5 de fev de 2013

Rockstar - Capítulo CVII


- Mick... espera... cadê o Jack?

- Não sei... ele estava aqui agora mesmo...

- Jack? - Clara levantou-se da mesa e saiu procurando por ele na enorme suite.

- O meu marido... - ela perguntou para o mordomo. - Onde ele está?

- Ele saiu da suite, senhora... foi na direção do elevador...

Clara correu atrás dele, mas não conseguiu alcançá-lo.

- Ele foi embora, é isso?  - Clara voltou chorando. - ele me abandonou... Mick... eu...

- Não, querida... calma... acho que ele foi só buscar alguma coisa lá embaixo... espera... vou ligar para ele...

- Eu pedi tanto para ele me perdoar...

- Calma, amor... calma... - Mick disse, abraçando-a. - A culpa é minha, eu não deveria ter te beijado na frente dele...

- Não... eu não deveria... ah... eu faço tudo errado...

- Calma, querida... vem...

- Eu sabia... ele está muito magoado...por que ele se faz de forte e não admite? Por que fica fingindo que está tudo bem, quando não está?

- Meu amor... calma... - Mick abraçou-a no sofá, enquanto ela chorava. - Estou aqui para você...

Enquanto Clara chorava com o rosto escondido no peito de Mick, no sofá, Jack voltou recuperado para a suite.

- O que houve, Mick?

Ao ouvir  a voz de Jack, ela levantou-se e correu em sua direção agarrando-se a ele.

- Meu amor...

- O que foi, querida?

- Achei que você tinha me abandonado... tive tanto medo de te perder...me perdoa...

- Você não vai me perder, querida... eu apenas fui até a recepção perguntar sobre seus remédios e eles me disseram que entregarão aqui em cima, assim que chegarem... Agora, tenho que ir até o Plaza, dar aquelas entrevistas... Você quer ir comigo, querida?

- Mas Jack... ela ainda precisa descansar, comer direito... - Mick disse levantando-se do sofá e caminhando até os dois. - Vem querida...

- Seria bom que ela fosse comigo... ela precisa descansar sim, mas... bem.... eu pensei melhor... e quero agradecer muito sua ajuda, Mick... mas acho que estamos fazendo isso completamente errado...

- Está bem... - Mick suspirou. - Acho que você está certo.... e por amá-la muito, eu quero o melhor para ela. Clara... eu quero te ver feliz, por isso, vou me afastar para que vocês dois possam ficar em paz...

- Mas Mick... - Clara interrompeu-o.

- Por favor, querida... quando você achou que o Jack podia estar te abandonando, achei que fosse morrer nos meus braços... eu sei que o que você sente por mim, embora seja lindo, está ainda muito longe do que vi nos seus olhos agora pouco, quando ele entrou por aquela porta...

- Mick... - Clara disse chorando e abraçando-o. - Obrigada...

Jack fez a mesma coisa. - Mick... não é a toa que a Clara te ama tanto... obrigado... pode contar conosco para tudo o que quiser... e me desculpe, mas estou com ciúmes, estou tentando me controlar, mas, esse sentimento me enlouquece... Eu quero que você seja livre, Menininha... 

- E eu amo vocês dois... - Clara disse chorando e agarrando-se aos dois. - E me sinto tão amada quando estou com vocês, sei que não mereço...

- Como não merece? Você é um anjo, querida... - Mick sorriu e beijou-a na testa. - Estarei sempre por perto... por favor não se afaste de mim...

- Não me afastarei... - ela respondeu.

- Se o Jack me deixar... eu quero ter a chance de te fazer feliz, querida...

- Vou tentar não interferir...  Mesmo que isso me doa, a Clara é livre...

Clara beijou Jack, sabia que ele estava sacrificando muito com aquela atitude e por isso sentia crescendo dentro de seu peito seu amor por ele. Uma sensação profunda de paz agora a envolvia e a ajudava sentir-se bem. Ela finalmente tinha forças para continuar amando aqueles dois homens, eles tinham provado para ela que podia amá-los como quisesse, como pudesse e que isso não estava errado.

Os dois despediram-se de Mick e Jack acompanhou Clara até o quarto, ajudando-a a vestir-se para ir com ele até o Plaza. Ela tomou todos os remédios prescritos pelo médico,  colocou seus óculos de sol, para disfarçar os olhos inchados e embarcou na limusine agarrada a Jack, pronta para encontrar-se com seus amigos.

- Desculpa de novo, querido... eu não sei o que acontece comigo... começo a chorar e...

- Não tenho o que desculpar... você é o amor da minha vida e eu estou muito feliz porque consegui fazer você ficar bem novamente e esse é o maior prêmio que eu posso ter... você aqui, ao meu lado...

- Você me faz muito feliz, querido... muito... e não sei se são os remédios, mas me sinto no paraíso agora...

- Você é meu paraíso, Clara... - Jack sorriu. - Tive tanto medo de te perder nestes últimos dias... que não vou te soltar de jeito nenhum... você vai passar o dia todo comigo pendurado em seu pescoço...

- É aqui que eu quero você... - Clara sorriu e beijou-o.

- Ah, Menininha... vamos... já chegamos... você vai estar comigo em todas as entrevistas hoje, não vai?

- Combinei ontem com meus amigos de sair para  colocar a conversa em dia... além do mais, com essa cara toda amassada... melhor eu ficar longe da mídia...

- Você vai se juntar com aqueles dois para ficar falando mal de mim?

- Mal? Nunca, meu amor... quer saber? Antes de te conhecer, quando eu não estava namorando ninguém, eu, o Jo e a Sara costumávamos ir àquele bar, perto da minha casa, em São Paulo... lembra?

- Hum... "bowlinios de bacalau" - ele disse enrolando-se no português.

- Então... tinha aquele telão enorme, onde eles passavam seu DVD e meus amigos cansaram de me ver lá, supirando por você e repetindo o quanto eu te desejava... Meu Deus... eu te comia com os olhos naquela época...

- Ah, Menininha... minha delícia... - Jack beijou-a. - queria tanto passar o dia na suite Versalhes te amando...

- Teremos muito tempo para isso... logo... não se preocupe... meu coração já consegue nos ver juntos, no futuro, ao lado do nosso filho...

- Eu estou envelhecendo, querida... quando você fala em futuro... me dá um medo...

- Não, meu amor... não tenha medo... eu vou te fazer muito feliz...

- Você já me faz...

Jack e Clara desceram do carro, na frente do Plaza onde se concentrava um grande número de fãs contidos por grades que cercavam toda a frente do hotel. Sua presença na cidade já havia sido divulgada pela imprensa e agora atraia uma porção de gente apaixonada pelo Crossroads para a porta do hotel. E eles saudaram a chegada de Jack e Clara com muita gritaria e agitação.

Jack virou-se para eles e cumprimentou-os, assinou alguns autógrafos, posou para fotos e, para sua surpresa, Clara também foi bastante requisitada, assinando capas de CDs e fotos publicadas em revistas.

- Viu, Menininha... eles te amam também... - Jack sussurrou no ouvido dela. Ela apenas sorriu e agarrou-se no marido, fazendo com que os fãs passassem a pedir por um beijo para fotografarem.

Os dois se beijaram na frente das câmeras e entraram no saguão do hotel, onde Charles Hutton e sua equipe os aguardava. Rapidamente, ele providenciou que os dois fossem para a suite onde aconteceriam as entrevistas exclusivas e Clara encontrou-se com seu amigo e mais alguns velhos conhecidos da imprensa brasileira, que logo vieram cumprimentá-la, apesar da segurança tentar mantê-los a distância.

- Clarinha! Está melhor, querida? - João foi o primeiro a conseguir aproximar-se, driblando um segurança mal encarado, que foi logo dispensado por Jack.

- Estou, querido! Cadê a Sara?

- Ela já está chegando... ficou presa no metrô... ela me disse que você teve um problema ontem...

- Ah querido... tenho muito para contar para vocês dois hoje... vamos até a Starbucks?

- Vamos sim, querida...

- Oi João... - um repórter de TV, bastante conhecido no Brasil, aproximou-se dos dois. - Clara, querida... você lembra de mim, não? Eu te entrevistei quando você lançou seu segundo livro...

- Lembro, como vai?

- Então... o seu pessoal me disse que você não dará entrevistas hoje, mas meu editor está enlouquecido... será que você não pode falar um pouquinho comigo, prometo que é rápido...

- Ah querido... - Clara suspirou. - Isto aqui não é sobre mim... é sobre a Crossroads... por isso eles negaram...

- Mas será que você não pode abrir uma pequena exceção? Lá no Brasil, as pessoas estão querendo tanto saber como você está...

- Está bem querido... se der para fazer sem atrapalhar os rapazes, nós fazemos... eles já estão muito sobrecarregados...

- Como quiser, Clara... Aliás... a coletiva ontem, há muito tempo não via nada daquele tamanho...

- Eles merecem... eu estou perto agora, mas continuo sendo fã... não é maravilhoso eles terem decidido voltar?

- É sim, querida...

- Desculpa perguntar, mas você e o Jack me parecem um pouco abatidos hoje...

- É o fuso horário... nós dois demoramos muito para nos adaptarmos e temos sono quando deveríamos acordar e acordamos quando deveríamos dormir... quando nos acostumarmos, já estaremos em casa de novo... - Clara sorriu com medo que ele insistisse no assunto. - Você vai à estréia em Londres?

- Estou tentando... mas o resto do mundo também está... - ele sorriu. - Será que você não pode nos dar uma força, lá com seu assessor de imprensa?

- Tentarei,  querido... espera um pouco que darei um jeito... enquanto isso... Jo, vem comigo... precisamos descobrir onde a Sara está...

- Nossa, Clarinha você está arrasando... nunca vi esse aí tão humilde... - João riu, assim que os dois foram para a outra sala, onde a banda estava reunida. - Tô passada!

- Eu também, querido... estou preocupada com a Sara... vou ligar no celular dela...

- Sara... onde você está?

- Chegando ai, amiga... o metrô parou no meio do caminho, agora eu desci e peguei um taxi... e nós achávamos que São Paulo era ruim...

- Chega logo... estou começando a ficar aflita aqui... - Clara sorriu.

- Vem cá, você está bem hoje, não?

- Não sei, querida,  você me conhece... sou assim mesmo, me jogo e tento continuar andando, sem parar muito para pensar... - Clara sorriu. - Chega logo que estou louca para contar tudo para você e para o João...

- Mas antes tem as entrevistas... eles já começaram?

- Nem sei... eu me distraí aqui com o Jo e com o Mauro Cardoso.... que por sinal, está  um doce hoje...

- O Mauro? - Sara riu. - Quem diria? Já estou aqui na porta... Nossa tem uma multidão aqui...

- São fãs... até eu dei autógrafos hoje... - Clara riu. - Você acredita?

- Tem até polícia aqui, vou tentar falar com um segurança agora, mas eles não estão deixando ninguém entrar...

- Vou até aí te pegar, não se preocupe...

- Jo... vou buscar a Sara lá fora... hum... melhor eu ir com o Hutton...

Clara contou sobre a amiga presa do lado de fora e o assessor de imprensa seguiu-a até a porta para ajudá-la.

- Sara! Que bom! - Clara sorriu e abraçou a amiga. - Obrigada Hutton!

- De nada... você tem uma exclusiva agendada, não?

- Tenho sim...

- Vamos lá para a sala então... eles já começaram a gravar, você vai precisar entrar na fila... seu cinegrafista, onde está?

- Já está na fila... - Sara sorriu.

- Por favor, Hutton... quero que ela e meu amigo João fiquem livres logo... vamos sair para um café, daqui a pouco...

- Está bem... você manda... - Hutton sorriu. - Fico feliz por vê-la melhor hoje... todos ficaram preocupados ontem... o Peters quase enfartou quando o Jack disse que não viria hoje para as entrevistas...

- Está tudo bem agora... mas obrigada pela preocupação de vocês... Você sabe onde ele está?

- Na suite ali na frente. Você quer acompanhar as entrevistas?

- Melhor não... você sabe como eu sou, se entrar, não conseguirei relaxar e o médico me pediu muito para descansar...

- Está bem... vou dizer a ele para vir até aqui quando a entrevista terminar... ok?

- Não quero atrapalhar...

- Senhora Noble... -  Michael Peters disse ao aproximar-se dos dois. - A senhora está bem?

- Sim... melhorei...obrigada...

- Excelente... soube que vai até atender os repórteres hoje...

- Só o Mauro Cardoso... é televisão e eu já acertei tudo com o Hutton...

- Ok... vou  reservar  uma sala para vocês conversarem...  na verdade, acho que já tenho uma pronta agora mesmo... quer ir fazer?

- Posso ir? Não estou muito feia? Quero dizer... acho que preciso ao menos de uma maquiagem leve... não?

- Hutton... venha até aqui, por favor... - Peters chamou o assessor de imprensa. - Acompanhe a senhora Noble até o cabelereiro lá embaixo e veja que ela seja penteada e maquiada para atender a imprensa...

- Obrigada Peters! - Clara sorriu. - Estou me sentindo muito abatida hoje...

- Fica tranquila, Clara... - Peters sorriu para ela. - O Jack me pediu para cuidar de você, enquanto ele estiver trabalhando...

- Obrigada Peters... será que vai demorar?

- Não... são entrevistas rápidas, de cinco minutos cada... você quer falar com ele?

- Não... só queria saber... - Clara disse com seus olhos começando a lacrimejar. - Desculpa, estou muito emotiva nestes últimos dias...

- Calma, querida... - Peters disse preocupado. - Posso chamá-lo, lá na sala...

- Por favor, não o interrompa... não quero atrapalhar... - Clara disse chorando ainda mais. - Vou ficar bem, eu prometo...

- Vai ficar tudo bem... - ele disse abraçando-a. - Hutton... vai chamar o Jack...

- Não... não faça isso... por favor...  - ela disse fugindo de Peters e de Hutton, correndo na direção do elevador.

- Querida... espere... calma...

- Por favor... não chama o Jack... eu vou ficar bem...  só preciso um pouco de ar... vou andar no parque, eu já melhoro...

- Não faça isso... os paparazzi irão te seguir... - Peters disse, segurando-a pelo braço. - Vem... vamos até o cabelereiro... você já vai sentir-se melhor...

- Sei que não vou melhorar, mas vou descer no salão... por favor, não diga nada ao Jack... não quero deixá-lo preocupado...

- Não direi... mas você precisa prometer que vai melhorar... este hotel hoje está cheio de reporteres e se você ficar por aí, chorando pelos cantos...

- Eu sei... estou tentando... - ela disse limpando as lágrimas. - e se eu for embora? Simplesmente voltar para o meu hotel e ficar lá?

- Você quer mesmo isso? Posso cancelar a entrevista que você tem marcada...

- Não... é melhor eu falar com o Mauro... ah... eu devia ter ficado lá no hotel...

- Vou descer com você lá no salão de beleza, você descansa um pouco, come um lanchinho e já melhora... você é uma estrela, querida...

- Vou tentar... me perdoa... estou vivendo um momento horrível... eu mesma estou cansada de tanto chorar, mas não consigo parar...

- Fica tranquila, querida... você já vai melhorar... Vou te acompanhar pessoalmente, o Hutton fica aqui cuidando das entrevistas...

- Vamos...

Clara foi até o salão de beleza e lá sentiu-se como uma estrela, massagem, mãos, pérs, cabelos, maquiagem. Os cuidados a distrairam,  mas ainda teve que lutar bastante para conter-se,  não conseguia sentir-se bem, nem depois de ver-se no espelho pronta para a entrevista que daria a um famoso reporter de um importante programa de TV brasileiro.

Ela subiu de volta ao andar onde estavam sendo feitas todas as entrevistas, respondeu as perguntas de Mauro Cardoso com um sorriso que nem ela sabia de onde tinha tirado e logo foi ao encontro de seus amigos que tinham acabado de gravar com Jack e David, que agora, estavam no corredor, procurando por ela.

- Meu amor... - Jack correu na direção dela e beijou-a. - Estava sentindo sua falta...você está tão linda...

- Você ainda vai demorar muito, amor?

- Pior que vou... você comeu alguma coisa?

- Ainda não...  estou com um pouco de fome, mas vou sair com meus amigos para isso... e você?

- Tem uns lanchinhos por aí... amor... vem aqui... - Jack disse, puxando-a pelo braço até uma suite vazia e trancando a porta. - O Hutton me disse que você estava chorando...

- Estava... mas acho que consegui me controlar... 

Jack agarrou-a e pressionando seu corpo contra o dela, beijou-a apaixonadamente. O clima entre eles esquentou como sempre e esquecendo de tudo, da cirurgia e dos problemas que Jack teve nos últimos dias, os dois se amaram, de pé, apoiados na porta da suite vazia.

- Meu amor... que loucura foi essa?... - Clara sorriu ainda ofegante e sentindo seus joelhos falhar. - O médico...

- Está tudo bem, nem senti dor... só vontade de ter você, meu amor...

- Ah, querido... temos que ser mais cuidadosos... - ela disse suspirando e ajeitando as roupas.

- Você está linda... eu te amo tanto...

- Eu te amo mais... querido... eu sei que precisava fazer uma coisa lá fora, mas...

- Almoçar, amor... com seus amigos... lembra? - Jack sorriu ao vê-la tão perdida. - Amor... vem cá...

- O que foi, querido?

- Deixa ajeitar um pouco sua roupa... acho que os botões não estão certos... pronto! Consegui te fazer sorrir de novo...

- Meu amor... você sempre me faz sorrir... estou toda descontrolada... mas obrigada por ter tido paciência comigo e por ser tão doce...

- Clara,  eu te amo muito... quero te ver feliz....

- Eu estou muito feliz, meu amor... muito mesmo... parece que um peso enorme está começando a sair das minhas costas... tive tanto medo de te perder...

- Nunca, meu amor... eu não conseguiria mais viver sem você... tenho certeza disso...

- Eu te amo... - Clara beijou-o novamente. - Nunca amei tanto alguém na minha vida, nem achava que algum dia fosse capaz de amar tanto...

- Você é linda... Olha... amassei todo o seu cabelo... deixa eu arrumar... - ele disse ajeitando novamente os cabelos dela, por cima da gola da camisa. - Queria passar o resto do meu dia com você... Prontinha... vamos lá fora?

- Vamos, meu amor... - ela sorriu. - agora vou procurar meus amigos para irmos almoçar...

- Eu sei... vocês vão lá só para falar mal de mim, não é?

- Não... vou só contar para eles que eu te amo mais do que nunca...

Clara e Jack sairam agarrados da suite, mas cada um foi para um lado, ele de volta a sala onde seus amigos estavam reunidos e ela até o saguão do hotel onde João e Sara aguardavam por ela,  já preocupados.

- Querida... até que enfim... já estava considerando a possibilidade de pegar um dogão na rua... estou varado de fome... - sorriu João.

- Vamos lá na Starbucks comer muffin até as coisas melhorarem, Jo... - Clara sorriu.

- Já melhoraram, pelo jeito... - Sara sorriu ao vê-la animada. - Você não estava assim maquiada quando eu cheguei...

- E nem com esse cabelo todo trabalhado no secador... - João entrou na brincadeira também.

- Não... o que posso dizer? Privilégios de estrela, meus queridos... - ela sorriu. - Onde será que eu deixei meu casaco?

- Um lindo, de couro? - João riu.

- Esse mesmo? - Ela disse olhando por cima de suas costas, ainda bastante desorientada.

- Está em cima da sua bolsa! - Sara riu ao perceber a distração da amiga.

- Ah... - Clara riu  e puxou o casaco, que estava encaixado sobre a bolsa, onde também estava uma paximina que ela enrolou no pescoço.

- Olha, querida... não se engane com o sol lá fora... deve estar uns 10 graus no máximo... - João disse parando no caminho para que ela pudesse vestir-se. - Você está tão chique... este casaco custou mais ou menos o mesmo que o meu apartamento, não?

- Nunca soube o preço, Jo... meu marido me deu de presente...Já te disse como essas coisas funcionam, em certas lojas, se você tiver que perguntar quanto custa, significa que você não tem dinheiro suficiente para comprar nada...

- Sei... muito chique isso, né... mas de que loja, ele é? Você lembra?

- Claro... é da Vuitton, o Jack me deu ele de presente em Paris...

- Isso... pisa nos colegas... - João riu. - Vuitton? É... pensando bem, acho que dava para comprar dois apartamentos...

- Para de ser exagerado, Jo... - Clara riu das bobagens que seu amigo dizia e sempre preferia nem parar para pensar, mas na verdade, o estilo de vida que tinha agora era completamente impensável há apenas poucos meses atrás. 

Para sair do hotel, ela e seus amigos, precisaram conversar com os seguranças que os escoltaram até uma das  limusines que estavam servindo a banda. Foram seguidos por um paparazzi de moto e por isso, precisaram dar uma volta mais longa até despistá-lo e poderem descer em segurança a poucas quadras do hotel, na frente da cafeteria que tinham escolhido para almoçar.

- Eu me acostumava fácil com isso tudo... - João disse abrindo o bar e pegando uma garrafa de champagne.

- Não posso beber, querido... estou tomando remédios tarja preta... mas se vocês quiserem...

- Na volta... - João sorriu. - nós vamos voltar de limusine, não?

- O que você quiser, querido... - Clara sorriu.

- Então... você ontem só chorava... o que aconteceu hoje para mudar tudo? Além dos remédios tarja preta? - Sara interrompeu já aflita para saber a razão de toda aquela alegria.

- Aconteceu muita coisa entre ontem e hoje... vamos lá pegar nossos muffins e eu já conto tudo para vocês... é incrível, mas estou até com fome!

- Amor! Você hoje está o poder! Acho que você vai precisar emprestar esse marido milagroso que te deixou assim para nós... - João disse gargalhando.

- Não posso... - Clara suspirou. - Ele é  só meu!

Os três entraram na Starbucks e acomodaram-se na mesa mais isolada que encontraram, queriam conversar em paz.

Muffins de chocolate e cappucino quente foi a escolha dos três amigos e enquanto esperavam que fossem servidos, Clara contava em detalhes a saga que tinha vivido nos últimos dias, a cirurgia de Jack, a intimidade crescente entre ela e Mick, até o momento em que não conseguiu mais conter seus desejos e os dois foram parar na cama.

- Então... que tal o homem?

Clara não respondeu, apenas deu um largo sorriso que dizia tudo; - Eu o amo...

- Mas como? E o Jack?

- Amo os dois... e os dois me amam...

- Sério, mulher... como você consegue essas coisas? - João riu. - São os caras... e estão caidos por você, amiga...

- Não fiz nada para que isso acontecesse... pelo contrário... eu sempre fugi do Mick e até dei força para ele se casar com outra mulher, até o anel de casamento, eu ajudei ele a comprar... mas, sei lá,  ele nunca desistiu de mim... o jeito que ele me trata, o  carinho que tem por mim... eu não sei... aconteceu...

- Meu Deus! A coisa deve ser boa mesmo... se eu gostasse da fruta, você não me escapava...

- Pára, Jo... é sério... eu estou quase maluca com o que sinto por esses dois... é tão bom estar com eles...

- Mesmo... e qual deles é melhor na coisa... espera... vocês já foram os três juntos para a cama?

- Não! Claro que não!

- Oh Jo... - Sara reclamou. - A Clara estava chorando muito ontem... acho que a gente deveria respeitar mais a dor da nossa amiga.

- Desculpa querida... não está mais aqui quem falou... mas eu ainda queria saber qual deles é o melhor...

- É difícil de dizer... os dois são ótimos...

- Mas sério... se você fosse escolher com base só naquilo... - Sara refez a pergunta de João.

- Os dois... não consigo escolher... não agora... se ao menos eu pudesse, minha vida seria tão mais simples...

- É a vida, Sara... uns com tanto e outros com nada... - João caiu na gargalhada.

- Engraçadinhos... os dois... minha desgraça é divertida para vocês, não?

- Desgraça? Pensa um pouco... você tem nas mãos dois homens lindos, que poderiam escolher qualquer mulher no mundo e escolheram você... como você pode dizer que isso é ruim? Eles te amam... um é casado com você, o outro, está tão apaixonado que nem liga para o fato de que seu marido é maior e muito mais forte que ele... e mesmo com tudo o que isso possa custar para ele, porque no momento em que isso tudo for descoberto pela mídia... você sabe o que vai acontecer com vocês, não sabe?

- Mas eu amo os dois... não consigo me separar de um deles para ficar só com um... o Jack é a minha própria vida, o Mick... ah... ele é o meu melhor amigo nesse mundo, nós conversamos por horas, gostamos das mesmas coisas...  até agora, eles têm me dado muita compreensão... mas eu não sei por quanto tempo isso vai durar... sei que eles não estão brigando agora porque estou doente, mas daqui a pouco...

- Calma querida... você está com muita pressa... as coisas vão se acalmando aos poucos... você vai ver... sinceridade, daqui algumas semanas, quando você estiver no meio da turnê, você vai ver que o Jack é tudo na sua vida e não vai mais nem lembrar que o Mick existe...

- Deus te ouça, Jo... eu preciso ter um pouco de paz... estou confusa, cansada... e muito preocupada com meu marido... ele está se matando porque acha que tem que me ganhar de volta... ele tem ordens médicas para passar  duas semanas sem fazer sexo, depois da cirurgia e cada vez que se excita, sente dores horríveis e mesmo assim, ele faz de tudo para transar comigo... hoje, foi a primeira vez em que conseguimos transar sem ele terminar se contorcendo de dor...

- Pobrezinho... mas também, que ideia essa de fazer uma cirurgia desse tipo agora... vocês mal se casaram, que pressa é essa de ter filho? - ele respondeu indignado com a situação da amiga.

- Ah... ele acha que está ficando muito velho, que se não fizermos logo essa criança, ele não vai conseguir e eu... eu só tenho medo... de perdê-lo... de não estar a altura do que ele espera de mim...

- Espera... - Sara interrompeu a amiga. - Você não vai cair nessa de novo...

- Verdade, querida... eu estou tendo um tremendo deja vu agora... você falando daquele tonto do Marcelo... dizendo que precisava mudar porque era isso que ele esperava de você... você é como é... o Jack não tem que querer mudar nada!

- Espera... não é a mesma coisa... eu amo o Jack com todas as minhas forças e ele só fez essa cirurgia agora porque não queria esperar um ano até ter tempo de novo... vocês viram a agenda... vamos viajar e fazer shows durante o ano todo...

- Clara... vocês não precisam ter filhos... isso é uma loucura... trazer uma criança para aquela confusão... eu fiquei zonza naquele hotel, aquilo é só para os fortes, querida... não para uma criancinha indefesa...

- Ah, Sara... não fala assim... vocês vão achar que eu sou maluca e não me importo nem um pouco com isso... mas esse filho... eu e o Jack já o vimos, ele está esperando para nascer... e nós dois o queremos...

- Ah tá... então isso justifica o sacrifício de um relacionamento que mal começou... - João interrompeu-a. - Amor... eu sei que você é assim... cheia dessas coisas místicas, românticas... mas querida... você adora esse homem há tanto tempo... agora que ele está na sua mão, vê  se não se perde nessas coisas... eu sei que apesar dessa loucura em que vocês vivem, vocês podem ser felizes... mas não deixa essas coisas atrapalharem... mesmo que essa criança exista de verdade e não só na imaginação de vocês... não deixa ela estragar tudo...

- Acho que vocês têm razão... mas o nosso relacionamento é muito forte... eu me sinto muito triste por tê-lo traído... eu sei que ele me ama muito...

- E você? Você está feliz com ele? - Sara pergunta para Clara. - Essa é a pergunta que você deve fazer para si mesma...

- Estou... quando estamos sozinhos, ele me faz tão feliz que às vezes parece que vou explodir de amor, de alegria...

- Então, boba... se agarra nesse bofe... eu sei que o Mick é uma delícia também... se você faz muita questão, pega ele de vez em quando, mas não deixa seu marido saber... ele não vai ter essa paciência toda pelo resto da vida...

- Acho que vocês estão certos... eu sinto que ele está fazendo o impossível para controlar o ciúme, mas sei que ele pode explodir a qualquer momento...

- Exatamente... não compromete teu casamento, doida...

- Eu não sei o que eu faria sem vocês, meus queridos... - Clara disse com um sorriso que aos poucos se transformava novamente em lágrimas. - Eu só faço bobagens...

- Não fica assim... os dois estão caidinhos por você apenas por uma razão... você é um mulher maravilhosa... está ficando mais linda a cada dia que passa e merece todo o sucesso que está fazendo e que ainda vai fazer...

- Obrigada, Jo... eu amo muito vocês dois e tenho sentido muita falta de tê-los por perto... vou comprar um apartamento para vocês em Londres só para a gente estar sempre junto...

- É o poder, né... como é ter milhões na conta corrente? Não só pensar num plano maluco como esse, como poder realizá-lo?

- Não sei... ainda não me senti assim de verdade... mas estou muito feliz com o fato de não ter mais que me preocupar com dinheiro... eu nunca fui muito de gastar, mesmo...  vocês me conhecem... eu nunca fui consumista... mas é bom não precisar nem pensar se o dinheirinho que tem no banco vai cobrir tudo que tem para pagar até entrar mais algum...

- Imagina isso, Sara? Ela não sabe nem quanto tem no banco...

- Não sei mesmo...

- E como você vai saber se não tem algum sacana te roubando?

- Não vou saber... sabe... sinceramente, dinheiro é a última preocupação da minha vida...

- Eu sei... você sempre foi meio desligada dessas coisas... sua sorte foi ter achado o Jonas que mantinha tudo no lugar para você...

- Pois é... pelo jeito agora, você só mudou de administrador... porque continua por fora de tudo o que seja grana...

- É... acho que sim... o Michael Peters cuida dos investimentos, não sei exatamente como funciona, só sei que tenho meus cartões aqui na bolsa e quando preciso de dinheiro vivo, vou no caixa e tiro... Vocês me conhecem, eu gosto de escrever, de fotografar, de trabalhar como repórter e de cantar... nunca parei para pensar sobre dinheiro, se ia conseguir ou não pagar todas as contas com as coisas que eu fazia... e do meu jeito, sempre vivi bem...

- Vivia bem? Você quase não gastava, eu e a Sara enfiávamos o pé na jaca no shopping e você toda controlada... não comprava nada...

- Pior que  é verdade... eu voltava com um monte de sacolas e você com uma sacolinha só... uma camiseta, um livro... ah...

- Ah... não é verdade também... lembra quando eu comecei a decorar meu apartamento... eu não acabava mais de comprar...

- Ai, mas tinha que comprar, não é? Mesmo assim, demorou para sair da fase do colchão e almofadas no chão. Nem geladeira você tinha, depois ficou lindo... ah... eu gosto tanto do seu apartamento... dá ele para mim?

- Jo! Pára de ser folgado!

- Ah, não custa tentar... ela tem dinheiro saindo pelos orifícios do corpo agora...

- Ah, Jo... eu daria meu apartamento agora para vocês, mas sinceramente, estou vivendo um momento tão estranho que não sei se precisarei voltar a morar nele...

- Ah, querida... não fala assim... E como está sua casa? Você tinha acabado de comprar, na época do casamento...

- Ah... está linda, a reforma quase terminou, falta agora arrumar uma parte do jardim, os aparelhos da sala de ginástica e uma parte dos quartos, da casa dos empregados.  Eu tenho umas fotos aqui no tablet... mas eu queria que vocês fossem até lá ver pessoalmente... tem também umas fotos do meu carro... o Jack me deu de aniversário... olha aqui... ainda está com a fita em cima...

- Gente... é um mini cooper? Ai... que meigo... por que uma milionária como você anda de mini cooper? Posso saber?

- Porque eu sempre gostei desses carrinhos... e o meu é o mais fofo de todos...

- Mas seu marido nem cabe direito nele... olha só... nessa foto... que lugar é esse?

- A garagem da minha casa...

- E quantos carros tem nessa garagem?

- Uns quatro... cinco... nem sei...

- Estou vendo... olha aqui... Land Rover, Jaguar, Mercedes... e o seu é o Mini Cooper? O que é isso? Complexo de Mr Bean, é?

- Não... eu sempre gostei desse carrinho, é tão lindinho... o Jack sempre me pergunta se eu não quero trocá-lo por um carro de verdade, mas eu continuo preferindo ele a qualquer outro... sabe que  ainda nem tirei a licença para dirigir lá... só saio perto de casa, morro de medo que a polícia me pegue dirigindo sem carteira...

- Isso você precisa fazer logo... - João riu. - Imagina o que os jornalistas não fariam se você fosse presa por dirigir sem carteira... Olha só, que linda... é a sua casa?

- É...

- Linda, querida... nossa como ficou bonita... eu vi a casa antes da sua amiga reformar... mas agora... olha só esse piano, Jo...

- Nossa... você está linda nessa foto, mulher... o seu bofe também... gente... você devia mandar imprimir essa e colocar em um porta retrato...

- Ah... foi no meu aniversário...  Nós estávamos saindo de casa para a festa... foi o nosso mordomo quem bateu...

- Chiquérrima... sério... manda fazer essa foto e coloca em cima do piano, junto com estas outras... olha isso... adoro as fotos do seu casamento também são tão lindas...

- Eu chorei quando o fotografo me mostrou essas fotos... estava tão feliz nesse dia... essa foto que está no piano, também está aqui, no meu celular...

- Olha isso aqui... esse de chapéu panamá é o Mick Jagger, não é?

- Foi em Paris... no nosso restaurante favorito...

- Quem bateu essa foto?

- Uma garçonete... por que?

- Você e o Mick estão brilhando... seu marido está um pouco apagadinho...

- Nossa... que lugar é esse?

- Ah, essa foi nas férias, na Bahia... uma casa do David Mersey que fica num lugar incrível... queria levar vocês para passar umas férias lá... vocês iam adorar... é lindo demais...

- Lindo mesmo... nossa... você está com um corpo lindo, mulher... olha só...

- Eu estou magra demais, Jo... ando com medo de não poder engravidar por causa disso...

- Calma, amor... vai dar tudo certo... tenho certeza... E se tem uma coisa que o Jack sabe fazer é filho! São todos tão bonitos...

- Onde você viu os filhos dele?

- Na internet... andei pesquisando sobre ele para fazer a pauta da entrevista e achei umas fotos... esse homem sabe fazer filho...

- A mulher dele era linda... acho que ajudou... o Jack Junior é muito parecido com ele, quando tinha aquela idade... só que de olhos verdes... sabe, vocês conhecem a minha família, para o meu gosto, acho ele distante demais  dos filhos, nem falava com a filha até o casamento...

- Eu não ia te contar, mas acho que você precisa saber... o Jack hoje me pareceu super cansado... fiquei com dó...

- Também achei... - Sara disse pegando a mão de Clara, com medo  de que ela voltasse a chorar.

- Ele passou a noite acordado, conversando com o Mick e cuidando de mim... e tem também a viagem, o fuso horário... estou preocupada com ele...

- Então, querida... se joga no bofe... você não vai ver o Mick tão cedo, vai?

- Acho que não... talvez nos shows, em Londres,  o que me preocupa é que depois da estreia,  vamos passar uns dias no castelo dele em Nice...

- Castelo?

- É, Jo... deve ter umas fotos aqui...

- Amor... não é isso... estou preocupado com seu casamento... de verdade... só vocês vão para esse tal castelo?

- Não... vamos todos... os Stones vão para lá terminar o disco novo e querem mostrar para a Crossroads as músicas que fizeram para o meu disco solo...

- Então tá... mas antes de ir para lá, você precisa por a cabeça no lugar... se agarrar ao Jack e convencê-lo que é ele que você quer, que o Mick foi uma loucura passageira que já terminou... você pode até estar encontrando com ele todos os dias e sem poder nem sentar direito de tanto transar com ele, mas o Jack tem que estar seguro que você é dele... entendeu?

- Eu não consigo fazer isso... você me conhece... não consigo mentir para ele...

- Eu tenho uma teoria sobre isso... acho que o Mick foi só um jeito que você achou para sabotar seu casamento...

- Não... eu amo o Jack...

- Olha amor... eu sei que você ama... mas sabe aquela pessoa que começa a subir uma escada enorme, na empolgação e de repente, quando está lá em cima, resolve olhar para baixo?

- Mas... eu estava feliz com ele...

- Eu sei, querida... mas você olhou em volta e percebeu que estava presa... ficou preocupada com tudo... o que sentia, esse compromisso todo, casa, filho, carreira... você era uma mulher livre antes, lembra? ah... meu amor... você tentou fugir... inconscientemente... mas tentou... não negue...

- Será?

- Claro que sim, amiga... e não é que você não gosta dele... é só que ficou com medo do tamanho do compromisso que vocês dois têm agora... até o disco que o cara fez se chama "para sempre".... você surtou e está certa... até eu surtava...

- Faz sentido, Jo... - Sara sorriu. - Ele sempre foi bem melhor do que o Marcelo para te entender, hein?

- Então, querida?

- Não sei... minha cabeça parece que está girando muito rápido... talvez você tenha razão... mas o Mick...

- O Mick se aproveitou desse seu medo... só isso... para ele, tem também a conquista da única mulher no mundo que o rejeita, um troféu de caça...

- Eu também achei que fosse isso... quando ele me assediava, eu achava que se me entregasse, ele me deixaria em paz...  mas as coisas foram mudando com o tempo e antes de qualquer coisa, eu gosto de estar com ele,  tem tanta coisa que eu não consigo conversar com o Jack e com ele.... bom... é como se nos conhecessemos há anos... nos entendemos tão bem...

- Bom, querida... é como eu disse... se você ainda acha que gosta dele e  quer levar esse caso adiante... esconde ele do Jack... ou vai acabar perdendo seu casamento... seu marido só está aceitando isso tudo porque está morrendo de medo de te perder. Daqui um tempo, na estrada, com a mulherada caindo em cima... as coisas mudam...

- Eu sei... acho que você tem razão... ainda não sei o que fazer... mas você me ajudou bastante, Jo... você vai para Londres, na estreia, não?

- Eu ainda não estou podendo viajar por causa do meu processo de cidadania, só posso sair daqui lá para fevereiro... está se arrastando tanto que me sinto um prisioneiro... acho que essa é a ideia dos caras, vencer pelo cansaço...

- Ah... queria tanto passear um pouco com vocês... fazer umas comprinhas em Paris... sei lá... minha casa em Londres é enorme, tem uma porção de quartos de hóspedes e nem sei quantos quartos para empregados... dá para receber todos os meus amigos lá.

- Amor... calma... teremos tempo para tudo isso... - João sorriu. - A Sara vai aos shows de Londres, não? E todas aquelas outras amigas malucas que você tem... então... vocês podem ir destruir Paris juntas.. e aproveitar para me comprar presentes de natal lindos e muito caros....

- Ok... - Clara sorriu. - Vou conversar com o Jack e com o Peters, que cuida da nossa agenda e daí, nós combinamos... eu dependo deles agora, vocês sabem...

- Você é uma estrela... nós dois estamos muito orgulhosos! Falamos para todo mundo que você é nossa amiga...

- Amo vocês! Ah... queria que vocês fossem morar em Londres... assim, estariamos sempre perto...

- Não podemos, querida... - João sorriu. - mas até que estamos nos dando bem... eu estou prestes a virar oficialmente um cidadão americano, a Sara é correspondente aqui em Nova York e você... uma estrela do rock... estamos muito bem... seu celular, amor... está tocando...

Clara falou com Jack no telefone e a tarde de conversa com seus amigos estava encerrada, a pedido dele, comprou alguns muffins para viagem e embarcou de volta na limusine junto com seus amigos que voltaram com ela até o Plaza, onde pegariam o metrô.

Ela entrou rapidamente no hotel, ajudada por dois seguranças e subiu ao andar em que as entrevistas estavam acontecendo durante todo o dia. As coisas estavam um pouco mais calmas por lá e assim que desceu do elevador, logo encontrou David Mersey.

- Princesa! Então... acho que por hoje já está de bom tamanho, não?

- Vocês devem estar muito cansados... eu acabei de chegar, fui almoçar com meus amigos...

- Já são quase sete da noite, querida...foi um longo almoço... por acaso a Cindy estava com você?

- Não... nem a vi hoje... sai com meus amigos brasileiros...

- Então acho que terei que alugar um avião extra para as sacolas de compras dela... bem... vou voltar para minha suite e tentar descansar um pouco... aposto que ela já deve estar lá, se preparando para ir jantar em algum lugar caro e pretensioso...

- Ah David... aproveita... vocês estão juntos, felizes... leva ela para passear um pouco...

- Estou muito cansado para isso, querida... respondi não sei quantas perguntas hoje e agora só preciso de duas coisas, um banho quente e uma cama para dormir.... Já é meia-noite lá em casa...

- O Jack também deve estar cansado... estou com pena dele... passou a noite toda acordado, cuidando de mim...

- É, Princesa... ele te ama...

- E eu o amo também... muito...

- Vocês foram feitos um para o outro, Princesa... ele ficou abalado, mas te ama tanto, que logo vai superar... aliás... pelo que nós conversamos ontem e hoje, ele já superou... querida... você só precisa cuidar um pouco dele...

- Tenha certeza de que cuidarei, David...

- Então acho que vocês vão ficar bem... O Jack já sofreu bastante...

- Eu sei... eu errei feio dessa vez e espero que algum dia ele esqueça disso tudo, de verdade...

- Mas ele já esqueceu, querida... agora calma que tudo vai se ajeitar... logo tudo estará bem de novo...

Clara sorriu e abraçou David. - Assim eu espero...  vou fazer tudo o que estiver ao meu alcance para que ele seja feliz de novo...

- É esse o espírito, Princesa... - David sorriu.

- Poxa cara! Minha mulher! - Jack disse no final do corredor, ao ver o amigo abraçando Clara. - Solta!

- Ah... o Velhão vem vindo, Princesa... e esse é o mesmo cara que jura que não tem ciúmes...

- Tenho sim... oi amor... - Jack disse puxando Clara pelo braço e beijando-a.

- Oi querido... - ela disse dando um suspiro profundo. - Está cansado?

- Muito... vamos para a nossa suite Versalhes, querida?

- Eu vou para a minha suite... Princesa... se a Cindy te ligar, diga que estou esperando por ela...

- Vou dizer sim... até amanhã, David... bom descanso...

- Para vocês também...

Clara e Jack foram direto para o hotel, tomaram um banho, comeram os muffins que Clara trouxe e deitaram-se para descansar. Clara ainda fez uma massagem relaxante com óleos essenciais em Jack. - Pronto, Grandão... vou te mimar muito hoje...

- Eu te amo, Menininha... muito... muito...

- Ah, querido... é tão bom estar aqui com você....

- O Mick te ligou hoje?

- Não... na verdade, eu conversei muito sobre ele com meus amigos hoje à tarde...

- Aqueles dois jornalistas?

- Sim... eles mesmos... são meus amigos há muito tempo e  sempre me ajudaram em todas as crises amorosas de minha vida...

- E o que eles te disseram?

- Eles acham que eu só me envolvi com o Mick porque fiquei com medo do quanto estou comprometida com você... do quanto eu te amo...

- E você acredita nisso?

- Acho que sim... - ela suspirou. - por isso, meu amor... eu agradeço muito pela sua paciência, mas acredito que estou começando a entender tudo o que aconteceu e...

- Amor... não... aconteceu, você se envolveu com ele... não tenho direito de interferir, é sua vida...

- Querido... não... o Mick é um homem charmoso, você sabe... eu me confundi e me envolvi com ele, mas agora entendi que tudo aconteceu porque eu me apavorei com o que estava sentindo por você...

- E agora? Você não pensa mais nele?

- Acho que não... eu entendi o que estava acontecendo... é como aqueles truques de mágica, depois que você percebe os espelhos, não consegue deixar de vê-los mais...

- Então...

- Então... é melhor você me amar muito... porque eu quero ser só sua... o Mick agora voltará a ser apenas um amigo... aqui dentro... - ela disse apontando para o seu coração.

- Meu amor... vem aqui... - Jack puxou-a para a cama e os dois se amaram mais uma vez... delicadamente, mas sentindo plenamente a urgência do amor que os movia.

- Desculpa, querida... foi rápido demais, não....

- Calma amor... fica tranquilo... vamos voltar ao nosso normal logo... estou com tanto medo de te prejudicar...

- Estamos bem, amor... não está doendo...

- Está tudo bem... por mais que nós sintamos falta do que sempre tivemos, precisamos fazer as coisas como o médico pediu...

- Eu sei, querida...

- Para mim é muito importante te ver bem... quero você totalmente recuperado, preciso de você assim, meu amor...

- Eu sei, amor... obrigado por continuar do meu lado... mesmo assim...

- Ah, querido... eu te amo tanto, não consigo nem pensar em ficar sem você... - ela disse agarrando-se a ele e acariciando seu peito. - Vamos descansar um pouco agora?

- Amor... me perdoa... mas eu preciso da sua paciência agora...

Clara respondeu beijando-o com muita paixão. - Eu te amo, Grandão... não tem nada nesse mundo que possa me tirar de você... nada...

Jack agarrou-a e chorou segurando-a nos braços. - Meu amor...

- Me perdoa, querido... eu prometo que te farei feliz... como você me faz feliz... - ela disse chorando, agarrada nele. - Vamos descansar um pouco, agora?

- Estou com fome... não consigo dormir com fome...  você não está com fome, amor?

- Um pouco...

- Vou pedir um jantar para nós... - Jack disse limpando as lágrimas dos olhos, levantando-se e caminhando nu até a sala de estar. - Vem amor... o que você quer comer? Você sabe que precisa comer... o médico pediu...  Hum... sabe o que estou com vontade de comer... aquelas coisas de peixe que a Dona Santa faz... meu Deus...

- Hum... Ah Dona Santa! Aquela comida dela é maravilhosa, não meu amor? Olha... Vamos pedir essa salada de lagosta,  um pouco de batata assada... e champagne... que tal? Ah!... ainda não podemos beber...

- É mesmo, querida... mas acho que quero a lagosta a termidor... está muito frio para saladas... Você prefere suco ou refrigerante?

- Suco, amor... eu estou tão perdida com esse fuso horário... achei que já fosse madrugada e são só 10 da noite...

- Eu sei, meu amor... vem aqui... já fiz os pedidos... você está linda assim, mas acho melhor nos vestirmos para comer...

- Ah sim... vem querido... antes que o mordomo e os garçons cheguem... - os dois caminharam até o quarto e vestiram seus robes. - Olha, amor... uma mensagem da Cindy... "Já estou no Plaza... vamos fazer compras amanhã? Te ligo logo cedo. Beijos"

- O David estava preocupado com ela hoje, Menininha... Você sabe o que está acontecendo?

- Ela acha que ele está tendo um caso novamente, com aquela mulher que a fez quebrar o vidro da Lamborghini... lembra disso?

- Ah, amor... ele não está tendo caso nenhum... ela ligou para ele porque precisava de uma ajuda para conseguir ingressos para o show... foi só isso, querida... ele me contou... o nome dela é Kelly, Kelly Taylor... ele ficou surpreso porque ela conseguiu o número dele e só decidiu ajudar porque o filho dela é um blogueiro famoso e fã da banda... enfim... isso é uma tremenda bobagem...

- Que notícia boa, querido... vou contar tudo para a Cindy amanhã... a Jen me disse que ela anda muito triste desde que soube que essa tal Kelly tinha entrado em contato com o David....

- Eu sei que nem todo mundo é como a gente, somos sinceros até quando traímos... mas...

- Ah... me desculpa, amor... de novo...

- Esquece... ok? Eu só acho que a Cindy devia ter conversado com o David antes de ficar pensando mal dele...

- Acho que sim... meu amor... você tem razão... quero sempre ser sincera com você... sempre...

Jack puxou-a novamente para perto dele e beijou-a. - Eu amo você, Menininha... ah... como eu te amo...

- Eu te amo muito, Jack... - ela disse com lágrimas nos olhos. - É tão bom estar aqui com você... tão doce...

- Querida... eu estava aqui pensando... quero que você seja sincera... você... quer mesmo ter o nosso filho agora?

- Claro, meu amor...

- De verdade?

- De verdade... não vejo a hora de tê-lo nos meus braços... eu te fiz muito mal, te traindo... olha, amor... eu estou aqui completamente entregue a você nessa relação... não tenho mais nenhum segredo...

- Ah, amor... me perdoa... é que você me disse que acha que se envolveu com o Mick porque teve medo do comprometimento comigo... e eu pensei... será que não sou só eu quem quer ter um filho?

- Não, querido... de jeito nenhum... eu quero ter nosso filho sim... há tanto tempo nós dois sonhamos com isso... sei que tudo o que aconteceu também te deixou confuso... mas por favor, confia no meu amor...

- Eu confio... sou todo seu, meu amor... e logo... se você me permitir... irei contar para você tudo o que já aconteceu comigo... não quero ter nenhum segredo para você... estou me pondo nas suas mãos...

- Ah, meu lindo...Você não sabe o que faz comigo quando me diz essas coisas... eu te amo tanto... meu coração parece que vai explodir de tanto que acelera quando você me toca... eu sou mesmo uma idiota de ter medo... quando você me faz sentir assim... me sinto em casa quando estou com você... desde a primeira vez que você me beijou...

- Eu tinha sonhado tanto em ter você... esperei por tanto tempo, que quando te vi, eu me atirei em você...

- E eu em você... nós dois sempre tivemos muita atração um pelo outro... eu nunca tinha transado em um primeiro encontro até conhecer você...

- Eu sei... acho que já te conheço o suficiente para saber que tipo de mulher você é... e como é bom ter você aqui comigo... vamos jantar, Menininha... acho que eles já entregaram nosso jantar...

- Vamos, meu amor... - Clara sorriu.

Abraçados, os dois foram até a sala de jantar, onde a mesa já estava posta e para surpresa de Clara, estava romanticamente iluminada  a luz de velas.

- Amor... que surpresa mais linda!

-  Isso é o que somos, meu amor... agora que tudo já passou, quero voltar a comemorar nosso amor todos os dias da minha vida. Fique preparada porque tenho planos  de te mimar todo o tempo...

- Meu amor... não sei nem o que dizer...

- Diz que vai esquecer dele e ficar comigo e que nós dois seremos felizes...

- Ah, Jack... - Clara agarrou-se nele e beijou-o, os olhos cheios de água e o coração pesado novamente com culpa.

Após uma refeição deliciosa, que os fez relaxar ainda mais, Jack pegou Clara pela mão e levou-a até o piano. - Amor... há alguns dias eu ando trabalhando nisso, mas na noite passada, enquanto eu estava aqui sozinho, pensando no que deveria fazer, eu me sentei no piano e escrevi umas coisas que eu queria dizer para você...

"With my love still strong, in my heart
I just look around and you're gone
I pretend I still have you here by my side
Say you are here, baby
Say you still want me
And when my heart needs you the most,
Please say you love me
Please say you'll stay
I need you more and more..."

Jack parou de cantar porque Clara, sentada ao seu lado no piano, chorava muito. Ele não disse nada, apenas abraçou-a e acalmou-a com seu carinho.

- Amor... me perdoa...

- Já perdoei... nem consegui terminar de cantar a música para você... mas tudo o que aconteceu, para mim, já é história antiga...

- Me desculpa... eu estraguei tudo...

Jack não disse nada, apenas beijou-a e os dois caminharam juntos até o quarto, onde passaram a noite abraçados, descansando depois do medo que tiveram de que tudo terminasse.

Continua

Nenhum comentário: