11 de ago de 2012

Rockstar - Capítulo XCIV


Quando desligou o celular, Clara já estava arrependida de ter permitido que Jagger fosse até ela. Levantou-se, caminhou pelos corredores do hospital em busca de uma garrafa de água para beber, queria tomar um comprimido para dor de cabeça e recebeu explicações de uma recepcionista de como chegar à cafeteria do hospital.

Quando estava no corredor, voltando para o quarto, encontrou-se com Mick, de chapéu, óculos escuros e com um cachecol ao redor do pescoço, ele apressou o passo quando a viu vindo em sua direção, pegou-a pela mão e os dois entraram no quarto, onde ele tomou o cuidado de fechar a porta, antes de abraçá-la em silêncio.

- Obrigada, Mick... - Clara disse limpando as lágrimas. - Me perdoa, não devia ter deixado você vir até aqui... estou muito nervosa...

- Querida... eu entendo... não se preocupe com isso... estou aqui por você, sou seu amigo, lembra?

- Eu sei, mas estou me sentindo muito mal agora. Parece que estou fazendo uma coisa muito errada, que sou a pior esposa do mundo por me sentir aqui sozinha. Já estava me sentindo culpada por ele ter que fazer essa cirurgia, deixá-lo vir até aqui faz com que eu me sinta uma monstra...

- Querida, esta cirurgia é simples, já me informei sobre ela, o Jack volta para casa ainda hoje...

- Eu sei, mas é uma cirurgia, agora mesmo eles estão cortando e costurando meu marido... eu nunca deveria ter permitido isso, onde eu estava com a cabeça...

- Calma, querida... - Mick disse abraçando-a novamente. - Vem aqui, vamos sentar na cama, relaxa um pouco, quero que você se acalme. Meu Deus, suas mãos estão geladas... você está com frio?

- Não... acho que preciso de um café... espera aqui, vou buscar na cafeteria...

- Deixa que eu vou...

- Não... não quero que ninguém te veja... uma foto sua por aqui em um tablóide qualquer e meu casamento acaba... O Jack não entenderia nunca...

- Então ele não te merece...

- Ele está certo, eu sou um fracasso como esposa...

- Não é... se fosse, eu não estaria aqui sentindo tanta inveja do Jack, como estou agora...

- É melhor eu ir buscar um café para nós dois, antes que você me deixe ainda mais nervosa... Como você quer seu café?

- Puro, forte e sem açúcar... o champagne ontem me pegou de jeito...

- Já volto... - ela disse sorrindo simpáticamente para ele, antes de sair do quarto e fechar a porta. Estava nervosa e tentava apenas prestar atenção no labirinto de corredores que a levaria até a cafeteria. Depois era apenas voltar pelo mesmo caminho e tentar continuar conversando com Mick.

- Obrigada pelo café, querida... - Mick sorriu. - Agora beba o seu... ainda está gelada? Deixa ver essas mãozinhas...

- Estou melhor... - Clara sorriu. - Não queria ser assim, mas sou... choro o tempo todo, tenho muito medo de tudo e amo demais o Jack...

- Querida você é só um ser humano... não seja dura demais com você mesma...

- Estou me sentindo um lixo... chamei para perto de mim o único homem que meu marido vê como uma ameaça ao nosso relacionamento.

- Mas estou longe de ameaçar qualquer coisa, querida... Sei que você ama o Jack e que não tenho chance com você... 

- Eu já disse isso para ele tantas vezes, mas ele vê em você a mesma ameaça que eu vejo naquela ex dele, a Ann Kurtiss... Não posso culpá-lo,  também sinto muitos ciúmes quando aquela mulher está perto...

- A Gianna tem ciúmes de você, querida... ela me disse, um pouco antes de embarcar para Nova York dizendo que não queria nunca mais me ver...

- Ela? Meu Deus, mas ela não deveria... gosto muito dela, é uma boa amiga...

- Ela sabe o que sinto por você... eu tive que dizer como me sentia depois de um longo interrogatório... aquela italiana não é fácil...

- Gosto muito de vocês dois... gostaria muito que ficassem juntos e felizes...

- Eu também... mas acho que é difícil para ela entender que tenho uma vida, não posso ficar atrás dela todo o tempo...

- Vocês terminaram tudo?

- Ela me ligou quando eu estava em Barbados, conversamos e convidei-a para passar uns dias em Paris. Acho que vamos estar bem, querida...

- Que bom! Você acha que  devo falar com ela? Quer dizer, tirar da cabeça dela essa bobagem de ciúmes?

- Melhor não... vai parecer muito estranho para ela se você o fizer... ela já acha que temos um caso, se você for falar com ela, aí sim ela terá certeza. De uma certa forma, não consigo parar de desejar que fosse verdade... tê-la nos meus braços...

- Por favor, Mick...

- Tem razão... vim até aqui para te acalmar e não paro de te deixar mais nervosa...

- Me perdoa... mas ainda não consigo trair meu marido...

- Eu sei... não se preocupe comigo... ainda posso sonhar que estou te beijando, não?

- Você nunca desiste...

- Acho que não... - Mick sorriu e aproximando-se de Clara, acariciou seu rosto e beijou-a. Um beijo terno, apaixonado, que ela não conseguiu impedir.

- Por favor, Mick... acho melhor você ir...

- Me perdoa... não consegui me controlar... mas você tem razão... é melhor eu ir embora...

A cabeça de Clara girava rápido e seu coração estava acelerado, aquele beijo tirou-a completamente do ar, mas ela não queria que ele fosse embora. - Mick, sobre a reunião amanhã... será que você pode cancelar?

- Você não quer me ver mais?

- Não... claro que não, você é meu amigo, gosto muito de você... só preciso respirar um pouco, cuidar do meu marido... - ela disse, os olhos cheios de lágrimas mais uma vez.

- Não chora... vem aqui... - ele disse abraçando-a novamente. - Está bem... vou me encontrar com o Summers e depois te ligo para dizer o que decidimos... me desculpe, não tentarei beijá-la mais, vou me controlar, não posso perdê-la...

- Não vai... tenha certeza que não... - ela sorriu para ele, acariciando seu rosto. - Me desculpa, mas ainda não consigo trair meu marido...

- Eu sei... - ele disse beijando-a na testa. - Eu te amo, mesmo assim... Você sabe quando a cirurgia do Jack está prevista para terminar?

- Eles me disseram que demora entre duas e três horas, ele entrou na sala às seis e meia, já são oito e meia, então acho que a qualquer momento...

- Quer que eu vá perguntar?

- Não, querido...

- Então quer que eu vá embora?

- Não... por favor, fica mais um pouco... se você me deixar aqui sozinha acho que vou enlouquecer...

- Vou ficar... vem, vamos sentar novamente... - ele disse levando-a até a cama. - Então, já sabe o que as pessoas comentaram sobre a festa de ontem?

- Não... quer dizer... vi algumas coisas na internet, mas acho que ainda precisamos dar um tempo para as pessoas publicarem alguma coisa mais elaborada do que fotos e vídeos...

- A festa foi mesmo maravilhosa querida, me diverti muito e você estava linda no palco... uma estrela... para dizer a verdade, pensaria duas vezes antes de deixá-la cantar com os Stones... - Mick riu.

- Ah... não é verdade... você não pode estar achando que roubei a cena da Crossroads... eu?

- Roubou, querida... aliás, a Scotland Yard deve chegar aqui para prendê-la a qualquer momento...

- Só você para me fazer rir... eu te amo, meu amigo...

- Eu também te amo... - ele disse beijando a mão de Clara. - Mas acredita em mim, você iluminou aquele palco. Eles deveriam mesmo te dar mais dinheiro por aquele disco...

- Não sei... - Clara suspirou. - Não acho isso certo, não fiz nada, só cantei com meu marido, já recebi um dinheiro absurdo por essa gravação e sinceramente não preciso de nada...

- Meu amor, você não tem a mínima ideia do que fez naquele palco ontem, não?

- Eu só cantei com o Jack...

- Clara, você hipnotizou aquela plateia... sabe aquelas lendas de uma sereia que leva os homens para a morte, só com a voz...

- Ah, pára Mick... eu não sou nada disso... sou uma mulher comum, que só estava naquele palco porque teve a sorte de ter um Deus do Rock apaixonado por ela...

- Não fala assim... você precisa ver que tem valor, não negue seu talento, querida...

- Eu não tenho talento, Mick... sou uma escritora... não uma cantora..

- Você tem talento, sua voz é linda, você é linda e tem carisma... tenho certeza que logo será maior do que a Crossroads...

- Não sei... você, o Jack, o David... são todos grandes profissionais, mas gostam de mim... tenho medo de não pertencer de verdade a esse mundo e estar me enganando...

- Não está... e sei que ontem você sentiu, não sentiu?

- O que? O que você acha que eu senti?

- Uma vontade de ficar naquele palco para sempre, sentindo o calor das luzes, a energia... a música... me diz que não sentiu...

- Senti sim... ai, meu Deus, será que é isso?

- É isso sim, amor... Eu até fiz algumas músicas para você e quero que você as grave... o Dave vai produzir seu disco solo, não?

- Foi o que ele disse...

- Sei que seu marido não vai gostar, mas quero estar envolvido... tenho uma vontade enorme de trabalhar com você... você vai me chamar?

- Vou... claro que vou... - ela sorriu. - só espero não te decepcionar...

- Não vai... confia em mim...

- Confio... Vamos ver se a cirurgia do Jack já terminou?

- Vamos... - Mick disse, levantando-se da cama e pegando-a pela mão e caminhando pelos corredores do hospital até a porta da recepção do centro cirurgico do hospital.

- Por favor, tem como saber se a cirurgia do senhor Jack Noble já terminou?

- Ainda não, senhora... quando terminar, o doutor Jackson irá procurá-la no quarto do senhor Noble... não se preocupe, senhora... está tudo bem...

- Ok... obrigada...

- Vamos voltar para o quarto, querida... esperar mais um pouco...

Os dois caminharam de volta até o quarto, Clara sentia-se um pouco mais relaxada e agora apenas conversava com Mick para ajudar a passar o tempo.

- Querida... estou achando melhor ir embora... - Mick disse levantando-se da cama onde estava sentado ao lado de Clara. - O médico pode comentar alguma coisa com seu marido e ... não quero prejudicar seu casamento...

- Você tem razão, querido... não quero deixar o Jack nervoso... Você foi um grande amigo hoje, Mick... não sei nem como te agradecer...

- Pode contar sempre comigo, querida... eu te amo... - ele disse beijando-a no rosto.

- Eu te amo, Mick! - ela disse retribuindo o beijo e abraçando-o. - Nunca me esquecerei do que você fez por mim hoje...

- Ah Clara... melhor eu ir... tchau, querida... me liga quando seu marido sair da cirurgia...

- Pode deixar... obrigada... tchau...

Clara voltou a sentar-se na cama... já eram 9 da manhã e por isso, ela decidiu que não era cedo demais para falar com Jennifer sobre o que tinha acabado de acontecer.

- O que? O Mick te beijou? - Jennifer disse do outro lado da linha. - Eu não sei nem o que te dizer... então? Vocês estão juntos agora?

- Não Jenni!

- Você bateu nele, então?

- Não... o beijo foi bastante carinhoso, mas conversamos e eu expliquei para ele que não quero trair meu marido... ele parece ter entendido...

- Mas você parece não ter entendido... claro que o beijo foi carinhoso, ele te ama... Não acredito que você não tenha sentido nada...

- Senti... quis beijá-lo mais... mas tive medo de ficar ainda mais confusa e pedi para que ele não fizesse mais esse tipo de coisa... aquele homem é... eu quero dizer...

- É... você o deseja... admita... não tem nada errado nisso... você sente uma enorme atração por ele...

- Eu o amo, Jenni... muito... mas quero continuar sendo amiga dele... não quero e não vou trair meu marido...

- E vai trair você mesma? Deixar esse desejo entre vocês crescer e não fazer nada sobre ele? Você não vai encontrá-lo em Paris amanhã?

- Não! Pedi que ele cancelasse a reunião e ele vai sozinho conversar com o roteirista...

- Clara, resolve isso... aproveita essa reunião e vai falar com ele direito... Não sei se deveria dizer isso, mas esse desejo de vocês é aquele que costuma acabar com os casamentos...

- Eu sei... vou me afastar dele...

- Não... você deve fazer ao contrário... afastar-se será pior, vai chegar um momento em que os dois vão enlouquecer e o Jack irá flagrá-los e nunca mais vai olhar para você... pensa, Clara...

- Mas não vou até Paris transar com ele...

- Não... vai lá para conversar melhor, em um lugar seguro e se acontecer alguma coisa, não será o final do mundo... você ama o Jack, tem um casamento perfeito com ele e deseja o Mick. Tudo continua como está, só que mais tranquilo, sem essa espada em cima da cabeça de vocês... pensa, mulher...

- Não sei... estou muito confusa... mas preciso resolver isso de uma vez... acho que você tem razão... vou ligar para o Mick e pedir que ele remarque a reunião... espero conseguir...

- Vai lá, amiga... depois me conta...

Sem pensar muito, Clara ligou para Mick.

- Oi, minha querida, a cirurgia já terminou?

- Não... estou te ligando porque pensei melhor e decidi ir à reunião com o Summers amanhã... Você já falou com ele?

- Não... mas isso é ótimo, meu amor... vamos com  meu jatinho...

- Não gosto de jatinhos, querido... vou comprar uma passagem em um voo de carreira... a que horas é a reunião?

- Às 11 da manhã, no restaurante do George V... vem com meu jatinho, querida... é mais fácil, vamos para o meu apartamento conversar e na hora da reunião, vamos juntos para o hotel...

- Está bem, então...quer saber... não quero mais complicação, acho que aceitarei sua oferta, seu jato está aqui em Londres?

- Está... viajamos juntos para Paris amanhã cedo e  podemos conversar no caminho...

- Ok, querido...

- Vou mandar meu carro te buscar às 8 da manhã... você pode dizer para o Jack que já estou em Paris... você estará na sua casa, não?

- Estarei... eu não gosto de mentir para o Jack,  mas quanto menos ele souber, é melhor...

- Tem razão, querida... não quero destruir seu casamento, quero te fazer feliz, meu amor...

- Eu quero ter paz, Mick... e para isso preciso muito conversar direito com você e continuar vivendo bem com meu marido, sem me sentir, como estou me sentindo agora...  - ela disse com lágrimas correndo em seu rosto. - Ok, então Mick? Vamos conversar?

- Calma, meu amor... vamos conversar sim...

- Tchau Mick... te ligo quando o Jack sair da sala de cirurgia...

- Está bem, querida... beijos...

- Beijos...

Clara levantou-se da cama e caminhou até o corredor do hospital onde encontrou com o médico de Jack, ainda com as roupas da sala de cirurgia, vindo em sua direção.

- Senhora Noble? - ele disse para Clara. - Bom dia, sou o dr Horace Jackson, muito prazer... - ele disse estendendo a mão para cumprimentá-la. - A cirurgia já terminou e foi um grande sucesso, todos os canais foram restaurados e o que se espera é que ele tenha sua capacidade de ter filhos restaurada.

- Que bom, doutor... - ela disse secando as lágrimas. - E quando poderei vê-lo?

- Daqui alguns minutos... o senhor Noble está agora na sala de recuperação, ainda sob o efeito do tranquilizante que demos a ele para a cirurgia. Vamos acordá-lo e se tudo estiver bem, por volta do meio-dia, ele terá alta... foi um procedimento bem simples e agora, no pós-cirurgico, ele precisará apenas de repouso e uma bolsa de gêlo no local para ficar bem...

- Gêlo, doutor?

- É... daqui a pouco, quando ele estiver no quarto, explico melhor para vocês dois...

- Ok... vou até a cafeteria pegar uma bebida quente para mim e já volto...

- Perfeito, senhora... já conversamos... foi um prazer conhecê-la, o senhor Noble é mesmo um homem de muita sorte... - ele sorriu.

- Obrigada... - ela sorriu de volta para ele. Estava cansada daqueles elogios e seguiu pelos corredores do hospital até a cafeteria, onde pediu um capuccino. Voltou com ele nas mãos e contou para Jennifer pelo telefone tudo o que tinha combinado com Mick. Tentava não pensar muito, para não aumentar a culpa que agora a deixava muito perto de ter um ataque de nervos.

Continua

Nenhum comentário: