3 de ago de 2012

Rockstar - Capítulo XC


Acordaram tarde, com fome, vestiram-se e foram atrás de seu café parisiense favorito, próximo do hotel,  onde eram servidos os melhores croissants de chocolate do mundo; um bom começo de dia para duas pessoas que apenas queriam aproveitar o momento, juntas e felizes, antes de todas as incertezas que se anunciavam na próxima etapa de suas vidas.

- Vamos almoçar no nosso restaurante, em Montmartre?

- Mas ele não fecha nesta temporada?

- Seu francês é melhor do que o meu, mas pelo que eu entendi, o que fecha é só aquela parte aberta, atrás do restaurante, o salão continua funcionando...

- Hum, querido... é mesmo... adoro aquele lugar... engraçado, quando estive nesta cidade pela primeira vez, me senti tão frustrada por você não estar comigo e agora, para mim, ela está cheia de memórias de momentos bons que passamos juntos...

A conversa dos dois foi interrompida repentinamente pela aproximação de um grupo de fãs que reconheceram Jack e  chegaram pedindo autógrafos e fotos. Tudo indicava que teriam um tumulto nas mãos caso não agissem rápido e até mesmo Clara, que já estava acostumada com sua posição a sombra do marido, estava sendo assediada com pedidos de fotos e autógrafos.

- É melhor irmos embora... - Jack sussurrou no ouvido dela, ao perceber mais gente tomando coragem para aproximar-se deles. - Vou lá dentro pagar a conta...

Jack pediu mais croissants de chocolate para levar ao hotel, pagou a conta e os dois saíram do café e pegaram um taxi que os deixou há uma quadra do hotel, na rua detrás, despistando outro grupo de pessoas que os seguia em um taxi.

- Querido... parece que os despistamos... - sorriu Clara quando os dois desceram do carro.

- É, desta vez conseguimos, mas acho que não podemos mais andar por aí, assim, sem difarce, sem seguranças... sinto muito querida...

- Não se preocupe... nada disso me incomoda... estou feliz demais por estar aqui, com você... O que é esse pacote na sua mão?

- Comprei mais croissants de chocolate para nós... vamos subir para terminar nosso café?

- Hum... você é maravilhoso, sabia?

Entraram no hotel, subiram para sua suite e, com medo de continuarem sendo assediados pelos fãs, decidiram só sair de lá para o encontro com Jean Paul, à tarde.

Com o tempo livre no hotel, Clara decidiu usar seu tablet para atualizar-se, ler seus e-mails e depois ver o que estavam falando sobre a banda nas redes sociais e na imprensa e descobriu que a presença dos dois em Paris já tinha sido descoberta pela imprensa e alguns veículos já republicavam as fotos tiradas dos dois no café.

- Amor, olha só como esse pessoal é rápido... - ela disse mostrando a ele uma matéria em um site de celebridades que comentava sobre a presença dos dois na cidade.

- Já começou... estamos perdendo nossa liberdade, meu amor... - Jack respondeu puxando-a para seu colo, beijando seu pescoço e acariciando-a - Mas eles não vão entrar aqui...  - ele sussurrou.

- Hum... que bom... - Clara sorriu, colocando o tablet sobre a mesa e entregando-se aos carinhos de Jack. - Aqui estamos livres para fazermos o que quisermos...

Os dois se amaram mais uma vez no sofá da sala de estar da suíte e ali, decidiram apenas descansar um pouco, já que agora estavam com medo de circular e serem perseguidos por fãs e jornalistas. Mais tarde, tomaram um longo banho juntos na banheira de mármore, vestiram-se com roupas quentes e elegantes e foram para o atelier de Jean Paul, que, como sempre, os recebeu com festa.

- Linda... - sorriu Jean Paul saudando-a assim que ela desceu do carro. - Querida, a internet inteira está comentando sobre a presença de vocês em Paris...

- Olá Jean Paul... ficamos assustados hoje... de repente tinha uma multidão no restaurante e na rua...

- Meu amor, é o sucesso... Boa tarde, Jack...

- Boa tarde, Jean Paul... - Jack respondeu com um sorriso.

- Vamos entrar, queridos... não confiem nesse solzinho pálido da tarde parisiense, ele pode até deixar o céu azul, mas não tem força para nos aquecer...

- Percebemos... mas pelo menos não está tudo cinza como lá em casa... - sorriu Jack enquanto ele e Clara caminhavam atrás do estilista até seu escritório.

- Por favor, sentem-se, vou buscar o vestido... Querida, você vai ficar absolutamente linda nele... aliás, você perdeu peso, não?

- Perdi sim, Jean Paul, três quilos...

- Perdeu peso, querida? - Jack olhou para ela preocupado. - Quanto?

- Três quilos, amor...

- Mas eu não percebi... como não percebi?

- Porque estamos juntos todo o tempo... é mais difícil de notar...

- Não... mas eu tinha que ter notado... me perdoa, querida...

- Não tenho o que perdoar, meu amor... estou bem... não se preocupa...

- Mas eu estou preocupado... quero dizer, acho que ganhei uns cinco quilos nestas férias, como você conseguiu perder peso?

- Meu metabolismo é estranho, querido... já te disse isso...

A volta de Jean Paul para a sala interrompeu momentaneamente a conversa dos dois, mas não a preocupação de Jack que agora olhava-a mais detalhadamente tentando compreender como um detalhe tão importante tinha escapado de sua atenção.

O vestido que Jean Paul fez para ela era de veludo, cor de vinho, ajustado ao corpo, tinha mangas longas e um grande decote.

- Que lindo, Jean Paul! Estou louca para prová-lo... - Clara sorriu ao  pegar o vestido das mãos do figurinista. - Meu amor... que coisa mais linda...

Clara foi até o provador e colocou o vestido, percebeu que estava um pouco largo em alguns pontos, mas sentiu-se poderosa dentro dele; tinha certeza de que faria muito sucesso na festa da noite seguinte com ele.

- Então? - ela disse quando chegou ao escritório.

- Uau! Meu amor... você está linda...

- Tem razão, Jack... mas acho que precisarei apertar um pouco... aqui... - Jean Paul disse puxando um pouco o decote de Clara.

- E se eu usar um daqueles sutiãs que aumentam o tamanho? - Clara disse aflita por ter que ajustar o vestido.

- Ah, querida... não sei... posso ajeitar isso rápido para você... vocês estão no George V?

- Sim... estamos lá até amanhã de manhã... - Jack respondeu.

- Está bem... posso acertar isso rápido para você e mandar entregar no hotel, fica tranquila...

- Ok... estou tranquila... quer dizer... eu sinto muito de te dar o trabalho...

- Meu amor... não é trabalho... você é a minha modelo favorita e terei muito prazer em acertar este vestido para você... fica tranquila que ele estará perfeito... ah... tem também os sapatos... vou buscá-los...

- O que foi, amor? - Jack perguntou ao perceber que Clara estava quase chorando.

- Nada... estou chateada por ter emagrecido... só isso...

- Não fica, amor... vai dar tudo certo...

- Pronto... está aqui... experimenta, querida...

- Ainda bem que os pés não emagrecem... - Clara sorriu. - Perfeitos...

Jack e Clara despediram-se de Jean Paul, quando o sol já estava começando a se por, naquele outono europeu em que os dias ficavam cada vez mais curtos. Ainda nervosa e insegura sobre sua saúde, Clara controlou-se até o momento em que o carro saiu dali e começou a chorar.

- O que foi, amor? - Jack perguntou assustado. - Não gostou do vestido?

- Não é isso... - Clara respondeu tentando conter-se. - É que todas as vezes que eu emagreço, como agora, sem nenhuma razão, eu descubro que minha anemia está pior e, se piorar, o médico já disse que eu não posso engravidar...

- Calma, amor... vamos procurar um bom médico para você... tenho certeza de que vai dar tudo certo...

- Me perdoa, querido... estou tão preocupada...

- Mas não se preocupe... - Jack acariciou os cabelos de Clara. - Você está com fome? Acho que vou te ajudar a recuperar os três quilos ainda hoje...

- Mesmo, amor? - Clara limpou as lágrimas do rosto.

- Você gosta de comida marroquina?

- Acho que nunca comi... é parecida com comida indiana?

- Não muito, mas é bem temperada e apimentada como a comida indiana... você gosta de comida indiana?

- Gosto... tem um restaurante indiano perto do meu apartamento, eu ía sempre almoçar lá...

- Sou suspeito para falar sobre o Marrocos, Menininha... eu já até cheguei a considerar comprar uma casa por lá... é claro que ultimamente as coisas não são mais as mesmas, mas ainda quero te levar para lá... é um lugar lindo...

- Ah, meu amor... acho que seria um sonho ir  com você...

- Estamos chegando ao restaurante, é aquele ali... É bem simples, mas delicioso...

- Acho que nunca fui e nem serei essa pessoa sofisticada que você acha que eu sou, adoro as coisas simples... por dentro, ainda sou a garota pobre da América do Sul que teve a sorte de encontrar seu príncipe encantado...

- Eu? Príncipe encantado? - Jack riu. - Não tenho nada de príncipe, querida, nem gostar da Monarquia, eu gosto... sou apenas um artista popular que se apaixonou pela música americana que ouvia e teve muita sorte. Não tenho grandes fantasias sobre meu papel, sempre procurei ter os pés no chão...

- Adoro ouvir isso, querido... - Clara disse acariciando o rosto de Jack e beijando-o. - Eu te amo e para mim, você é um príncipe...

- Ah, meu amor... - Jack beijou-a apaixonadamente e os dois desceram do carro e caminharam de mãos dadas até o restaurante.

Por razões que os dois desconheciam, embora o restaurante estivesse bem movimentado naquela noite, eles não foram incomodados e assim puderam apreciar a carne de cordeiro favorita de Jack acompanhada por um surpreendente vinho marroquino, que deixou Clara encantada.

- Querido, você tinha razão, este restaurante é muito bom... só você mesmo para conseguir me fazer sorrir neste momento em que estou tão preocupada...

- Amor... para tudo existe uma solução... nosso filho logo estará conosco... não se preocupe... - ele disse beijando a mão de Clara. - Vamos fazer tudo certo, você vai melhorar e antes que perceba, estará grávida... prometo continuar  tentando fazer esse bebê todos os dias...

- Ah, querido... - Clara suspirou. - nunca pensei que algum dia minha vida seria assim, tão feliz, tão plena...

- É exatamente isso o que eu quero... minha felicidade é te ver feliz... Já decidiu o que quer de presente, além das bicicletas?

- Quero estar com você, sempre que puder... quero envelhecer ao seu lado...

- Isso não será possível... você sabe que sou muito mais velho e  um dia te deixarei sozinha no mundo...

- Querido, isso é imprevisível... já vi muita gente jovem morrer antes de seus pais...

- Amor... não fala isso... o natural e o certo é que eu morra antes, mesmo porque se acontecer alguma coisa com você, eu sei que morrerei junto... não conseguiria viver nem mais um dia...

- Querido, não quero falar mais sobre morte, estamos em Paris, felizes... e isso é tudo o que eu quero pensar agora... no quanto eu te amo e te desejo...

- Meu amor... estou muito feliz com você e embora eu saiba que  passaremos por coisas não exatamente agradáveis nos próximos dias, eu sei que vai valer a pena, porque estaremos juntos.

- Disso você pode ter certeza, Jack... terá que me aturar por muito tempo ainda... e eu continuarei assim, chata, morrendo de ciúmes de qualquer mulher que chegue perto de você...

- Eu sei... também não posso te criticar... cada vez que o Jagger chega perto de você, tenho vontade de socá-lo...

- Amor... ele é só um amigo... e nunca será nada mais do que isso... Acho que você tem me feito feliz demais para eu pensar em outro homem... - Clara riu.

- Menininha... você é maluquinha... mas eu te amo tanto que estou com vontade de mandar embrulhar a nossa sobremesa, para comermos lá no hotel...

- Então vamos, querido... - Clara sussurrou no ouvido de Jack. - Preciso de você agora...

Jack pediu que os doces marroquinos da sobremesa fossem embrulhados e eles voltaram para o hotel mergulhados no mais absoluto clima de lua de mel, tão concentrados um no outro que nem perceberam a movimentação de fotógrafos na porta ou o grupo de repórteres a espera deles no saguão. Enquanto a segurança do hotel era reforçada para garantir o sossego dos hóspedes, Clara e Jack subiam beijando-se no elevador e passariam a noite toda desfrutando do amor que sentiam.

Uma chuva fina batia contra as janelas da suite,  na manhã seguinte, quando os dois acordaram apressados, recolhendo as roupas e objetos que tinham espalhado pela suite e preparando-se para uma corrida até o aeroporto, pois tinham perdido a hora e estavam atrasados para o voo que sairia do aeroporto Charles de Gaulle às 10 da manhã.

- Vou tentar chegar, Menininha, mas não acho que dará tempo... talvez seja melhor ver qual o próximo horário...

- Tudo bem, amor... vou procurar no tablet... melhor ainda, vou ligar para a companhia aérea...

- Pede para fazer uma reserva no voo seguinte, porque não conseguiremos chegar a tempo... ah amor... me perdoa...

- Não foi culpa sua, querido... estava tão feliz ontem à noite que esqueci de programar o celular para tocar...  Pelo menos o Jean Paul já mandou o vestido...  vou ligar para o meu cabelereiro, para a Jen e para a Cindy também... Elas combinaram de ir comigo lá no salão de beleza do hotel para nos prepararmos.

- Ah amor... hoje é seu aniversário, deveria ser um dia especial...

- Não se preocupe, Jack... já está sendo um dia especial... estamos em Paris, juntos, não poderia estar mais feliz... - Clara disse sorrindo.

- Mas eu queria te mimar hoje o dia todo, o café da manhã perfeito com todos aqueles croissants de chocolate, trazido na cama, junto com o maior bouquet de rosas que eu pudesse encontrar...

- Amor... não se preocupa com isso... estamos juntos, estamos voltando para casa, teremos uma festa linda hoje à noite e muitos cafés da manhã perfeitos na cama... você é o melhor marido do mundo, querido...

- Ah, querida... eu te amo tanto... - Jack beijou Clara mais uma vez antes de descerem do carro, no estacionamento do aeroporto.

Alguns repórteres estavam no saguão e assim que os dois chegaram foram cercados, fotografados e precisaram da ajuda da segurança do aeroporto para chegarem à sala vip, de onde saíram para embarcar no voo das 11:30 da manhã.

Londres continuava chuvosa quando chegaram pouco mais de uma hora depois e Khaled os levou em sua Mercedes preta de volta para casa. Jack tinha muitos compromissos naquele dia e apenas teve tempo de deixar Clara e a bagagem em casa, para pegar seu carro e seguir até o escritório de Michael Peters, onde aconteceria uma reunião.

Clara, por sua vez, guardou as roupas da bagagem, apresentou-se para cada um de  seus novos empregados, trocou-se de roupa e saiu a pé para ir encontrar-se com Jennifer e Cindy no salão de beleza do hotel Four Seasons Over the Park.

- Clara, querida! Parabéns! - sorriu Jennifer abrindo os braços ao ver a amiga chegando ao saguão do hotel onde esperava por ela.

- Obrigada Jen! Desculpe pelo atraso, perdemos a hora e estamos correndo atrás desde então... o Jack, pobrezinho, só comeu o lanchinho do avião até agora e já está na reunião com o Peters...

- E você? Está com fome?

- Não, querida, hoje não acordei muito disposta... Eu e o Jack jantamos em um restaurante marroquino ontem e acho que meu corpo não se deu muito bem com aquela comida forte e temperada...

- Ai, Clara... você deveria comer alguma coisa assim mesmo... você precisa se cuidar... não pode perder mais peso...

- Eu sei, querida... ninguém está mais preocupada com esta situação do que eu, mas hoje... estou muito enjoada... muito nervosa... queria que tudo fosse diferente...

- Como diferente?

- Tivemos alguns probleminhas com fãs e com a imprensa em Paris e fiquei nervosa... para dizer a verdade, já estava nervosa desde ontem, quando o Jean Paul precisou apertar todo o meu vestido  para a festa de hoje porque ele estava largo...

- Você me disse no telefone, mas não acho que seja uma razão para preocupar-se, você só precisa procurar um bom médico.

- Não sei... já trato deste problema há muito tempo e nunca melhoro de verdade... estou cansada, sabe...

- Querida, tenho certeza de que irá ficar bem... você falou com a Cindy, não?

- Falei... ela me falou sobre a reunião...

- Pois é... hoje as coisas estão um pouco complicadas demais para o meu gosto...

- Então vamos descomplicar... que tal sairmos para tomarmos um capuccino, enquanto ela não chega?

- Acho que podemos fazer isso... quem sabe assim eu relaxo um pouco mais...

- Ótimo! Não tem muitos problemas que uma xícara de capuccino fumegante não resolvam, em um dia frio como este... - Jennifer riu. - Bem... talvez não resolva, mas nos faz um bem...

- Verdade, querida... - Clara sorriu.

As duas caminharam até o café de uma livraria próxima do hotel, onde pediram capuccinos e muffins de chocolate; apreciando de verdade o fato do aquecimento da loja estar ligado, depois de sentirem muito frio na rua.

- Já estou percebendo que o inverno por aqui não vai ser fácil para mim...

- É a primeira vez que vem para cá nesta época do ano?

- Sim... já estive em Londres inúmeras vezes, mas esta é a primeira vez em que estou aqui nesta época... acho que vou congelar, não?

- Ah, querida... vai... mas não agora... entre janeiro e fevereiro, a temperatura por aqui fica ainda pior... mas acho que até lá, você já se acostumou...

- Espero que sim... Não era bom mandar uma mensagem para a Cindy? Acho que ela vai nos procurar lá no hotel quando chegar...

- Vou mandar, querida... - Jennifer disse digitando rapidamente no seu celular uma mensagem para a amiga. - Tenho uma notícia não muito boa para te dar...

- O que houve?

- O Mick Jagger já voltou de Barbados e irá hoje à noite na festa... sozinho...

- Como sozinho? A Gianna ainda não voltou de Nova York?

- Ainda não... e não sei se volta tão cedo... conseguiu um contrato ótimo com a  Lancome, pelo que ela me disse ontem, ele a convidou para passar uns dias em Nice, mas ela não está disposta a voltar para a Europa tão cedo...

- Bem, quer saber, problema dele... quero só uma coisa hoje à noite, aproveitar para estar com o Jack, porque amanhã ele faz a cirurgia...

- Então o Mick não vai mais te incomodar?

- Claro que vai, mas depois de passar tanto tempo sozinha com o Jack, minha certeza de que ele é o homem que eu quero aumentou ainda mais e estamos mais unidos do que nunca.

- E ele?

- O que tem?

- Você acha que ele vai conseguir manter a Kurtiss longe dele?

- Tenho certeza... ele tem sido maravilhoso comigo e já me disse que quer ela longe...

- Espero que você esteja certa, porque ontem ela disse para quem quisesse ouvir que estava com saudades do Jack e que ficará muito feliz de estar perto dele novamente na viagem.

- E o Peters? Não fala nada sobre isso?

- Ele tinha saído da sala para acertar uns detalhes com a produção... essa conversa foi no palco da Roundhouse onde eles foram ver os detalhes do cenário da apresentação de hoje...

- Apresentação? O Jack não me disse nada...

- Ele não sabe, querida... - sorriu Jennifer. - O David decidiu ontem fazer um pocket show acústico hoje com 3 ou 4 músicas para os convidados da festa de lançamento. Eles irão passar o som hoje mesmo, depois da reunião com o Peters.

- Bem, acho que eles então não têm intenção de me chamar para cantar. Não me disseram nada...

- Acho que não...

- Ah... o velho truque de reunir-se no café da livraria... - sorriu Cindy ao chegar na mesa das amigas. - Então... como estão as coisas?

- Muito bem, querida... - Clara respondeu abraçando a amiga. - Quer um capuccino?

- Vou lá pedir, querida... Então... é seu aniversário, não? Parabéns!

- Obrigada, Cindy! A Jen estava me contando sobre a apresentação que nossos maridos farão hoje à noite...

- Pois é, querida... acho que daqui a pouco eles te ligam... o Dave disse que quer que você cante também...

- Isso vai ser muito difícil para mim... mas acho que devo tentar, não? Como irei enfrentar a multidão na O2 daqui alguns dias se não consigo cantar em uma festa?

- Tem razão querida... e o seu vestido?

- Agora está lindo... o Jean Paul acertou onde estava largo e mandou entregar no hotel ontem à noite. Estou tão nervosa com essa minha perda de peso... o Jack não disse nada, até me apoiou quando soube, mas sei que ele também está preocupado...

- Calma, querida... você vai fazer um tratamento, não vai?

- Vou...

- Então... não tem com o que se preocupar... Um bom médico resolverá seu problema... - Cindy sorriu. - Então... qual o horário que vocês marcaram com o Pablo afinal?

- Três e meia... ainda temos 20 minutos...

- A Jen te falou sobre a Kurtiss?

- Já... acho que não vou conseguir me livrar dela tão cedo, não?

- Pense positivo, Clara... se ela quiser transar com ele, terá que ser hoje porque a partir de amanhã, ele não poderá fazer mais nada por duas semanas... - riu Cindy.

- Eu sei... mas só de pensar que aquela pistoleira estará por perto nos próximos dias, fico muito nervosa. E olha que tenho tentado não ter ciúmes do Jack...

- Mas essa mulher é mesmo irritantemente descarada, querida... compreendemos completamente sua situação... - Jennifer disse tentando acalmar a amiga. - Você tem toda a razão para ter ciúmes.

- Tenho... - Clara respondeu interrompida pelo toque de seu celular. - É o Jack... alô... oi querido... sim... às 5? Ok... tentarei chegar, vou agora para o salão de beleza e depois nos vemos, então... Beijo, meu amor... te amo... tchau...

- Então você vai cantar, amiga?

- Vou... o Jack acabou de me avisar..

- Como se sente agora? - perguntou Cindy.

- Acho que bem... tenho que enfrentar isso de cabeça erguida, não tenho?

- Tem sim, querida... - Jennifer sorriu. - Então, vamos para o salão de beleza?

- Vamos amigas... já está na hora...

Clara e as amigas voltaram para o hotel e foram até o salão de beleza onde foram recebidas com festa por Pablo e sua equipe. Além dos cabelos, pés e mãos, Clara pediu uma massagem, uma tentativa de relaxar um pouco antes de enfrentar a noite que prometia ser uma das mais importantes de sua vida.

Ela e suas amigas deixaram o hotel apenas alguns minutos antes das cinco horas, despediram-se na porta e Clara pegou um taxi que a levaria até a Roundhouse, poucos quilometros distante dali. Durante a massagem tinha se decidido viver o momento e não pensar muito e, agora, para ela subir ao palco na frente de todos aqueles convidados que estariam lá naquela noite, ela só precisava de suas roupas e maquiagem.

Continua

Nenhum comentário: