1 de fev de 2013

Rockstar - Capítulo CIV


- Que bom que você chegou, querida... - Jennifer disse assim que ela chegou à cadeira. - Está tudo bem?

- Sim, querida... Oi Cindy! Vocês estão prontas?

- Estamos... - Cindy sorriu. - Está tudo bem, querida?

- Acho que não consigo esconder meus problemas de vocês, não?

- Não... vocês brigaram?

- Não exatemente, mas estamos enfrentando uma crise... Acho melhor não comentar por aqui... tem muita gente de olho aqui dentro... depois conto tudo...

- Está bem... querida! Seu vestido é lindo! Do Jean Paul, não é? - Jennifer sorriu, dando uma boa olhada no figurino da amiga. - Chiquérrimo! Adorei!

- Obrigada, querida... Ele me mandou esse vestido na semana passada... me disse que sempre que faz alguma coisa com veludo, pensa em mim...

- Está perfeito, querida... você vai ver, sua foto vai sair em toda a mídia...

- Boa tarde, senhoras e senhores... - Michael  Peters disse ao entrar na sala de convenções e pegar um dos microfones que estava sobre a mesa. - Infelizmente as coisas estão um pouco atrasadas hoje, mas a espera será compensadora.
Junto com o material que vocês receberam na entrada está a tabela completa com todas as datas de shows confirmadas; a estreia, todos já sabem, acontece no dia 10 de Novembro, em Londres, na O2 arena, com um segundo show marcado para o dia seguinte.
A boa notícia é que devido a enorme procura por ingressos, teremos uma segunda data extra em Londres, no dia 18 de novembro e um segundo show em Paris, no dia 21 de Novembro. Todos os detalhes sobre a venda de ingressos para essas datas extras estão também na internet.
A novidade que vocês encontrarão nestes pendrives que distribuimos hoje são as datas da primeira perna aqui nos Estados Unidos, a partir do dia 15 de Janeiro, serão 4 noites no Madison Square Garden, aqui em Nova York e temos a lista de shows também já confirmados em Chicago, Boston, Miami, Detroit e Pittsburgh. Os ingressos começam a ser vendidos no dia 01 de dezembro.
E depois desta primeira perna, a banda segue para a América do Sul, Japão e Austrália, antes da segunda perna americana que acontecerá no verão, com shows em Los Angeles, San Diego e São Francisco. Mais detalhes em seu pendrive, mas como vocês podem ver, só por este meu discurso inicial, a Crossroads voltou para valer e deve passar o ano de 2012 inteiro na estrada, tocando para seu público.
Dito isso, só me resta chamar ao palco os senhores Jack Noble, David Mersey e Michael Silver para conversar com vocês... Senhoras e senhores, a banda Crossroads:  - ele disse apontando para a porta, enquanto os três músicos entravam, aplaudidos de pé pelos cerca de 80 jornalistas e clicados por inúmeros fotógrafos.

Os três foram guiados até o cartaz que anunciava a nova turnê e ali, posaram para as fotos por cerca de cinco minutos e depois sentaram-se nas cadeiras que já estavam prontas para eles, sobre o palco.

- Antes que venha a primeira pergunta, gostaria de avisar que vocês devem pedir pelo microfone para nossas auxiliares que estarão circulando entre vocês. Levantem a mão e elas irão até vocês e quando forem perguntar, por favor, identifiquem-se e ao órgão de imprensa em que trabalham. Decidimos deixar os fotógrafos continuarem trabalhando... mas por favor, tentem não tumultuar muito a sala... estamos combinados? Ok! Então podem começar a perguntar, eu também permanecerei aqui na mesa para responder as questões referentes à turnê... - Michael Peters deu um belo sorriso, contente com a agitação em que a sala estava desde a entrada dos três músicos. Aquela era também uma imensa vitória pessoal para ele, que há muitos anos tentava convencer Jack Noble a aceitar o retorno da banda.

Um rapaz louro de óculos que já estava com o microfone nas mãos há alguns minutos foi o primeiro a perguntar:

- Alan Farnworth, CNN - Jack Noble, depois de negar por tanto tempo que havia qualquer possibilidade de retorno da Crossroads, o que o convenceu a finalmente aceitar essa volta?

- Olá, Alan... - Jack sorriu. - Bem... acho que a história desse retorno começa no momento em que conheci minha esposa... ela me inspirou a voltar a escrever canções junto com meu velho amigo David Mersey e a vontade dela, de nos ver tocando juntos, mudou tudo aqui dentro. Se vocês precisam encontrar um culpado aqui, ela está sentada ali, na primeira fileira, linda como sempre... - ele disse apontando para Clara e mandando um beijo.

- Jane Hushows, Rolling Stone - Como está sendo a escolha de repertório para os shows, podemos esperar que além das músicas novas, também veremos músicas antigas?

- Responde Dave... - Jack disse rindo por perceber que seu amigo estava distraído comentando alguma coisa com Michael Silver. - Ele anda fora do mundo nos últimos dias...

- Ah, desculpa... o repertório deve trazer um pouco de tudo... músicas novas, antigas... embora ainda nada seja muito definitivo porque ultimamente não temos tido muito tempo para ensaiar mais apropriadamente para o show... mas acredito que os fãs saírão satisfeitos por ouvirem suas canções favoritas...

- Kate Bearlin, Entertainment Tonight. - Jack Noble, todos os tablóides amanheceram hoje mais uma vez com a notícia de que sua esposa e Mick Jagger têm se encontrado cada vez mais e...

- Ah, por favor, Kate... eu e minha mulher não falamos sobre nossa vida pessoal... estamos aqui para falar do show, do disco, da turnê... desculpe, mas estamos muito felizes juntos para sequer ligarmos para esse monte de bobagem que publicam sobre nós. Aliás,  minha mulher se encontra sempre com o Jagger, porque além de nosso amigo, eles estão trabalhando juntos na primeira adaptação de um de seus livros para o cinema... Não que seja da conta de ninguém aqui, mas os dois ainda serão vistos juntos muitas e muitas vezes, como eu serei visto com inúmeras mulheres... trabalhamos e convivemos socialmente com muita gente de ambos os sexos. Daí a achar que temos casos extra conjugais com essas pessoas existe uma enorme distância... Mas não culpo os paparazzi... culpo as pessoas que consomem o lixo que eles produzem... se as pessoas ficassem longe desse lixo, acho que eles nos deixariam em paz...

- Ann Daniels, New York Times. - Mas a Clara Noble deve participar do show também, não?

- Sim... ela cantará um dueto com o Jack e bem... vocês já ouviram a voz dela no disco, não ouviram?
Então! Assim que conseguirmos convencê-la, nós a levaremos ao estúdio para gravar um disco solo... sem querer, nós descobrimos uma cantora muito talentosa, que certamente será uma estrela... é só uma questão de tempo. A Crossroads produzirá o disco e seremos os padrinhos dela...

- Não é só talentosa, ela é linda também, não? - Jack sorriu e mandou mais um beijo para a esposa que sorriu, um pouco envergonhada com tanta atenção.

- Michael Stewart, Dallas Sun. - Ainda não há datas de shows para outras regiões aqui na América além das duas costas... vocês têm planos de tocar também em outros lugares?

- Sim... certamente... as datas que foram citadas na abertura da coletiva são as que já estão fechadas, mas ainda estamos negociando outros shows. - Michael Peters sorriu. - Só não divulgamos ainda porque não estão fechados. Mas assim que forem, vão para o site.

- Josh Sanders, Revista People. - Durante as entrevistas, quando era perguntado, o Jack Noble dizia que não conseguiria cantar sempre as mesmas músicas noite após noite, agora que ele está voltando para a banda, o que mudou?

- Olha Josh... nada mudou... vamos cantar algumas músicas do nosso passado, mas de um jeito diferente a cada noite... a mesmice nunca me agradou e quem conhece a Crossroads sabe que uma característica que sempre tivemos foi essa de improvisar e mudar a cara de nossas músicas no próprio palco, de acordo com as nossas próprias emoções... sei que não sou a pessoa mais fácil do mundo,  já enlouqueci meus amigos com meu desejo de mudança constante... mas podem ter certeza que tudo deve ir mudando e muito... não é Dave?

- Estamos com novas músicas, novos arranjos e antes do Jack começar a reclamar, ainda teremos um bom tempo... - David sorriu. - Só posso dizer que estamos muito dispostos e felizes de tocar por aí... e não vemos a hora de subir no palco...

- Antony Carlton, Rádio WLXK, Detroit - Vocês confirmam que receberam mais de 1 bilhão de libras cada um para o retorno da banda?

- Não sabemos, Antony... sinceramente... - Michael Silver sorriu. - Sei que as pessoas falam sobre valores absurdos, mas existem muitas coisas envolvidas nesse nosso novo contrato e além disso... ele também tem uma cláusula que nos proibe de divulgar estas informações... sinto muito...

- As pessoas acham que quando disse sim, vamos para o estúdio, minha conta bancaria imediatamente recebeu uma injeção de muitos zeros... mas não é bem assim... são contratos diferentes, alguns de longo termo e dinheiro mesmo só vem depois que certas etapas sejam cumpridas... ouviram credores? - Jack disse rindo.

- Verdade... aliás não tenho nenhum no bolso hoje... me empresta um dinheiro, Jack? - David fez piada e colocou toda a sala para rir.

- Albert Hushin, New York Times. - Vocês têm planos de gravar mais um disco?

- Temos e não temos... - Jack sorriu. - Estamos indo para a estrada agora e estamos focados nisso... mas sim, enquanto estamos juntos, compomos todo o tempo e é sempre possível que estas novas músicas se transformem em um novo disco...

- Algumas destas músicas já têm um destino certo... o disco solo da Clara Noble... outras não... mas só o tempo dirá o que faremos com as músicas, não é, Mike?

- Sim... e como testemunha de tudo o que tem acontecido nesta banda... posso dizer que são músicas muito bonitas... vocês não perdem por esperar...  especialmente por esse disco solo da Clara que pelo que ouvi até agora, será sensacional...

- Dan Roberts, Rádio XYZK, Cleveland - Sobre o baterista de vocês, o Paul Clarke, pelo que entendemos ele não é exatamente um membro da banda... como é a situação dele?

- A situação dele é a melhor possível... - Jack sorriu. - Ele assiste aos shows da Crossroads de cima do palco... mas falando sério... ele é um músico convidado, não faz parte da banda porque o baterista desta banda ainda se chama Richard Donovan... o nosso irmão, Don... como infelizmente ele não está mais entre nós, o Paul Clarke tocará bateria como  músico convidado... um grande baterista, um cara muito bacana que conviverá conosco por mais tempo do que é saudável para ele... pobre Paul, não sei se ele irá se recuperar disso...

- O Paul é um tremendo baterista, aprendeu a tocar tudo muito rapidamente e deve surpreender todo mundo, no palco... - Michael Silver sorriu.

- É um grande músico... vocês verão nos shows... - David sorriu também.

- Johnny Camo, CNN - A volta de vocês está sendo considerada a melhor notícia da música dos últimos anos, mas sabemos que os ingressos, apesar de não serem exatamente baratos, já estão sendo revendidos por sites de leilão a preços ainda mais absurdos. Vocês têm alguma preocupação quanto a esse comercio paralelo causado pela angústia das pessoas em finalmente vê-los ao vivo?

- Bom que você tenha levantado essa questão Johnny... - Michael Peters respondeu. - As pessoas que compram os ingressos estão sendo informadas que haverá uma verificação de documentos nos locais de shows e por isso, os ingressos estão já sendo impressos com nome e número de documento... infelizmente, estes que estão sendo vendidos em leilões, não serão considerados válidos, não importa o quanto custaram... este aviso tem sido repetido exaustivamente e está no site de compra de ingressos... assim, sentimos muito que as pessoas estejam gastando muito dinheiro em ingressos que não serão aceitos em nenhuma hipótese.

- Clara... com licença... - Charles Hutton, tirou a atenção dela da entrevista. - Tem dois repórteres brasileiros aqui na sala, eles estão juntos e me disseram que te conhecem e que gostariam de conversar com você, se fosse possível...

- Quais os nomes deles, Charles?

- João Carlos Silva... da revista Rolling Stone e Sara Hudson, da Globo News TV... você os conhece?

- Claro! Conheço sim! Onde eles estão?

- Ali, na lateral...

- Obrigada, Charles... faça uma coisa, leve-os até a sala de apoio para que possamos conversar...

Clara levantou-se e caminhou até a sala de apoio para encontrar-se com seus amigos. - Jo, querido....

- Clarinha!

- Sara! Sua bandida, você não me disse nada... Globo News?

- É novidade... cheguei em Nova York há três dias!

Clara abraçou os dois amigos e enquanto colocavam alguns assuntos em dia, a entrevista coletiva seguia na sala ao lado.

- Meu Deus! Estou atrapalhando vocês... estão perdendo a entrevista, não? - Clara sorriu ao perceber que as perguntas continuavam a serem feitas.

- Não, querida! Coletiva é "pra Jacu"... - João sorriu. - Eu vou fazer uma exclusiva amanhã... em vídeo, com a delícia do seu marido!

- Jo, amor... ele é mesmo uma delícia, mas é meu, tá... - Clara deu uma gostosa gargalhada. - Ai, querido, que saudades de você!

- Meu câmera ainda está lá... estamos só fazendo umas imagens porque vou entrevistar todo mundo amanhã também...

- Mesmo! Ah... então tá!  Você vai morar aqui, Sara? Tem certeza?

- Vou... foi tudo de repente... soube que tinha uma vaga na Globo News e que eles queriam alguém que já tivesse visto de trabalho ou passaporte americano... eu tenho e eles me contrataram na hora! Dois dias depois, já estava embarcando...

- Que ótimo! Estou muito feliz por você...  E você, Jo? Já está podendo viajar?

- Ainda não, amor... devia processar a imigração por não me deixar ir ao seu casamento... Todo mundo naquela festa chiquérrima e eu lá em Los Angeles, trabalhando... ninguém merece! Pelo menos a gente conversou bastante naqueles dias antes de você vir para cá... lembra?

- Eu sei... é uma pena... queria que você tivesse ido...

- Eu vi as fotos...  você é a minha amiga mais chique nesse mundo, querida... está morando em Londres, não?

- Sim... e pelo jeito, vou morar pelo mundo durante o próximo ano... naquele 747 que está lá no JFK...

- Eu vi as fotos... Nada mais poderoso do que um avião próprio... amiga... estou quase te pedindo um autógrafo!

- Ah... pára! Seria muito ruim fazer essa tour sem um avião... você viu quantos shows? Já estou com pena do pobrezinho do meu marido...

- Eu sei, querida... estou só pegando no seu pé... estava com saudades de fazer isso...

- Eu também... você precisa ir passar uns dias comigo lá na minha casa, aliás vocês dois precisam... melhor ainda, vamos passar um final de semana juntos em Paris... comprando tudo que virmos pela frente... ah que saudades de fazer compras com vocês...

- Não ganhávamos quase nada, mas nos divertíamos muito... lembra... os três na 25 de Março, revirando todas aquelas lojas? - Sara disse sorrindo.

- Ah que saudades dessa época! - Clara sorriu.

- Sei, lojinhas da 25 de Março... amor... você agora é uma mulher rica... tem até um estilista próprio... tem até uma tiara, cheia de diamantes, aquela do clipe... é verdade que é sua, né? - João interrompeu o devaneio das duas com uma piada. - Só batendo...

- A coroa? Você sabe que ela é a original, do Senhor dos Anéis, né...  Não conta para ninguém, mas eu ganhei do Mick Jagger, querido... - ela riu.

- Então... já vou indo... o seu amigo do terceiro mundo aqui está oficialmente passado...

- Não fica... ah... se você soubesse...

- Se eu soubesse o que?

- Não posso contar... aqui não dá... mas quero me reunir com vocês em particular...  podemos marcar alguma coisa enquanto estou por aqui... quero o celular dos dois para podermos marcar...

- Está aqui... no meu cartão, querida... vou ficar esperando pela sua ligação...

- Ah, querido... vou te ligar, sim... é que tem tanta coisa na nossa agenda, minha e do Jack, para estes dias em Nova York... que eu estou começando a achar que não vou conseguir nem conversar direito com vocês... o que não é justo... vocês são meus amigos...

- Querida... calma... vai dar tudo certo... a entrevista que tenho com seu marido, amanhã será aqui, às 10 da manhã... depois dela, estou livre e você pode sair comigo... tem uma Starbucks muito boa aqui pertinho...

- A minha também é de manhã... assim que estiver livre, corro para encontrar vocês dois...

- Perfeito! Nós vamos nos encontrar amanhã, então... tenho tanta coisa para contar para vocês...

- Você não está com uma cara boa quando diz isso... o que aconteceu? - Sara disse percebendo os olhos inchados de Clara, por baixo dos óculos escuros.

- Acho que meu casamento está em crise... aconteceram algumas coisas que não deveriam acontecer e agora... estou super nervosa... preciso de vocês mais do que nunca.

- Estamos aqui para te ajudar, querida... este ombrinho você sempre teve para chorar... e sempre terá... mas não me diz isso... vocês pareciam tão felizes...

- Eu não sei... de verdade... eu amo muito o Jack, mas acho que fiz uma bobagem enorme e, não importa o que ele diga, ele nunca vai me perdoar...

- Ah, querida... não é ele quem precisa te perdoar... é você... nem sei do que você está falando, mas acho que já vi esse filme antes e você sofreu e sofreu até entender que estava se culpando e se punindo... lembra? Quer ficar doente de novo? Quando foi a última vez em que você comeu? - João perguntou preocupado.

- Ele tem razão... não pega pesado demais com você mesma...

- Não consigo ter fome... até parece que faço isso de propósito...

- Está bem... fica tranquila que vamos resolver tudo isso...

- Obrigada, querido! Vocês são dois anjos... - Clara disse abraçando e beijando seus amigos.

- Ei, Princesa... o seu marido está sabendo que você veio para cá namorar?

- Dave, esse é meu amigo João Silva... trabalhamos juntos na Rolling Stone... e esta é Sara Hudson... ela também é jornalista e esteve no meu casamento...

- Como estão?

- Já acabou a entrevista?

- Já, Princesa... Olá... Michael Silver... - Michael Silver apresentou-se para os amigos de Clara, com uma expressão de malícia de quem já tem muitas piadas prontas para disparar.

- João Silva... - o rapaz sorriu, apertando a mão de Silver. - Como vai?

- Ele é um velho colega de trabalho, da Rolling Stone, Mike...  e esta é Sara Hudson... outra amiga e colega de trabalho...

- Ah! Hoje é o dia dos colegas de trabalho, não Dave?

- É... você viu como a Jane está bonita ainda?

- Jane? - Clara perguntou, estranhando o nome.

- Jane Collins... ela escreveu um livro contando todas as peripécias dela com seu marido... você deve conhecer...

- Acho que já ouvi falar sim... - Clara tentou sorrir para disfarçar seus ciúmes. - Ela está aqui?

- Ela não largava do pé do Jack... e ele desaparecia por dias quando estava com ela... Lembra Dave? O Brad ficava maluco...

Jennifer e Cindy chegaram na sala naquele instante. - Clara... você estava onde? - Jennifer disse vindo na direção de Clara.

- Aqui... com meus amigos... este é João Silva e esta é Sara Hudson, ela esteve no meu casamento,  essas são Jennifer Silver e Cindy Mersey...

- Olá... - eles se cumprimentaram.

- Querida... não achei mais você...- Cindy sorriu. - Que bom que você nem viu...

- Nem vi, o que?

- A Jane Collins... aquela groupie do livro... ela...

- Você não viu ela subiu no palco, sentou no colo do Jack e beijou ele... - Jennifer disse ainda chocada com o que tinha visto. - Eu achei tão vulgar...

- O que?

- Amor... - Jack entrou na sala de mãos dadas com uma bela loura, de olhos muito claros e pele muito bronzeada. - Quero te apresentar para uma pessoa... Essa aqui é a Jane Collins... uma velha amiga... Jane, esta é a Clara... o amor da minha vida...

- Olá... - Clara cumprimentou a mulher, que apesar de ter quase a idade de Jack, parecia muito bem conservada, com seu vestido muito curto e decotado que deixava ver seios enormes, de silicone.

- Querido... tenho uma pessoa para te apresentar também... o João Silva... meu amigo que trabalhava comigo na Rolling Stone...

- Olá João... você não esteve no nosso casamento...

- Entrei com um pedido de cidadania americana, não estou podendo viajar...

- Ah... esse amigo?

- Isso, amor... lembrou dele... e essa é a Sara... você se lembra da Sara, não?

- Olá Sara! - Jack disse em português. - Que bom revê-la...

- Vocês irão almoçar conosco? O Peters tem um restaurante inteiro reservado para nós...

- Ah... querido... não estou com fome... mas nós vamos assim mesmo, não Sara? João?

- Desculpa, mas não posso ir... - João interrompeu. - Tenho um compromisso daqui a pouco... só passei para ver minha amiga... amanhã, eu já tenho uma exclusiva agendada e podemos conversar mais...

- Eu preciso ir lá fora antes para falar com meu cinegrafista... ele não deve estar entendendo nada...

- Você vem almoçar conosco? Vem, Sara... - Clara disse para a amiga em português. - Tenho tanta coisa para te contar...

- Claro que vou, amiga... vou até lá fora falar com o cinegrafista e já volto...

- O que foi amor? Nós vamos a um restaurante japonês, você  sempre gostou de comida japonesa...

- Eu não estou bem, querido... estou me sentindo muito cansada... só vou porque a Sara vai conosco...

Jack pegou-a pela mão e puxou-a para longe de todos. - O que houve?

- Não sei, amor... estou me sentindo muito cansada... deve ser o fuso horario...

- Você não está assim por causa da Jane, está?

- Não posso negar que estou com ciúmes... - Clara suspirou.

- Bobagem... ela é uma velha amiga, gostei de revê-la, mas você é o amor da minha vida... - Jack apertou-a em seus braços e beijou-a, com muita paixão. - Está bem, querida? Vamos... estamos em Nova York, teremos pouco tempo para nos divertirmos... vamos aproveitar... esquece todo o resto... depois vamos para o nosso hotel e vou te embalar nos meus braços... Se você quiser, mando a Jane ir embora agora...

- Amor... não... se vocês a convidaram para vir conosco...

- Mas posso mandar o Peters...

- Não, Jack... não é certo fazer isso... só fica comigo... estou precisando de você...

- Meu amor... você me tem inteiro... sempre... eu te amo...

- Eu te amo... você está sendo maravilhoso, sei que não te mereço... mas...

- Amor... vem aqui... - Jack abraçou-a antes que ela começasse a chorar novamente.

- Então... vamos almoçar? - Michael Peters aproximou-se de Jack e Clara. - As limusines já estão prontas lá na porta...

- Ok...  vamos só esperar a amiga da Clara e  já vamos... Vem amor... vamos até o banheiro, lavar esse rostinho...

- João... você tem certeza que não quer mesmo ir almoçar conosco?

- Não posso, amor... tenho uma entrevista marcada com o Keith Richards daqui a pouco... ele e o Mick estão aqui negociando o contrato para um disco novo, sabia?

- Eu sei... o Mick me disse que viria para cá...

- Ah... chiquérrima... vem cá... aquelas coisas que andam comentando...

- Amanhã te conto, Jo... pode dizer para eles que é meu amigo... e que eu mandei um beijo...

- Ok, amor... até amanhã, então... tchau, Jack... até amanhã...

- Até amanhã... Vamos, Menininha?

- Vamos... a Sara já vem vindo... Sara... vamos passar no banheiro antes, quero lavar o rosto, estou com muito sono... - ela disse, entrando no banheiro feminino, enquanto Jack seguia para o banheiro masculino.

Clara tirou os óculos de sol e Sara não disse nada, mas ficou impressionada com o inchaço de seus olhos.

- Eu sei... estão feios, não?

- Querida... calma... lava o rosto e coloca de novo os óculos... parece que você foi picada nos olhos por abelhas selvagens...

- Eu não durmo há dias, nem consigo comer direito... aliás não tenho feito quase nada, além de chorar.. vou precisar muito da ajuda de vocês... 

- Estou aqui para isso...

Jack,  Clara  e Sara seguiram seus amigos até onde estavam estacionadas as limusines e foram novamente fotografados pela imprensa que se concentrava na porta do hotel. Alguns repórteres tentavam provocar Jack, mas não conseguiram nenhuma reação.

- Jack... me abraça... - Clara disse assim que entrou no carro. - Estou com frio...

- Vem aqui, meu amor... eu te esquento... - Jack disse agarrando-a. - Então, Sara, você viu como sua amiga está linda hoje...

- Está mesmo... - ela sorriu.

- Obrigada, mas sei que estou horrível... estou muito cansada... como se não dormisse há meses...

- Mas você vai melhorar porque estou completamente ao seu lado... a Sara também vai te ajudar, não vai?

- Vou sim... estou tão feliz de estar com você, amiga...

- Eu estou feliz que você esteja aqui... desculpe, não queria que ninguém me visse assim...

- Mas você está muito bem... desculpa dizer isso, Jack, mas lá na coletiva houve muito mais agitação quando a Clara entrou na sala do que quando  a Crossroads entrou... não esperava isso, amiga...

- Obrigada, Sara... obrigada Jack... sei que vocês estão tentando me animar... mas estou triste demais para isso...

- Amor... nós combinamos que enquanto estivéssemos aqui em Nova York não falaríamos mais disso. Da minha parte te garanto que está tudo esquecido... estou ao seu lado... continuo sendo seu... e só seu...

- Eu não te mereço, Jack...

- Merece sim... meu amor tão doce e tão linda... - Jack abraçou-a. - Vamos... a Sara também vai te ajudar, não vai?

- Vou sim... o que quer que seja, você pode contar comigo, Clara...

- Viu? Quero te ver feliz...

- Obrigada, queridos... vocês são maravilhosos comigo...- ela disse sentindo mais uma vez as lágrimas correndo pelo seu rosto. Pegou lenços de papel na bolsa e secou-os, sentindo-os arder, pois já estavam feridos por tantas lágrimas.

Respirando fundo, ela apenas se agarrava em Jack, em silêncio, ouvindo-o tentar falar algumas frases em português com Sara, mas sem vontade de participar.

O restaurante escolhido era muito próximo do Plaza e logo o carro parava novamente para que eles  descessem. Um restaurante japonês que encabeçava a lista de melhores e mais luxuosos da cidade foi a escolha de Peters.

- Este restaurante é muito bom, Menininha... não sou exatamente fã de comida japonesa, mas este aqui vale a pena... sei que você vai gostar...

Continua

Nenhum comentário: