31 de jan de 2013

Rockstar - Capítulo CIII

Depois de receber os funcionários da imigração, todos desembarcaram e seguiram para suas limusines. Clara e Jack caminharam de mãos dadas até o carro e logo saíam pelos portões do aeroporto, rumo à Manhattan.

- Amor... quer dar uma olhada na nossa programação? - Jack rompeu o silêncio depois de alguns minutos rodando pela congestionada via que percorriam, estendendo seu iPad para Clara; que naquele momento se divertia trocando mensagens no celular com suas amigas. - Não entendo isso... vocês não param com essas mensagens...

- Ah, querido... estamos falando mal dos nossos maridos... precisamos fazer isso, ou o mundo acaba... - Clara riu, colocando o celular de lado para pegar o tablet de Jack. - É tão ruim quanto o Silver disse?

- É ruim... não teremos muito tempo livre por aqui... o que é uma pena... tinha planos ótimos para nós dois...

- Mesmo? - ela perguntou tirando os olhos do tablet. - Como assim, planos?

- Não conto... a surpresa é uma parte importante deles...

- Hum... adoro surpresas boas... - Clara sorriu. - Mas amor... essa programação não acaba mais...

- Pois é... mas acho que vamos conseguir... fazer isso tudo e ainda as outras coisas que tenho em mente... - ele disse aproximando-se de Clara, beijando seu pescoço e acariciando seu corpo.

- Hum... querido... não devemos tomar cuidado? - Ela disse, colocando o iPad sobre o banco do carro e retribuindo os carinhos do marido. - Não podemos...

- Podemos sim... vem aqui... estou morrendo de vontade de você... - Jack disse abrindo a blusa de Clara e beijando seus seios. - Eu quero você... preciso...

- Meu amor... cuidado... você não deve... - Clara também o desejava muito, mas tentava pará-lo pois sentia medo de prejudicar sua saúde. - Não está doendo?

- Não... vem... vamos tentar... - ele disse abrindo o ziper da calça de Clara.

- Não podemos... - ela empurrou Jack.

- Podemos sim... - ele usou o peso de seu corpo para prendê-la. - Você não me quer?

- Claro que quero... - ela disse retribuindo seus carinhos, já sem forças para lutar. - mas... é perigoso...

- Eu te quero... muito...

Sem conseguir mais resistir, Clara entregou-se a Jack e os dois logo pareciam estar tentando reeditar a primeira vez que transaram, no banco detrás de uma limusine, a caminho do hotel, mas Jack, recem operado, começou a sentir dores e não conseguiu mais continuar.

- Está doendo, amor... não posso... - ele disse alguns segundos depois de começarem a transar. - me perdoa...

- Amor... - ela o abraçou, tentando diminuir sua dor. - Calma... já vai passar... Deita aqui, no meu colo...

- Menininha... me perdoa... eu te amo... - ele disse com lágrimas nos olhos. - me perdoa...

- Calma, amor... - ela o acolheu em seus braços e chorou junto com ele. - Vamos ficar bem... eu te prometo...

Em silêncio, agarrados um ao outro, os dois conseguiram acalmar-se e ajeitaram novamente suas roupas.

- Me desculpa, querida... estava me sentindo tão bem... achei que podia...

- Eu sei, querido... está tudo bem... você vai melhorar e tudo será como sempre foi, meu amor...

- Espero que sim...porque se não for...

- Mas será...

- Por favor... me deixa eu dizer... se não for... você... e o Mick...

- Não fala assim, Jack... por favor... eu sou sua... acredita em mim... mesmo que nunca mais consigamos... eu continuarei sendo sua... para sempre...

- Mas não é justo com você, meu amor... você o ama...

- Mas não o amo tanto quanto amo você... o Mick é um bom amigo, mas você... você é minha própria vida... eu não consigo viver sem você, meu amor... por favor... dói muito te ouvir dizendo uma coisa dessas...

- Desculpa, Menininha... para mim, é insuportável te ver sofrer... e se abrir mão de você, for...

- Nunca... entendeu... nunca... - Clara agarrou-o e beijou-o. Um beijo intenso, desesperado, que afogou os olhos de ambos novamente em lágrimas.

- Você não quer se livrar de mim então...

- Claro que não... eu não consigo viver mais sem você... eu sei que fiz algo que não deveria ter feito... mas...

- Não se tortura, meu amor... quando eu disse que o que aconteceu entre vocês não me afetou, você sabe que não fui verdadeiro... claro que me afetou, deixou minha atual condição ainda mais desesperadora...

- Me perdoa, querido...

- Já perdoei... doeu muito... mas entendi o que aconteceu. Você é uma mulher romântica, ingênua... presa fácil para alguém como ele...

- Não... Jack... não sou assim ingênua... eu fui para a cama com ele porque quis ir... sinto muito, meu amor... mas sou culpada sim... não sou uma vítima...

