3 de fev de 2013

Rockstar - Capítulo CVI


Os dois entraram no carro e Jack pegou Clara em seu colo, envolvendo-a em seu carinho. Como ela não parava de chorar, ele ficou muito preocupado e pediu que o médico do hotel a visse assim que chegassem.

O médico do hotel já esperava por eles na suite Versalhes,  aplicou um tranquilizante em Clara, para fazê-la descansar e conversou com Jack, pedindo que prestasse atenção em seu comportamento pois, para ele, aquele poderia ser um sintoma de uma depressão bastante séria que necessitaria de tratamento urgente.

Depois de ver o médico, Jack ajudou-a a trocar-se de roupa, deitou-a na enorme cama king size e foi até a sala de estar. Estava abalado como nunca por aquela situação,  pegou seu celular e contou tudo para David, sobre a traição e a crise de Clara, precisava de ajuda para lidar com algo que agora parecia muito maior do que ele.

- Amigo... o importante agora é cuidar para que ela fique bem e se recupere... a Princesa é muito sensível... não a magoe...

- Mas não fiz nada disso... por mais que tenha me doído, sempre disse para ela que não me importava, que estava ao lado dela...

- E ela acreditou nisso?

- Achei que sim... mas parece que não... Cara, se o Mick aparece na minha frente, nem sei do que sou capaz...

- Melhor não... agora você tem é que conversar com ele e ver se ele te ajuda a tirar a Princesa dessa... é impressão minha, ou ela não tem comido nada nesses últimos dias?

- Desde o dia da minha cirurgia ela não tem comido quase nada... o que eu faço?

- Faça o que o médico disse para fazer, chama um psiquiatra logo antes que ela morra de fome... cara, isso é sério... você mesmo me disse que ela quase morreu...

- Foi... quando ela terminou com aquele namorado canalha dela... Preciso fazer alguma coisa... Mas o que?

- Por que você não liga para o Mick e vê se ele te ajuda... sei lá... dá uma ideia... se ele gosta mesmo dela...

- Cara... melhor ele gostar... estou preocupado, ela está muito confusa, ele fez tudo o que podia para levá-la para a cama e ela acha que está apaixonada por ele. Se foi tudo só para transar com ela, não sou responsável pelos meus atos...

- Calma, Jack... não me parece o caso, a Princesa não tem nada de boba, infelizmente se ela se envolveu desse jeito, é melhor você escutar os dois... senão você vai acabar perdendo ela.

- Não fala isso, Dave... eu estou morrendo de medo de perder minha mulher para ele... ela está muito abalada, sentindo-se culpada pelo que aconteceu... tenho certeza que ela caiu em uma armadilha...

- É provável, Velhão... ela é tão doce, inocente... e o Mick é uma raposa velha...

- Preciso cuidar dela... mas tem todas aquelas entrevistas amanhã...

- Cara... podemos dar um jeito... o Peters vai enlouquecer, mas cuida dela... eu cubro você aqui... digo que pegou um vírus e está sem voz... vai... liga para o Peters e diz que ela está precisando de você...

Jack ligou para Peters e ouviu muitas reclamações,  todos os pedidos de  Jack seriam providenciados, mas Hutton só avisaria os jornalistas no último instante para evitar que eles não aparecessem para as entrevistas marcadas no hotel.

Entrou em contato também com seu analista e pediu a indicação do melhor psiquiatra, que ficaria de sobreaviso, caso fosse necessário. Arrumou tudo do jeito que imaginou ser o melhor para ela.

Passou a noite na sala de estar  e, na manhã seguinte, ele levantou-se bem cedo e acordou-a. - Amor... bom dia! - ele sorriu, acariciando seu rosto. - Vamos tomar café da manhã?

- O que aconteceu? - ela disse completamente desorientada. - Jack?

- Nada, querida... o médico  esteve aqui ontem... lembra?

- Médico? O que foi, você está com dor? -  ela disse preocupada, sentando-se na cama. - Nossa... estou muito tonta...

- Você estava chorando muito ontem... lembra?

- Ah... me perdoa, amor... eu não faço nada direito, mesmo!... Eu te atrapalhei... me desculpa... você tem tantas coisas na sua agenda para hoje e eu... - ela disse começando a chorar novamente.

- Não amor... não vou fazer nada enquanto você não estiver bem... eu passei a noite toda conversando com todo mundo, com o Dave, com o Peters, com meu médico e com outra pessoa...

- Não... Jack... não quero atrapalhar sua vida... prometo que fico aqui, quieta... não vou te incomodar mais... durmo mais um pouco e você não precisa nem se preocupar comigo...

- Não, querida... você não tem comido nada nos últimos dias... já estou muito preocupado... vou cuidar de você...

- Não amor... você não pode fazer isso... largar tudo... por favor... eu já estou me sentindo tão culpada...

- Calma... você é a coisa mais importante da minha vida e se você precisa dos meus cuidados, eu deixo tudo o mais... já te disse isso muitas vezes, mas sou seu por inteiro e estou aqui para e por você... vem... vamos levantar... tenho uma surpresa para você...

- Surpresa?

- Eu e o David conversamos muito e ele me deu uma ideia que achei boa para tentarmos resolver isso tudo de uma vez...

- O que?

- Eu liguei para o Mick, ontem à noite e conversei com ele...

- Jack... você não fez isso...

- Fiz... ele veio imediatamente, quis te ver e nós dois passamos um par de horas velando seu sono e depois conversamos pelo resto da noite...

- Meu Deus, Jack...

- Então... ele passou a noite aqui, comigo, na nossa sala de estar... conversamos muito e ele quer falar com você... você fala com ele?

- Falo... mas quero que você fique aqui comigo...

- Não... quero que vocês fiquem a vontade, já te disse que quero te ver feliz... de verdade...  posso chamá-lo aqui?

- Pode... mas espera... vou vestir meu robe... - ela disse levantando-se da cama e quase caindo no caminho até o closet, porque ainda sentia muita tontura.

- Meu amor... - Jack correu em sua direção para segurá-la. - Você está bem?

- Estou muito tonta... querido...

- Eu te amo... quero te ver bem... - ele disse apoiando-a no caminho até a porta do quarto.

Assim que Jack abriu a porta, Mick levantou-se do sofá, onde estava sentado e caminhou na direção dos dois. - Bom dia, meu amor... você está melhor?

- Mick... - ela disse chorando e caminhando até ele. - me perdoa... eu não queria...

- Não chora, querida.... - Mick disse abraçando-a. - O Jack pediu minha ajuda e eu estou aqui para ajudá-lo a cuidar de você...

- O que?

- Ele tem uma porção de compromissos hoje e eu fico aqui com você, para te cuidar enquanto ele estiver fora...

- Como? Mas você também tem compromissos... seu disco...

- Faremos tudo... e nos revezaremos aqui... você precisa de nós dois...

- Mas isso tudo não faz sentido...

- Faz sim... eu e o Mick queremos a mesma coisa, te ver feliz... vamos trabalhar juntos para isso... pensamos até em levar você para a praia, no Brasil, mas o Peters quase teve um surto psicótico quando sugeri a ideia... então achei melhor continuarmos aqui, te cuidando...

- O que foi querida? - Mick perguntou ao vê-la abaixar a cabeça e fechar os olhos. - Você está bem?

- Me ajuda... estou muito cansada... preciso me sentar... - ela disse segurando-se nos braços dele para caminhar até o sofá.

- Jack... será que não era melhor levá-la a um hospital? Ela me parece muito fraca...

- Você tem razão, Mick... vou chamar o médico do hotel novamente...

- Querida... vou pegar um copo d'água para você... fica tranquila... o médico do hotel já vem te ver...

- Não precisa... já vou ficar bem...

- Calma, meu amor... bebe a água... - Mick disse acariciando os cabelos de Clara.

- O médico está subindo...

- Mick... você cuida dela, o Peters está no meu pé, não tenho como me livrar dos compromissos de hoje...

- Pode deixar... eu não vou a nenhum lugar... sei que nós temos nossas diferenças, Jack... mas ela é mais importante do que qualquer coisa agora...

O médico examinou Clara, fez um exame de sangue rápido e concluiu que ela ainda não necessitava de uma transfusão de sangue naquele momento. Prescreveu alguns remédios para ela, antidepressivos, vitaminas e calmantes leves para serem usados, caso houvesse necessidade.

- A anemia dela está me preocupando, não tem necessidade no momento de uma transfusão, mas estou adicionando outro comprimido à prescrição dela... bem... agora é importante que vocês a ajudem a comer melhor... mas devagar e com cuidado... o ideal é que ela coma coisas saudáveis, vegetais, carnes magras, queijos, ovos,  frutas secas e frescas. Ela deve comer de 3 em 3 horas, uma quantidade razoável, mais ou menos o tamanho da palma da mão... ou ela se sentirá muito mal porque a capacidade do estômago dela está bastante diminuída... Vocês irão contratar uma enfermeira?

- Não... nós dois cuidaremos dela...

- O senhor acha que ela precisa de uma enfermeira? - Mick perguntou preocupado.

- Não... vocês dois podem cuidar dela... Não tem segredo... ela está muito nervosa, triste, mas ainda não existe indicação de que se trata de uma depressão e por isso, com o carinho que percebo que vocês dois têm por ela, acredito que ela ficará bem...

- Doutor... nós dois amamos muito essa garota... - Jack disse com os olhos cheios de água.

- Fiquem tranquilos, ela precisa apenas de um pouco de tranquilidade para recuperar-se completamente...

- Eu preciso que ela fique bem... estamos planejando ter um filho... - Jack disse ao médico, preocupado, com medo da resposta.

- Ótimo... isso só fará bem para ela... mas deixe-a à vontade, não cobre nada, não é o momento... deixem que descanse... sem ciúmes, sem pressão, nem  excessos de nenhum tipo... ela precisa sentir-se em casa para relaxar de verdade. Cuidem bem dela... ela está precisando muito de vocês...

- Nós cuidaremos, doutor... quanto devemos ao senhor?

- Nada, senhor Noble... os meus serviços são pagos pelo hotel, minha conta estará incluída nos custos desta suite... Vocês ainda nem tomaram o café da manhã, certo?

- Sim... já pedimos... eles devem estar preparando na sala de jantar...

- Ótimo...

- E quanto tempo para ela melhorar de verdade? - Mick perguntou.

- Uns 4 ou 5 dias alimentando-se e descansando devem deixá-la em forma... Mas não forcem a comida... o problema dela, além da condição de anemia, é de ordem psicológica e pressioná-la a comer só fará com que coma menos ainda. Por isso... prestem atenção, tratem-na com carinho, mas se perceberem que ela continua evitando comer, levem a um hospital onde existam recursos para tratá-la... e não demorem para tomar esta atitude porque ela não tem muitas reservas  no corpo, ela já está muito magra e somando-se ainda a anemia, temos um quadro com potencial para agravar-se muito rapidamente... Posso contar com esta atenção?

- Claro... nós a amamos muito, doutor... ela é a coisa mais preciosa das nossas vidas... - Mick disse com os olhos cheios de água. - Precisamos salvá-la...

- Ótimo... vocês já tem tudo o que precisam... estão comprometidos em salvá-la e isso já basta... e por favor... não fiquem assim chorosos perto dela... no momento ela precisa acreditar que tudo vai ficar bem, que ela vai se curar e vocês dois também precisam... mesmo que ela perca algum peso nos próximos dias e fique ainda mais abatida...

- Ela é linda... não importa... - Jack disse tentando conter as lágrimas. - Sei que ela precisará estar bem para subir no palco daqui a poucos dias, mas nós dois faremos com que ela sinta a confiança de que está bem...

- Pode ter certeza...

- Então, já vou indo... os remédios que receitei já estão sendo providenciados pelo conciérge e devem chegar dentro dos próximos minutos... Foi uma honra conhecê-los pessoalmente e tenham certeza que estão diante de um fã da música de ambos, torcendo muito para que a senhora Noble melhore.

- Obrigado doutor... - Jack disse caminhando com o médico até a saída. 

- Agradecemos muito, doutor... - Mick sorriu. - Ela é o que nós dois temos de mais precioso...

Assim que o médico saiu, Jack e Mick foram até o quarto, onde Clara os esperava, já vestida e de banho tomado.

- O médico foi embora, querida... - Jack disse, caminhando em sua direção. - Já pedi o café da manhã para nós três e os remédios estão sendo providenciados pelo conciérge... como você se sente?

- Acho que estou com fome... e um pouco tonta quando me levanto, mas já me sinto melhor...

- Querida... você está linda... - Mick sorriu. - Vem... vou te ajudar a ir até a sala de jantar...

- Quero tentar ir com minhas próprias pernas, Mick... obrigada... não quero me sentir como um estorvo para vocês...

- Estorvo? Menininha... você tem dois homens aqui, aos seus pés... por favor...

- E não somos homens comuns... - Mick sorriu, beijando a mão de Clara. - Somos rockstars...

- Vocês dois são lindos... eu os amo muito...

- Vamos comer, então?

- Vamos...

Lentamente ela caminhou ao lado deles até a sala de jantar que já estava pronta, com o mordomo e um garçom  servindo um farto café da manhã, com ovos, frutas, queijos, panquecas, bolos e sucos.

- Pedimos tudo o que você gosta...

- Percebi, meus queridos... - Clara sorriu. - queria tanto estar bem...

- Mas você estará... calma, querida... - Mick disse sorrindo para ela. - O que você quer comer?

- Panquecas...

- E beber?

- Chá... com um pouco de leite... - ela respondeu.

- Em casa,  farei meu purê com salsichas... você vai melhorar logo, amor...

- Eu ainda não entendi como vocês pretendem cuidar de mim... como isso vai funcionar?

- Ainda não sabemos, querida... mas sei que nós dois queremos te ver bem... então, vamos cuidar de você... - Mick sorriu.

- Seria tão bom se pudessemos ir para a nossa montanha, querida... liguei para o Lambert e ele disse que tem nevado bastante por lá... poderiamos passar nossos dias na frente da lareira... Ah... ele me disse que mandou no seu Facebook um video da ação que a Associação de Proteção dos Lobos está fazendo lá perto da nossa casa. Eles estão distribuindo uns repelentes químicos para os fazendeiros e capturando os lobos vivos para soltar numa reserva no País de Gales... acho que já levaram inclusive aqueles nossos filhotes...

- Que bom, meu amor... então eles estão salvos...

- Lobos?

- Ah, Mick... depois eu te mostro o vídeo que eu gravei lá na nossa montanha... eles são lindos... e os fazendeiros da região queriam matá-los, por isso chamei uma associação de proteção para evitar que isso acontecesse...

- São animais lindos mesmo... depois quero que você me diga como ajudá-los, porque faço questão... querida... - Mick sorriu e pegou a mão de Clara sobre a mesa e beijou, uma atitude de carinho que obrigou Jack a respirar fundo para controlar seu ciúme.

- Querida... estas panquecas estão ótimas... já provou? - Jack interrompeu a conversa deles um pouco sem graça.

- Sim, meu amor... esta calda de morangos está uma delícia... experimentou?

- Sim, querida... a de chocolate também... - Jack disse pegando uma colher da calda de chocolate e despejando sobre as panquecas que ainda estavam no prato de Clara, era a vez de Mick sentir-se um pouco deslocado.

- Antes de qualquer coisa... acho que preciso muito conversar com vocês dois...

- Amor, ainda não está na hora de fazer isso, o médico quer que você descanse... não precisa dizer nada... - Jack disse preocupado ao vê-la começando a chorar novamente.

- Por favor, querida... - Mick disse, pegando novamente a sua mão. - Fica tranquila, estamos aqui por você...

- Mas eu preciso falar... eu vejo vocês dois aqui, ao meu redor, perdendo tempo com essa garota boba e chata que está atrapalhando a vida de vocês, mas...

- Amor, calma... você não está nos atrapalhando... - Mick levantou-se de sua cadeira e foi até ela, abraçando-a carinhosamente, secando suas lágrimas. - Você é a razão da minha vida... - E beijando-a, apaixonadamente. Era a primeira vez que a beijava na frente de Jack e o fez por impulso, sem pensar direito em sua atitude.

Jack, vendo a cena, não teve coragem de interferir, apenas levantou-se da cadeira e deixou a suite, chorando, ele limpava as lágrimas nas mangas da camisa, enquanto descia no elevador e chamava seu amigo David Mersey no celular, desesperado para desabafar.

Continua

Nenhum comentário: