9 de ago de 2012

Rockstar - Capítulo XCIII



- Jack, amor... está na hora... - ela disse beijando-o no pescoço. - Vamos nos vestir?

- Vamos, querida... - Jack disse, levantando-se e indo para o banheiro. - Minha mochila?

- Está na cadeira... já está pronta... - ela respondeu levantando-se também e procurando no closet o cabide com as roupas que tinha separado para ambos.

- Obrigado, amor... não sei o que faria sem você... - Jack disse abraçando-a. - Está chovendo, não?

- Acho que sim, querido... - Clara disse agarrando-se a ele. - Eu sei que você precisa fazer essa cirurgia, mas...

- Eu sei, amor... vai dar tudo certo e logo nosso filho estará chegando... - Jack sussurrou em seu ouvido. - Sonhei com ele nesta noite...

- Mesmo? Ele falou alguma coisa?

- Estávamos na nossa montanha e ele corria entre as alfazemas... enquanto você tentava fotografá-lo, eu apenas aproveitava a sombra das árvores para descansar um pouco.

- Que lindo, amor... - ela disse com os olhos cheios d'água.

- Não chora, Menininha... ainda temos muita felicidade esperando por nós... você vai ver...

- Ah amor... eu sei disso... não estou triste, apenas fico muito emocionada quando penso no nosso filho... - Clara disse beijando-o. Por alguns minutos, os dois ficaram apenas abraçados, no meio do quarto. Desceram com a mochila do Jack e a bolsa de Clara nas mãos.

- Amor, você não vai tomar café da manhã? - Jack perguntou quando a viu sentar-se ao seu lado na sala de estar, a espera da chegada do motorista que os levaria ao hospital.

- Não tenho fome, querido... pelo menos agora...

- Você precisa comer...

- Ai, Vida... estou muito nervosa para comer... me perdoa... Eu te amo... quero te ver bem... não se preocupe comigo... assim que eu sentir fome, vou procurar alguma coisa...

- Ok... mas come... por favor...

- Vou comer sim, amor...

- Senhor Noble... - interrompeu Bradley, o novo mordomo da casa. - o motorista, já está na porta.

- Obrigada, Bradley... - Jack respondeu. - Vamos, amor?

- Vamos... - ela disse agarrando-se a Jack para sob o guarda-chuva, e caminhando até o carro estacionado na frente da casa.

O dia ainda não tinha clareado e a chuva deixava aquela madrugada ainda mais gelada. Os dois entraram no banco detrás da Mercedes preta de Khaled e lá se abraçaram. Lágrimas corriam silenciosas pelo rosto de Clara que apenas se abrigava nos braços de Jack da sensação de frio que a paisagem molhada de Londres trazia ao passar pelas janelas do carro.

O desembarque na porta do hospital foi rápido e a presença de Michael Peters, desembaraçando todo o processo burocrático da internação, ajudou-os a serem encaminhados diretamente para o quarto particular onde Jack seria preparado para a cirurgia.

Clara tinha autorização para permanecer no quarto durante essa preparação, mas optou por sair e ficar no corredor, para dar a Jack mais privacidade. Depois de deixá-lo pronto, uma enfermeira foi buscar Clara no corredor e ela apenas acariciou o rosto dele e beijou-o na testa, pois ele já estava dormindo, efeito de um tranquilizante potente aplicado durante o processo de preparação.

E enquanto a maca que o levava era empurrada pelos corredores até a sala de cirurgia, Clara sentou-se no quarto, pegou sua bolsa e tirou dela seu tablet, para distrair-se de sua aflição. Mas seu pensamento não se movia muito além da culpa que sentia. Ela nunca deveria tê-lo deixado ir tão longe, deveriam ter optado pela inseminação artificial, como o médico sugerira.

A culpa deixava tudo ainda mais lento. Ela navegava na internet, baixava o novo livro de um escritor que admirava e que acabara de ser lançado. Lia e respondia mensagens e e-mails que tinha recebido por seu aniversário e nada do tempo passar. Não podia ligar para ninguém, era cedo demais, mais ainda no Brasil que mesmo com o horário de verão ainda tinha menos duas horas em comparação com Londres, onde eram só 7 da manhã.

Enquanto olhava a internet, seu celular começou a tocar e ela ficou em dúvida se devia ou não atendê-lo quando viu o nome Jagger piscando na tela.

- Bom dia, querida... - dizia a voz de Mick antes mesmo de ela dizer qualquer coisa. - O Jack já está sendo operado?

- Quem te falou sobre essa cirurgia?

- Você... lembra que marcamos uma reunião em Paris, amanhã?

- Verdade... desculpa, estou muito nervosa agora... tudo bem com você?

- Tudo, querida... não fique nervosa, pelo que me informei, esta cirurgia é bastante simples...

- Mas é uma cirurgia, ele está lá, sendo cortado e costurado, enquanto estou aqui... - Clara disse enquanto as lágrimas voltavam a molhar seu rosto. - Não deveria tê-lo deixado fazer isso...

- Fica tranquila, querida... você está sozinha?

- Estou... o Michael Peters esteve aqui, mas já foi embora, estou no quarto do Jack, esperando que a cirurgia termine...

- Eu posso ir até aí... te distrair para você não ficar nervosa...

- Não, Mick...

- Por favor... qual o nome do hospital?

- Por favor, Mick... não venha para cá... Não quero deixar meu marido nervoso...

- Mas ele nem saberá que estive aí, querida... quero só segurar a sua mão e te dizer que tudo vai dar certo... quando ele voltar da cirurgia, vou embora e você poderá cuidar dele...

- Ok... acho que preciso mesmo de um amigo agora... o hospital se chama London Bridge...

- Sei onde fica... qual o número do quarto?

- 431...

- Estou indo para aí...

- Obrigada... - ela disse pensando na loucura que estava fazendo e em tudo o que Jack diria se soubesse daquela necessidade que ela tinha naquele momento de conversar com alguém, mesmo que esse alguém fosse Mick Jagger.

Continua

Nenhum comentário: