6 de fev de 2013

Rockstar - Capítulo CVIII


- Bom dia, querida... - Jack disse assim que percebeu que Clara estava com os olhos abertos. - Você estava dormindo tão em paz que não tive coragem de te acordar...

- Mas que horas são?

- Onze horas... já estou de saída... o Peters agendou uns programas de TV para hoje...

- Ah... nossa... acho que dormi demais... - ela disse coçando os olhos. - Eu vou com você...

- Não precisa, amor... isso é só chatice... descansa, liga para suas amigas, vai fazer compras... aproveita...

- Ah, Jack... mas eu queria passar o dia inteiro com você...

- Ah, amor... - Jack disse, sentando-se na cama e abraçando-a. - Fica tranquila... vamos dar um montão de entrevistas, você só vai se chatear... descansa, se você não quer sair com a Jen e com a Cindy, vai andar de bicicleta no parque... você precisa relaxar, meu amor...

- Está bem, querido... vou ligar para minhas amigas... já que você não me quer...

- Te quero... e muito... mas infelizmente não podemos... acordei com muita dor hoje...

- Amor! Não é melhor ir ver um médico?

- Não... já tomei o meu remédio e está melhorando... vou ficar bem, querida... e você? Como está?

- Me sinto melhor, acho que os remédios estão começando a funcionar... me sinto mais tranquila... comi tanto ontem... você viu... fiquei até me sentindo culpada...

- Amor... você precisa comer... o que me leva a segunda parte de nossa conversa...

- O que?

- Pedi um café da manhã gigante para nós dois e ele está servido na sala de jantar... vamos comer?

- Vamos, meu amor... - Clara sorriu, levantando-se da cama e vestindo seu robe de seda.

- Não faça isso...

- O que?

- Vestir-se... você está tão linda, nua...

- Ah Jack... - Clara sorriu e acariciou o rosto dele. - eu te amo tanto...

Jack puxou-a para perto e beijou-a. - Eu te amo, Menininha... gostaria tanto de passar meu dia inteiro aqui nessa suite, te amando...

- Eu queria passar o dia com você, mas você me quer longe... - Ela disse caminhando para a sala de jantar onde um café da manhã farto e variado os esperava.

- Mas eu não quero você longe... só quero que você descanse... programa de TV é muito chato... um tempão esperando, você precisa comer bem, tomar seus remédios e às vezes eles nem  deixam sair do estúdio... além disso, são sempre as mesmas perguntas, as mesmas piadas... ah, não vale a pena... e tem também o Peters...

- O que tem ele?

- Os programas queriam você também, mas ele tomou a iniciativa de cancelar sua participação, aliás ele avisou toda a imprensa americana que você pegou um vírus e que por isso, não vai falar com ninguém.... toda a agenda que você tinha foi cancelada, acho que ele ainda está impressionado com o que aconteceu no restaurante japonês... eu deixei porque acho que você precisa de um descanso...

- Eu sei que você quer me proteger, meu amor... obrigada... acho que vou fazer compras com minhas amigas... vou mandar uma mensagem de texto para a Cindy... Acho que vou adiantar umas compras para o Natal... o que você quer ganhar de presente?

- Eu? Quero você... inteira comigo...

- Você já tem... o que mais?

- Não sei, amor... se eu tenho você, já tenho tudo o que eu quero... - Jack sorriu, enquanto servia-se de mais panquecas. - Você nem tocou nas panquecas hoje...

- Mas estou comendo as frutas... acho que não estou com muita fome... - ela respondeu ao vê-lo preparar um prato com panquecas e calda de chocolate para ela. - Está bem... vou comer...

- Ainda vou te transformar numa garota gordinha... - ele riu.

- Acho que vai... - ela sorriu. - Sabe do que eu gosto? De pegar essa caldinha de chocolate e comê-la com os morangos...

- Ah, amor... acho que vou ligar para o Peters e dizer que não vou fazer nada hoje... vamos ficar aqui o dia todo, comendo e descansando?

- Seria tão bom se você ficasse...

- Mesmo assim... sem podermos fazer quase nada...

- Só me importa que nós passaremos o dia juntos, aqui... onde tudo começou... namorando... conversando... não preciso de sexo, preciso de você...

- Mas... e se nunca mais...

- Já te disse... você me faz feliz... nunca te abandonaria, por nada nesse mundo...

- Amor... me perdoa... vou ter que ir... o Peters já está lá embaixo, me esperando... - Jack disse depois de atender o celular.

Ele levantou-se da mesa, pegou-a pela mão e os dois caminharam juntos até o elevador. - Assim que puder, eu te ligo...

Os dois se beijaram na porta do elevador e ela voltou para dentro da suite, caminhou até o quarto, tomou um longo banho de banheira e ligou para Cindy, que ficou de passar com a limusine que estava à sua disposição dali a meia hora, no hotel para pegar Clara para as compras.

- Bom dia, queridas... - Clara disse ao entrar na limusine com as amigas. - Então... como estão as coisas?

- Muito bem... - Cindy sorriu. - Nossos maridos passarão o dia fazendo programas de TV, enquanto nós passeamos pela cidade... e fazemos compras... acho que não tem como ficar melhor do que isso...

- Ah... eu gostaria de estar com o Jack... depois de tudo, acho que estamos em lua de mel de novo...

- Mesmo? Nós sabemos do que aconteceu...  o Mick passou a noite com vocês...

- Mas nos recuperamos bem... Naquele momento, eu estava chorando muito e ele não sabia o que fazer, chamou o médico do hotel e depois, quando o médico me deu um calmante e eu apaguei completamente, ele ligou para o Mick...

- Isso é uma loucura, mas acho que prova que o Jack estava falando a verdade quando disse que não tem ciúmes...

- Mas ele tem... quando o Mick me beijou, na frente dele, ele simplesmente saiu andando da suite... o Jack tem ciúmes sim e não sei por quanto tempo ele vai conseguir manter esse autocontrole...

- Seu marido é surpreendente! - Jennifer sorriu. - E o que aconteceu?

- Quando eu vi que ele tinha sumido, comecei a chorar muito e acho que assustei o Mick... achei que o Jack tinha me abandonado para sempre...

- Meu Deus... e daí, o que vocês fizeram?

- Eu fiquei tão feliz quando vi o Jack voltar para a nossa suite e ele chegou admitindo que estava com ciúmes, que ver o Mick me beijando tinha sido demais para ele... coitado... para o Mick não sobrou nenhuma alternativa, a não ser, ir embora...

- Então acabou tudo entre vocês?

- Não sei... eu gosto do Mick, mas acho que ele está voltando a ser muito mais um amigo, do que um amante...

- Que bom! Crise superada, então? - Cindy sorriu.

- Espero que sim... pelo menos até eu vê-lo novamente... sabe que eu estou me sentindo culpada,  eu não queria magoá-lo...

- Mas você não o está magoando... ele se envolveu com você porque quis... - Cindy disse. - Olha, Clara... sinceramente... acho que você precisa é ficar perto do seu marido... recuperar tudo o que vocês sempre tiveram e deixar que o Mick se resolva sozinho... acredito que agora ele deve deixar vocês em paz...

- Você falou com ele de novo? - Jennifer perguntou casualmente.

- Não... desde que ele foi embora da nossa suite ontem, não nos falamos mais, por que?

- Por nada... - ela suspirou.

- Estou preocupada com ele, mesmo assim... ainda vamos ao castelo, não vamos?

- Sim, mas lá será mais complicado... muita gente... muitas coisas acontecendo, gravações... não acho que vá existir clima... - Jennifer sorriu.

- É o que eu espero também... ah... o Jack me falou uma coisa que eu preciso contar para vocês, sobre o David e a tal da  Kelly Taylor...

- O que tem? - Cindy perguntou. - Você disse alguma coisa para a Clara, Jen?

- Desculpa, querida... eu sei que não deveria ter contado... mas estou preocupada e a Clara também ficou...

- Desculpa Cindy... mas sou sua amiga e quero o melhor para você... o Jack, ele me disse que a Kelly Taylor procurou o David para conseguir ingressos para a estreia e que isso foi tudo...

- Sério?

- Sério... há uns dias, o David me perguntou se eu sabia alguma coisa, se você estava passando por algum problema... mas eu não sabia... disse que talvez você estivesse trabalhando muito... aconselhei-o a comprar umas flores e ser um pouco mais romantico... depois, a Jen me disse o que estava acontecendo e eu entendi tudo e ontem à noite o Jack me contou tudo...

- Obrigada, Clara... - Cindy sorriu. - Mas não acho que seja só isso... por mais que eu queira acreditar...

- Ah, Cindy... dá uma chance... ele me pareceu sinceramente preocupado com a relação de vocês no outro dia... Acho que ele te ama...

- E eu o amo... mas estou com medo... sabe, querida... por favor não leve a mal o que vou dizer para você. É com amor que eu digo isso, mas a pior coisa do mundo, tanto para mim como para a Jen foi a volta da Crossroads...

- Desculpa... não podia imaginar...

- Não é sua culpa... o Jack... de um jeito ou de outro, sempre esteve na estrada, mas o Dave e o Mike... eles estavam mais tranquilos, nas sombras... uma vida quase normal até aparecer a Crossroads novamente... a estrada vai levá-los para longe... justo quando achávamos que isso nunca mais aconteceria...

- Desculpa de novo... mas se vocês os amam...

- Não existe isso, Clara... tudo é muito lindo no papel... a estreia, os programas de TV, as capas de revista,   mas daqui a pouco, quando a turnê começar de verdade e aquele avião estiver cheio de homens da equipe, cheirando a suor e cerveja, nós três não aguentaremos mais viajar junto... e seremos substituidas por fãs, groupies, prostitutas ou sabe-se Deus mais o que...

- Você também acha isso, Jen?

- Acho, querida... mas acho que sou mais conformada do que a Cindy com essas coisas... mesmo porque se não forem as groupies, serão as modelos e candidatas a starlets de Hollywood... já te disse que o Mike não é muito fiel... a única diferença é que agora, quando ele sumir por dias, eu terei alguma ideia de onde ele está...

- Eu juro... que... - Clara disse com as lágrimas começando a escorrer em seu rosto. - não tinha a intenção...

- Querida... não fica triste... nós te amamos... além disso, se você estiver lá... talvez as coisas sejam melhores... quem sabe a sua presença mude tudo? O Jack te ama e não acredito que vá permitir que você fique no meio daquele ambiente... ainda mais se estiver grávida... - Cindy disse, abraçando-a. - Calma, querida...

- Me desculpa... mas nestes últimos dias, estou muito triste... estava feliz com tudo o que vinha acontecendo, mas, de repente, eu comecei a ver o quanto estou errada, estou ferindo todos que estão ao meu redor e isso não está certo...

- Não querida... você tem todo o direito do mundo de ser feliz... e se estar com o Mick, ou subir no palco com o Jack te faz feliz... então ninguém tem o direito de dizer nada... não se importe conosco... de verdade... é a sua vez e nós sabemos o que significa para você...

- Obrigada queridas... estou muito cansada... há dias não faço muita coisa além de chorar... entendi o que vocês me disseram, mas ainda tenho a esperança de que desta vez tudo será diferente... e prometo para vocês que farei o que estiver a meu alcance para ter vocês perto de mim, durante toda a turnê...

- Obrigada Clara... de verdade... - Cindy sorriu. - Então... vamos comprar?

- Vamos... - Clara sorriu, limpando o rosto. - Quero que vocês me ajudem... preciso conseguir parar de me sentir um lixo...

- Nós te amamos, querida... vamos comprar até que você se sinta feliz novamente... - Jennifer sorriu. - Você também, Cindy... você já pensou que o David pode estar sendo sincero?

- Espero que sim... - Cindy sorriu. - Estou cansada demais para lutar na justiça com ele para ficar com Heathcliff Hall... porque eu faço questão de ficar com aquela casa... trabalhei muito nela, eu a mereço...

- Querida... não fica pensando nisso... tenho certeza de que vocês estarão bem... - Clara disse, abraçando a amiga.

- Espero que sim... - Cindy sorriu. - Vamos então?

Logo a limousine parava na frente das lojas mais sofisticadas de Manhattan, e as três compravam roupas, sapatos, bolsas e pequenos presentes para distribuir no Natal entre seus amigos e parentes.

Clara procurou muito, mas não encontrou nada que achasse apropriado para dar a Jack, mas olhando por acaso uma vitrine de uma galeria de arte, teve um lampejo repentino. Lembrou-se de uma conversa que teve com Mick sobre o artista que havia restaurado o belo afresco da sala de jantar de seu castelo; e decidiu que entraria em contato com ele para pedir um retrato dos dois quando eram Ceridwen e Berthold. Faltava apenas decidir qual o momento e o cenário mais bonito para ser pintado.

- Acho que vou comprar uma corrente para o Jack... gosto de vê-lo usando jóias... - Clara sorriu. - Vamos a Tiffany's?

- Falou minha língua agora, querida... - Jennifer sorriu.

As três entraram na loja sofisticada e imediatamente passaram a ter à sua disposição vendedores sorridentes e alguns privilégios reservados somente aos clientes vip. Clara comprou uma valiosa corrente de ouro branco, com uma bela malha grossa e ela escolheu como pendente, uma pequena placa, também de ouro branco, onde mandou gravar um número 8 deitado,  o símbolo do infinito, de um lado e do outro a frase: "Eu te amo para sempre"

- Que lindo! - Cindy disse a ela examinando a jóia pronta em suas mãos. - Nossa! Para quem até um minuto atrás não tinha nem  ideia do que ía comprar...

- Ah! Este é o presente menor... vou dar um maior que acho que ele vai gostar ainda mais.

- Hum... grandes planos para as festas então, querida...

- Certamente... agora, quero comprar alguma coisa bonita para a Jane e para a Kate... acho que as duas também merecem... o que você me aconselha?

- Ah... tem umas pulseiras muito bonitas aqui... vem ver... - Jennifer apontou para uma vitrine perto delas e pediu à vendedora para pegar os mostruários para Clara poder escolher.

Clara escolheu uma pulseira de ouro amarelo com malhas largas e um pequeno pendente de coração, também de ouro amarelo, cravejado de diamantes para Jane e um delicado bracelete de diamantes para Kate.

- Você é uma ótima madrasta, querida... - Jennifer sorriu ao ver o bracelete. - Lindo!

- Gosto muito da Kate e também da Jane... aliás toda a família do Jack é tão doce quanto ele... queria dar presente até para a Mary...

- Você é muito doce, Clara... nossa... queria ver a ex do Mike na cadeia, ou no inferno... - Jennifer sorriu. - Para bruxa completa falta só a vassoura...

- E para a sua família? Você não vai comprar nada?

- Não sei... acho que quero pensar melhor... vou tentar trazê-los para passar as festas conosco... ainda vou precisar convencê-los disso... minha família é tão complicada...

- Calma querida... uma coisa por vez... eles vêm para os shows, não?

- Sim... já mandei as passagens, inclusive...

- Então... quando eles vierem, você convida... não acredito que irão recusar...

- Espero que sim...

- Olha que lindo esse anel, Clara... - Jennifer disse apontando para um anel de diamantes muito bonito que estava em uma vitrine próxima das duas. - Cindy... se eu fosse você, comprava um...

- Ah, Jen... é bonito... mas não sou muito de jóias... você sabe... - Cindy sorriu. - Preferia minha parte em dinheiro... Olha... esse anel é parecido com o seu, Clara... - ela apontou para um anel com uma pedra que mudava de cor, como a dela.

- Lindo, não? - Clara sorriu. - Ah... os olhos do Jack... o que será que deu na minha cabeça para eu colocar em risco uma coisa tão sublime?

- Ah, querida... não seja tão dura com você mesma... vocês dois ficarão bem... eu tenho certeza... - Cindy disse, enquanto pedia para experimentar um bracelete de diamantes parecido com o que Clara tinha comprado para Kate, mas bem mais caro, já que seus diamantes eram dourados.

- Linda... - Jennifer disse. - Compra para você, Cindy...

- Acho que vou comprar mesmo... mereço um presentinho depois de tudo o que passei...

- Eu também... - Jennifer sorriu. - Você vai comprar alguma coisa para o Mick?

- Não... até gostaria, mas não sei se seria apropriado... aliás, de agora em diante, quanto menos estivermos juntos, será melhor para nós dois...

- Você que sabe... eu não conseguiria me afastar dele... - Jennifer disse suspirando. - Ele é um homem muito especial...

- É... mas meu marido também é... e dele, eu não suportaria ficar longe... eu tenho muito carinho pelo Mick, mas o Jack é o homem da minha vida... eu o amo tanto...

- Não vai chorar de novo... - Jennifer sorriu. - Estou começando a ter fome... vamos almoçar?

- Vamos... - Clara sorriu, limpando os olhos sob os óculos escuros que usava o tempo todo quando estava em público.

As três pagaram por suas compras na joalheria e aceitaram ser discretamente escoltadas até sua limusine por dois seguranças.

- Então... almoçamos aonde?

- Desculpa, querida... mas não posso falar... é uma surpresa... - Jennifer disse sorrindo. - Mas acredito que você  irá gostar...

O carro seguiu por áreas cada vez mais sofisticadas de Manhattan e Clara começou logo a imaginar algum restaurante do tipo muito caro e exclusivo, como sempre foi o gosto de suas amigas e continuou conversando com elas, até que inesperadamente, o carro parou em uma rua onde apenas existiam prédios de apartamentos de luxo, na porta de um deles, que tinha sua entrada protegida por um belo toldo vermelho que cobria uma parte da calçada.

- Vamos pegar alguém para almoçar conosco? - Clara perguntou desconfiada.

- Não exatamente querida... mas é uma surpresa... - Jennifer sorriu. - Passamos o dia todo aqui, ontem...

- Espera, quem mora aqui? - Clara perguntou.

- Vem... vamos... - as três entraram em um elevador  cheio de espelhos e molduras douradas.

Clara estava começando a advinhar de quem era aquele apartamento, mas achava a ideia terrível demais para estar acontecendo. As três desceram em um hall arredondado,  onde o chão de mármore branco e preto brilhava iluminado por um imponente lustre de cristal, na frente de belas portas duplas brancas. 
Seu medo, foi logo confirmado e cresceu ao perceber que  suas duas amigas  correram de volta para o elevador e fecharam a porta

- Desculpa querida, vocês precisam conversar... - Jennifer disse enquanto o elevador partia.

Continua

Nenhum comentário: