... bebe um pouco...

- Estou tomando remédio, não devo beber... - ela respondeu procurando lenços de papel em sua bolsa, para secar o rosto. - Desculpem... sei que não estou sendo a pessoa mais agradável do mundo para se conviver neste momento...

- Querida... você vai ficar bem... tenho certeza disso... - Jennifer disse puxando-a pela mão para sentar-se novamente no sofá.

- Clara, meu amor... o que aconteceu? - Jack disse assim que entrou no camarim e a viu ainda chorando. - Queridas, vocês podem nos dar um minuto por favor? O ensaio já vai começar e eu preciso conversar com a Clara...

- Claro... vamos Jenni... eu sei chegar no palco... - Cindy disse puxando Jennifer pela mão. - Vamos guardar lugar para você querida...

- Obrigada...

- Estou preocupado com você, meu amor... você não está bem...

- Estou lutando muito para melhorar, querido... muito... - ela disse limpando as lágrimas. - Olha, meu amor... eu queria te explicar...

- Não precisa me explicar nada... quando ele está por perto, você melhora, quando se afasta... só chora... você deveria estar com ele...

- Não! Você entendeu errado...

- Não tem o que entender errado... está claro... no final do dia ele volta para casa e você melhora... até lá... eu só preciso que você nos ajude a passar o som...

- Jack... não faz isso...

- O que eu estou fazendo? Você quer  ficar com ele... - Tentando controlar-se com todas as forças, Jack secou as lágrimas que teimavam em aparecer. - Querida... me perdoa, eu custei a entender isso... vou deixar o caminho livre para vocês...

- Não Jack! Por favor.... eu... eu estou me sentindo perdida, mas não porque não te amo... estou assim porque sei que estou te magoando e por mais que eu lute comigo mesma, não consigo me livrar do que sinto... estou lutando muito para arrancar o que sinto por ele de dentro do meu coração...

- Eu sei... querida... calma... vamos resolver isso juntos... você vai me prometer que vai relaxar e seguir aquilo que seu coração mandar... não quero te ver mais assim, triste, chorando pelos cantos... estou aqui para te fazer feliz... eu quero ter você comigo, mas se isso está te machucando...

- Não está... o que me dói mais é saber que você está tão magoado e não poder fazer nada para consertar o que eu fiz... eu te traí...

- Amor... o que eu faço para que você entenda que eu já superei isso? Doeu sim, mas já passou.... A única coisa que está me machucando agora é te ver assim... eu já te disse que estou disposto a qualquer coisa para te ver novamente saudável... me diz... o que te falta? Por que você chora o tempo todo?

- Não sei... - Clara disse escondendo seu rosto no peito de Jack. - Eu não sei.... eu só sei que dói... por isso eu choro... porque não consigo fugir dessa dor...

- Eu sentiria essa dor por você, se pudesse... você sabe disso... como não posso... o que eu posso fazer por você? Você quer ficar com ele? Me diz... o que eu posso fazer para te ajudar? - ele perguntou já desesperado.

Ela não disse nada, apenas agarrou-se a ele e beijou-o, apaixonadamente e ele  pegou-a em seu colo e deitou-se com ela no sofá do camarim, quase sufocando-a com seu peso sobre seu corpo agora tão fragilizado.

Continua

Nenhum comentário: