26 de dez de 2008

A CHAVE (capítulo VIII)


A ansiedade de Ana era tão grande que a longa viagem de trem de Paris a Saint Jean Pied de Port quase não foi sentida.
As paisagens pareciam passar depressa demais pela janela, campos verdes, grandes montanhas azuis, animais em imensos pastos, aos seus olhos não eram mais do que manchas de tinta em uma imensa tela.

Abraçada ao caderno, ela só estava concentrada naquilo que estava por vir. Tão concentrada por sinal, que mal notou o movimento enorme e barulhento de turistas na pequena estação de trem onde desembarcou.

Andando por ruas que mais pareciam um cenário de algum filme sobre a Idade Média, ela só percebeu que as coisas seriam ainda mais complicadas do que ela esperava quando começou a ouvir música tocando ao longe.

Na tal praça principal, cenário em que esperava ver apenas alguns poucos turistas e mochileiros iniciando a peregrinação para Santiago de Compostela, uma multidão multicolorida dançava ao som hipnótico de DJs.

O volume parecia fazer tremer as pedras das antigas construções ao redor e por um momento, Ana sentiu-se tão desamparada que chegou a considerar retornar para a estação de trens e fugir dali naquele mesmo momento.

O pior é que ela nunca gostou de multidões, sentia-se mal quando tinha que enfrentá-las já que vivia em uma grande cidade e elas acabavam aparecendo sempre em seu caminho, apenas procurava evitar estas ocasiões.

Sentia que deveria atravessar a grande praça para chegar a um café com mesas na calçada, que ficava do outro lado, onde as coisas pareciam um pouco mais tranquilas.

Foi pelo fundo, atrás da multidão e bem lentamente. Ao chegar, sentou-se em uma mesa e pediu um refrigerante, enquanto esperava, tentava observar atentamente cada uma das pessoas, procurando algo de familiar nelas, já que Josef havia escrito que ela reconheceria seu mestre de imediato.

Enquanto ela buscava um olhar na multidão, uma explosão próxima ao palco, fez com que a multidão começasse a correr em todas as direções. Ela nem sabe muito bem o que aconteceu, mas o fato é que no espaço de alguns segundos, tudo escureceu.

Continua

2 comentários:

srtª Monjardim disse...

aaaaah, você me deixa curiosaa!
quero maaais! OIHEOIHEOIHEOIHE'
tá ficando emocionantee. mais
uma vez, parabéns pelo modo como
escreve!

Compondo o olhar ... disse...

vc escreve muito bem!!! parabens....continue assim!!!

sucesso!!!

aguardo sua visita.
abraços