- Meu amor...  o Mick é um homem muito vivido, sabe seduzir uma mulher...

- Querido... eu quis... achei que se cedesse, talvez conseguiria me livraria daquele assédio para sempre... mas só fui para a cama quando não consegui mais conter o meu próprio desejo.. foi aí que eu percebi que o amava... que me sentia bem nos braços dele...

- Querida... por favor... eu prefiro pensar...

- Mas eu não quero e não vou mentir para você... seria como mentir para mim mesma... e mesmo sentindo tudo o que senti por ele, não deixei de te amar infinitamente nem por um segundo...

- Me escuta... apesar de eu ter dito tudo o que te disse... que não tenho ciúmes... eu tenho sim... ok? Eu só disse que não tinha porque estava com medo de te perder...

- Eu sabia... me perdoa de novo... isso nunca deveria ter acontecido...

- Mas eu preciso ser realista... e se nunca mais nós conseguirmos...

- Então continuaremos juntos tentando... eu não vou ficar nunca mais com ele... isso eu te prometo!

- Mas eu não quero te ver fazendo sacrifícios por minha causa...

- Não é nenhum sacrifício... quero estar com você para sempre... está bem? Eu sinto tanta dor quando penso em estar longe de você que... nem sei... acho que se te perder, eu não vou conseguir sobreviver... Você está bem?

- Sim, querida... - Jack ajeitou-se no banco. - Não está doendo mais... só aqui dentro... - ele disse apontando para o peito.

- Sei que não mereço nada além do seu desprezo...

- Não... - Jack abraçou-a e beijou-a. - Eu te amo...

- Eu te amo muito, Jack... muito mesmo... e estou disposta a qualquer coisa para consertar a bobagem que fiz...

- Não se preocupe... vamos estar bem... eu tenho certeza disso... - Jack disse pegando a mão de Clara e beijando. - Amor... aquilo ali no chão não é seu celular?

- É sim, querido... - Clara sorriu, esticou o braço e pegou o aparelho que tinha um aviso de chegada de mensagem na tela. - Amor... elas estão dizendo aqui que  já chegaram no hotel... por que ainda não chegamos?

- Ficaremos em um outro lugar...

- Mesmo? - Clara olhou pela janela do carro e só aí percebeu que eles se aproximavam do hotel em que se conheceram. - Amor... você... ah... eu te amo muito...

- Eu também te amo... a suite Versalhes nos espera, meu amor...

- Tantas lembranças boas desse lugar, meu amor... você é lindo, sabia? - ela o abraçou e beijou.

- Eu te amo e quero te fazer uma proposta...

- O que você quiser, querido...

- Vamos ser felizes enquanto estivermos aqui... ok? Esquecer todos os nossos problemas... aqui só estaremos nós dois...

- Meu amor... te prometo que nada irá nos perturbar aqui...

De mãos dadas, os dois desceram da limusine, na porta do hotel. Logo, dois seguranças contratados pela banda e funcionários do staff do hotel aproximaram-se e os levaram até uma sala da gerência, para que fizessem o check in, tão rapidamente que Clara não conseguiu sequer localizar a área do saguão em que se conheceram, nos sofás próximos da saída. 

- Senhor e senhora Noble, estamos muito felizes de recebê-los aqui... a suite Versalhes está preparada... aguardando pelos senhores, aqui estão os cartões chave; os senhores são muito bem vindos...

- Obrigado! - Jack sorriu. - Vamos subir, querida?

- Vamos... temos ainda que ir até o Plaza para a coletiva... - ela disse a caminho do elevador. - Dessa vez, tenho um cartão para ativar essa coisa...

- Hum... acabo de me lembrar de coisas tão maravilhosas que aconteceram neste hotel... - Jack sorriu e agarrou-se em Clara. - Vamos, Menininha... você vai me ajudar a escolher alguma coisa para vestir?

- Nossa bagagem já chegou?

- Já sim... Aqueles dois seguranças que estavam na porta do hotel... foram eles que trouxeram nossas malas...

- Hum... ótimo... vamos escolher alguma coisa bem bonita para você vestir... - Clara sorriu.

- Você também, meu amor... quero ver você linda hoje...

- Vou estar atrás das câmeras... é a sua vez de brilhar...

- Mas você vai conosco...

- Não vou... amor... eles estarão lá para  ver a Crossroads...

- Você também estará lá... aliás... você é a única pessoa responsável pela volta da banda... se existe uma Crossroads hoje é porque você apareceu na minha vida...

- Eu nem sei o que te dizer, querido...

- Vem... vamos entrar... - Jack disse, abrindo as portas duplas com seu cartão e puxando Clara para dentro pelo braço. Normalmente, o mordomo e alguns dos empregados da suite estariam ali, perfilados, aguardando por eles, mas a pedido de Jack, a suite estava vazia.

- Amor! Que lindo! - Clara disse com lágrimas nos olhos ao ver o quarto decorado com muitas rosas cor de lavanda. - Você é maravilhoso comigo, querido... - ela abraçou-o e beijou-o.

- Quero te ver feliz, Menininha... Você está feliz?

- Muito... sabe, bastou entrar aqui para voltar no tempo.... Meu Deus... como me senti intimidada na primeira vez que passei por aquela porta... e depois... quando voltamos do show... eu te desejava tanto... mas tinha tanto medo de me entregar...

- Ah... e eu já estava apaixonado por você... não conseguia pensar em nada além de ter você nos meus braços para sempre...

- E eu com medo... achando que tinha destruído minha carreira, me entregando a você...

- Era só isso o que você sentia? Medo e desejo?

- Não... acho que já estava apaixonada... mas me sentia uma louca por isso... para mim, era muito estranho sentir tudo o que estava sentindo por um homem que tinha acabado de conhecer...  Quando você tentou me beijar, no piano... meu Deus... como eu queria aquele beijo... mas fiquei com muito medo...

- Você tinha medo de mim, Menininha?

- Não de você... mas de mim mesma... de estar destruindo a minha vida com aqueles sentimentos que estavam explodindo aqui... no meu coração... de você, eu não sabia o que esperar...

- É, meu amor... eu também estava com medo... de você me rejeitar... sou um velho...

- Você não é um velho!  Você é um homem maravilhoso... que eu amo muito... e que vai chegar atrasado na coletiva, caso não venha comigo agora até o quarto, trocar de roupa...

- Vamos, Menininha... ah... se eu pudesse... eles iriam nos esperar o dia todo...

- Tenho certeza, meu amor... vem... - ela disse puxando-o pela mão e abrindo a porta do quarto, que também estava cheio de rosas cor de lavanda. - Você está me mimando tanto hoje...

- Queria estar dentro de você hoje, meu amor... como não posso... vou te fazer feliz...

- Eu te adoro, querido... então... não está muito frio... aquela camisa preta nova, de mangas compridas... a calça preta e as botas... pode ser?

- Todo de preto?

- Isso, amor... você fica lindo de preto... Precisa de ajuda?

- Não amor... e você?

- Vou colocar meu vestido preto, de veludo... aquele novo que o Jean Paul me mandou...

- Hum... quer ajuda? - Jack disse ao vê-la já apenas de lingerie, pegando o vestido na mala e colocando-o em cima da cama.

Ele aproximou-se e agarrou-a, beijando seu pescoço e percorrendo seu corpo com as pontas dos dedos.

- Meu amor... - ela disse acariciando-o. - não podemos...

- Eu sei... mas eu quero tanto...

- Eu também quero... mas não dá... vem... vamos nos vestir...

- Você está tão tranquila com isso...

- Tranquila? Meu amor... como você pode dizer uma coisa dessas? Cada vez que preciso te dizer não, morro um pouco aqui dentro...

- Me perdoa, querida... não deveria ter dito isso... estou muito nervoso. Depois de tudo o que aconteceu... estou com muito medo de te perder...

- Você não vai me perder nunca, ok? Mesmo que me expulse de sua vida... eu vou estar lutando para continuar do seu lado... você nunca vai se livrar de mim...

Jack limpou as lágrimas de seus olhos e também as que corriam pelo rosto de Clara. - Meu amor... vamos para a entrevista, depois nós conversamos... tudo bem?

- Claro, meu amor... mas tenha certeza que sou sua... ok?

- Ok! Vou lavar o rosto...

- Eu também preciso, amor... vou com você...

Os dois ajeitaram-se da melhor forma possível e desceram até o saguão do hotel, onde encontraram os seguranças que os levaram até a limusine parada na porta do hotel. Em silêncio, os dois seguiram o caminho curto até o Hotel Plaza, onde Charles Hutton os aguardava ansiosamente na porta.

- Jack! Vamos subir para o salão de convenções... o Peters já está me deixando maluco...

- Desculpa, Charles... perdemos a noção do tempo lá no hotel... - Clara disse agarrada em Jack. - Vocês precisam da minha ajuda hoje?

- Não, Clara... temos um pessoal local de apoio e você pode ir direto para o salão... ah! espera... pega sua credencial, senão você não vai conseguir entrar...

- Amor... vai indo para a sala... fica em paz...

- Clara... eu te amo... - Jack disse beijando-a rapidamente e seguindo os seguranças que o levaram até a sala de apoio da produção, ao lado do salão de convenções do hotel.

Clara seguiu junto com um dos assessores de imprensa locais até a cadeira reservada para ela, ao lado de suas amigas, na primeira fila. Sua entrada causou muita agitação entre  fotógrafos e cinegrafistas e ela sentiu seu percurso através da sala sendo seguido por muitas lentes e todos os olhos da sala.

Continua

Nenhum comentário: