28 de dez de 2011

Rockstar - Capítulo LXI


Nancy nunca disse nada, mas Clara sentia que sua ideia era tentar fazer uma festa maior e mais bonita do que a de seu casamento. Para ela parecia importante roubar o título de "evento social do ano" que o casamento tinha recebido há menos de dois meses. Além disso, havia um certo mal estar causado pelo fato de Clara ter se transformado no rosto da griffe de Jean Paul, enquanto Nancy preferiu prestigiar a filha de seu noivo, que também era uma designer famosa.

Mas tudo pareceu mais tranquilo na limousine que Clara dividiu com suas amigas Cindy, Jennifer e Patty até o apartamento em que ficariam hospedadas no 16º Distrito.

- Querida, você está tão quietinha desde Nice... - sorriu Jennifer. - Você está bem?

- Estou Jenni... Mas você sabe, não gosto de ficar longe do Jack...

- Clara, foram meus olhos ou ele ficou irritado quando soube que o Mick vinha para cá? - perguntou Patty.

- Temos muitos ciúmes um do outro e às vezes ele fica nervoso quando o Mick se aproxima de mim. Mas consegui acalmá-lo lembrando-o do que aconteceu ontem à noite.

- E o que aconteceu? Vocês não desceram nem para o jantar...

- O que sempre acontece quando estamos sozinhos... mas ontem foi ainda mais lindo do que sempre é... - suspirou.

- É mesmo muito amor... - riu Patty. - Também ainda estão em lua-de-mel. Quando conheci o Keith não saíamos do quarto... foi o único momento da nossa relação em que ele esqueceu completamente a música...

- Só uma coisa, Clara. - perguntou Cindy. - O que foi que você disse para eles naquele estúdio?

- Por que?

- Porque o David comentou durante o jantar, na mesa, que nós deveríamos agradecer a você pela noite que tivemos...

- Nada... - riu Clara. - Só disse que nós eramos como Penélope esperando por Ulisses, com nossos braços abertos...

- Uau! Nada como uma escritora para colocar ideias nas cabecinhas influenciáveis de nossos queridos maridos. - sorriu Cindy. - Queria que você tivesse entrado há mais tempo em nossas vidas.

- Vocês são muito queridas... - riu Clara. - Admiro muito a forma como vocês conseguem levar seus casamentos, de longe, nas sombras, esperando...

- É, querida... já te disse que é difícil, mas acho que vale a pena... - sorriu Cindy.

O caminho do aeroporto até o apartamento de Michael e Jennifer foi demorado e serviu para as quatro conversarem e fazerem planos para o casamento. Chegaram ao apartamento de Jennifer almoçaram e combinaram que sairiam de lá para o atelier de Jean Paul, no final da tarde.

Assim, depois do almoço todas subiram para o jardim de Jennifer, no topo do prédio e ficaram por lá, bebendo champagne e aproveitando para ver Paris ainda sob a luz do sol, mas com a temperatura cada vez mais baixa.

- Você não ia para o Brasil? - perguntou Patty.

- Nós vamos, mas conversamos ontem e decidimos adiar nossa viagem para a semana que vem. O Jack achou melhor ensaiar para a turnê agora e assim, voltamos para o primeiro show. Estou tão ansiosa...

- Você irá cantar com eles, não?

- Irei... e cada vez que penso nisso, entro em pânico... Por isso estou tentando me manter no momento presente. Agora mesmo estou me concentrando em pensar no que usarei no casamento e em aproveitar essa visão maravilhosa dos telhados de Paris para me inspirar e pensar no quanto este lugar é romântico e me lembra do meu amado Jack. - suspirou Clara.

- Vocês não têm jeito... - riu Jennifer. - O Mike me disse que seu marido estava chorando no estúdio agora mesmo...

- Vou ligar para ele. - Clara respondeu pegando o celular com os olhos já marejados. - Amor, você pode falar comigo agora?

- Posso sim... - sorriu Jack. - o David acabou de fazer um intervalo para acertar o equipamento aqui. Está tudo bem?

- Está... mas estou aqui, no jardim da Jenni, olhando para os telhados de Paris e pensando em você...

- Ai Menininha... queria tanto estar com você... Então, vocês vão hoje ao Jean Paul?

- Nós vamos no final da tarde. - suspirou Clara. - Depois vamos ao Cinq para jantar. Estou triste de ir lá sem você...

- Não fica, querida. Logo estaremos juntos e sozinhos no Brasil. Falando nisso, já fiz todas as reservas agora de manhã e na segunda-feira embarcamos para o Rio de Janeiro e de lá, direto para Porto Seguro; o David me ajudou.

- Amor, que bom... - sorriu Clara. - Agora tenho mais uma razão para querer que esta semana voe...

- Ah, querida... eu também... Quero tanto descansar nos teus braços, sob o sol... estou sonhando com isso, meu amor.

- Eu também, querido... - suspirou Clara. - Mas parece que a segunda-feira nunca chegará... Ainda mais agora, que estamos longe um do outro...

- Você quer que eu vá para aí? Você manda, sou seu...

- Não amor... Não precisa... se você fizer isso me sentirei culpada por estar te tirando do trabalho, não quero isso. Vocês precisam trabalhar e eu preciso aprender a ficar longe de você.

- São só uns dias, você vem para cá na quarta, não é?

- Isso, o Mick tem um compromisso em Londres no almoço de quarta e vamos aproveitar a carona no jatinho dele.

- E depois do casamento, seremos só nós dois em um lugar quase deserto... sol, praia e você... não tem nada melhor. Menininha, preciso desligar, o David quer retomar o ensaio...

- Vai lá, amor... mais tarde a gente conversa mais... Te amo, querido...

- Também te amo... beijo.

- Beijo, amor..

Clara ficou mais algum tempo no terraço conversando com suas amigas, mas todas desceram para prepararem-se para ir ao atelier de Jean Paul. Sozinha em seu quarto, ela agora olhava para o pedaço de cristal que Jack havia trazido para ela de dentro da caverna, na ilha particular de Mick, e pensava em como pediria ao joalheiro para montá-lo em um pingente.

Pegou seu caderninho de anotações e desenhou um coração, que ficaria ao redor da pedra e decidiu também que mandaria fazer um anel de rubi para Jack. Queria que ele usasse aquela pedra como uma lembrança da paixão que existia entre eles e queimava dentro de seus corações.

Pronta para sair, ela voltou a reunir-se com suas amigas na sala de estar.

- Vamos ao joalheiro amanhã, certo, Jenni?

- Sim, marquei com ele às 10. Tem alguma ideia de como será esse pingente ou vai deixar que o Jakob o desenhe? - perguntou Jennifer.

- Quero que ele fique dentro de um coração, que desenhei, com umas linhas de ouro na horizontal, fazendo uma espécie de gaiola ao redor do cristal. - disse mostrando seu desenho para Jennifer.

- Bonito... - sorriu Jennifer. - Só não sei se ele vai fazer isso até quarta de manhã.

- Não tem problema. Quero que ele faça também um anel de rubi para o Jack. Quero dar alguma coisa para ele...

- Isso é uma surpresa... - disse Cindy fazendo todas suas amigas darem gargalhadas.

- Ah... vocês sabem... não estou falando disso, estou falando de um presente mesmo... se bem que aquilo também está me fazendo muita falta... - riu Clara. - Mas sobre as jóias, não tem problema, posso pegá-las na volta do Brasil. O anel será meu presente no dia da estreia da Crossroads.

- Nós sabemos que ele te faz falta, querida. Estava só brincando... - sorriu Cindy.

Clara deu um longo suspiro que fez suas amigas voltarem a rir.

- Querida, nós sabemos. - sorriu Patty. - E se seu marido for só a metade daquilo que aparenta ser quando está no palco, você está coberta de razões para sentir saudade dele, mesmo tendo-o visto hoje de manhã...

- Ai Patty, ele não é a metade, ele é muito mais do que aquilo que aparenta no palco e sim, não vejo a hora de estar novamente com ele.

- Querida, não faça propaganda dele assim tão abertamente... - sorriu Patty. - Suas amigas podem ficar curiosas e querer experimentá-lo...

- Confio em minhas amigas, Patty... São como minhas irmãs agora e sei que jamais fariam algo assim, por mais curiosas que fiquem.

- Não sei... para mim nunca é possível ter certeza total em coisas que envolvem dinheiro e sexo. O ser humano é muito estranho. Não espalhem, mas quando comecei a sair com o Keith, o Mick não me deixava em paz. Se o Keith soubesse as coisas que ele fazia para mim, acho que o Mick não estaria mais vivo...

- Isso me preocupa. - disse Clara. - Gosto muito do Mick, mas essa mania de conquistador dele me deixa muito nervosa e o Jack fica morrendo de ciúmes... Já brigamos várias vezes por causa disso...

- Você precisa tomar cuidado então... Já percebi que você é a nova "favorita" dele. - sorriu Patty.

- Vamos indo? O motorista já está na porta, vamos ao atelier do Jean Paul e depois nos encontraremos com o senhor Jagger para jantar no Cinq... - sorriu Jennifer.

- Então vamos... - sorriu Patty. - Clara, suas botas são lindas...

- São do Nicoló, Patty. - disse Jennifer - vamos lá amanhã, fica pertinho do atelier do Jakob e tem as botas mais bonitas de Paris.

- São lindas mesmo, aliás, Clara, as roupas que você tem usado são incríveis. Aquela capa da Vogue não foi tão gratuita assim, não... - disse Patty.

- A Jennifer me ajudou muito nisso. Para ser sincera, não entendo nada de moda, roupas, sapatos... Mas agora, além da ajuda dela, tenho vontade de me sentir bonita, para meu Jack... me visto sempre pensando nele.

Depois de algumas horas comprando as roupas que usariam no casamento e muitas mais, as quatro amigas estavam livres para o jantar. Mick e Gianna, chegaram ao mesmo tempo e fizeram a alegria de dois paparazzi que estavam de plantão na porta do restaurante.

- Queridas! Tive um dia daqueles, mas estou muito feliz porque consegui tudo o que queria e agora desejo comemorar com muito champagne. - disse Mick quando o grupo ainda entrava no restaurante, caminhando atrás do maitre.

- Mick, fico feliz por você, mas não sei se devo... - sorriu Clara. - Meu marido está muito longe hoje para me resgatar, se me exceder... Então, melhor me comportar.

- Querida senhora Noble. - disse Mick pegando sua mão e a beijando. - Por favor, me perdoa... Ainda não sei direito o que me levou a beber tanto naquele dia.

- Já perdoei, Mick. Tenho muito carinho por você e adorei o final de semana que nos proporcionou, a mim e a meu amado Jack, naquele seu incrível castelo.

- A todos nós, Mick. - interrompeu Cindy. - Foi tudo maravilhoso, seu castelo é lindo...

- Lutei por muito tempo para conseguir comprar aquele castelo e muito me alegra que ele seja de seu agrado, minhas caras. - disse Mick com os olhos mergulhados nos olhos de Clara. - Assim que as coisas estiverem mais tranquilas podemos passar uma temporada ainda maior por lá, todos nós... que tal senhoras?

- Seria ótimo. - respondeu Jennifer.

- Sim, seria ótimo. - disse Clara. - Mas na prática ainda vai demorar algum tempo. Eu e o Jack vamos para o Brasil na segunda-feira e só voltamos às vésperas do início da turnê.

- Querida, isso é maravilhoso. - disse Mick. - Esse é um ótimo jeito de esquecer a estreia e pensar em coisas melhores do que o medo de subir no palco pela primeira vez.

- Não sei sobre isso, Mick. - sorriu Clara. - Ainda estou muito preocupada....

- Mas não fique! Você é uma estrela, nasceu para isso... O Keith tem o melhor par de ouvidos que conheço e ele me disse que está apaixonado por sua voz, quer até compor para você, querida.

- Obrigada Mick. Você é sempre muito gentil comigo, mas tenho tanto medo de subir no palco e ficar paralisada que tenho até pesadelos com isso...

- Mas isso não irá acontecer. Você, no palco, é como uma luz, um sol, esperando apenas o momento de amanhecer... - sorriu Mick.

- Verdade Clara. - interrompeu Gianna. - Fiquei toda arrepiada quando te ouvi cantando no castelo. Foi lindo!

- Obrigada Gianna. - ela respondeu, com os olhos começando a encher-se de lágrimas. - Vocês são muito gentis comigo e isso me deixa muito feliz!

- Dá para ver, Clara. Você está brilhando... quando anda, parece que está a vários centímetros do chão. - sorriu Cindy.

- Bem, acho que isto é obra do Jack. - sorriu Clara. - Desde que estamos juntos, não consigo parar de sorrir.

Depois do jantar, a noite seguiu com mais champagne no apartamento de Jennifer; mas assim que Mick e Gianna foram embora para seu hotel, Clara disse às amigas que estava cansada e foi para seu quarto. Queria falar com Jack, mas não se sentia a vontade para ligar, por isso, pegou seu notebook para tentar distrair-se.

Continua

Nenhum comentário: