4 de ago de 2012

Rockstar - Capítulo XCI



A ideia era que o taxi a deixasse na porta detrás da casa de shows, mas exatamente ali, fãs, repórteres e fotógrafos concentravam-se tornando impossível qualquer aproximação. Clara então pediu ao motorista que parasse um pouco antes e sem sair do carro, ligou para Jack, que conseguiu que os seguranças fossem ao  seu encontro e a escoltassem para dentro da barreira.

- Senhora Noble... - o segurança estendeu a mão para ajudar Clara a sair do taxi. - Boa tarde, sou Jake Eliott e vou escoltá-la para dentro da casa. A senhora está pronta para ir?

- Sim... Obrigada...

Ela deu a mão para ele e cercada por mais alguns seguranças, atravessou a barreira de fãs, fotógrafos e jornalistas que começaram a agitar-se assim que seu taxi estacionou. Clara abaixou-se de encontro ao peito de Jake e caminhou quase carregada por ele, enquanto os outros homens barravam a aproximação da multidão.
Só depois de ter algum trabalho para entrar, ela pode observar o fascinante edifício redondo construido no século XIX para permitir que as locomotivas fossem monobradas e que durante o século XX passara a abrigar shows de bandas importantes como The Doors e Crossroads. Agora, totalmente reformada, a casa tinha a capacidade de receber um público de até 3.300 pessoas.

- Pronto, chegamos... - o segurança sorriu ao passar pela porta. - Por favor, siga-me, o senhor Peters me pediu para guiá-la até o palco...

- Ok... - ela disse caminhando ao lado do rapaz que a guiava através de corredores estreitos cheios de fios e equipamentos. - É muito longe?

- Não, senhora... - sorriu o segurança. - Já estamos chegando...

Os dois subiram por uma pequena escada de madeira e já estavam em cima do palco. - Olá pessoal... - Clara disse tentando sorrir depois de surpreender-se ao ver seu marido conversando na plateia com Ann Kurtiss.

- Parabéns pelo seu aniversário, querida... - Michael Silver disse beijando-a depois de deixar seu baixo nas mãos de um roadie.

- Obrigada, Mike...

- É mesmo! Princesa! - David disse também aproximando-se dela e abraçando-a. - Parabéns... nós te amamos muito...

- Obrigada, David... vocês são muito gentis comigo...

- Clara, amor... - Jack disse, subindo no palco e agarrando-a. - Você está linda!

- Obrigada... - Clara disse empurrando-o. - David, então, vamos logo passar a música, estou querendo ir para casa descansar um pouco antes da festa...

- Claro, Princesa, você é quem manda... - disse David, surpreso com sua atitude. - Está tudo bem?

- Já tive dias melhores, querido... - ela tentou sorrir simpaticamente, mas não conseguiu.

- O que foi, querida? - Jack perguntou ainda sem entender e tentando novamente em vão, aproximar-se da esposa e sendo mantido por ela a distância.

- Nada...  Então, vamos fazer o show sentados em banquinhos? - Clara perguntou soltando-se dos braços de Jack e caminhando na direção de David.

- O que foi, amor? Não estou entendendo... - disse Jack.

- Já disse que nada! Ou tem alguma coisa aqui que eu não sei?

- Pessoal, quero parar um pouco porque preciso conversar com minha mulher... Amor, vem aqui para o camarim para a gente conversar...

- Desculpa, querido, mas acho melhor passarmos logo o som para que eu possa ir descansar em casa. Então, aquele banquinho ali é para mim?

- Clara, o que foi?

- Nada... só estou tentando agilizar este ensaio para poder ir descansar...

Ann Kurtiss subiu ao palco neste instante e Clara olhou-a com tanto desprezo que todos ficaram espantados com a coragem dela de aproximar-se para cumprimentá-la:

- Então, é seu aniversário, querida... parabéns... - Ann disse abraçando Clara.

- Obrigada, querida... - ela respondeu controlando-se para ser educada. - Então... vamos trabalhar? Jack, Dave, Mike?

- Vamos lá, Jack... a Princesa está com pressa... - David disse pegando seu violão de 12 cordas e sentando-se em seu banquinho.

- Obrigada por me compreender, Dave.

- Você não vai me dizer o que está acontecendo, Menininha, vai? - Jack disse aproximando-se dela e pegando-a pela mão.

- Não está acontecendo nada... já disse... quero cantar logo... estou muito cansada e preciso descansar antes da festa de hoje à noite... será que é tão difícil de entender isso?

- Está bem... Tudo pronto? Dave, Mike?

- Tudo... vamos lá... 1, 2, 3... 1, 2, 3, 4... - David disse antes de começar a tocar "The Light".

Clara respirou profundamente e passou a olhar apenas para o teleprompter que trazia a letra da música que ela e Jack deveriam cantar. Jack olhava para ela ainda tentando compreender sua atitude, enquanto ela apenas concentrava-se na música que queria ensaiar, decepcionada por ter encontrado o marido com a única pessoa no mundo que ela tinha pedido para ele evitar.

- Perfeito, Princesa! Cada vez que você canta, você fica melhor... - sorriu David.

Jack agora chorava abertamente e Clara vendo-o, levantou-se do banquinho e foi na direção dele, também chorando. Os dois se abraçaram e apenas choraram juntos por alguns minutos.

- Me perdoa, Jack... - ela sussurrou no ouvido dele. - Quando te vi falando com ela, fiquei cega de ciúmes... Eu te amo...

Jack puxou-a para mais perto e beijou-a.

- Chega por hoje, pessoal! - Jack disse avisando que ele e Clara estavam indo embora. - Qual o horário da festa mesmo?

- Às 11 as limousines passam em casa... Princesa, hoje você vai ter um dia de estrela, com tapete vermelho e tudo... - David disse pegando sua mão e beijando-a. - Não conte nada para a Cindy, mas sei que você será a mulher mais linda desta festa... tenho certeza!

- Obrigada David, você é um amor...

- Vamos embora, Menininha?

- Vamos, meu amor... - Clara sorriu, agarrando-se em Jack. - Até mais tarde, queridos...

Os dois se despediram e seguiram para a porta de saída, de onde conseguiram sair escoltados por uma grande equipe de seguranças e mesmo assim, ficaram assustados com a agitação que causaram. Gritos, flashes, Clara escondia-se nos braços de Jack e os dois partiram rapidamente, ainda apavorados com a possibilidade de serem seguidos.

- Amor... vou dar umas voltas antes de ir para casa, porque não quero essa gente na porta da nossa casa...

- Está bem, querido... - Clara respondeu com medo de estarem sendo seguidos. - Jack, você não está correndo muito?

- Não, amor... estou dentro do limite desta área... apenas não quero dar tempo a eles de nos alcançar. Mas já vou diminuir, vamos passar o próximo sinal e daí já posso andar normalmente.

- Ok, amor... - ela disse olhando para trás, tentando perceber se algum carro continuava atrás deles. - Não estou vendo nenhum carro vindo para cá, amor... pode relaxar...

- E você?

- O que tem eu?

- Por que você estava tão nervosa lá na Roundhouse, posso saber?

- Por que você estava conversando com aquela pistoleira, posso saber?

- Ah... tudo aquilo foi porque você me viu falando com a Ann?

- Você me disse que ia fugir dela... você não estava fugindo...

- Amor, estávamos falando sobre o show... nada demais...

- Mas não gosto de vê-la perto de você, Jack... você ainda não percebeu isso?

- Me perdoa, querida... não queria te deixar contrariada. Eu amo você e só você, Menininha... não pense nem por um segundo nisso porque não consigo te trair, nem que eu quisesse... me sentiria traindo a mim mesmo...

- Ah querido, não é pela traição... é que aquela mulher fica dizendo que quer você e que vai tirar você de mim... me dói muito...

- Não vai, não... quer saber? Deixa ela para lá... isso não vai acontecer, não importa o que ela diga ou ache...

- Está bem, querido... vou tentar não ficar com ciúmes... eu confio em você, só não consigo confiar nela...

- Vou fugir dela hoje à noite... aliás, passarei a noite toda colado em você e não te largarei um segundo nesta festa. Vamos para casa, agora?

- Vamos, meu amor... - Clara sorriu. - acho que preciso dormir um pouco, estou me sentindo muito cansada...

- Vamos direto para o nosso quarto... quero te mimar um pouquinho antes de nos prepararmos para a festa. Então, você gostou dos nossos novos empregados?

- Gostei, amor... conversei rapidamente com alguns deles antes de sair para o salão e os achei simpáticos... Só falei com a cozinheira, as duas arrumadeiras e o mordomo... ainda não vi o jardineiro...

- Ele só virá definitivamente a partir da próxima semana porque ainda estão trabalhando na estufa, no fundo da casa... mas segundo o Peters, ele é muito bem recomendado e tão bom quanto todos os outros que já estão na casa desde a semana passada.

- Será que vamos conseguir dar conta de tudo isso? Tenho tanto medo de não conseguir...

- Vamos sim, Menininha... tenho certeza disso... estamos no rumo certo...

Depois de ter certeza de que não estavam sendo seguidos, Jack abriu o portão e entrou com o carro, estacionando na porta de casa, para que Clara descesse e depois seguindo para guardar o carro na garagem. Não iria usar mais o carro por alguns dias, já que iriam à festa de limousine e no dia seguinte, seriam levados ao hospital por Khaled, o motorista que trabalhava para a produtora de Michael Peters.

Clara entrou em casa, falou com os pais e os irmãos que ligaram no celular para cumprimentá-la pelo aniversário e também atendeu o telefonema de Jonas. Percebeu que Jack estava demorando para entrar em casa e resolveu ir até a garagem atrás dele.

- Jack, amor... - ela chamou na porta fechada. - Querido? Onde você está?

- Aqui, amor... - ele disse abrindo a porta da garagem para revelar uma surpresa para Clara, um pequeno Mini Cooper, na cor vermelha, com uma faixa branca pintada em cima e um enorme laço de fita dourada sobre o teto. - Feliz Aniversário, meu amor!

- Jack! Que lindo, querido! Você não devia...

- Devia sim... você me disse que gosta destes carrinhos, eu resolvi comprar um para você...

- Meu amor... Obrigada... - ela disse agarrando Jack e beijando-o. - Vou precisar fazer aulas para aprender a dirigir nessa mão invertida daqui...

- Vai sim... e quando estiver pronta, você vai poder dirigir seu carrinho de brinquedo... vem aqui vê-lo por dentro...

- Ele é lindo, meu amor... Você é tão maravilhoso comigo, querido... - Clara disse chorando. - Estou tão feliz que não consigo nem expressar direito o que estou sentindo...

- Quer dirigí-lo um pouco? Dar uma volta no quarteirão?

- Você acha que eu consigo?

- Tenho certeza que sim, amor... vem...

- Não era melhor tirarmos esse laço? Não gosto de ficar chamando atenção na rua...

- Não se preocupe, estamos em Londres e ninguém liga para isso...

Jack colocou Clara no assento do motorista e explicou a ela todos os comandos do pequeno carro, e alguns minutos depois, ela dirigia através do portão e dava uma volta completa pelo quarteirão.

- Você dirige direitinho, amor... - sorriu Jack. - Não terá nenhuma dificuldade de aprender a dirigir do lado certo...

- Lado certo? - Clara riu. - Eu te amo, sabia?

- Eu te amo mais, Menininha... vamos voltar para casa?

- Vamos... porque preciso te agradecer mais propriamente pelo presente...

- Hum... então sou eu quem vai ganhar um presente...

De volta à garagem, Clara desceu do carro com Jack e os dois entraram em casa, onde Bradley, o mordomo recém contratado os chamou para mostrar-lhes os presentes que Clara tinha recebido. Flores, caixas de chocolate, cartões e outros pacotes os esperavam na sala de estar.

- Vem, amor... me ajuda a abrir meus presentes... - Clara disse para Jack abrindo cada um dos pacotes e cartões.

- Amor... olha isso... o Michael Peters me mandou uma pulseira de diamantes... - Clara sorriu mostrando a jóia para o marido. - Que linda!

- É o mínimo que ele poderia fazer para alguém que deu tanto lucro a ele nestes últimos meses... Olha, querida, estas flores foram mandadas pelo Mick... Quer ler o cartão?

- Quero sim, amor... - Clara estendeu o braço para pegar o cartão, que Jack entregou-lhe. - "Querida Clara, parabéns pelo seu dia. Você é uma estrela e este é só o início de uma carreira que será brilhante! Beijos, Mick Jagger."

- Hum... ao menos desta vez ele não te cantou...

- Viu, querido... ele finalmente entendeu que eu sou sua... e só sua... quer chocolate? - Clara disse abrindo uma das caixas de bonbons que recebeu. - Olha amor, esta veio da Ann Kurtiss...

- Eu quero outra coisa, amor... vem... deixa os pacotes aí e vamos para o quarto...

Jack e Clara subiram a escadaria e caminharam de mãos dadas até sua suíte, onde passaram as próximas horas nos braços um do outro. Para não perderem a hora deixaram o alarme do celular pronto para despertá-los em tempo de arrumarem-se para a festa.

Continua

Nenhum comentário: