16 de fev de 2013

Rockstar - Capítulo CXVI

Por terem pouco tempo livre naquele dia, tudo teria que começar muito cedo, assim, Jack e Clara acordaram às 6 da manhã para receber uma enfermeira da equipe do doutor Pat Lanee que foi colher sangue para exames.

Assim que ela se foi, os dois foram tomar café da manhã e encontraram Mick Jagger já na mesa, pronto para sair para uma corrida pelo parque. Estava bem disposto e usando discretas roupas esportivas. Mas não sairia sozinho, por isso, um personal trainer que também serviria de segurança, já esperava por ele na sala de estar.

- Bom dia, sir e lady Noble... tomei a liberdade de chamar meu personal trainer para me acompanhar em alguns exercícios pelo parque, espero que isso não os incomode...

- Imagina, querido... - Clara sorriu. - bom dia...

- Bom dia, sir Jagger... - Jack sorriu. - Faz muito bem, Deus sabe que eu também deveria fazer algo desse tipo, mas neste momento isto seria impossível...

- Como você se sente hoje, querida? - Mick perguntou ao vê-la com um novo esparadrapo preso ao braço.

- Vieram colher meu sangue aqui, hoje cedo, querido... estou me sentindo melhor... acho que  sua música e os remédios do doutor Lanee estão fazendo efeito.

- Aliás, obrigado pela música, Mick... - Jack sorriu. - Achei que precisaria de muito convencimento hoje para levá-la comigo ao ensaio geral, mas sua música parece ter feito o truque...

- Tenho mais músicas para ela... essa de ontem é só minha... acho que o Keith vai ficar mordido se vocês gostarem mais dessa do que das outras que fizemos juntos...

- Querida, esqueci de te dizer, o seu cabelereiro vai te arrumar amanhã... o Peters já acertou tudo com ele... não era para te dizer, mas tem um camarim inteiro só para você lá na O2...

- Que lindo! Obrigada, vocês sempre me surpreendem... - Clara sorriu.

- Você merece... é uma estrela... - Mick sorriu. - Além do mais, não sei quanto a esses caras, mas o camarim dos Stones nunca foi exatamente um lugar para damas...

- Você virá conosco ao ensaio hoje? - Clara perguntou.

- Não, querida... quero deixá-los a vontade... vou correr um pouco, depois volto para cá, tomo um banho e vou ao escritório resolver algumas coisas... Acho que volto só no final do dia...

- Ótimo... - Jack sorriu. - Mas precisamos de você à noite porque teremos casa cheia de novo... e você vai me ajudar a cuidar para que a Clara não se canse muito...

- Sim... vamos te manter calminha... - Mick sorriu. - Fica tranquila porque eu volto cedo para cuidar de você...

- E amanhã?

- Amanhã estarei a disposição de vocês o dia todo... quero que  seja um dia inesquecível para vocês dois...

- Obrigada, querido... - Clara sorriu e mandou um beijo para Mick.

- Então, está bem... - Jack disse com uma dose de irritação na voz que não passou despercebida.

Em poucos minutos, Mick saiu com seu personal trainer para exercitar-se e Clara recebeu Jean Paul que não disse nada, mas ficou bastante impressionado com sua magreza. A ideia é que ele levasse todos os figurinos com ele, para ajustar, mas para evitar ter que mudá-los novamente mais tarde, caso ela voltasse a recuperar o peso que perdeu, apenas uma parte deles seriam apertados por enquanto.

- Desculpe, Jean Paul, mas por favor não comente nada sobre o emagrecimento dela com ninguém...

- O que aconteceu? Ela está parecendo doente... é anorexia?

- Não... é a anemia dela... está se tratando, mas está muito fraca porque perdeu muito peso desta vez...

- Pobrezinha...

- Estamos tratando, mas o médico já disse que ela pode emagrecer ainda mais antes de começar a responder ao tratamento...

- Pode contar com minha discrição senhor Noble... gosto muito dela para sair espalhando uma coisa dessas por aí... e pode ter certeza que estarei orando para que ela se recupere logo...

- Obrigado... estou muito preocupado, amanhã ela subirá no palco conosco e o que mais me dá medo são os comentários que virão depois e o que terei que fazer para mantê-la longe deles...

- Ela é uma flor tão delicada... tão frágil...

- É... e eu já sei que as pessoas irão comentar e deixá-la ainda mais preocupada do que já está...

- Mas se a participação dela for cancelada, acho que as pessoas falarão ainda mais...

- Estou muito preocupado com isso também... se ela não fizer o show, as pessoas acharão que está morrendo...

- Pode ter certeza que eu estou do lado de vocês... Vou fazer um vestido novo lindo para alegrá-la... - Jean Paul sorriu assim que a viu descendo as escadas,  vindo na direção dos dois.

- Querida... eu pedi para você esperar, não queria que você descesse sozinha... - Jack disse aflito ao vê-la descendo lentamente, segurando-se no corrimão das escadas.

- Estou bem, querido... - ela sorriu. - Então, Jean Paul quando você vai nos entregar os figurinos? Estou aflita porque amanhã é a estreia...

- Fica tranquila, querida... vou entregar os três primeiros ainda hoje, no final do dia... estou aqui para resolver todos os seus problemas... e estou louco para vê-la brilhando como uma estrela naquele palco amanhã...

- Obrigada, querido... - Clara sorriu, mas concentrou-se ao máximo para conseguir caminhar sem tropeçar até o estilista e abraçá-lo.

- Você está linda, querida... - ele sorriu.

- Ela é linda, Jean Paul... - Jack aproximou-se dela e a abraçou, sentiu que ela já estava com alguma dificuldade de ficar de pé sozinha e por isso foi apoiá-la.

- Bem, meus caros... vou voltar ao hotel e trabalhar... sei que vocês terão um dia cheio hoje e não quero mais ficar aqui tomando seu tempo... - Jean Paul sorriu. - No final do dia nos vemos novamente, faço questão de trazer seus figurinos pessoalmente.

- Obrigada, querido...

- Amor, fica aqui dentro porque lá fora está muito frio e você precisa preservar sua voz para amanhã... eu acompanho o Jean Paul...

- Ok, amor... - ela disse suspirando e caminhando lentamente até a sala de estar, onde sentou-se no sofá.

Jack levou Jean Paul até a rua para pegar um taxi e voltou correndo para dentro. Estava muito preocupado com Clara, mas encontrou-a tranquila, sentada no sofá, esperando por ele.

- Você está bem, meu amor?

- Estou, querido... mas minhas pernas ainda não estão ajudando muito... fiquei com medo de cair na frente dele....

- Como você está se sentindo?

- Melhor que ontem, o Dr Lanee disse que devo melhorar um pouco agora, não disse...

- Você vai melhorar, meu amor... tenho certeza... hoje você está com menos olheiras do que ontem, você reparou?

- Eu sei, querido... mas não temos muito tempo agora...

- Calma, minha vida... você vai estar bem... já te disse que gravaremos em vídeo o ensaio de hoje e vamos assistí-lo hoje à noite. Quero que você suba no palco amanhã com toda a segurança do mundo...

- Eu te amo, Jack... - ela disse, beijando-o. - Obrigada por me ajudar... eu quero te dizer que o que mais desejo agora é voltar a me sentir bem...

- Mas você vai melhorar, tenho certeza disso... você vai usar o vestido azul amanhã, na estreia, não vai?

- Vou, querido...

- Bem...eu tive uma ideia há alguns dias, peguei um dos desenhos que você tinha feito para os bordados do figurino e fui até a joalheria para pedir a eles que fizessem algo especial para você... é claro que eles não entenderam direito o que eu queria e tive que ligar para a Jennnifer me socorrer... - Jack sorriu, tirando do bolso um estojo preto com a marca da joalheria Tiffany and Co gravada em dourado. - Espero que você goste... eu acho que ficou lindo...

Sem acreditar muito no que estava vendo, Clara abriu o estojo e encontrou dentro dele uma gargantilha de veludo azul marinho com um pendente dourado no formato dos desenhos que ela tinha mandado bordar nos vestidos, com muitas safiras e diamantes. Junto com a gargantilha um lindo par de brincos com as mesmas pedras, para combinar.

- Meu amor... que lindo! - Clara começou a chorar e agarrou-se nele. - Eu não mereço nada disso...

- Merece muito mais... eu te amo tanto, quero te cobrir de jóias e de amor... - Jack beijou-a e amarrou o colar no pescoço dela. - Vem ver aqui no espelho, ele disse segurando as mãos de Clara para ajudá-la a levantar-se.

- Que lindo, meu amor... vai ficar perfeito com os figurinos do show...

- Claro que vai, meu amor...  Que bom que seu amigo não está aqui hoje... - Jack suspirou.

- Ah, meu amor... eu te amo muito... eu sei que você não gosta de vê-lo aqui... mas ele está nos ajudando tanto...

- Eu sei... eu juro que estou tentando me controlar, mas quando ele te beija e te abraça... fico quase louco...

- Ah, querido... sou tua, está bem? Ele é nosso amigo, está aqui para nos apoiar... ele é tão doce comigo...
você viu a música linda que ele fez para mim?

- Gostei muito... você cantou tão lindo ontem à noite, que não consegui nem sentir ciúmes...

- Estava pensando em você, quando cantei... aliás eu penso o tempo todo em você, meu amor...

- E ele?

- Ele é meu amigo... eu o amo como um amigo, agora, depois de tudo o que aconteceu, eu estou começando a entender isso. Sei que tudo o que aconteceu entre nós não deveria ter acontecido... não tenho como desfazer... nunca vou me perdoar...

- Meu amor... vem aqui... - ele puxou-a para seu colo. - Eu não estou magoado, nem ferido, nem com ciúmes... eu já perdoei completamente, agora eu quero que você se perdoe... Eu te amo e te apoio completamente...

Clara caiu no choro novamente e Jack agarrou-se a ela assustado com sua tristeza. - Eu te amo, Menininha... eu te amo... sou seu...

- Eu tento me perdoar, mas dói tanto saber que coloquei em risco a coisa mais importante da minha vida...

- Estou aqui, Menininha... e mesmo que você me chute e me xingue e transe com o Mick  na minha frente... nada vai mudar... eu vou continuar aqui, ao seu lado, te amando infinitamente...

Clara chorou mais ainda ao ouvir aquilo e ele apenas a segurou em seus braços e beijou sua cabeça, enquanto chorava também.

- Amor... acho que está na hora do seu remédio, não? - Jack disse limpando suas próprias lágrimas. - Vou até a cozinha buscar...

- Obrigada, meu amor... - Clara disse beijando-o. - Eu sou sua, para sempre... sua mulher, sua amiga, sua amante... e lutarei até o fim para ser a mãe dos seus filhos...

- Vem, amor... vamos tomar o remédio... não quero mais te ver chorando... - ele disse erguendo-a do sofá. Não disse nada, mas estava muito preocupado com o momento em que o médico teria que dizer-lhe a verdade, que ela não poderia engravidar sem correr um enorme risco de vida.

Continua

Nenhum comentário: