22 de jun de 2012

Rockstar - Capítulo LXXXVIII


O sono que ambos estavam sentindo veio bem a calhar, ele os deixava prontos para um voo particular, de nove horas de duração, que os levaria de volta à Londres. Assim, tão logo o avião decolou, Clara levantou-se de seu assento, pegou travesseiros e cobertores no compartimento de bagagem, ajeitou sua poltrona e a de Jack na posição mais confortável possível  e programou o celular para despertá-los dali 8 horas, quando estivessem quase chegando em Londres.

- Obrigado, Menininha... acho que não tenho mais idade para passar a noite toda em claro sem me transformar em pó no dia seguinte... - ele sorriu e beijou as mãos de Clara assim que ela entregou-lhe o travesseiro.

- Eu também estou muito cansada, querido... - Clara sorriu. - Mas ainda sinto como se a noite passada tivesse sido um sonho... nem imaginava que poderia existir um lugar como aquele...

- Eu sei, meu amor... também me senti assim quando estive lá com o Dave, das outras vezes... para dizer a verdade, ontem foi a primeira vez que fui até lá sem ele...

- Você nunca foi lá sozinho, ou com sua esposa... ou uma namorada?

- Não... estive lá com o Dave algumas vezes e agora voltei com você... nem o Don, nem o Mike ficaram sabendo sobre aquele lugar... era nosso segredo de bluesmen, meu e do Dave...

- Obrigada, meu amor por compartilhá-lo comigo... você sempre me surpreende...

- Como eu te disse ontem, você é minha melhor amiga, quero dividir tudo com você... Então vamos dormir um pouco?

- Vamos, amor...

Clara ajeitou-se melhor na poltrona do avião e logo pegou no sono e mesmo com a turbulência que chacoalhava pequeno avião, não acordou. Jack também continuava dormindo tranquilamente, com seus cachos dourados espalhados sobre o travesseiro.

Ela acordou com um sorriso no rosto, espreguiçou-se gostosamente e alguns minutos antes do alarme do celular soar, desativou-o, levantando-se, guardando travesseiro e cobertor no compartimento de bagagens  e indo até o banheiro arrumar-se para a chegada em Londres. Penteou e prendeu os cabelos, escovou os dentes, ajeitou suas roupas e quando voltou à sua poltrona, encontrou Jack já acordado, olhando para ela.

- Acordou, amor?

- Oi, querida... não ouvi o alarme tocar... já estamos chegando? - ele disse esfregando os olhos.

- Eu desliguei o alarme para te deixar descansar um pouco mais... você não quer se ajeitar um pouquinho? Estamos quase chegando...

Jack levantou-se da poltrona, dobrou seu cobertor e guardou-o com o travesseiro no compartimento de bagagens.

- Só se você me ajudar... - Jack sorriu e estendeu a mão para Clara que acompanhou-o até o banheiro do avião. - Acho que não vou fazer a barba...

- Estamos indo para casa, querido... - Clara sorriu, enquanto penteava e prendia os cabelos longos de Jack. - Pronto... já está lindinho de novo...

- Sou um velho enrugado... não sei o que você vê em mim...

- Você é o homem que eu amo... - Clara disse agarrando-o e beijando-o. - Vem, vamos para as nossas poltronas, já está quase na hora de pousar...

Os dois sentaram-se, prenderam o cinto de segurança e em poucos minutos, o piloto anunciava que estariam pousando. Eram 3 da madrugada em Londres e a temperatura era de apenas 7 graus.

Tão logo o agente de imigração saiu do avião, depois de carimbar os passaportes de ambos, Clara e Jack  seguiram para o carro de Khaled, estacionado no hangar, próximo do avião e assim que toda a bagagem estava embarcada no carro, eles estavam a caminho de sua casa, em Kensington. 

O carro seguia rápido pelo trânsito livre, eram poucos os que desafiavam a madrugada gelada e úmida da cidade, enquanto os dois permaneciam quietos, abraçados no banco detrás da Mercedes, ainda meio sonolentos, mas reconhecendo a paisagem que tinham deixado para trás há poucos dias.

- Precisamos de mais férias, Menininha... - sorriu Jack. - Londres já está muito gelada...

- Teremos mais férias, querido... mas os próximos dias serão de muito trabalho... antes tinha tanto medo da estreia e agora, estou até começando a ficar ansiosa por ela.

- Eu também estou ansioso. Quero que tudo passe rápido para que a gente fique livre novamente. Tem tantos lugares onde eu quero te levar ainda... 

- Amor, vamos almoçar hoje lá no David, não?

- Isso... vamos para Heathcliff Hall às onze da manhã, temos que saber como estão as coisas, o que eles combinaram com o Peters... a festa de lançamento é depois de amanhã... aliás, seu aniversário também é, não Menininha?

- É sim querido... - Clara sorriu.

- Você ainda não me disse o que quer ganhar de presente...

- Já ganhei todos os presentes que poderia querer... eu tenho você, aqui comigo...

- Mas eu faço questão de te dar um presente assim mesmo... Ah amor... eu quero te ver feliz...

- Mas estou muito feliz. Sério! Nunca fui tão feliz em toda a minha vida... me sinto em casa quando estou com você...

- Eu quero te dar o mundo, meu amor... - Jack disse beijando-a.

- Olha amor, estamos chegando... - Clara disse ao perceber que o carro tinha entrado na rua onde  moravam. - Estou morrendo de fome, será que tem alguma coisa para comermos?

- O Peters me disse que os empregados deixariam tudo arrumado para nós... ele já contratou toda a equipe...

- Mesmo? Quantos empregados? Você sabe?

- Não tenho muita certeza, mas parece que tem uma cozinheira, duas arrumadeiras, um jardineiro e um mordomo... vamos ver como eles funcionam e se for preciso, contrataremos mais gente.

- Acho que não será preciso... já é gente demais andando pela nossa casa, não?

- Você vai se acostumar, querida... com o tempo você nem percebe mais a presença deles, como em Heathcliff Hall, os empregados de lá te incomodam?

- Não... mas não moramos lá, amor... eu sei que é bobagem minha, mas me sinto tão melhor quando nós dois estamos sozinhos...

- Eu sei, querida... mas a casa é enorme e teremos sempre muitos compromissos, precisamos de ajuda...

- Claro, meu amor... vou tentar me acostumar com a ideia... - ela sorriu abraçando-o.

O carro parou no páteo e os dois desceram e ajudaram  Khaled a levar a  bagagem para dentro. A pedido de Jack, os empregados não estariam por lá quando chegassem, queria conversar com eles somente depois que estivessem instalados novamente em casa, coisa que não aconteceria nos próximos dias, em que estariam em Heathcliff Hall.

Clara colocou as malas de Kate dentro do closet do quarto de hóspedes e deixou suas malas em sua suite. Naquele momento estava com muita fome e decidiu desfazer as malas só depois de comer alguma coisa.

Jack foi direto para a cozinha onde  preparou sua especialidade: purê com salsichas, que os  dois comeram com gosto, acompanhado de uma boa xícara de chá.

- Então, Menininha e o vestido para a festa?

- Que vestido?

- O que você vai usar na festa de lançamento? Já decidiu?

- Nem pensei sobre isso ainda, querido... mas acho que já tenho alguma coisa apropriada... Não sou do tipo que precisa de um vestido novo cada vez que vai sair de casa...

- Eu sei que não é, Menininha... mas  não seria melhor irmos até o Jean Paul?

- Amor... mas acabamos de chegar...

- Você me prometeu uma eterna lua de mel... acho que podemos ficar em Paris até o dia da festa... o que você acha?

- Você sabe que eu adoro Paris, não?

- Então... vou ligar para o George V, reservar nossa suíte e o voo... vamos de jato particular?

- Não... prefiro voo de carreira, amor... é melhor...

- Ok... Você marca com o Jean Paul e amanhã vamos ao atelier buscar um vestido novo...

- Meu amor... eu te amo muito, sabia?

- Sei sim... mas eu te amo mais... - disse Jack puxando-a pela mão e beijando-a. - Vou arrumar a cozinha, você não quer ir deitar um pouquinho?

- Quero, mas antes vou te ajudar aqui em baixo e também preciso desfazer as malas e preparar a bagagem que levaremos para Paris...

- Não precisa levar muita roupa, tenho a impressão de que estaremos muito mais nus do que vestidos por lá...

-  Eu tenho certeza disso... - Clara sorriu.

Os dois lavaram os pratos e arrumaram a cozinha e o dia ainda não tinha amanhecido quando terminaram de esvaziar as malas no closet e arrumaram uma mala com poucas roupas para levar a Paris.

- Querido, esta viagem não vai deixar o pessoal da banda irritado?

- Não querida, somos donos da nossa própria vida... e depois quero aproveitar para estar com você antes da cirurgia... Vai ser uma tortura não poder ter você por duas semanas inteiras...

- Meu amor, vem... vamos tomar um banho e deitar um pouco, ainda é madrugada e precisamos nos ajustar ao horário daqui de novo...

- Hum... estava com saudades da nossa banheira...

- Eu também, meu amor...

Os dois tomaram banho juntos na banheira e foram direto para a cama, onde se entregaram ao amor. Depois pegaram no sono e dormiram até o final da manhã, quando acordaram, vestiram-se, pegaram as malas que levariam para Paris e chamaram Khaled para levá-los até Heathcliff Hall.

- Já está esfriando, Menininha... você está bem agasalhada?

- Estou... adoro esse meu casaco de couro, ele é bem quentinho...

- Você está linda hoje, meu amor...

- Ah, querido... adorei a ideia de irmos para Paris... vai ser bom demais passar os próximos dias lá...

- Quero fazer minha Menininha feliz... - Jack sorriu e abraçou-a. - E ainda quero te dar um presente de aniversário, o que você quer ganhar?

- Não sei, amor... já tenho tudo o que eu quero, aqui, nos meus braços...

- Mas eu quero te dar um presente, amor... quer um carro?

- Não querido... ainda preciso fazer aulas de auto escola aqui. Não sei dirigir esses carros com a direção do lado errado... Já sei! Tive uma ideia...

- O que você vai querer então?

- Um par de bicicletas... uma para mim, outra para você... assim podermos passear pela cidade juntos... que tal?

- Ótima ideia! Mas seria um presente para nós dois... eu quero dar uma coisa para você...

- Ah, meu amor... está bem... nós vamos para Paris e eu escolho alguma coisa linda por lá... pronto!

- Perfeito! Você pode escolher o que quiser, Menininha... Eu vou te dar o mundo todo mesmo...

- Não quero o mundo... quero você... - Clara sorriu e beijou-o, enquanto o carro entrava na estrada particular que levava aos portões de Heathcliff Hall. - Engraçado... já estava com saudades deste lugar...

- Eu também... você sabe que eu amo o Dave, não?

- Sei sim... eu também o amo... tudo o que ele fez por aquele lugar, lá na Bahia. Agora eu estou admirando ele ainda mais... Aliás, meu amor... ainda é tão difícil ver vocês como pessoas comuns...

- Mas eu sou uma pessoa comum, quando você me conhecer direito, você vai ver que sou muito pior do que muita gente. Eu não presto, querida...

- Você é um homem maravilhoso, querido... eu sei que o seu passado ainda te machuca muito, mas eu sei também o quanto você é bom e o quanto você me faz bem. Queria muito ser capaz de te mostrar o quanto você é adorável...

- Não sou, não... e você vai descobrir... então olha o Dave ali... vamos descer...

David e Cindy esperavam pelos dois na porta e assim que o carro estacionou, ambos caminharam até ele, sorrindo.

- Velhão! Princesa! Bem vindos! Estávamos com saudades de vocês! - David disse beijando e abraçando os dois. - Então, que tal as férias?

- Foram maravilhosas, David! Cindy, seu marido merece um beijo... - Clara disse abraçando David novamente. - Aquele lugar é maravilhoso graças a você, querido!

- Eu amo seu país, Princesa... eu amo muito aquele lugar e farei tudo o que puder para preservá-lo...

- Poxa, brother... minha mulher... solta... - Jack disse puxando Clara pela mão.

Os quatro entraram na casa rindo muito dos ciúmes de Jack. Na sala de visitas, encontraram Jennifer e Mike, que também os cumprimentaram muito felizes em revê-los.

- Antes de qualquer coisa, precisamos dizer a vocês que estaremos aqui por poucas horas, decidi levar minha mulher à Paris no final do dia de hoje... - Jack disse abraçando Clara. - Ela precisa de um vestido novo para a festa de lançamento.

- A Princesa merece... aliás, merece muito mais do que você pode dar a ela, Velhão... Vocês já sabem como anda a vendagem do disco?

- Não,  estivemos um tanto fora do mundo nos últimos dias, queríamos aproveitar ao máximo nossas férias e nos isolamos um pouco... - sorriu Clara.

- Bem, querida... já estamos no Guiness como o disco mais vendido no dia do lançamento e também devemos receber o disco de diamante, pela vendagem de 4 milhões e meio de cópias só no dia do lançamento, sem contar os downloads diretos, pirataria e pré vendas que ainda não foram computados. - sorriu David. - Já pedimos até uma reunião com o Peters porque achamos que você merece mais dinheiro por sua participação, querida.

- Eu não quero mais dinheiro, David... - Clara respondeu rapidamente. - Não preciso de mais dinheiro...

- Querida, você merece... o David trouxe essa ideia e eu concordei... - disse Mike. - Vamos fazer uma reunião com o Peters na próxima semana. Você concorda, Jack?

- Totalmente... minha mulher merece... sem ela, nada disso estaria acontecendo...

- Até você, Jack? Será que só eu sou contra esta loucura? O disco é de vocês, se ele está vendendo ou não, foram vocês três que o fizeram, queridos... não tenho nada com isso...

- Você é a única razão para a existência desse disco, Clara... você merece... - Jack disse abraçando-a.

- Eles têm razão, Clara... - sorriu Jennifer. - Até na mídia as pessoas reconheceram isso... você já leu as críticas?

- Não...

- Muitos críticos importantes estão dizendo que os fãs da Crossroads devem agradecer você pela volta da banda e pela nova coleção de músicas... Você devia ir dar uma olhada na internet... Sua popularidade está crescendo cada vez mais, desde o lançamento do disco. - Jennifer respondeu.

- Não adianta me olhar assim, Menininha... desta vez não tive nada com isso, são seus amigos que estão falando... - Jack sorriu e beijou a mão de Clara. - Eu apenas estou aqui concordando com eles, você merece receber muito mais dinheiro por esse disco...

- Bem, isso será decidido em uma reunião na próxima semana... - sorriu David. - E já que vocês vão partir hoje para Paris, é melhor irmos almoçar cedo. Tenho muita coisa para mostrar para o Velhão lá no estúdio... Ainda vai demorar muito o almoço, Cindy?

- Não, Dave... está tudo pronto... vamos todos para a sala de vidro?

Clara não quis mais falar no assunto, mas a ideia de receber ainda mais dinheiro pelo disco a assustava. O almoço seguiu alegre, com os amigos atualizando-os em todos os assuntos, inclusive sobre a lista de convidados para a festa e os planos para a viagem de promoção para Nova York que fariam dali alguns dias.

- Ah... vocês não sabem da maior... - disse Michael Silver repentinamente com um tom que lembrou Clara algumas das mulheres que moravam ao lado de sua casa, durante sua infância,  que sua mãe apelidou de "central da CNN". - O Peters e a Ann Kurtiss agora estão vivendo juntos...

Em silêncio, Clara olhou fundo nos olhos de Jack, que  desviou o olhar, deixando-a ainda mais preocupada.

- Deve ser carma mesmo, essa mulher sempre rondando... - Clara sorriu e deu um suspiro profundo.

- Bom, se ela está com o Peters, acho que não vai mais me incomodar... - Jack respondeu, com um olhar que parecia, sem muito sucesso, tentar conquistar a simpatia  de Clara.

- Princesa, não se preocupe, vamos cuidar para que o Velhão não caia na mão dela novamente... estaremos de olho...

- Obrigada Dave... - Clara sorriu um pouco sem graça. - Mas o Jack sabe bem como me sinto sobre essa mulher. Acho que ele saberá ficar longe dela, não é amor?

- Claro, meu amor...

- Então, senhores, prontos para o estúdio? - sorriu David.

- Vamos porque hoje não teremos muito tempo... - Jack respondeu.

- Princesa, precisamos de você também, mas como sei que vocês querem conversar sobre vestidos e sapatos, vamos descer e te chamaremos só quando chegarmos à sua música, ok?

- Ok, David... estarei esperando...

Jack levantou-se da mesa, deu um beijo em Clara e seguiu seus amigos pelo corredor que levava ao estúdio, no subsolo.  Assim que os três desapareceram da vista, Clara, Jennifer e Cindy levantaram-se e foram até a sala de estar. Uma chuva fina batia leve nas paredes da sala de vidro.

- Estou muito nervosa, amigas... eu contei a vocês que peguei o Jack falando com a Ann por telefone há alguns dias?

- Ah querida... sinto muito... - disse Jennifer  - O David não disse para não te irritar ainda mais, mas o fato é que ela vai conosco para Nova York e provavelmente seguirá vocês por toda a turnê...

- O que? Ah... que droga! Ao menos, meu marido estará recém operado e não poderá fazer sexo por pelo menos duas semanas.

- Duas semanas? - Cindy perguntou espantada. - Não era uma semana só?

- O cirurgião explicou melhor para ele, um pouco antes de viajarmos, e ele só me contou há poucos dias... disse que não queria me preocupar, mas acabou me deixando ainda mais nervosa...

- Ah, amiga... fica tranquila... hoje em dia essas cirurgias são fáceis... - sorriu Jennifer. - Mudando um pouco de assunto, você já ligou para o Jean Paul?

- Ainda não... fizemos as reservas do hotel, das passagens, mas acabei esquecendo de marcar com ele...

- Então deixa que eu ligo... enquanto isso, vamos lá no meu closet que eu vou te mostrar o vestido que ele fez para eu usar na festa. Sabe que ele me disse que tinha também um vestido para você, mas não quis me mostrar, aquele bandido...

- Eu tinha pensado em usar aquele vestido de veludo que ele me deu...

- Ah... guarda aquele para o Grammy, querida... - sorriu Cindy. - Eu sei que você não leu nada ainda, mas a crítica está enlouquecida... nunca vi tantos elogios para um disco...

- Eu estou feliz por eles, mas não consigo me sentir bem com essa ideia de receber mais dinheiro por esse disco...

- Mas você não pode negar que é a maior responsável por tudo isso estar acontecendo... sem você, não existiria disco nenhum... - Jennifer respondeu. - Mais do que fazer os três voltarem a trabalhar juntos, você foi a inspiração para todas aquelas músicas lindas... Os rapazes têm razão, você merece ganhar muito mais dinheiro do que já ganhou...

- Preciso pensar... não gosto desta situação, sempre tenho a impressão de que é algum tipo de armação do Jack para me proteger e tirar o dinheiro dos herdeiros legítimos dele para dar para mim...

- Mas não é, Clara... O que o David disse é verdade, a ideia partiu dele e do Mike, o Jack nem sabia nada sobre isso... - disse Cindy, enquanto Jennifer ligava para Jean Paul marcando uma visita de Clara a seu atelier, na tarde do dia seguinte.

- Amiga, ele estará te esperando amanhã, às três da tarde. Me disse que tem exatamente o que você quer, um vestido de estrela de cinema que ele fez para você...

- Que bom!

- Falando em estrela de cinema, eu não conhecia esse coração lindo que você está usando no pescoço hoje... é novo?

- Ah Jen... é novo... ganhei do Jack, na véspera do dia em que fizemos dois meses de casamento... ele me fez uma surpresa tão linda... na praia, debaixo de uma lua incrível... foi inesquecível...

- Hum... acho que vou querer conhecer esse lugar que o Dave tem lá no Brasil... - sorriu Jennifer.

- Ah... tenho umas fotos no meu tablet, vou buscar... você já esteve lá, Cindy?

- Só uma vez... e você tem razão... é um lugar lindo, perfeito para uma lua de mel...

- Seria bom se pudessemos ir para lá... que lindo! O Mike anda meio estranho comigo, meio distante, deve ser pela proximidade da turnê, mas não estou gostando nada do comportamento dele.

- Não liga, Jen... o Dave tem passado as últimas noites no estúdio... há semanas ele só entra na nossa suite para tomar banho...

- O Jack ainda não está assim... quero dizer... nós passamos uma noite inteira falando sobre música com alguns amigos dele lá em Chicago e foi muito emocionante para mim, mas ele esteve o tempo todo do meu lado, para dizer a verdade, ele se revelou como o melhor companheiro de viagem que eu já tive...

- Dá para perceber que vocês voltaram de lá super bem, querida... você está até mais magra... - sorriu Cindy.

- Jura que dá para perceber que estou mais magra? - Clara respondeu preocupada. - Perdi três quilos... mas não queria perder... meu organismo está cada vez mais desregulado, comi até demais, mesmo assim, perco peso...

- Ah... não reclama disso, querida... você tem é muita sorte, se eu quiser perder 1 quilo que seja preciso passar pelo menos uma semana só bebendo água...- sorriu Cindy, fingindo-se indignada.

- Não estou reclamando por isso... é que eu quero engravidar e o médico já me disse que preciso melhorar muito da minha anemia para isso acontecer e sempre que eu perco peso assim é porque minha anemia está piorando, entendeu?

- Calma, Clara... tenho certeza que vai dar tudo certo... - sorriu Cindy.

O celular de Clara tocou avisando a chegada de uma mensagem de texto. - Preciso descer, eles estão me chamando...

- Vamos com você... - disse Cindy. - Vocês me ajudam a pegar umas garrafas de vinho na adega para levar lá embaixo?

- Sim, claro!  Vamos lá vê-los... - sorriu Clara. - É impressionante, mas quanto mais eu fico com o Jack, mais eu quero ficar...

- Nós sabemos, querida... - sorriu Jennifer. - Por sinal, esqueci de comentar, mas parece que o casamento do Jagger com a Gianna não anda nada bem...

- Sério? É uma pena, eu gosto muito dela... - Clara respondeu.

- Ela me ligou de Nova York ontem, disse que eles andavam brigando muito e por isso ela tinha decidido dar um tempo para ela mesma em Nova York.

- Espero que eles fiquem bem... - Clara suspirou. - Vocês sabem que tenho que encontrá-lo em Paris para uma reunião no próximo domingo...

- Vou passar o final de semana em casa, querida... - sorriu Jennifer. - Podíamos sair para umas compras...

- Não posso... volto para casa assim que a reunião terminar, o Jack vai ser operado no dia anterior e  não quero deixá-lo sozinho...

As três passaram na adega, pegaram taças e garrafas de vinho e levaram até o estúdio. Assim que a porta se abriu, Clara caminhou até Jack e abraçou-o.

- Vamos cantar, Princesa? - David disse sorrindo, enquanto trocava sua guitarra por uma acústica. - Mas antes, quero vinho, Cindy...

- Já vou até aí, querido.. - sorriu Cindy.

A versão de "The Light" executada pela banda era mais lenta e melódica. E a interpretação de Jack e Clara ficava mais e mais perfeita a cada vez que cantavam.

- Princesa! O que foi isso? - David perguntou emocionado. - Você voltou ainda melhor...

- Obrigada, Dave... - Clara respondeu secando as lágrimas. - A culpa é de vocês,  dessa música linda que vocês tocam... e deste homem maravilhoso que está aqui, do meu lado...

Jack agarrou-a e beijou-a e logo o ensaio estava encerrado com todos subindo de volta à sala de vidro, onde continuaram conversando e bebendo vinho, em um clima de tranquilidade que não conseguia calar a ansiedade que todos ali sentiam agora.

Todos agora esperavam pela chegada da estreia, quando encontrariam seu público na estrada, mais de trinta anos depois da banda Crossroads anunciar oficialmente seu fim.

Continua

Nenhum comentário: