13 de fev de 2013

Rockstar - Capítulo CXIII


Depois de um café da manhã reforçado e barulhento, graças a festa que a família de Clara fez ao  vê-la em casa novamente, Jack conversou com Mick e pegou seu jeep para ir até a coletiva.  Khaled  ficaria por lá,  a disposição de Clara e de sua família.

Havia uma barreira já posicionada na porta do hotel para conter os fãs que se aglomeravam, esperando ansiosamente pela chegada da Crossroads. Posicionados estrategicamente entre eles, diversos paparazzi apenas esperavam a chance de provocar alguma reação, gritando perguntas, que Jack preferia fingir não entender, mas que serviram para irritá-lo.

Jack ficou tão nervoso que correu para dentro do hotel, parando por poucos segundos para acenar da porta, e assim,  decepcionando os muitos  fãs que apenas queriam sua atenção. 

- Hutton, será que não dá para tirar esses malditos paparazzi da porta?

- Desculpa Jack... não os deixamos entrar no hotel, mas lá fora, não há nada que possamos fazer... 

-  Bom dia, Jack, como a Clara está? - Michael Peters perguntou, enquanto aproximava-se deles.

- Ela está em casa, com o Jonas e toda a família dela... Pedi a ele para não deixar que eles a cansem... Se eles não a deixarem em paz, ele deve colocá-los na van do Khaled e levá-los para bem longe...

- Você acha que ela terá condições de subir no palco? - Peters perguntou preocupado.

- Não sei, espero que sim... o médico disse que com os remédios e um pouco de descanso, ela deve se recuperar rapidamente...

- Ótimo! Estamos todos torcendo por ela... mas acho que precisamos de um plano B, caso ela não consiga melhorar até a estreia...

-  Está certo  Peters, vamos conversar com o Dave e com o Silver quando eles chegarem...

- Eu já tenho uma ideia, o que você acha de encaixar a música dela como uma espécie de intervalo em que mostraremos o videoclipe  nos telões? Como uma homenagem...

- Peters, minha mulher não precisa de homenagens, ela está viva e ficará bem... - Jack disse, preocupado só em pensar como ela se sentiria, caso não tivesse mesmo condições de subir no palco. - Isso não pode acontecer...


- Calma Jack... nós todos queremos vê-la bem, mas se acontecer...

- Está bem, desculpa Peters, está me matando não poder fazer nada...

- Fica tranquilo, ela vai melhorar... - Peters disse sem qualquer convicção, interrompendo a conversa para falar com um segurança pelo rádio. - Desculpa, pode prosseguir... Ok, estou indo para aí... - Hutton, leva o Jack até a sala de apoio, estão me chamando no auditório...


Jack seguiu Hutton pelos corredores do hotel, alguns hóspedes vieram cumprimentá-lo, pediram por fotos e autógrafos e foram atendidos por ele com toda a boa vontade.

- Algum repórter brasileiro, Hutton?

- Não desta vez, Jack... - o assessor respondeu sorrindo. - Como a Clara está?

- Melhor... está descansando em casa...

- Hoje teremos um grande evento aqui, acho que ela iria gostar, são 140 jornalistas credenciados de toda a Europa e mais 50 fotógrafos e cinegrafistas, portanto casa cheia...

- É o dobro do que tinha em Nova York...

- Quase... mas está tudo sob controle...  O Peters me pediu para perguntar se você fica para a rodada de exclusivas...

- Muita coisa?

- Não... são uns dois ou três veiculos apenas... só os mais importantes...

- Está bem, então... falo com eles... mas não posso ficar muito... tenho uma consulta marcada com o meu médico e estou muito cansado, passei a noite em claro, cuidando da minha mulher...

- Eu sei, Jack... estamos todos torcendo por ela... tenho certeza que ela vai melhorar!

- Assim espero, Charles... ela não merece tanto sofrimento... - ele disse secando as lágrimas dos olhos.

- Então, senhor Noble, vou voltar lá para a porta, preciso trazer os outros para cá também... tem  um lanchinho para vocês no bufet, fique a vontade, a coletiva começa às 10 e deve durar mais ou menos uma hora... depois, fazemos a rodada de exclusivas e todos estarão livres lá pela hora do almoço...

- Ótimo... obrigado Hutton...

Jack foi até o bufet e pegou um copo grande de café sem açúcar, em uma tentativa quase desesperada de não pegar no sono, ali, sozinho, na sala de apoio, enquanto seus amigos não chegavam.

- Bom dia, Jack... - Jennifer disse entrando na sala de apoio. - Como ela está?

- Está melhor... em casa... com o Mick...

- Como? O Mick?

- Sim... ontem, ela desmaiou... eu fiquei desesperado, chamei aquele médico que ele tinha indicado e liguei para ele em Paris... veio imediatamente e passou a noite toda lá no hospital me ajudando a cuidar dela... está lá em casa agora,  tentando evitar que ela se canse, porque a família dela inteira já chegou para o show e está lá em casa... disse a ele que deve  levá-la  para a casa dele, caso eles a perturbem muito...

- Mas vocês acham isso prudente? Quero dizer... ela ficou doente por causa dele...

- Não tenho muita escolha, Jenni... eles se dão bem e ela ficou muito feliz em vê-lo, lá  no hospital... acho que nunca mais conseguirei me livrar dele...

- Ele me telefonou ontem à tarde e fiquei impressionada com a tristeza que tinha na voz ... acho que ele  a ama de verdade...

- Eu tenho certeza disso... ele está muito abalado com tudo o que aconteceu... cheguei a ficar com pena... imagina... o cara acabou com a minha vida e eu tenho pena dele...

- Ah Jack... fica tranquilo... eu tenho certeza de que ela vai se recuperar...

- Eu sei que vai... hoje de manhã, mesmo depois de tudo o que ela passou, com a presença do Mick, ela me pareceu mais tranquila... não sei explicar, mas ela estava tão aflita antes...

- Bom dia, Jack... - Michael Silver disse ao abrir a porta. - Como está a Princesa?

- Melhor...

- Vamos visitá-la hoje, ela ainda está no hospital?

- Não... está em casa desde hoje cedo... ela vai gostar de ver vocês... com licença... - Jack disse afastando-se deles para atender  Mick no celular.

E enquanto seus amigos instalavam-se na sala de apoio, ele ouvia Mick dizer que estava caminhando com ela pelos jardins da casa, tinha tomado a iniciativa de dispensar os empregados que estavam terminando a estufa e pedido a Jonas para levar a família dela para conhecer  Stratford-upon-Avon, a cidade de William Shakespeare.

- Posso falar com ela? - Jack perguntou para Mick que passou o telefone imediatamente para as mãos de Clara.

- Jack, meu amor...

- Como você está querida? - ele disse tentando conter as lágrimas.

- Estou melhor, querido... aproveitando esse solzinho para andar um pouco no jardim... o Mick pediu ao  Jonas para  levar minha família para um passeio... você sabe que eu os amo, mas meu pai estava perseguindo o Mick, fazendo perguntas... ah, Jack... eu não sabia mais o que fazer...

- Fica tranquila, meu amor,  o Mick está aí para isso...

- Eu sei, querido... ele está me ajudando muito... obrigada por permitir isso...

- Eu quero te ver bem...

- Você vem almoçar, querido? Pedi  a cozinheira para preparar um almoço bem gostoso para nós...

- O doutor Jackson está me esperando no consultório dele hoje, mas vou pedir que ele venha me ver em casa, mais tarde... quero estar com você...

- Que bom, meu amor... estarei esperando... vou devolver o telefone para o Mick, estou cansada, um beijo, meu amor, eu te amo...  - ela disse entregando o aparelho para Mick e sentando-se com ele em um banco no jardim. Estava cansada e enquanto Mick e Jack continuavam conversando, ela apenas deitou a cabeça no ombro do amigo para descansar.

- Bom dia, queridos... - Cindy disse ao abrir a porta. - Finalmente chegamos... Jack...está tudo bem? - Cindy perguntou ao perceber que ele secava as lágrimas do rosto.

- Está, querida... acabei de falar com o Mick e com a Clara, ele a levou para caminhar  pelo nosso jardim...

- Já sabia, minha equipe me ligou no caminho para avisar que ele tinha dispensado todo mundo, porque queria que ela pudesse andar por lá, sem nenhuma agitação... - Cindy pegou a mão dele, um sinal de simpatia e apoio. - Torcemos muito por ela... é muito injusto que ela esteja tão doente agora que tanta coisa boa está para acontecer na vida de vocês...

- Como assim?

- Velhão! - David entrou beijando Jack no rosto. - Como está a Princesa?

- Melhor... está descansando em casa... deixei o Mick cuidando dela... estão andando um pouco no jardim... E o Jonas levou a família dela para passear...

- Sinceramente, Velhão,  eu achava que o Mick estava nessa por ego, sei lá... a Princesa é tão linda, ingênua,  mas ontem, eu vi nos olhos dele que ele a ama... comentei até com a Cindy... ele está destruído por causa desse problema dela...

- Está... eu também me surpreendi... ele ficou a noite toda lá conosco... conversou com o médico, fez o que pode para ajudar... não tem mesmo o que eu possa fazer, os dois se amam. Ontem, ela abriu um sorriso imenso quando o viu lá no hospital...  não tenho como separá-los, então,  decidi deixar que fiquem juntos...

- Vocês vão ficar bem, Velhão... fiquei com tanta pena de ver a Princesa lá no hospital... acho que ela está assim porque se sente culpada... deixa eles... se ela se sente bem perto dele... deixa... depois, quando ela estiver melhor, você ganha ela de novo... ela te ama muito, cara...

- Eu sei disso tudo... ela me ama muito... mas ela precisa ter um pouco de paz até para entender isso... e eu vou deixar que ela tenha essa paz...

- Que bom, Velhão... já estava na hora... hum... esse negócio aqui está muito bom... Cindy... experimenta esse sanduiche, querida!

- Jack, você viu os paparazzi lá na porta? - Cindy sorriu, pegando um sanduíche na bandeja.

- Vi e eles me perguntaram se eu sabia onde a Clara estava, disseram para procurá-la na casa do Mick Jagger... por muito pouco não soquei o palhaço com câmera e tudo...

- Bem... infelizmente esse é só o começo, querido...

- Como assim?

- O Partido Trabalhista nos incluiu vocês na  "Honors List"  para a concessão de títulos do próximo ano e os Conservadores  farão o que puderem  para transformar tudo em um circo

- Era só o que me faltava...

- Sei que você não se importa... ninguém se importa, de verdade... mas vocês merecem a homenagem e o título... e seria uma vergonha se  perdessem a chance por conta desses jornalecos nojentos... - Jennifer respondeu.

- E a festa, no Palácio de Buckingham, não seria nada mal também... - Cindy sorriu.

- Imagina... Sir Jack Noble... - Jennifer sorriu.

- Sim, querida... mas prepare-se para o bombardeio... o Hutton jura que cortou todos os tablóides hoje, mas aposto que eles todos estarão lá no auditório... - Cindy disse preocupada. - Vocês farão exclusivas  também, não?

- O Hutton me disse que seriam só dois ou três veículos importantes... não acredito que isso inclua tablóides...

- Mas você sabe como funcionam essas coisas... os mais importantes também têm suas convicções políticas...

- Claro... justo agora que minha mulher está morrendo, eles me vêm com essa palhaçada...  que como tudo que envolve política, é só um enorme poço fedido de péssimas intenções...

- Ela não está morrendo, Jack... e eu quero muito que vocês ganhem esse prêmio... - Jennifer sorriu. - Acho que merecem o reconhecimento desse país...

- Querida... mas não é do país... é desses políticos sujos e de seus interesses... - Jack respondeu nervoso. - Ah... e da realeza... você sabe o quanto acho tudo isso abominável... e esse é o pior momento do mundo para mim... se eles magoarem a Clara, nem sei do que sou capaz...

- Acho que mesmo assim,  vocês merecem, queridos... - Cindy sorriu. - Estou muito orgulhosa de vocês...

- Ah... mas tudo tem um custo, Cindy... - Michael interrompeu. - Passaremos os próximos meses sendo perseguidos pela imprensa... são sempre eles que fazem o trabalho sujo dos políticos... podemos esperar por muita coisa ruim sendo publicada e esses malditos paparazzi nos perseguindo por todos os lugares...

- Nós sabemos... - Jennifer sorriu, dando a mão para Michael. - Mas vocês têm todo o nosso apoio... acho que merecem esse reconhecimento e faremos tudo que estiver a nosso alcance para que consigam...

- Obrigada querida... - David sorriu. - Jack, desculpa perguntar isso, mas será que a Princesa vai poder subir no palco?

- Não sei... o Peters já falou com você?

- Falou... achei a ideia dele boa... mesmo que nós façamos a estreia com o vídeo,  quando ela se recuperar, nós substituimos o vídeo por ela...

- Não sei... estou com medo de ter que tomar essa decisão... ela precisa agora acreditar que ficará bem, de que vai melhorar... se ela souber que estamos nos preparando para substituí-la...

- Mas se ela não se sente bem, será pior fazê-la subir no palco... - Silver interrompeu a conversa deles. - Acho que apoio a ideia do Peters... desculpa, Jack...

- Vocês têm razão... ainda não conversamos sobre o show... vou falar com ela, mais tarde... será que vocês podem esperar para decidir?

- Está bem, Velhão... mas já vamos pedir ao Peters para deixar tudo preparado... - David disse. - Sinto, amigo...

- Não tem problema, Dave... - Jack disse abraçando o amigo.

- Então pessoal, todos prontos? - Peters disse entrando repentinamente na sala, junto com uma das assessoras de imprensa da gravadora. - Já está na hora... Senhoras, acompanhem a Carol até o auditório...

Cindy e Jennifer beijaram seus maridos e seguiram até as cadeiras reservadas para elas no enorme e lotado auditório. O clima na sala era de total agitação, já não bastasse a proximidade cada vez maior da estreia da turnê na O2 Arena, a imprensa agora agitava-se ao sabor dos inúmeros rumores que cercavam a Crossroads e o maior deles, o da indicação para a maior honraria do Reino Unido, teoricamente, deixaria uma boa parte dos presentes ainda mais dispostos a colocarem a banda contra a parede.

Mais do que nunca, existia entre eles o temor de que o relacionamento de Clara com Mick Jagger fosse investigado e usado para atrapalhar suas chances de receber a premiação.

Mas o que aconteceu naquela sala surpreendeu a todos, assim que Peters anunciou a Crossroads no microfone e os três entraram iluminados pelas luzes das inúmeras câmeras e flashes, todos os presentes na sala levantaram-se de suas cadeiras e os aplaudiram.

Jennifer e Cindy mal podiam acreditar no que viam e se emocionaram por estarem presenciando aquela manifestação tão bonita de apoio.

A ausência de Clara, explicada como uma indisposição causada por uma virose, foi lamentada por todos, mas como era de se esperar, muitas perguntas foram feitas sobre a possível honraria e, a julgar pelo que perguntavam, todos os presentes apoiavam aquela iniciativa. Mas ainda era cedo demais para afirmar qualquer coisa,  afinal, os jornalistas que estavam ali atendiam a todos os critérios de escolha de Hutton e isso significava ao menos algum grau de simpatia pela banda.

- Nós estamos prontos... daqui a três dias, estaremos no palco da O2, depois de ficarmos longe por tanto tempo - David disse respondendo a pergunta de um repórter da BBC. - Estamos de volta... e eu quero aproveitar esta oportunidade para agradecer publicamente a esse doce de pessoa que hoje está em casa doentinha, mas que nestes últimos meses tornou tudo isso possível... eu a chamo de Princesa, porque é o que ela é... Clara Noble... nós te amamos...

- Poxa... é a minha mulher, cara... - Jack fingiu que estava com ciúmes. - Mas você tem razão... ela é a única razão disso tudo estar acontecendo... e também o amor da minha vida - ele disse tentando controlar as lágrimas e secando-as discretamente. - Querida... eu quero te agradecer por ter me aceitado e por me fazer tão feliz... e quero que todos saibam que quando eu subir naquele palco, estarei pensando em você e no quanto você me faz feliz... eu te amo, Clara...

E assim, com aquela demonstração de amor, terminava a coletiva. Os fotógrafos fizeram mais algumas fotos e logo todo mundo se reencontrava novamente na sala de apoio, onde apenas a lembrança do problema de saúde que Clara enfrentava, impedia que todos estivessem eufóricos. Mesmo assim, Michael Peters mandou servir  champagne para todos.

Enquanto comemoravam, Jack ligou novamente para Mick e soube que Clara tinha ido deitar-se porque sentia-se muito cansada.

- Velhão... o Peters está te chamando... está tudo bem com a Princesa? - David perguntou ao notar que Jack parecia muito triste. 

- Ela estava muito cansada e foi se deitar... estou preocupado.

- Fica tranquilo, Velhão... ela vai ficar bem... o Peters está te chamando...

- Ah, desculpa Peters... - Jack sorriu um pouco sem graça.

- A Clara está bem?

- Está descansando agora...

- Ok! Vocês tem duas exclusivas agora... - Peters disse embaraçado pela tristeza que via no rosto de Jack - O Hutton pediu para chamá-lo... desculpe, mas os jornalistas já estão esperando...

Jack seguiu Peters pelo corredor até a sala reservada para as entrevistas e em menos de meia hora já estava livre para voltar para casa. Enquanto isso, seus amigos iam comemorar o sucesso da coletiva no badalado "Chez Montagne", um lugar já acostumado com a agitação de sua frequencia vip, mas que naquele início de tarde, parou a King's Road, com o desfile de limusines e a grande concentração de fotógrafos, repórteres e cinegrafistas.

O almoço não era oficialmente de comemoração, mesmo assim o clima era de alegria; a imprensa britânica, sempre muito difícil de se lidar parecia estar apoiando totalmente e apenas um ou dois paparazzi ainda ousavam provocar, recebendo olhares e gritos de reprovação de seus colegas jornalistas.

Jack acelerou o quanto pode para chegar em casa rapidamente, subiu direto para ver Clara e encontrou-a já  acordada, mas ainda na cama, conversando com Mick, que saiu discretamente para deixá-los sozinhos. Jonas tinha acabado de telefonar,  avisando que continuariam fora pelo restante do dia,  permitindo que ela, Mick e o marido descansassem.

- Querido... o Mick me disse que viu na internet que vocês serão indicados para serem cavaleiros. Você sabia disso?

- Não... só descobri na coletiva...

- Fica aí... preciso te abraçar... - ela disse preparando-se para levantar-se da cama.

- Não levante, vou até aí, meu amor...

- Estou sentindo um orgulho imenso de você, meu amor... - ela disse, agarrando-se a ele, sentada na cama. - Eu te amo muito.... meu cavaleiro de armadura brilhante...

- Meu amor... - Jack beijou-a apaixonadamente e os dois apenas ficaram ali, no quarto abraçados. - Como você está se sentindo?

- Melhor agora que você está aqui comigo... - ela sorriu acariciando o rosto de Jack. - Vou me levantar... o Jonas avisou que todos estão adorando o passeio  e ainda devem demorar para voltar... isso é bom, não?

- Desculpa querida... adoro sua família, mas acho que você precisa de descanso...

- Eu também acho, querido... se não fosse o Mick e o Jonas,  acho que teria desmaiado hoje novamente...

- E o Mick?

- O que tem ele?

- Como ele se comportou hoje?

- Como meu melhor amigo... ficou o dia todo ao meu lado e me ajudou a coordenar a bagunça que meus parentes estavam fazendo por aqui. Até a equipe que estava cuidando da construção da estufa, lá fora, ele dispensou... cuidou de tudo, escolheu o menu do almoço, mandou o mordomo na farmácia para comprar os remédios, discutiu minha dieta com a cozinheira... enfim... foi minha voz até para atender o telefone e até meus braços, para pegar o pequeno Jack no colo, antes da Kate e do Mark saírem para ir dar uma olhada nas obras do consultório.

- Ele te ama... e fará tudo o que puder para te ajudar... assim como eu... só espero que no fim de tudo isso ele não te leve embora...

- Nunca... eu amo você Jack...

- E ele? Você já esqueceu dele?

- Não... mas eu sinto aqui dentro que nada mais acontecerá entre nós...

- Não se preocupe comigo... agora precisamos que você fique bem... vamos almoçar, Menininha?

- Vamos... e eu quero que você me conte tudo o que aconteceu na coletiva...

- Eu pedi ao Hutton para gravar tudo em vídeo... está neste pen drive aqui... depois do almoço, vamos assistir juntos, na sala de TV, que tal?

- Vamos sim, meu amor... você não tinha uma consulta hoje com o doutor Jackson?

- Sim... ele virá até aqui no final da tarde para me ver... liguei no consultório e ele disse que tudo bem...

- Que bom... então vamos descansar juntos o resto do dia... Onde está o Mick?

- Acho que desceu... deve estar atrás dos empregados... se ele não te amasse tanto e não fosse tão rico, poderíamos contratá-lo como seu secretário particular, meu amor...

- Ah, Jack... vem aqui de novo, perto de mim... preciso do seu apoio para me levantar... não posso confiar nas minhas pernas, quase cai da escada hoje, se o Mick não estivesse ao meu lado, teria desabado...

Apoiada em Jack, ela levantou-se, vestiu seu robe de seda e desceu as escadas até a sala de jantar.

- O Mick não está aqui também... querido, será que você não pode encontrá-lo para mim? - Ela pediu assim que sentou-se em sua cadeira, na sala de jantar já pronta para o almoço.

- Alguém me chamou? - Mick apareceu novamente vindo da cozinha. - O almoço já vai ser servido... Lady e Sir Noble... - ele disse fazendo uma mesura que os divertiu muito.

- Mick, querido... - Clara sorriu. - Obrigada por nos ajudar... estaríamos completamente perdidos hoje sem você...

- Sinceramente, acho que nós três devemos aproveitar o silêncio atual desta casa e dormirmos tudo o que pudermos durante a tarde...

- Tem razão, Mick... - Jack sorriu. - Há dias não bebo e há meses não uso nenhuma substância alternativa, mas me sinto como no dia seguinte de uma daquelas maratonas malucas que costumava fazer na época da Crossroads...

- Ah, queridos... vocês precisam descansar... eu estou bem melhor... o doutor Lanee me disse que me sentirei melhor com o passar dos dias e que ele mandará uma enfermeira aqui para colher meu sangue,  ver como meu organismo está reagindo ao tratamento...

- E certamente estará melhor, querida... você vai ver... - Mick sorriu e pegou a mão de Clara sobre a mesa. - Lady Noble, vou buscar seus comprimidos...

- Ele está sendo ótimo para você, não meu amor?

- Está sim... me desculpa, Jack...

- Eu sei, querida... não se preocupe... está tudo bem... - Jack sorriu. - Até eu estou começando a gostar dele... Você ainda quer se casar com ele? Acho que não  me oponho mais...

- Jack... você é mesmo maluco, querido... - Clara balançou a cabeça sorrindo.

- Pronto, querida... tome todos os comprimidos e depois o copo d'água... - Mick disse entregando a ela um pires com três comprimidos e um copo.

- Mick, o que você acharia de se casar com a minha mulher?

- O que? Desculpa, Jack se fiz ou disse...

- Não, amigo... estou falando sério... e se tivéssemos mesmo um casamento a três?

- Eu seria o homem mais feliz do mundo... - Mick sorriu. - Mas sei que isso não vai acontecer...

- Por que, não?

- Porque sei que não... daqui a pouco ela estará bem e vocês irão fugir de mim...

- Não vamos... - Jack respondeu olhando nos olhos de Mick. - Vai ser difícil para mim, mas acho que se a Clara quer estar perto de você, não tenho o direito de dizer nada...

- Obrigado Jack... mas precisaremos ter cuidado... basta alguém descobrir que estou aqui, que estamos juntos para a imprensa fazer um circo... eu e você já estamos acostumados com isso, mas a Clara.... ela não merece passar por isso...

- Eu só quero ter o direito de estar com vocês dois, meu marido e meu melhor amigo sempre que eu bem entender... - Clara sorriu e pegou as mãos dos dois. - Bem, se lá fora não podemos, aqui dentro, viveremos como quisermos...  Jack, e antes que você comece a pensar bobagens,  eu e o Mick prometemos a você que não iremos mais transar, e Mick, eu e o Jack prometemos a você que nunca mais o trataremos mal, ou nos afastaremos de você por  qualquer tolice... está bem? Estamos combinados?

- Está bem, querida... - Jack beijou Clara no rosto.

- Está bem, meu amor... - Mick fez o mesmo, selando aquele estranho pacto.

Os três então subiram até a sala de TV, onde assistiram a gravação da coletiva, que deixou Clara muito emocionada, chorando mais uma vez. A seguir, foram para seus quartos, onde passaram a maior parte da tarde dormindo, celulares desligados, eles se permitiram descansar da noite e dos últimos dias de enorme desgaste, sobretudo emocional.

Aquele arranjo não agradava Jack de nenhuma maneira, mas ele decidiu que o aceitaria, pelo menos até ver Clara recuperada; depois tudo mudaria e por mais que Mick fizesse bem a ela, ele o forçaria a afastar-se. Jack sabia que teria tempos difíceis pela frente, mas a esperança de vê-la bem novamente, grávida de um filho seu, aquecia seu coração e o motivava a enfrentar qualquer coisa.

Continua

Nenhum comentário: