8 de ago de 2012

Rockstar - Capítulo XCII



Depois de uma preparação corrida, os dois entraram na limousine que os levaria ao tapete vermelho da super produção planejada para marcar o lançamento do disco. Clara não disse nada a Jack, mas estava bastante nervosa quando o carro estacionou para os dois descerem.

Ela agarrava-se firme ao braço de Jack, com medo de cair, completamente desorientada com os gritos e flashes.

- Estou muito tonta, amor... -  sussurrou no ouvido de Jack, que sorriu e abraçou-a.

Charles Hutton guiou-os até alguns repórteres que os entrevistaram, poucas perguntas e estavam livres para entrar. Um jantar de gala os esperava no grande salão, boa comida e muito champagne.

No hall de entrada, Clara parou repentinamente, seu coração batendo muito rápido,  puxou Jack pelo braço e sussurrou em seu ouvido: - Meu amor, vem aqui... preciso te dizer uma coisa...

- O que foi, querida?

- Estou muito feliz por estar aqui com você hoje... eu te amo...

- Ah Menininha... - Jack puxou-a e beijou-a com paixão. - Eu te amo tanto!

- Desculpe interromper, sou a hostess da festa, devo guiá-los agora até sua mesa. Por gentileza, me sigam...

Jack e Clara, de mãos dadas, entraram no salão atrás da moça e assim chegaram na mesa onde já estavam David, Cindy, Michael Silver, Jennifer, Michael Peters, Ann Kurtiss, Mick Jagger e Silvia Huskins.

- Princesa, Velhão! - David levantou-se e beijou-os. - Então, chegaram!

- Boa noite, David... - Clara sorriu e passou a cumprimentar uma a uma todas as pessoas da mesa. - Boa noite, Mick...

- Boa noite, querida... antes de mais nada, parabéns pelo seu aniversário!

- Obrigada...

- Esta é Silvia Huskins, uma amiga australiana que acabei de conhecer em Barbados...

- Prazer... - as duas se cumprimentaram.

- Então, como está minha nova estrela, hoje? - Michael Peters perguntou assim que Clara sentou-se em sua cadeira.

- Não me sinto uma estrela, Peters... mas obrigada pelo presente de aniversário que você me mandou... está aqui...

- Você merece, querida... todos concordam comigo, até a gravadora que já melhorou muito aquela proposta para você...

- Merece mesmo, amor... - Jack sorriu, pegou a mão de Clara e beijou-a.

- A senhora Noble é mesmo preciosa... - Mick sorriu, provocando. - Jack, você não sabe a sorte que tem...

- Não Mick... - ela respondeu, interrompendo-o. - Quem tem sorte de estar com o Jack sou eu...

- Que lindo seu vestido, amiga... - Jennifer disse tentando evitar que o clima amistoso da mesa mudasse. - Você está linda, querida...

- Obrigada, Jen... estou muito feliz hoje...

- É, Velhão! O Mick tem razão, você teve sorte demais de encontrar a Princesa... - sorriu Michael Silver.

- Então, Mick, como estão as gravações? Já terminaram? - Jack perguntou tentando mudar o foco da conversa.

- Quase...  tivemos que interromper porque o Charlie tem um compromisso em Nova York nesta semana, mas semana que vem continuamos em Nice, no meu estúdio... Aliás, gostaria muito de tê-los todos novamente por lá...

- Infelizmente o senhor Peters  lotou nossas agendas de compromissos nos próximos dias... - sorriu David. - Mas sempre podemos pedir a ele para trocar algumas datas para nos liberar uma semana... que tal, Peters?

- Posso estudar... mas isso pode complicar muito nosso trabalho... é um convite maravilhoso e embora eu não ache prudente mexer na agenda,  se vocês fizerem questão, posso ver o que dá para ser feito...

- Estude com carinho, Peters, porque queremos ir. Acompanhar as gravações dos Stones em Nice será muito bom... - David sorriu com os olhos fixos em Jack, que agora o fulminava com os olhos.

- Vamos, sim... será ótimo brincar um pouco mais naquele estúdio, Mick... - disse Michael Silver. - Aquela sua mesa é uma Ferrari...

- Falando em máquinas, gostou da sua, Princesa? - David perguntou para Clara. - O Jack me mostrou, mas não pude acreditar que você queria mesmo aquele carrinho de brinquedo...

- Adorei, David... o Jack me deu de presente um Mini Cooper hoje... já dei uma volta no quarteirão com ele...

- Ah esse carrinho é fofo, David... - Cindy sorriu. - Combina muito com a Clara...

- Eu adorei... estou louca para tirar minha licença para dirigí-lo aqui...

- Um mini cooper? - riu Mick. - Esta eu não esperava... é um carrinho de brinquedo...

- Ah, mas eu gosto... sempre gostei de carros pequenos, no Brasil, antes de vender o carro para comprar meu apartamento, também tinha um carro pequeno... dá para estacionar em qualquer lugar... eu adoro... meu amor não poderia me dar um presente mais lindo do que esse!

- Eu comprei porque sabia que você gostava... mas se você quiser  trocar seu carrinho de brinquedo por um carro de verdade...  - Jack sorriu.

- Não é de brinquedo, amor... e eu não o trocaria por nada... - Clara sorriu.

Enquanto eles conversavam, o jantar ia sendo servido. Clara optou por comer pouco e beber ainda menos, tinha medo de sentir-se pesada e não conseguir cantar e além disso, já  estava começando a sentir-se ansiosa e com medo de fazer alguma bobagem no palco.

- O que foi, amor? - Jack perguntou ao pegar sua mão e sentí-la gelada.

- Estou nervosa, amor... - Clara sussurrou no ouvido dele. - Tenho medo de estragar a apresentação de vocês...

- Calma, querida... você é uma estrela e vai brilhar muito hoje...

- Você é muito doce, meu amor... te amo muito... - Clara disse beijando-o.

- Querida, logo após o jantar nós vamos para o camarim para nos prepararmos para tocar... você quer vir conosco?

- Quero sim, amor... se não for atrapalhar, quero estar com você...

- Então vocês farão mesmo um pocket show hoje? - Mick Jagger perguntou a Jack ao ouvir a conversa dele com Clara.

- Sim, vamos tocar algumas coisas acústicas hoje, inclusive "The Light", com minha mulher fazendo o dueto comigo...

- Que lindo! É sempre um prazer ouví-la cantar, querida...

- Obrigada, Mick... - ela sorriu, um pouco sem graça, com medo de Jack reagir às provocações de Mick. - Nós vamos agora para o camarim nos prepararmos para a apresentação...

- Querida, eu estarei por aqui, esperando ansiosamente para ouvir  sua voz de anjo... Silvia, você precisa vê-la cantando...

Assim que terminou a sobremesa, Jack pegou Clara pela mão e os dois seguiram pelos corredores até o camarim, já pronto para recebê-los.

- Vem amor... vamos aquecer essa mãozinha gelada... Tony, onde está o meu conhaque?

- Aqui, Jack... - o roadie respondeu trazendo uma garrafa e um copo para ele, que já tinha um outro copo em mãos.

- Você vai ficar quentinha, Menininha... - Jack disse servindo doses generosas da bebida para ambos.

- Você pode beber, amor?

- Posso sim... até as duas da manhã, pelo menos... depois, tenho que fazer jejum de tudo, até de água... Mas isso não vai doer nada, perto de ficar duas semanas sem poder ter você... - Jack disse acariciando o rosto de Clara e suspirando.

-  Nós vamos conseguir, querido... eu sei que vamos... - ela disse beijando-o. - Estou muito preocupada com essa cirurgia, mas tenho certeza que tudo vai dar certo...

- Velhão... vocês saíram correndo da mesa, não entendi nada... O Mick estava atacando a Princesa de novo?

- Não... a Clara estava nervosa, trouxe ela para cá para acalmá-la um pouco...

- Princesa, fica tranquila... você está cantando lindamente... é só fazer o que você sabe...

- Estou tentando me acalmar, Dave, obrigada...

- E o Mike?

- Ele já vem... está conversando com o Peters... e com a namorada dele...

- Quero esse dois bem longe do camarim... - sorriu Jack. - O que você acha, Dave? Temos como mantê-los lá fora?

- Isso vai ser complicado, cara... vamos fazer uma reunião com o Mike e ver como vamos nos livrar desses dois durante a tournê... nem que eu tenha que conversar com o Peters...

- Ih, cara... não sei não... - Jack disse pegando o celular no bolso para desligá-lo. - Será que o Peters não vai engrossar não?

- Acho melhor vocês deixarem isso para lá, Jack... - ela disse interrompendo a conversa dos dois. - Não quero que vocês façam nada, acho que terei que me acostumar com a ideia de ter essa mulher sempre por perto...

- Não a quero perto de você, Clara... Não... vou falar com o Peters e ver se ao menos conseguimos impedí-la de ir para Nova York... - Jack respondeu pegando a mão de Clara. - Ela não pode ficar perturbando você, meu amor...

- Meu amor... eu não ligo... estou tentando enxergar as coisas de um jeito diferente agora...

- Muito bem, Princesa... deixe que ela provoque e não reaja, isso irá acabar com ela muito mais do que tomar qualquer iniciativa para afastá-la... e deixe que eu cuido para que o Velhão não chegue perto...

- Obrigada, Dave... - Clara sorriu. - Você é um grande amigo... obrigada mesmo!

- Dave, amanhã a Cindy tem algum compromisso?

- Ela vai para Viena logo cedo, por que?

- Queria que alguém ficasse com a Clara no hospital amanhã cedo... a Jennifer vai para Paris, certo...

- Não precisa, Jack...  eu vou estar bem, te esperando acordar da anestesia para irmos para casa...

- Vocês querem ficar em Heathcliff Hall?

- Não precisa, Dave... - Clara sorriu. - Vamos para nossa casa e dormiremos alguns dias na sala de estar, para que o Jack não precise subir escadas...

- Mas acho que seria mais prático se vocês fossem para lá... - David insistiu. - Vocês podem dormir na sala de música...

- Eu não acho que isso seja necessário... - Clara respondeu pegando mais uma dose de conhaque para ela e para Jack. - O Khaled nos leva ao encontro de vocês e pronto... vamos para Nova York todos juntos...

- Estou muito atrasado? - Michael Silver perguntou assim que chegou ao camarim. - Desculpem, amigos... estava acertando umas coisas com o Peters...

- Não, Mike... - Jack sorriu. - O que o Peters queria dessa vez?

- Ele estava me perguntando se queremos ou não que ele mexa na agenda para irmos até o castelo do Mick... eu disse que temos interesse sim e ele disse que vai ajeitar tudo para encaixar essa viagem... Ah... disse também que a Ann Kurtiss está indo para Nashville amanhã...

- Amanhã? - Jack sorriu. - Amor... nos livramos dela!

- Minha sorte está melhorando, querido... aliás, nossa sorte...

- Parabéns, Princesa! Agora que estamos todos felizes, deixa eu te avisar como será o show... vamos tocar estas 7 músicas da lista... - mostrando uma folha de papel escrita para Clara. - Você vai entrar logo depois de "Love You Forever"... Ok?

- Ok.... Vocês vão subir no palco agora?

- Vamos, querida... você vai nos assistir da coxia, não?

- Sim, amor... vou com você até lá...

Poucos minutos depois, Michael Peters, um segurança e um roadie guiavam a banda toda e Clara através dos corredores do teatro, até o palco, onde uma das gravações que Jack tinha feito no estúdio com David, começou a soar nos alto falantes e as cortinas se abriram.

- Boa noite, Londres! - Jack gritou no microfone para a plateia que reagiu com muito barulho. Flashes e luzes de câmeras se acendiam em cima do palco e logo abaixo dele e centenas de celulares já brilhavam nas mãos do público. - Rockin' Over...

Clara agora não conseguia tirar os olhos do palco, onde Jack, como sempre, entregava-se totalmente ao que cantava. Olhos fechados, seus gritos pareciam carregar toda a dor e o desespero de uma alma que nunca viveu um segundo sequer de tranquilidade em sua existência.

As lágrimas brotavam totalmente alheias à sua vontade, molhando seu rosto e o que sentia agora era apenas a vontade de abraçá-lo, estar ao seu lado, tentando de algum jeito confortá-lo.

- Aí, pessoal! Que bom que vocês ainda se lembram de nós! Então... gostaram do nosso novo disco? - ele perguntou apenas para ouvir o rugido das vozes. - A próxima música que nós vamos cantar começou tudo isso, quero dedicá-la a mulher em que ela foi inspirada... Clara... eu te amo! - ele disse, mandando um beijo para ela, na lateral do palco.

"Unexpectedly" foi emendada com "Love you Forever", a grande balada romântica da Crossroads; lenta, quase fantasmagórica, ela chegava aos alto falantes acompanhada com fervor religioso pelo público que cantava junto com Jack.

- Obrigada, Londres! Agora eu gostaria de chamar a este palco a grande razão de a Crossroads estar hoje aqui novamente e mais do que isso, o grande amor da minha vida... quero que vocês recebam agora a minha Rainha da Luz, Clara Noble!

Clara já não conseguia ver nada, era como se entrasse em um mundo a parte de cores fortes e sons que a invadiam e desorientavam. Sentia seu coração na boca e fez um grande esforço para concentrar-se,  apenas caminhar  até Jack, no centro do palco e beijá-lo.

- Boa noite, Londres... - ela disse assim que sentou-se no banquinho. Respirando fundo para concentrar-se no que precisava fazer.

Logo os acordes de "The Light" enchiam a Roundhouse e ela cantou mais uma vez como tinha ensaiado tantas vezes. Sua voz e a de Jack Noble, um dos mais importantes rockstars da história saindo juntas dos alto falantes da casa. Mas se ela pensasse nisso, não conseguiria cantar e por isso não tirava seus olhos da letra que ia sendo mostrada frase por frase no Teleprompter.

Jack a olhava e seus olhos brilhavam, enquanto ele segurava sua mão e a guiava através da canção, cantada pela plateia com um fervor quase religioso.

Assim que a música terminou, Jack levantou-se de seu banquinho e abraçou-a.

- Clara Noble, senhoras e senhores... - David disse no microfone.

Ela agradeceu os aplausos e saiu do palco, voltando à coxia, onde Mick Jagger estava parado, esperando por ela.

- Você aqui? - ela perguntou intrigada.

- Vou cantar "Crossroads" no final com seu marido. - ele sorriu docemente. - Você estava maravilhosa no palco...

- Obrigada... - ela sorriu sem graça.

Jack voltou para seu banquinho, agora com um violão nas mãos. - Fiz esta canção para uma fada que um dia encontrei na mata... - ele disse, tocando os primeiros acordes de "Song of the Woods". - Quero dedicá-la a uma fada, que esteve neste palco há apenas um minuto...

Clara mandou um beijo para Jack e começou a cantar junto, completamente emocionada por estar ouvindo novamente sua música favorita sendo cantada para ela.

- Ele tem razão... - Mick disse em seu ouvido.

- O que? - Clara perguntou.

- Você é uma fada... - ele disse, acariciando seu rosto e secando uma lágrima que corria por ele.

- Não, Mick... por favor... - ela disse empurrando-o.

- Está bem, querida... Não quero deixá-la nervosa.... - ele disse pegando a mão de Clara e beijando-a. - Desculpe...

- Tudo bem, Mick...

Mick subiu ao palco e cantou junto com Jack e o show terminou, a banda recebeu um disco de diamante quíntuplo  pela vendagem recorde de seu disco de retorno e logo Jack e Clara estavam sozinhos novamente, na limousine, a caminho de casa.

- Amor... está muito frio... vai ser difícil acordar cedo amanhã para ir ao hospítal... - Jack disse agarrando-se em Clara para aquecê-la. - Quer ficar em casa? O Khaled vai nos levar, mas você não precisa ir, o Peters vai até lá me ajudar com a papelada...

- Nem pensar... estarei sempre com você, meu amor... não importa se debaixo de neve, sol ou tempestade... não te abandonaria em um momento como esse...

- Você estava linda no palco hoje... acho que me apaixonei de novo...

- Ah Jack... adoro quando você diz essas coisas para mim... eu estava muito feliz lá... tão feliz que tive medo de me perder e nem conseguir cantar... foi maravilhoso...

- Que bom! Eu te disse que você é uma estrela... nasceu para isso, meu amor... eu sei que você ainda vai brilhar muito...

Clara apenas suspirou. Sentiu-se feliz no palco, realizando um sonho antigo de fã da Crossroads, mas ainda não conseguia ver-se como uma artista. Menos ainda uma estrela.

- Agora eu quero ser só sua mulher... - Clara disse beijando-o apaixonadamente e os dois namoraram durante o caminho curto para casa, subiram as escadas abraçados e foram juntos para a cama. Tinham que acordar cedo no dia seguinte, mas não se importaram de não dormir, o amor os impulsionava e deixava-os dispostos para enfrentar o que viesse a seguir.

Continua

Nenhum comentário: