23 de fev de 2008

Encontro às Escuras


Minha história talvez seja a mais comum das histórias...

Meu nome é Carolina, meus amigos mais intimos me chamam de Carol.

Tenho 25 anos, sou solteira, moro sozinha há 2 anos, sou executiva em uma multinacional e tenho uma vida financeira estável.

Falo vários idomas, o inglês, frânces, espanhol, alemão e português e já conheci vários paises do mundo por conta do meu trabalho.

Meu maior defeito?

Meus amigos os conhecem bem, mas creio que o maior gerador de reclamações tanto de minha familia, quanto deles seja minha falta crônica de tempo. Sou o que chamam de Viciada por Trabalho, fico no escritório das 8 da manhã as 11 da noite, do meu apartamento luxuoso na avenida Paulista só conheço dois cômodos: a cama onde durmo e o chuveiro onde tomo banho antes de sair para trabalhar todos os dias.

Minha vida amorosa é um fracasso, meus ultimos relacionamentos afundaram num lamaçal de brigas homéricas, sempre o mesmo motivo ouvi dos meus namorados:

- Você só pensa em trabalho! Assim não dá!!! Quero terminar tudo.

Sempre dei prioridade ao meu trabalho e se todos eles não podiam entender as exigências de minha profissão, paciência! Era mais fácil eu trocar de namorado, do que eu largar meu emprego!

Depois de ouvir mais e mais reclamações de meus amigos, resolvi aceitar a idéia maluca de Mário, executivo sênior e meu amigo há 3 anos, que me falou muito de um amigo seu que estava solteiro e queria que eu saisse com ele tipo um encontro às escuras (blind date).

Tudo começou em um almoço na seguda-feira...

- Carol, desculpe a pergunta indiscreta...Mas você ainda está solteira?

- Sim, Mario! O de sempre! Não tenho tempo pra namorar...você sabe!!!
porque o interesse?

- Já te falei daquele meu amigo, ele também está solteiro! Ele levou um "pé na bunda" da ex há uns 6 meses e está precisando conhecer uma moça bonita e inteligente como você. Posso marcar um encontro entre vocês dois? Topa?

- Mário agradeço sua preocupação com minha vida sentimental, mas esse tipo de encontro às escuras nunca me atraiu.

- Vai por mim Carol, esse meu amigo é muito boa pinta, você também não é de se jogar fora, acho que irão se dar muito bem.

O bichinho da curiosidade começou a me coçar e aceitei o convite para esse encontro às escuras.

- Se ele for feio, juro que despeço o Mário da empresa! - falei alto já no escritório.

- Despede quem Carolina? - perguntou meu chefe.

- Nada, nada! Estava só aqui pensando alto.

- Não sendo eu, você pode despedir quem você quiser! - respondeu cinicamente meu chefe.

Meu chefe nunca perdia uma piada e não seria agora que iria ser diferente.

- Engraçadinho!- me limitei a responder e me enfiei de cabeça no trabalho.

Quando sai da empresa já eram quase 22:20 da noite.

Como eu poderia ser tão irresponsável? Esqueci do encontro com o amigo do Mário!

Meus amigos tinham razão, eu só tinha cabeça pra negócios.

Ainda era tempo de tentar remediar a situação, peguei o celular e liguei para o Mário explicando que havia esquecido do encontro.

- Carol, meu amigo ficou te esperando no restaurante por 2 horas!!!

- Mário, por favor, não seja dramático e não me faça me sentir mais culpada do que já me sinto!!!

- Mas você tem que aprender a ser responsável Carol! Quando você vai ser prioridade em sua própria vida?

- Mário, não vem com sermão!!! Se eu quisesse ouvir um, iria procurar um padre!

- Carol, vou quebrar seu galho dessa vez! Vou ligar pra ele e avisar o ocorrido e vou remarcar outra data e local para ambos se encotrarem. OK? Pensando bem...Não é sabado agora aquela festa à fantasia da empresa?

- Sim, é nesse sábado, no Garden Hotel!!!

- Ótimo, nada melhor que uma festa à fantasia para ambos se encontrarem!!!

- Mas como eu vou saber quem ele é? - indagou Carol curiosa.

- Não se preocupe, vou descobrir a fantasia que ele vai e te aviso
antes de sábado.

- Com qual fantasia você vai?

- Vou de Odalisca!!

- Nossa! Quanta originalidade! - argumentou Mário em tom de brincadeira.

A semana voôu, sábado chegou rápido, tirei folga, era a primeira vez em 2 anos que eu tirava folga na empresa aos sábados, fui para o Salão fazer unhaS, cabelo e parte da maquiagem para a festa à fantasia. Mário conforme me prometera me ligou na quinta avisando que seu amigo misterioso iria a festa vestido de Zorro.

- Zorro? Tem certeza Mário?

- Sim, acabei de falar com ele!!!

- Mário antes que você desligue preciso te falar uma coisa!!!

- Fale Carol, sou todo ouvidos.

- Se esse teu amigo for feio, te coloco no olho da rua. - disse em tom de brincadeira.

- Calma Carol!! Pode ficar tranquila que o cara é boa pinta, aposto q você irá se apaixonar por ele.

- Está bem Mário! Estou confiando em você!

- Pode confiar! Até a noite linda odalisca!

- Até a noite, Popeye!

Sim, Mário iria a festa vestido de Popeye e essa eu não perderia por nada.

Peguei um táxi vestida de Odalisca na porta do meu prédio, recebi cantada de vários homens que passavam na Paulista em direção aos Jardins a badalada noite paulistana.

Eram 21 horas eu já estava na porta do Garden Hotel, Mário me aguardava, ou melhor Popeye e uma Olivia Palito versão High-Tech me aguardavam na porta. Eu sei que era falta de educação, mas não pude deixar de rir de ver meu amigo com aquela roupa ridicula de marinheiro, achei melhor não comentar, mas sempre detestei o desenho do Popeye desde criança.

- Você está linda Carol! É um das mulheres mais lindas dessa festa! -
me elogiou Mário. Quem não curtiu muito o comentário foi sua Olivia Palito versão moderna.

- Obriga Mário! você também está muito bem nessa fantasia! - menti.

- Meu amigo não deve tardar, Carol! Quando ele chegar, vou pedir
para ele procura-la, não se preocupe!

- Ok, Mário! estarei esperando por Zorro lá dentro.

Sai apressada em direção ao toilette, aquele tempo todo parada no trânsito
foi cruel comigo, ajeitei a maquiagem, dei uma ultima puxada no meu
bustier e estava pronta para a festa. Lá no fundo eu me sentia meio
ridicula em estar fantasiada daquele jeito e me sentia uma adolescente esperando o namoradinho chegar no baile.

Já eram mais de 22 horas e nada do Zorro chegar, fiquei ali batendo papo com a Múmia e o Drácula, ambos sócios e donos do hotel onde estava sendo realizada a festa. Avistei Mário no fundo do salão e fui saber noticias de Zorro.

- Carol, o meu amigo já devia estar aqui! Vou ligar pra ele.

- Está bem Mário! Quando ele chegar, me avise!

Nem mais 20 minutos passaram e lá estava Zorro a menos de 100 metros de distância, de capa e chapéu, ele estava falando com Mário, ambos agora apontavam em minha direção.
Por causa do chapéu e da Máscara eu não conseguia ver direito seu rosto, mas percebi que ele era alto e tinha o queixo mais lindo que eu já vira em um homem.

- Não é que aquele filho da mãe disse a verdade - pensei alto.
- O Zorro parece ser homem lindo!

Sem me dar conta quando percebi Zorro estava em minha frente, beijando
minha mão, por causa do barulho não pude entender seu nome direito.
Para ser educada, fingi que ouvi e falei sem que ele perguntasse.

- Meu nome é Carol e trabalho com o Mário!

- Carol, usted é a mujer mais linda dessa festa!

Não sei se entendi direito, mas seu sotaque parecia espanhol, ou melhor era um portunhol meio estranho. Será que fazia parte de sua fantasia? pensei.

- Vamos dançar um pouco linda Odalisca?

- Vamos sim!

Gentilmente ele me conduziu a pista e dançamos por hora agarrados, para piorar minha situação, além de lindo, gentil e educado e ainda era muito cheiroso, eu já estava ficando apaixonada sem sequer
ainda ter visto seu rosto. De repente o alarme da razão disparou em minha cabeça e senti medo de me apaixonar por uma pessoa estranha, melhor era logo cortar o mal pela raiz, pedi licença para ir ao toilette, sai pelos fundos sem ser notada, peguei um táxi e fui correndo pra casa.

Fora a melhor decisão que eu poderia tomar, me troquei de roupa, tomei
um banho e em 20 minutos eu já era a Carol novamente, a Odalisca tinha
ficado no baile.

Resolvi ligar um pouco a TV para me distrair e fui interrompida pela
campanhia, pensando em ser o porteiro, atendi, já que ele tinha ficado de
passar lá no sábado para me trazer uma chave extra.

- Já vai! - gritei sai correndo e atendi a porta sem sequer ter o cuidado
de olhar pelo olho mágico.

Mas quem estava ali na minha frente não era o José, o porteiro do meu prédio, mas sim Zorro em pessoa, que ficou parado me olhando sem dizer nada por alguns minutos.

Sem pronunciar uma palavra, Zorro me tomou em seus braços e trocamos
um beijo longo, profundo, intimo, onde nossas linguas e nossas almas
se encontraram.

Zorro me empurrou delicadamente pra dentro de apartamento, me tomou
em seus braços e me levou para o meu quarto, fizemos amor por horas, exausta peguei no sono e acordei com os primeiros raios da manhã.

Assustada lembrei dos últimos acontecimentos e pulei na cama a procura dele, agora eu poderia ver o seu rosto com toda a luz da manhã.
Mas na minha cama nem sinal dele, ele também não estava no banheiro, nem na cozinha, nem na sala, Zorro havia desaparecido.
Isso nunca me acontecera antes, me sentir assim tão atraida por um homem a ponto de fazer amor com ele no primeiro encontro. Dançamos tão agarrados que era óbvio que a atração fisica entre nós dois era muito forte, mas isso tinha passado dos limites e eu não permitiria que acontecesse novamente, minha vida romântica estava encerrada ali, iria ter um papo muito sério com Mário e lhe explicaria toda a situação.

Algumas memórias iam e vinham em minha cabeça, mas acho que ouvi dizer naquele mesmo sotaque portunhol:

- Te amo! És linda!

Devo estar variando da cabeça, ele deve ter feito esse sotaque somente para enriquecer sua fantasia, mas não precisava ido tão longe a ponto de me dizer isso na cama.

Definitivamente Zorro a partir de agora estava fora de minha vida.

Segunda-feira e tudo tinha voltado ao normal em minha vida, 8 da manhã
eu já estava em minha sala, pendurada no telefone com Londres, problemas
e mais problemas com a filial de lá.

Fui almoçar as 4 da tarde e Mario me seguiu até o refeitório, era óbvio que ele estava louco para saber como tinha sido meu final de semana com Zorro.

- Desembucha Carol! O que aconteceu entre vocês dois?

- Por que você não pergunta para o seu amigo? - respondi.

- Vocês brigaram?

- Não exatamente, mas ele veio na minha casa e aconteceu o que você esperava que acontecesse, mas de manhã ele havia desparecido. Nem sei sequer sei o seu nome.

- Não acredito que você não sabe quem ele é! - disse Mario indgnado.

- Como assim não sei quem ele é? -perguntei curiosa.

- Mas ele foi a tua casa e você não viu o seu rosto?

- Estava escuro, não vi direito.

- Bom...se ele não te contou quem é, não serei eu que irei estragar a fantasia do meu amigo Zorro.

- Mário, para de ser amigo da onça e me diz o nome dele.

- Bom..acho que posso te dizer o primeiro nome dele.

- É Jake.

- Bonito nome! Mas por que todo esse suspense??

- Um dia você entenderá, Carol! Meu amigo adora surpresas.

- Bom...Já que você começou essa conversa, eu irei aproveitar a oportunidade para te dizer que não quero mais me encontrar com teu amigo Zorro. Minha vida já está bagunçada demais e você sabe que não tenho tempo para arranjar um namoro complicado agora.

- Isso tudo é desculpa, porque você se apaixonou por ele e não quer admitir, não é?

- Não nego que senti uma atração muito forte, mas daí a dizer que estou apaixonada, já é delirar muito!

- OK Srta Carol ocupada! Irei dar o recado ao meu amigo, mas não espere que ele vá cumprir, porque quando ele se interessa por uma mulher ele faz de tudo para conquistá-la.

- Mário, por favor, não brique com isso!

- Pode ficar tranquila! Vou falar com ele!

O resto da semana transcorreu normalmente, correrias, prazos, noites insones, mas tudo dentro de minha rotina de trabalho.
Eu não havia mais pensado em Zorro, também não tivera tempo pra nada, algumas vezes memórias iam e vinham, seu pefume ainda não saia da minha memória.

- Concentre-se Carol! Concentre-se no trabalho! - falei alto pra mim mesma.

Não sei se inventei uma nova técnica de desapaixonar, mas fato é que consegui me concentrar no trabalho e não pensei mais em Zorro.

Mais um sábado em casa, rotina, sair pra fazer mercado, unhas, cabelo, alugar uma pilha de DVDs, encomendar pizza, banho, pijama, TV e cama.

Mal cheguei em casa e já havia encomendado a pizza, quando a campanhia tocou, peguei 20 reais na carteira e fui atender a porta, mas quem me espera com a pizza na mão não é o motoboy da Pizzaria da frente, mas Zorro em pessoa, dessa vez de calça de couro preta, camisetinha preta agarrada, brações enormes a mostra e a máscara que lhe era típica.

- Olá, Nena! Entrega de Pizza a domicilio!

Fiquei tão chocada com a cena que nem conseguia falar, ou sequer me mexer.

- Como você conseg...Como você veio parar....? - foi o máximo que consegui
dizer.

Sem dizer mais nada, Zorro me tomou em seus braços e nos beijamos ali mesmo, a pizza, o meu dinheiro foram pro chão, a urgência em fazer amor era tanta que deixamos a porta aberta, ele arrancou
minha blusa, tirou minha saia e me empurrou pro sofá. Eu puxei a camiseta dele de lado e comecei a beijar cada centimetro de seus brações, de seu tórax, estavamos ficando loucos de desejo. Quando fiz menção de puxar sua máscara, delicadamente ele tirou minha mão.

- Ainda não!

Perdemos completamente o controle e fizemos amor por horas, adormeci no sofá, acordei era mais de 3 hs da manhã, assim como no primeiro encontro, ele se fora sem deixar vestigios.

O que ele estava pensando que eu era? Uma garota qualquer a que ele poderia usar e abusar do jeito que quisesse?
O que será que está havendo comigo? Quando ele estava na minha frente, ele exercicia total fascinio sobre mim que eu não conseguia me controlar,não conseguia dizer NÃO. Acho que estou pirando, preciso procurar um psicólogo urgente.

Fechei a porta, recolhi a bagunça do corredor e limpei o carpete, havia molho e pedaços de pizza pra todo lado, seria uma encrenca dos diabos se o sindico pegasse aquela sujeira.

Tomei um banho, coloquei meu pijama e dormi como um anjinho.

Domingo, eu não tinha nada pra fazer, aliás os domingos sempre me incomodaram, não estou acostumada a não fazer nada, pra mim era uma verdadeira tortura ficar parada.

Aceitei o décimo convite de Mario para almoçar em sua casa, coloquei um vestidinho de alças estampado de florzinhas que eu gostava, sandálias altas, óculos escuros, peguei um táxi em direção a Lapa, onde ficava a casa do meu amigo.

Logo fui recebida por Mario e sua nova namorada que depois reconheci ser a
Olivia Palito high-tech da festa, quando ela me viu fez uma careta meio estranha, mas logo depois mostrou-se educada.

- Carol, essa é minha namorada Olivia!

- Mário, eu sei que ela é a Olivia Palito da festa, não precisa envergonhar a moça assim.

- Não Carol, o nome dela de verdade é Olivia!

- Apertei sua mão num gesto de cordialidade!

O almoço estava divino, arroz de ervas, salmão ao molho de maracujá e a
sobremesa um lindo manjar feito pela Olivia Palito.

Fomos pra sala ver DVD, ele queria me mostrar o novo DVD do Jake Willians que ele tinha comprado, era um show da nova tour, gravado ao vivo em sei la qual cidade dos EUA.

- Eu não sabia que você gostava de Jake Willians! - comentei sarcasticamente.

- Nossa! Sou super fã de música latina e acho que o Jake manda muito bem! Não é amor? - perguntou para a Olivia.

- O Mário adora música latina, no niver dele dei pra ele de presente um DVD do Santana.

- Santana eu gosto! - comentei.

- Carol, você não gosta do Jake Willians? - perguntou Mário me olhando com uma cara que nunca tinha visto antes.

- Eu acho ele lindo, maravilhoso, canta muito bem! Mas ai a dizer que sou fanática por ele, ai eu estaria mentindo. - fui sincera.

- Está bem... - disse Mário mordendo o lábio - ele fazia essa cara quando queria rir e não podia, só não entendi o que era tão engraçado.

- Mário, te conheço bem...Por que essa cara?

- Qual cara? - se fez de desentendido.

- Essa cara de quem quer rir, mas está disfarçando.

- Bobagem sua, Carol! - ele queria mudar de assunto.

- Você fez essa cara quando eu falei do Jake Willians...O que é tão engraçado?

- Nada, nada, Carol!

O dia foi agradável, mas ja eram quase 9 da noite e eu tinha que voltar pra casa, tinha ainda um relatório para terminar pro dia seguinte.

Cheguei em casa e notei a porta aberta, fui entrando devagar, sem fazer barulho, tudo parecia no lugar. Será que estou tão esquecida e deixei a porta aberta? Não dei muita importância e acendi a luz da sala, deixei minha bolsa no sofá e fui tirando já o vestido em direção ao
quarto, mas quando passei pela porta, um caminhão me atropelou no caminho, dois braços enormes que eu bem conhecia seguraram minha cintura, sua bocapasseava no meu pescoço em idas e vindas como uma dança perigosa.

- Olá, meu amor! Sentiu saudades?

Agora estava disposta a lutar, quem esse homem pensava que era pra entrar assim em minha casa?

Afastei suas mãos e consegui me livrar dele...

- Não senti saudades coisa nenhuma! Saia da minha casa! - procurei ser bem enfática.

- Mentira, nena! você me quer, assim como eu te quero...Posso ver em seus olhos!

Além de tudo ele era advinho, como ele descobriu cada pensamento meu, mas não importava eu estava disposta a reagir.

- Jake, teu nome é Jake, certo?

- Pedi para o Mario te dar um recado, de que eu não te queria mais na minha vida.

- Si, meu nome é Jake, nena! O Mario me deu o recado, mas saiba que não estou disposto a me afastar de você!

- Se você não se afastar, irei chamar a policia!

- Não seja tão dramática, nena! Eu sei quando uma mulher me quer.

- Além de tudo, é pretencioso!

- Olha bem pra mim e me diz que não me quer!

- Eu...Eu...Nã....

- Tá vendo, nena! você não consegue mentir.

Não consegui terminar a frase, Zorro me agarrou novamente, tiramos nossas roupas como se nossas corpos queimassem num fogo eterno, fomos nos beijando pelo caminho, ele me pegou no colo e me colocou em cima da mesa do meu escritório, papéis, relatórios voaram pelo chão, cadeiras,
todo meu trabalho agora parecia sem sentido perante aquele desejo louco
que nos consumia.

Eu estava louca, apaixonada, fora de controle, agarrei sua cintura com minhas pernas, era como se eu quisesse te-lo para sempre dentro de mim, enquanto ele se perdia em meus seios, me dizendo palavras que me levavam a loucura, o sotaque portunhol aumentava seu charme.

Passado a febre do desejo, ficamos apenas abraçados por algum tempo, ele me beijava delicadamente.

- Por que você quer me tirar de sua vida?

- Pelo simples fato que não sei nada a seu respeito, nem essa máscara você me deixou tirar.

- Acredite, na hora certa, você saberá tudo ao meu respeito. Pode confiar em mim, sou um homem de bem!

- Eu devo estar mesmo ficando louca mesmo.

- Você é espanhol, mexicano? Porque você tem um sotaque forte espanhol?

- Sou Boricua, moro em Miami.

- Boricua? Onde fica isso?

- Descubra por si mesma, querida!

- Por que tanto mistério?

- Porque você é a primeira mulher que se interessa por mim, sem saber quem eu sou, você conheçe apenas o homem.

- Você é da máfia? É testemunha protegida pela policia, ou algo assim?

- ha ha ha! No, nena! Soy um homem de bem.

- Por agora é tudo que tem que saber ao meu respeito, na hora certa, você saberá.

- E quando será essa hora?

- Quando você estiver preparada, sinto que ainda você não está totalmente preparada para a verdade.

- Se me permite, me voy agora, nena! Quando você menos esperar, voltarei!

- Mas eu ainda não desisti da idéia de ter você fora da minha vida.

Ele me calou com o dedo indicador e me disse algo que me fez pensar o dia inteiro.

- Não posso sair de tua vida, porque estou completamente apaixonado por
você!

Tudo seria maravilhoso se não houvesse todo esse mistério, ai me lembrei
dele falando algo sobre boricua, eu precisava descobrir o que era isso,
peguei um táxi e fui correndo pra casa, entrei voando, joguei minha bolsa em cima da minha cama e liguei o micro. A Internet sempre me quebrou altos galhos, agora iria mais uma vez resolver meu problema, digitei a palavra boricua na busca, e o resultado foi estarrecedor:

Boricua is a word sometimes used to denote a Puerto Rican or a person
of Puerto Rican descent. It is derived from the Taino name for the
island of Puerto Rico, Boriquén.

Boricua é uma palavra algumas vezes usada para denotar um porto-riquenho
ou uma pessoa descendente de porto-riquenhos. É derivadio do Taino, nome dado para a ilha de Porto Rico, Boriquén.

- Então era esse o mistério, ele é de Porto-Rico. Mas por que será que ele faz todo esse mistério por causa disso?

Não conseguindo me conter, peguei o telefone e liguei para o Mario
no escritório e contei da minha última descoberta a respeito de seu amigo Jake Zorro.

- Mário, teu amigo é porto-riquenho? Por que todo esse mistério por causa disso?

Mário ficou mudo alguns minutotos, depois caiu numa gostosa gargalhada.

- Carol, Carol...Você não sabe quem ele é?

- Eu deveria saber? Já estou desconfiando que ele é algum fugitivo da policia e não quer ser reconhecido.

- Nada disso Carol, ele e um cara decente...Bom..se ele não te contou, não sou eu que irei estragar a surpresa. Espere o momento certo e você saberá.

- Engraçado, ele me disse a mesma coisa...Por acaso o Jake andou falando com você sobre nosso último encontro?

- Não vou falar mais nada, Carol...Espere ele lhe revelar...OK?
Juizo nessa cabecinha e pare de pensar bobagens. Descanse ao máximo hoje que você está precisando e amanhã conversaremos melhor na hora do almoço.

- Promete mesmo que vai conversar comigo sobre ele?

- Claro que vou! Descanse bem e até amanhã!

- Até Mário!

1 mês se passou desde o último encontro entre Carol e Zorro, ele
simplesmente desapareceu sem dar mais noticias, na cabeça dela
isso significava que ele tinha entendido o recado e saido fora
de sua vida. Se isso por um lado a consolava porque ela não queria
complicações em sua vida emocional, por outro, ela estava
desapontada, parecia que ele tinha levado uma parte dela com ele.

- Melhor assim! pensou Carol alto enquanto esperava uma ligação
internacional do presidente de uma das empresas que fecharia um
contrato de publicidade.

- Melhor assim o que? - responderam do outro lado da linha.

- Sr Alberto? - perguntou Carol ficando aboslutamente sem graça
quando viu que tinha falado alto.

- Sim, sou eu Srta Carolina...Melhor assim o que? - perguntou Alberto.

- Desculpe Sr Alberto, eu estava falando com a secretária pouco
antes do Sr atender o telefone, ela me mostrou dois tipos de papéis
de parede novos aqui para o escritório e eu estava dando palpite
na escolha e foi quando o senhor atendeu a ligação. - mentiu Carol.

- Espero que já tenha decidido por um deles - satirizou Alberto.

A ligação foi demorada e cheia de detalhes a serem resolvidos a respeito
do contrato, mal Carol colocou o telefone no gancho e ele já começou a tocar
novamente, pensando ser novamente Alberto, ela já atendeu a ligação
continuando o assunto onde pararam.

- Sr Alberto! Então está fechado, marcamos a reunião para quinta-feira.
OK?

Enquanto isso do outro lado da linha...

- Quinta agora? Pra mim está ótimo, nena! Se você chama aquilo que fazemos
quando estamos juntos de reunião, para mim está ótimo, podemos
nos reunir em sua casa! - disse "Zorro" caindo numa gostosa gargalhada.

Carol estava completamente sem graça com o telefonema, tinha sido
pega de surpresa e estava vermelha que nem um tomate agora.

- Ah...Desculpe sobre o assunto da reunião, é que eu estava falando
com um cliente da empresa e achei que fosse ele que estivesse ligando
para confirmar a data da reunião.

- Eu entendi, querida! Estou brincando com você...Quero saber quando nós
iremos fazer nossa "reunião" particular? -perguntou Zorro com voz
de safado.

- Achei que você não quisesse me ver mais, Sr Zorro de Porto Rico!

- Ah...Então você descobriu onde nasci, nena? Como descobriu?

- Internet, baby!!!

- Você é chegada nesses bate-papos? - perguntou Zorro
muito curioso.

- Não, uso apenas a Internet para coisas úteis. - respondeu Carol
sendo irônica.

- E encontros marcados por bate-papo não te interessam?

- Não, eu nem entro nesses bate-papos, acho perda de tempo.

- E MSN? você usa, nena?

- MSN eu uso porque é útil no meu trabalho!

- Então leia as mensagens de seu MSN agora!!!

Carol olhou a tela de seu laptop e viu uma mensagem de
Zorro latino piscando:

Querida nena, vamos nos ver essa noite? (dizia a mensagem)

Carol ficou pensando uns minutos, no inicio pensava em não
encontra-lo mais, mas agora a tentação era grande.

- Por que não responde minha mensagem? - perguntou Zorro impaciente
no telefone.

- Porque estou pensando se quero te ver novamente...

- Eu sei que você quer, nena! Eu também quero...- disse Zorro provocando.

Ela digitou a resposta:

Sim, essa noite, 22 horas na minha casa...Combinado?

- Sim, 22 horas estarei em sua casa.

Como de habitual desligou o telefone e saiu do MSN...Ele era sempre
muito rápido no quesito sair fora da situação.

O dia custou a passar, Carol contava cada minuto para que a noite logo
chegasse e ela pudesse reencontrar Zorro.

Para seu total azar, houve uma pane na rede de computadores do
escritório e todo o contrato e todo planejamento para a próxima
reunião com o grupo que o Sr Alberto representava se perdeu em
seu computador e Carol teve que ficar no escritório até quase meia-noite
redigindo novamente um novo esboço das idéias que seriam
apresentadas na reunião de quinta em seu laptop, assim nem tudo
estaria perdido.

Pensou que Zorro não esperaria por ela duas horas seguidas na porta
de seu apartamento e voltou para casa completamente desanimada e esgotada.

Estacionou o carro, pegou o elevador e subiu, cada andar
parecia demorar 10 anos para passar, chegou em seu andar e
para sua surpresa notou que a porta do seu apartamento estava aberta.

- Preciso vereficar se as portas estão trancadas quando saio de manhã,
agora ando com essa mania de deixar a porta aberta. - pensou.

Devido ao cansaço, praticamente ela se jogou dentro do apartamento, ela
só queria um chuveiro quentinho e cama. Pegou uma toalha, camisola limpa
no closet e um par de chinelinhos q ela adorava usar em casa e se colocou
no chuveiro, ficou curtindo seu banho por mais de meia hora, depois enxugou-se
e se vestiu e foi para o quarto. Ao entrar em seu quarto ficou
completamente pasma com a cena que via: Zorro deitado em sua cama,
pétalas de flores por todos os lados e velas por todo seu quarto, no
ar um cheiro gostoso de incenso.

- Como você demorou, nena! Gostou da surpresa?

- A - D - O - R - E - I! - disse Carol ainda meio gaga de emoção.
Como você entrou em meu apartamento?

- Eu disse ao porteiro que era seu primo e que você me pediu para molhar
as plantas e tinha esquecido de deixar a chave pra mim.

- Não acredito que o Sr José deixou você entrar com essa conversa mole!
Amanhã vou ter uma conversa séria com ele sobre isso.

- Amanhã, nena! Agora você vai ter uma conversa séria comigo... - falou
Zorro com aquele olhar q Carol bem conhecia.

Sem dizer mais uma palavra, Zorro beijou Carol por vários minutos,
ela nem pensou em resistir, se entregou completamente ao fervor
daquele homem, aliás não conseguia resistir quando ele estava
perto dela, era algo mais forte que sua vontade.

Já na cama deitados, Carol tentou puxar delicadamente sua máscara, mas
ele tirou sua mão novamente.

- Nena, por que essa máscara te incomoda tanto? Já te disse que quando
sentir que você está preparada você verá meu rosto.

- Você não acha que já temos intimidade suficiente para eu saber quem
você é?

- Ainda não, nena! Vá por mim, sei o que estou fazendo!

- Está bem! Vou confiar em você.

- E todo aquele papo que você me queria fora de sua vida? -
perguntou Zorro.

- Ainda não descartei essa idéia totalmente! Mas resolvi te
dar um voto de confiança, por favor não me decepcione!

- Jamais irei decepciona-la!

Zorro se levantou no meio da madrugada e disse que iria na cozinha pegar
algo para ambos beberem e desapareceu, Carol já sabia que
essa era sua saída de cena e nem se incomodava mais com isso.

Sua vida agora era essa: trabalho de dia e encontros furtivos com
Zorro as noites, durante a semana, nos finais de semana ele desaparecia
completamente e ela também nem se interessava em perguntar a Mario
seu paradeiro, porque este se recusava a abrir a boca sobre sua identidade,
ou sobre qualquer detalhe de sua vida.

Em um almoço durante a semana Carol soltou essa:

- Vocês parecem duas comadres, cheios de segredinhos! - Ironizou
Carol em um tom divertido.

- Vocês quem? - perguntou Mário surpreso, parecendo que caiu
no planeta agora.

- Hello! Planeta terra chamando, Mario! Quem mais poderia ser?
Você e seu amiguinho Zorro. Parecem duas comadres cheias de segredos.

- Ah...agora entendi - respondeu Mário.

- Me conte Mario de uma vez...Quem é teu amigo? Onde ele se esconde no
final de semana?

- Bela tentativa, Carol! Mas não vou dizer nada.

- Ai quanta cumplicidade as duas comadres tem! - brincou Carol.

- Não é nada disso Carol! Isso se chama respeito! - disse Mário bem
sério. Se ele não te contou ainda, não sou eu que irei trair sua confiança.

- Está bem, Mario! Faz de conta que não estou mais aqui...A propósito,
vamos mudar de assunto...Quando vai ser a festa da empresa?

- Qual festa?

- O jantar de comemoração do fechamento do contrato com a empresa
do Sr Alberto?

- Vai ser no próximo sábado, novamente no Garden Hotel.

- Vai ser novamente à fantasia? - perguntou Carol completamente por fora.

- Na verdade Carol, vai ser um jantar a luz de velas, com direito
a um show internacional, eles não pouparam gastos com essa conta.

- Show internacional? - perguntou Carol.

- Sim, parece que vai ter um show internacional patrocinado pelas
empresas do Sr Alberto. - disse Mario.

- E de quem vai ser o show ? Da Madonna? - perguntou Carol.

- Não Carol! Parece que vai ser o Jake Willians. - falou Mário
olhando em seus olhos.

- Jake Willians???? Uau!!! O Sr Alberto está mesmo gastando com essa
campanha! Quanto será que sai o cachê de um cantor do porte de Jake Willians?

- Não faço idéia Carol! - disse Mário dando os ombros.

- Mário, vou te contar uma coisinha...

- Fale, amiga!

- Não conte a ninguém, mas não vou a esse jantar, você sabe que
nem curto muito o som do Jake Willians, então vou aproveitar e tirar o final de semana para viajar, visitar meus pais
na praia.

- Nem pense em fazer uma coisa dessas, Carol! você tem que ir comigo
ao show. - disse Mário quase num grito.

- Ué...Por que? você não tem sua namorada para levar ao show? -
estranhou Carol.

- Não Carol! A Olivia não vai poder ir, ela está viajando, está fora do Brasil.

- Está bem, se é assim, então vou com você ao jantar - disse Carol
segurando a mão de Mário em sinal de apoio.

- Carol, te garanto que esse será o melhor show de sua vida! - disse
Mário.

- Mário você fala isso porque você é fã do Jake, mas eu nem tanto, já esqueceu
do que te disse na tua casa?

- Na verdade não esqueci, mas algo me diz que você irá ficar mais fã dele do que eu.

- Vamos ver, Mário! Vamos ver...

O sábado chegou mais rápido do que Carol previa, mal teve
tempo de ir a cabelereira e pegar o vestido no tintureiro, teve
que mandar lava-lo, pois estava fechado há muito em seu guarda-roupa.

Como combinado 19 horas ela estava pronta, dessa vez não teve que pegar táxi,
Mário estava com o carro de Olivia que aparentemente estava fora do Brasil.

Logo chegaram ao Garden Hotel, deixaram o carro com o manobrista
e já estavam quase entrando no hotel onde seria realizado o jantar
e o show, mas começou um "bate boca" entre Mário e um manobrista do hotel que saiu a toda velocidade com o carro de Olivia e eles se atrasaram para o jantar.

Mário pediu para ela ir na frente e segurar uma mesa perto do palco
e esperar por ele lá, falou algo sobre entrar pelos fundos do hotel,
pela garagem, onde tinha uma porta escrito entrada de funcionários, porque
segundo ele, lá cortava bastante caminho até o salão onde seria
servido o jantar e onde aconteceria o show.

Ela achou a idéia de Mário meio esquisita, mas como ele conhecia
o hotel muito bem, ela resolveu nem discutir e foi entrando
por onde ele disse ser mais fácil, passou pela porta de funcionários e perguntou
a recepcionista onde ficava o elevador.

- Passando a porta vai e vem, a direita, tem um elevador.

Pegou o elevador e subiu até o Subsolo 1 e logo encontrou uma placa
dizendo Sala Mario de Andrade. Sim, Mario sabia muito bem o que dizia,
esse atalho cortava bastante caminho até a sala de conferências
do hotel, onde seria servido o jantar.

Carol seguiu a placa, mas deve ter errado em alguma parte do
caminho, começou a ver seguranças pra todo lado, gente com pressa
e algumas moças que pareciam ser bailarinas, se sua intuição
estava correta, ela estava no corredor onde ficavam os camarins,
ou melhor o corredor onde ficava o camarim de Jake Willians.

Um desespero começou a tomar conta de Carol, ela nunca gostou
muito de lugares fechados e se sentia meio claustrofóbica naquele
lugar, localizado no subsolo, a sensação de estar perdida aumentou
seu pânico e ela desmaiou no corredor sendo amparada por um estranho,
um homem aparentemente muito forte que a viu cambaleando e correu a tempo de segura-la antes que ela caisse no chão, o estranho era Jake Willians.

Ao pega-la no colo ele a reconheceu e entrou em pânico,
não queria que ela descobrisse daquela maneira
que ele era seu Zorro, então a colocou delicadamente no sofá de
seu camarim e pediu para que Michael (seu assistente) a conduzisse até o salão onde seria realizado o show, tão logo ela recobrasse os sentidos.

Logo ela acordou assustada e deu de cara com Michael que explicou
que uma pessoa da produção a viu desmaiar e a levou até aquele sofá
e que ele tinha ordens do hotel de leva-la de volta até o salão
onde seria realizado o show.

- Que lugar é esse? - perguntou ela ainda meio assustada.

- É o camarim das bailarinas - mentiu Michael.

- Você se sente bem? Quer que eu a acompanhe até o salão?

- Por favor, você me levaria até lá, eu me perdi no caminho.

- Não se preocupe, está tudo certo!

Michael a acompanhou até o salão e logo localizaram a mesa onde estava
Mário que parecia muito preocupado, ao ve-la chegar com Michael,
Mario perdeu a fala e ficou mudo e branco que nem papel.
Assim que Michael saiu, Mario começou o interrogatório.

- Onde você estava? Fiquei morto de preocupação.

- Mário, eu vim pela garagem, por aquele caminho que você me ensinou,
mas em algum ponto me perdi e desmaiei no corredor onde ficam os
camarins, aparentemente esse moço me socorreu e me trouxe até aqui.

- Você sabe quem é esse "moço"?

- Parece que o nome dele é Michael.

- Não acredito que você não conhece o Michael, o braço direito
do cantor Jake Willians.

- Poxa vida, eu não sei quem ele era...Será que aquele camarim
era do Jake Willians? - disse ela surpresa.

- Provavelmente... - disse Mário tentando parecer surpreso, mas com
uma vontade enorme de rir da situação. Seu amigo, o Zorro, deve
ter ficado desesperado quando viu quem era a moça que desmaiou
na porta de seu camarim...Que ironia do destino!

- Essa eu perdi. - falou Mário pensando alto.

- Perdeu o que? - perguntou Carol.

- Perdi de conhecer o Jake Willians, se eu soubesse que você iria
se perder no camarim dele tinha dado meu celular para você tirar
uma foto dele pra mim. - disfarçou Mário.

- E você acha que eu tinha idéia de onde estava? Eu só queria sair daquele
lugar fechado.

Depois de alguns minutos, Carol ja estava completamente recuperada,
o jantar logo foi servido, o prato era tentador, Salmão, arroz
de ervas, molho de maracujá e sobremesa um sorvete fino que
Carol não saberia identificar.

Mais um tempinho para a retirada de pratos e talheres, uma leve
limpeza no salão e os preparativos para o início do show já tinham
começado, para o pessoal do palco e produção já estavam bem adiantados,
já que eles começaram a montar o equipamento de som e luz logo
de manhã, agoram faltavam apenas os ajustes finais.

As luzes se apagaram, gritinhos histériocos, assobios ecoaram pelo salão, era um tipico
começo de show que Carol estava acostumada a ouvir sempre
que ia aos shows no Olympia em sua adolescência, a cortina se abre
e duas bailarinas entram e cena, ambas começam a coreografia no que
Carol deduzia ser uma música nova de Jake Willians,
para ela o show todo era novo, já que seu conhecimento
a respeito do repertório de Jake Willians não ia além da balada You are my star!

Depois de alguns minutos, o furacão latino sobe
ao palco, rebolando, provocando a platéia uma coreografia que esbanjava
sensualidade, agora ele dançava quase colado com uma das bailarinas.

Em um certo momento, Carol pareceu reconhecer aquele perfil e pensou:

- Ele se parece muito com alguém...Mas quem será?

Mário estava completamente realizado assistindo ao show de um de seus
ídolos e Carol resolveu que não iria atrapalha-lo com sua dúvida boba.

Agora a música uma balada, essa ela conhecia bem, You are my Star,
ela sabia cantar uns pedaços e acompanhou a música até o fim, Mário
percebendo que ela estava cantando também sorriu para Carol e a abraçou
de forma carinhosa.
Mário se empolgou tanto com o momento romântico do show e beijou Carol
com tanta intensidade que ela ficou completamente sem reação.

- O que deu em você, Mário?

- Será que você não percebe que estou apaixonado por você, Carol?

- Ah...Mario! Mas e teu amigo, o Zorro? Justo você que sempre falou no valor da amizade.
Eu gosto muito de você, Mário, mas não estou apaixonada. Te considero um bom amigo apenas! Estou apaixonada por teu amigo Zorro!

- Droga! - Mário socou a mesa de leve

- Não existe nenhum Zorro, Carol!

- Como assim não existe nenhum Zorro? você está me deixando confusa.
Claro que existe um Zorro, lembre-se que ele veio várias vezes no meu
apartamento.

- Sim...o Zorro que foi em seu apartamento foi um ator que eu contratei,
na verdade eu tinha pena de vê-la sempre sozinha nas festas da empresa
e como eu não tinha coragem de me declarar, contratei
esse ator para iniciar um romance com você, até eu ter coragem e aparecer
vestido de Zorro em tua casa e revelar meu amor por você...Agora
você sabe meu segredo. Eu te amo, Carol!

Carol ficou tão chocada com a revelação que sentou na cadeira e ficou
um tempo sem falar nada pensando e isso para Mário era uma verdadeira
tortura.

- Vamos, diga alguma coisa! Esse teu silêncio está me matando.

- Estou pensando Mário...Se você fez tudo isso por amor posso entende-lo,
mas não posso perdoa-lo porque você mentiu pra mim e brincou com meus
sentimentos me fazendo me apaixonar por alguém que não existe.
Preciso ir pra casa agora e por favor não me procure mais, quero um tempo longe de você para passar a raiva que estou sentido.

- Quer que eu te leve pra casa? Já estraguei tudo mesmo. - disse Mário.

- Não, por favor! Fique e curta o show, eu vou chamar um táxi.
Jake que estava no palco não viu o beijo que Mário roubou de Carol,
estava tentando há horas acha-la no salão, mas achou que ela devia ter saido
para ir ao banheiro, depois que acabasse o show ele mandaria Michael
leva-la até o camarim, com a desculpa de que ele queria assegurar-se
que a moça que tinha desmaiado na porta de seu camarim estava bem.

Mal ele sabia que Carol não iria mais querer vê-lo tão cedo e muito menos ainda,
que seu melhor amigo também estava apaixonado pela mesma mulher que ele.

Carol pegou um táxi, mas o destino não foi sua casa, estava tão perturbada com os acontecimentos das últimas horas que resolveu caminhar um pouco pelos Jardins, no caminho resolveu parar num café para relaxar.
O Cofee Brake sempre foi ótima pedida para tomar um bom café e comer uma boa torta de palmito, só agora que ela tinha se dado conta que tinha saido para ir a um jantar,
mas não comeu quase nada e estava quase caindo de fome.

Por mais que quisesse deletar esses últimos acontecimentos de sua memória, a lembrança de Mário beijando-a não a deixava em paz.

- Ótimo, agora vou ter que mudar de emprego!!! Maldita hora que fui me envolver com um Zorro qualquer!- pensou alto.

- O que disse senhorita? - perguntou a garçonete não entendendo nada do que Carol falava.

- Hã? Ah...desculpe! Eu estava pensando alto... - falou Carol sem graça.

- O que vai querer srta?

- Um chopp e uma torta de palmito!!

- OK!

Logo depois a garçonete voltou com seu pedido, ela devorou a torta rapidamente e logo em seguida pediu outro chopp, depois outro, depois mais um, depois outro, até ficar tão zonza, tão ébria que mal conseguia levantar da cadeira.

- Que droga! Estou bêbada!!! - pensou. Preciso ligar pro Mario vir me buscar.
Ah...o que estou fazendo? Não posso ligar pro Mário, senão ele vai tentar me seduzir...Mas ele é meu único amigo!!!

Sem perceber, ela ja tinha ligado para o Mario que logo atendeu.

- Mário, vem me buscar, por favor!!! Eu bebi além da conta...Estou aqui no Cofee Brake do Jardins.

- Eu estava preocupado com você, tentei várias vezes ligar na sua casa e ninguém atendia. Me desculpe por tudo que eu fiz na festa, querida!

- Mário, não quero falar nisso agora! Vem me pegar aqui, por favor!

- Já estou indo!

Mário prontamente pegou o carro e foi buscar Carol no café, como ela bebera muito além do que estava acostumada ele teve que ampará-la até chegar no carro.

- Muito obrigada Mario por vir me buscar! Por favor, me deixe em casa!

- Claro, querida! Sobre o que houve em nosso jantar, por favor, me perdoe! Esqueça tudo.

- Mário, você é o único amigo que tenho de verdade! Não quero falar nisso.

- Está bem, querida! Só quero que saiba que me arrependi do que fiz.

Logo chegaram ao prédio de Carol e ele ajudou-a a subir até seu Apto, quando ele iria sair, ela o segurou pelo braço.

- Então, você não queria se revelar pra mim essa noite?

- Carol, Carol...Não faça isso! Só quero que você esqueça tudo o que fiz e falei essa noite!

- Talvez você consiga esquecer...Mas eu não!!!

Carol o enlaçou e o beijou, ele um homem apaixonado não pode resistir aos encantos da mulher que amava.

Na cabeça de Carol tudo estava confuso ainda, aparentemente ela estava apaixonada por um homem que que era apenas uma ator contratado, na verdade seu Zorro nunca existira, então, se ela tinha que se apaixonar por alguém, que esse homem fosse Mário, seu melhor amigo e agora também
seu amante.

Sem desconfiar de nada, Jake terminara seu show e procurava Michael desesperadamente, queria saber se ele tinha localizado Carol na pista e a chamado pro camarim no final do show conforme ele planejara.

Michael logo apareceu com uma cara nada boa e isso tirou o ânimo de Jake.

- Por que essa cara, Michael?

- Jake, não sei o que existe entre você essa moça, mas eu não a achei no show! Ela foi embora!

- E precisa fazer essa cara só porque ela foi embora? As vezes isso acontece, as pessoas tem outros compromissos no dia seguinte e vão embora mais cedo do show.

- Não é só isso amigo! Sente, preciso te contar uma coisa.

- Fala logo, homem!

- Sabe aquele teu amigo, o Mário?

- Claro que sei! O que tem ele?

- Jake, eu vi teu amigo beijando-a no salão! Por isso amigo, melhor você esquece-la, aproveite que ela nem sabe quem você é, evite escândalos e esqueça-a.

- Como assim viu meu amigo beijando-a?

- Como é que alguém beija alguém?

- Meu Deus! Mas o Mário é meu amigo...Ele não faria isso comigo. - disse Jake nervoso.

- Então é amigo da onça, pois estava beijando-a.

- Mas não tem sentido, foi ele quem me falou da Carol, ele que queria que nos conhecessemos. Me dizia que combinavamos, que ela era muito só, bonita, inteligente, que nos dariamos bem.

- Então vai ver ela não gosta tanto assim de você quanto você pensava.Vai ver é só uma atração fisica...Isso acontece amigo! Melhor você esquece-la!!!

- Não vou esquecer coisa nenhuma! Vou ao seu apartamento agora ter uma conversa com ela e se preciso for essa noite me revelo como seu Zorro.


- Mas você não pode fazer isso! - disse Michael desesperado.

- Quem disse que não posso? Não só posso, como já estou de saida! - disse Jake decidido a sair.

Pegou sua máscara, colocou em uma sacola e pediu ao motorista que o levasse ao apto de Carol na Av Paulista.

Como o porteiro já estava acostumado com as visitas de Jake, nem interfonava mais, deixou-o subir direto, no elevador ele colocou a máscara de Zorro, chegando ao ap de Carol notou que a porta estava apenas encostada, vai ver então ela queria fazer uma surpresa e deixou a porta aberta para que ele entrasse.

Jake entrou na ponta dos pés, sem fazer barulho e foi direto ao quarto de Carol que ele já bem conhecia o caminho, abriu a porta delicadamente com medo de acordá-la caso ela estivesse dormindo, mas a cena que viu o deixou tão chocado que ele mal conseguia respirar.
Carol e Mário nús, dormindo abraçados na cama dela.

Ele se recusava a acreditar no que via e desesperado saiu correndo porta afora, desceu pegou o carro e voltou para o hotel onde estava hospedado. Michael tinha razão, era melhor esquecê-la.

As últimas 24 horas tinham sido um pesadelo para Jake, a cena de sua amada nos braços de seu melhor amigo não saiam de sua cabeça, ele queria procurar Michael para contar tudo, mas o orgulho falou mais alto, então resolvou omitir tudo o que vira por algum tempo, até pensar em alguma solução para esse problema.

Jake achou que o melhor remédio para sua dor era se enfiar de cabeça no trabalho, levantava cedo, fazia exercicios, corria e depois ia para o escritório, gravadora acertar os últimos detalhes de sua nova tour. Michael estava adorando essa nova fase do amigo, porque quase não tinha trabalho para acha-lo, acorda-lo e lembra-lo dos compromissos, sem querer acabou deixando escapar essa admiração por esse novo lado mais responsável de seu amigo:

- Jake, o que deu em você ultimamente? - perguntou Michael.

- Como assim o que deu em mim? Tá variando das idéias, homem? - respondeu ele rindo.

- Sei que tem algo diferente, mas não sei o que é, você agora está mais sério, responsável, quase não me dá mais trabalho. Você está parecendo até eu! - ironizou Michael.
Conte aqui para seu amigo que milagre foi esse que te mudou desse jeito de uma hora para outra?

- Não aconteceu nada de especial, Michael! - disse Jake meio amargurado. Só resolvi aproveitar melhor meus horários.

- Você pensa que nasci ontem? Sei que tem algo errado e pior ainda, você não quer me contar. Agora estou ficando realmente preocupado!

- Desencana, homem! Não tem nada errado.

- Sei...e eu sou a rainha da Inglaterra! Agora me conte tudo! - disse Michael.

- Pelo jeito não consigo esconder nada de você... - disse Jake.
Lembra da garota do camarim? Do jantar do Garden Hotel?

- Sim, claro que lembro dela! O que houve entre vocês dois? - perguntou Michael curioso.

- Aquela noite que sai disposto a ir a casa dela esclarecer quem eu era.

- Sim, eu me lembro disso.

- Então, para resumir, cheguei lá e a peguei no flagra com meu amigo Mário, ambos dormiam nús na cama dela, nem me viram entrar e sair do apartamento.

Michael até sentou na cadeira tamanho o seu espanto.

- Meu amigo, você tem sofrido esse tempo todo e não me contou nada?

- Achei que me enfiar de cabeça no trabalho era a melhor forma de esquece-la.você tinha razão Michael, era melhor esquece-la!

- Mas Jake, porque você não a procurou depois disso e teve uma conversa séria com ela?

- Porque achei que não valia a pena! A cena foi clara. O que eu tinha pra dizer?
Ela fez sua escolha e tenho que respeitar.

- Você a ama desse jeito e ainda diz não valia a pena? - perguntou Michael indignado.

- Mas você mesmo me disse aquela noite para esquecê-la, que não valia a pena!

- Mas eu não sabia que você a amava desse modo. Lute por ela, amigo!

- Ela não me quer Michael, ela está com Mário!

- Sabia que eu nunca fui com a cara desse teu amigo, sempre achei ele falso! - disse Michael.

- Imagina Michael! O Mário sempre foi um excelente amigo, me deu força em
vários momentos que precisei! Fiquei realmente muito magoado com essa traição, mas se a Carol também o quis, então a vontade de estarem juntos é de ambos, não só dele. Isso não posso ignorar.

- Não acredito que estou ouvindo isso de você! Nem parece aquele homem decidido
que eu conheci! Lute por ela, amigo! Se mesmo depois que você se revelar e ela não te querer, então pelo menos você poderá partir para outra e esquecê-la de vez! Mas procure-a, converse com ela!

- Vou pensar, Michael!

- Agora estou gostando de ver. Isso mesmo, amigo! Lute!

Michael saiu para atender um telefonema internacional, afinal ele era o responsável por toda a agenda de Jake e não poderia ficar parado e Jake ficou pensando no conselho de seu amigo.

Ele já estava decidido, essa noite Zorro voltaria a fazer uma visita surpresa ao apartamento de Carol.

AME SEM ESPERAR NADA EM TROCA!

Estava pichado em um muro de um terreno baldio, perto do prédio onde Carol morava.Seria um sinal do destino, dizendo para Jake estar preparado caso ela o rejeitasse naquela noite?
Tudo estava ainda muito confuso em sua cabeça, ele sabia que Carol poderia
preferir Mário a ele, mas mesmo assim ele sabia que tinha que tentar.

Jake já tinha pago o táxi e agora se dirigia ao prédio, estivera ali há duas semanas, mas para ele parecia uma eterninadade longe de sua amada.

Como de sempre o José, o porteiro, deixou ele subir direto, mas hoje mudara a rotina e disparara a falar sobre a vida dificil que ele levava ganhando apenas um salário minímo e tendo que sustentar toda a familia e por último soltou a mais preciosa das pérolas:

- Sr Jake, espero que o Sr e Srta Carolina se casem e sejam muito
felizes! Essa moça é muito sozinha, nesses anos todos nunca a vi recebendo visitas, ou mesmo ela dar uma festa, o Sr é o primeiro em anos que vejo ela receber em sua casa com mais frequência.
Ela precisa mesmo de um bom marido como o Sr, porque sem Amor, a vida é vazia!

Jake ficou completamente pasmo, o homem que quase nunca abria a boca disse a mais pura das verdades: Sem Amor, a vida é vazia!

Sem comentar nada, Jake limitou-se apenas a sorrir, pegou o elevador e subiu até o 10 andar, onde ficava o apartamento de Carol.

Tocou a campanhia e ninguém atendia, o porteiro afirmou que ela estava
em casa, então pegou a chave extra escondida atrás do quadro do hall e abriu a porta. Chamou por ela em todos os cômodos do apartamento e nada.

Encontrou-a deitada na cama, adormecida, chamou por ela, mas Carol não acordava por nada, sacudiu-a e nada, viu um vidro de remédios em seu criado mudo, acendeu o abajour e leu o rótulo, era um vidro
de remédios para dormir. Sua noite estava perdida, ela não acordaria por nada nesse mundo, então apenas deitou-se ao seu lado e ficou assim um tempo segurando sua mão.

- Não acredito q ela está dormindo...Sou muito azarado mesmo! - disse rindo alto.

Melhor eu ir embora antes que ela acorde e descubra quem eu sou... Não quero que ela saiba desse modo, amanhã eu volto!

Beijou suavemente seus lábios e saiu...

Deixou um bilhetinho escrito
assim:

Estive aqui minha bela adormecida!
Te amo!

Do seu Zorro.

Jake estava exausto, foi para casa descansar, no dia seguinte faria uma nova visita a Carol... 15/06/06
Ele intencionava voltar naquela noite ao apartamento de sua amada, mas uma onda de azar parecia persegui-lo de realizar seu intento, de última hora a gravadora marcou uma sessão de fotos no Rio de Janeiro e ele teve que se ausentar da cidade por uma semana.

Por sua vez, Carol nem estranhava o fato de seu Zorro ter sumido, não havia visto o bilhete que ele deixara no dia seguinte, porque uma corrente de ar fizera o bilhete voar para baixo de sua cama. Para ela,
a vida continuava normalmente, trabalho durante a semana e nos finais de semana se encontrava com Mário às escondidas da namorada dele.
Ela ignorava completamente o fato de seu Zorro existir de verdade, para ela a sua ilusão "Zorro" havia terminado desde que Mario lhe revelara como sendo o verdadeiro Zorro.

Jake voltou do Rio com muita "sede ao pote", não via a hora de chegar logo
ao hotel e tomar um banho e ir ao Apto de Carol, mas logo que chegou Michael já esperava por ele, revelando um problema no contrato de um show e disse ser urgente resolver ainda aquela noite.
Mais uma vez a sorte favorecia a Mario...

O romance entre Carol e Mário ia de vento em popa, embora Carol não o amasse, ela gostava muito de sua companhia e de sua amizade, na verdade ainda se sentia muito confusa com toda aquela história de Zorro, sentia-se atraida pelo seu Zorro (o ator), mas sabia que ele não existia e sentia-se ridicula por estar apaixonada por alguém que fora apenas contratado por Mário para começar um romance com ela.

Em uma hora que Mário tentava beija-la com mais intensidade ele percebeu que ela parecia estar em outro lugar, seu corpo estava ali, mas a mente voava longe.

- Hello! Estou aqui meu amor...Onde você está? - perguntou Mário carinhosamente abraçando-a.
Desculpe, Mario! Estava meio distraida...

- Você estava pensando nele novamente? - perguntou Mario traindo-se.

- Nele quem?

- Deixa pra lá... - disfarçou Mário.

- Agora você começou o papo, termine! - inquiriu Carol.

- Está bem...Você estava pensando naquele ator que contratei, não é? - perguntou Mário.

- Ai Mario! Me desculpe...eu estava divagando aqui.

- Já te expliquei meu amor! Esse cara é um ator, ele não te ama! Na verdade, ele é casado.

- Por que ele me disse que se chamava Jake?

- Porque esse é o nome dele ué...Só porque ele é um ator, isso não significava que ele não tenha um nome - Mario estava se saindo excelente mentiroso. Ele gostava muito de Jake, mas não iria perder o amor da mulher que amava por causa dele, ele sabia que ele era boa pinta e arranjaria a mulher que quisesse, porque ele tinha que roubar sua Carol?

- Desculpe, Mario! Na verdade eu penso nele direto.- disse Carol sem graça.

- Isso porque ele é bonito e ele também faz uns bicos de modelo por ai! Mas ele não vai deixar a esposa pra ficar com você, honey!

- Eu sei!- disse Carol com uma ponta de desapontamento em sua voz.
Aquele era o banho de água fria que ela precisava para tentar esquecer Zorro de vez.

Jake resolvera que a hora era chegada, tinha marcado com Michael de se encontrarem no aeroporto dali 2 horas, onde embarcariam para Miami, para acertar os últimos detalhes da gravação de seu novo CD, mas não podia mais adiar essa decisão...
Essa era a hora perfeita, com Michael ocupado com embarque, ele não notaria a ausência de Jake no hotel e quando percebesse que ele não apareceria para o embarque já seria tarde demais, ele já estaria nos braços de Carol...Pelo menos é isso o que ele esperava!

Tomou um banho rápido, colocou um jeans black que ele gostava, uma camisa branca, pegou um táxi em direção ao prédio onde Carol morava, na AV Paulista,
Como de costume, José, o porteiro, deixou ele subir direto.

2 min já estava na porta de Carol, de máscara de Zorro e um buquê de rosas vermelhas, tocou a campanhia e ao contrário da última vez que ele estivera lá ela gritou: - Já vaiiiiiiiiiiiiiiiiii!

Sem pensar, Carol abriu a porta e deu de cara com Zorro, seu coração disparou tanto a ponto dela achar que teria um ataque cardiaco.

- Olá, nena! Surpresa em me ver? - disse Jake lhe entregando o buquê de flores e beijando seus lábios.

Carol estava tão chocada com a visita inesperada de Zorro que mal conseguia falar, ela fez um grande esforço e conseguiu apenas dizer:

- O que você faz aqui?

- Como assim o que faço aqui, nena? você não leu meu bilhete?

- Bilhete? Qual bilhete? Quando você esteve aqui?

- Deixei um bilhete e nele dizia que eu te amo! Te amo, meu amor!

-Olha se isso é mais uma brincadeira do Mário, pode dizer pra ele que não achei a minima graça. - disse Carol.

- Brincadeira do Mário? - perguntou Jake sem entender nada

- Vocês dois devem me achar ingênua, já saquei que isso deve ser uma aposta entre vocês dois, não é? Tipo vamos enganar a bobona da Carol e fingir que ambos estamos apaixonados por ela. Quantos vocês apostaram?

- Aposta? Não estou entendendo nada! - disse Jake completamente confuso.

- Você vai entender em 2 minutos...- saiu sem dizer mais nada.

Jake ficou esperando ela voltar, fora lá para fazer uma visitar surpresa e quem estava sendo surpreendido pela reação de Carol era ele.

Como prometera Carol voltou em 2 min munida de uma vassoura e ameaçou dar vassouradas em Jake, para evirar escândalos, ele não teve outra alternativa a não ser sair correndo para dentro do elevador.

Logo que a porta fechou ainda ouviu alguns insultos:

- Você pensa que sou burra? Sei que você é casado! Seu safado! Se aparecer aqui novamente dou um jeito de contar para sua mulher! Diga ao Mário que a brincadeira acabou..

Jake estava tão perplexo que ainda ficou alguns minutos sentado dentro do elevador, depois ligou para um taxi e foi direto para o Aeroporto encontrar Michael, agora a viagem para Miami lhe parecia uma excelente idéia para ter um tempo hábil para tirar essa história a limpo.
Ele não iria desistir fácil assim de Carol, resolveria tudo na volta.

Miami nessa época do ano parecia um verdadeiro forno microondas, lá fora 34 graus, se não fosse o ar condicionado do hotel Jake já teria virado churrasco.

Depois de várias reuniões com a gravadora, idas e vindas do hotel para o confuso downtown de Miami, o contrato estava fechado, Jake ficaria por mais 3 anos como artista exclusivo da gravadora e as gravações para o
próximo CD ocorreriam no mês seguinte, em Miami mesmo.

Jake não via a hora de voltar para o Brasil, sabia que tinha que contar tudo a sua amada, mas ainda não havia bolado um plano para realizar seu intento.

Com toda a confusão no aeroporto provocada pela crise aérea que assolava o pais, eles quase
não conseguiram embarcar para o Brasil, mas de ultima hora Michael e sua famosa
sorte conseguiram dois lugares com uma companhia aérea americana.
Depois de voarem por quase 10 horas, eles logo chegaram a São Paulo, que
justificava seu apelido de Terra da Garôa, uma chuva torrencial
insistia em cair na cidade mais importante da américa latina.

Jake não se intimidou muito pela chuva, pegou um taxi e foi para o hotel onde estava hospedado antes de viajar e ficou horas pensando em um jeito de ir a casa de Carol sem provocar brigas e escândalos.

De repente Jake teve um estalo, uma idéia surgiu em sua mente, parecia um plano perfeito, quem não iria gostar muito da história seria Michael que só reclamava que ele andava muito "cabeça nas nuvens" ultimamente.

Mais uma segunda-feira, como sempre Carol tomou seu banho rápido, sem tempo para um café da manhã muito longo, tomou rapidamente um copo de leite e voou para o escritório.

Cada dia mais o trânsito de São Paulo parecia não ter solução, mais de 140 km de congestionamento logo as 8 da manhã, hora que ela ja deveria estar em sua mesa, mas ainda estava presa na Av. Faria Lima.

A solução era ouvir um pouco de música para aliviar o stress, pegou a case de CDs de Mario emprestada, revirou tudo e nada em particular lhe agradava, a maioria de seus CDs era de música latina, nomes estranhos como Rata Blanca, Fito Paez e outros artistas que ela nunca havia ouvido falar confundiam mais ainda sua mente, o único CD mais conhecido era do Jake Willians e Carol resolveu optar por esse CD mesmo.

- Poxa o Mário gosta mesmo do Jake Willians! - pensou.

Nem bem chegou no trabalho, logo encontrou Mário em sua sala com cara de poucos amigos.

- Você está atrasada, Carol!

- Pensa que não vi o relógio, mas não tenho culpa fiquei presa no trânsito da Faria Lima, um caminhão tombou e derramou toda carga na pista e não tinha como passar!

- Sei, Sei! - disse Mário com um tom irônico.

- A propósito, já que você está aqui na minha sala, adorei o CD do Jake Willians que você me emprestou!

Foi a vez de Mário fechar mais ainda a cara, sem entender nada Carol perguntou a razão dele estar tão ranzinza naquela manhã.

- Por que essa cara Mário? Pensei que você fosse fã dele!!!

- Problemas na empresa, Carol! Nada a ver com Jake Willians, nem sei de onde você tirou essa idéia! - mentiu Mário que estava morrendo de ciúmes.

- A mim não pareceu isso, porque você mudou de fisionomia quando falei do CD! Se você não quer me emprestar o CD não precisa fazer essa cara, eu compro outro na loja pra mim.

- Ihhhh...vai estressar Carol! Pode ficar com o CD emprestado.

- Não estressei, tem gente que não gosta de emprestar livros e CDs e vai ver você se encaixa nesse perfil. Não existe nada de errado com isso. Afinal, cada um é cada um!

- Que teimosia, Carol! Já disse que pode ficar com o CD emprestado.

- OK! Não vamos discutir mais por causa disso!

- A propósito, aquele ator que você contratou apareceu novamente no meu apartamento! Eu o expulsei aquele canalha a vassouradas de lá. Onde já se viu, o safado é casado e ainda tem a cara de pau de aparecer no meu apartamento.

Mário gelou, até sentou na cadeira tamanho o susto...

- Ainda bem que você o expulsou, Carol! - disfarçou Mário.

- Achei que era uma brincadeira sua, tipo uma aposta que vocês tinham feito.

- Tá bom! você me pegou, Carol! Eu o mandei lá para uma última visita, mas não se preocupe, porque ele não vai aparecer mais! Mesmo porque o único Zorro que você precisa conhecer está aqui na sua frente!

Tendo dito isso, Mário estrategicamente empurrou a porta do escritório e beijou Carol apaixonadamente.
Jake não via a hora de que seus compromissos naquela segunda terminassem para que ele pudesse por em prática seu plano. Tudo estava já muito bem arquitetado e Michael de nada poderia desconfiar para não por tudo a perder.

Depois de um almoço com o presidente da gravadora e uma entrevista numa rádio, ele estava com o final da tarde livre para fazer o que quisesse, para não despertar a curiosidade de Michael, ele achou melhor voltar para o hotel e depois sair às escondidas, sem que seu amigo o visse.

Chegou no hotel se despediu de Michael, disse que estava cansado e iria tirar o resto da noite para tomar um banho e dormir um pouco.

- Michael, vou descansar! Amanhã você me passa o resto dos compromissos!

- OK! Amigo, descanse! Amanhã nos falamos.

Jake tomou um banho, tirou de fato uma soneca rápida para recuperar um pouco do cansaço da viagem a Miami, mas logo se levantou, colocou uma roupa simples, mas elegante e olhou no relógio (21:20), achou que essa hora sua amada já devia estar em casa, era a hora de colocar a primeira parte do seu plano em ação.

Sem levantar suspeitas, pegou um táxi e logo já estava no apartamento de Carol, pagou o motorista, entrou no prédio e subiu direto já que José, o porteiro,não o barrava mais.

Sem tocar a campanhia, pegou a chave extra que Carol deixava escondida atrás do quadro que havia no hall de entrada, abriu a porta e foi entrando de fininho no apartamento, passou pela sala que estava quase às escuras, apenas iluminada por um fraco abajour, foi em direção ao quarto de Carol, como ele previra ela já chegara do trabalho, mas estava no banho. Ele simplesmente deitou-se em sua cama e resolveu espera-la sair do banho na mais absoluta calma, sabia que ela iria recebe-lo mal, mas tinha que tentar falar com ela e explicar toda a situação.
Carol logo saiu do banho e ao ver um vulto em sua cama, ela deu um grito.

- Sou eu, nena! Seu Zorro!

- Ahhhh....é você?!!! Que susto você me deu!!!
Mas eu não te pedi para você não voltar mais aqui?

- Pediu, nena! Mas sou muito persistente.

- Pois saiba que não me relaciono com homens casados!

- Casado? Mas eu não sou casado.

- Mentiroso! o Mário me contou tudo...Não tem mais sentido você vir aqui, estou com Mário! Eu o amo.- mentiu Carol.

Essas palavras machucaram fundo o coração de Jake, mas mesmo assim ele tentou explicar a situação.

- Mas eu te amo! Eu não sou casado e sou amigo do Mário, ou melhor, eu era amigo do Mário!

- Amigo do Mário? Sei...E você que sua atitude é de amigo, vindo para tentar me seduzir mesmo sabendo que estou com Mário? Se você é tão amigo assim, porque não diz para mim quem você é?

- Porque sinto que você ainda não está preparada para o choque que essa noticia irá lhe causar!

- Choque? porque choque?

- Agora não posso te explicar ainda tudo,nena! Mas confie no que estou dizendo...Na hora certa, você saberá...! Só quero que saiba que não sou casado e nem entendo porque o Märio te disse isso...

- porque ele me ama e quer meu bem.

- Sim...ele te ama! Mas ele disse isso não porque quer teu bem e sim para me separar de você!

- Por favor, vai embora, Jake! Esse é teu nome de verdade?

- Sim, esse é meu nome de verdade! Mas não vou embora e por uma única razão, está escrito em seus olhos que você me quer!

- De novo com essa conversa, Jake?

- Olha nos meus olhos e diz que não me deseja!!!

- Eu...eu... - engasgou Carol!

Jake não se conteve mais, tomou Carol em seus braços e a beijou desesperadamente, um beijo longo de saudades, de cumplicidade, um beijo cheio de desejo...Carol correspondia a fúria do desejo de Jake com a mesma intensidade.

Olhando bem em seu rosto, Carol mais uma vez tentou puxar sua máscara, mas dessa vez Jake não tentou impedi-la.

Carol ia tirar sua máscara, mas deteve sua mão e continuou encarando Jake por mais alguns minutos...

- Você não quer que eu tire sua máscara, não é? - perguntou Carol.

- Se você quiser tira-la não irei impedir, mas ainda acho que você ainda não está preparada.

- Então não irei tira-la!

- Você não tem nem um pouquinho de curiosidade de saber quem eu sou? -
perguntou Jake curioso.

- Claro que tenho! Deus sabe o esforço que estou fazendo para me controlar.

- A máscara você não precisa tirar ainda, mas meu corpo e minha alma você pode desnudar como bem entender. Eu te amo!

As lágrimas rolaram pelo rosto de Carol, porque ela também sentia o mesmo por aquele homem, embora não conhecesse seu rosto, ela o amava com todas as forças de deu coração.

- Jake, se eu te disser que não sinto o mesmo, estaria mentindo, mas tudo isso ainda está muito confuso pra mim e ainda tem o Mário.

- O que tem o Mário?

- Preciso me resolver com ele, porque oficialmente ainda estou com ele.

- Leve o tempo que você precisar para resolver sua situação com Mário, eu volto ainda essa semana.

- Está bem, Jake!

Jake beijou Carol e foi embora, a primeira parte de seu plano fora um completo sucesso, agora era esperar sua amada resolver sua situação com Mário.

Carol finalmente convidara Mário para um jantar mais íntimo em sua casa, aquela noite ela pretendia romper com ele em definitivo.

Ela havia pensando muito sobre o assunto e sabia que Mário iria tentar fazer sua cabeça para desistir de Jake alegando que ele era casado e que era apenas um ator contratado para fingir que gostava dela, mas para ela isso não irrelevante,
porque Carol amava Jake e lutaria para ficar com ele não importasse as barreiras que tivesse que transponir.

Mário chegou as 20 hs em ponto ao ap de Carol, trazendo um buquê de rosas e uma caixa de bombons recheados que ela tanto gostava, já de cara foi logo beijando-a como era de costume, para não contraria-lo ela permitiu que ele a beijasse uma última vez.
A última coisa que Carol queria naquele momento era contraria-lo, ela precisava de Mário como seu aliado e não como inimigo.

O jantar transcorreu na mais perfeita paz, Mário não cansava de elogiar sua amada e também a comida.

- O jantar estava divino, minha querida! Assim como você essa noite!

- Obrigada, querido! Mário precisamos conversar.

- Eu também acho que precisamos, querida! - falou Mário e essa atitude causou espanto em Carol. Será que eles iriam dizer a mesma coisa?

- Fale então você primeiro, querido!

- Está bem, amor! Vai ser mais cedo do que eu esperava, mas lá vou eu...

Então Mário se ajoelhou aos pés de Carol, pegou sua mão e mostrou o mais lindo anel de diamante que Carol já tinha visto em sua vida.

- Carol, meu amor! Você quer se casar comigo e me tornar o homem mais feliz da face da Terra?

Carol até perdeu o fôlego, sentou-se em uma cadeira e Mário a amparou temando que ela desmaiasse.

- Você está bem, querida?

- Estou, Mário! Só fiquei meio zonza...

- Você quer que eu chame um médico?

- Não precisa! Deve ter sido um mau estar do estômago.

Na verdade o pedido em casamento de Mário desarmou Carol completamente, ela não podia dar um fora nele assim, naquela situação, ela gostava de Mário e não queria que ele sofresse.

- Foi meu pedido de casamento que te abalou assim?

- Acho que foi um pouco de tudo, querido! O jantar, o pedido e o cansaço também, você sabe como tenho trabalhado sem parar essa semana. - mentiu Carol.

- Mário, já estou melhor! Sobre o pedido de casamento, queria que você me desse uns dias para pensar. - ela tinha que ganhar tempo.

- Está bem querida! Não quero pressiona-la, nem quero-lo deixa-la doente com isso! Pense o quanto precisar.

- Querido, não quero parecer uma má anfitriã, mas eu gostaria de me deitar um pouco...Nos veremos ainda essa semana...OK?

- Está bem, querida! Descanse bastante e fique novinha em folha pra mim!

- Se cuide, Mário!

Mario lhe deu um suave beijo e foi embora, ele estava meio confuso com a reação de sua amada, mas achou que Carol iria aceitar seu pedido logo que melhorasse. Mal sabia ele que Carol estava completamente aflita e sem saber como sairia daquela situação.

Tem vezes que a vida se iguala a um jogo de xadrez e de repente, o peão, a peça de menor importância no jogo, te dá um xeque-mate sem que você perceba.

UM CASAMENTO E UMA REVELAÇÃO SURPREENDENTE

Carol tinha uma batata quente em suas mãos e pior ainda, tinha que sair dessa situação o mais rápido possivel, só não sabia como iria fazer isso em menos de 48 horas.

Mais uns dias se passaram e Jake/Zorro apareceu novamente em seu apartamento, muito esperto notou o nervosismo de sua amada...

- Por que você está assim nervosa?

- Eu, nervosa? Imagine...bobeira sua!

- Você não me engana, Carol! O que tem de errado? - perguntou Zorro precupado. Tem a ver com quem eu sou?

- Acredite, querido! Isso é o que menos me preocupa no momento...

- Então o problema é mesmo grave! -constatou Jake.

- O que foi? Perdeu o emprego?

- Nada disso...O Mário me pediu em casamento e não sei como dizer NÃO para ele sem ter que magoa-lo.

Jake ficou tão assustado com a resposta que até sentou na cama, mas um ataque de ciúmes súbito tomou conta dele.

- Você não pode casar com o Mário! - disse Zorro em tom de posse.

Carol detestava que mandassem em sua vida e entendeu a resposta de Jake como uma ordem.

- Eu posso me casar com quem eu quiser! Ninguém manda em mim!

- Mas você me ama!

- Como você é convencido...

A conversa foi interrompida por um toque da campanhia, Carol foi atender.

Era Mário que havia ido visitar sua amada e obviamente sondar o terreno, para saber se ela iria aceitar sua proposta de casamento, reconhecendo a voz de Mário, Jake se escondeu no banheiro e ouviu toda a conversa, num vão de porta entreaberta que ele deixou propositadamente com esse objetivo.

- Meu amor! Você está melhor? - perguntou Mário beijando Carol.

- Estou bem melhor, Mário! Obrigada por vir me visitar!

- Eu não quero te pressionar, querida, mas quero saber se você pensou na minha proposta de casamento?Você é tudo pra mim!

- Olha, Mário! Para falar a verdade, eu pensei sim!

- E qual é sua resposta, querida?

Carol estava enfurecida por Jake/Zorro tentar mandar em sua vida e num gesto de puro despeito ela respondeu:

- Eu aceito, Mário!

Jake ficou enfurecido e nem pensou duas vezes, esqueceu o esconderijo e o disfarce, tirou a máscara revelando totalmente sua identidade, entrou no meio do quarto para interferir, pegou Carol pelo braço e a puxou de Mário, que enlaçava sua cintura.

- Acabou a palhaçada! Já chega, Mário! Ela não vai se casar com você!

- Carol, o que ele faz na sua casa? - perguntou Mário espantado.

Quando Carol viu que seu Zorro era na verdade Jake Willians, ela perdeu a fala, ficou branca feito papel e desmaiou.

Jake ficou desesperado e colocou-a na cama, enquanto Mário foi na cozinha pegar um copo de água.

- Mário, assim que ela melhorar, nós dois vamos ter uma conversinha. Pensei que você era meu amigo.

Mário estava muito abalado, apesar de amar Carol muito, ele gostava de Jake e não queria que as coisas tivessem tomado aquele rumo, mas ele amava aquela mulher e sabia que Jake podia ter a mulher que quisesse, em qualquer parte do mundo, ai perdeu a cabeça e disse a Carol um monte de mentiras a respeito do seu melhor amigo, para que eles se separassem.

- Jake, espero que possa me perdoar! Nunca quis te prejudicar, mas eu amo essa mulher há tanto tempo que acabei perdendo a cabeça. Não sabia que você a amava tanto assim.

- Se você a amava há tanto tempo assim, porque você me apresentou a ela?

- Porque eu não achei que ela iria me dar bola...Entende? Sou baixinho, careca, falo demais...Você sabe...mas depois percebi que não podia viver sem ela. Me perdoe! Se me permite, vou embora e depois conversamos.

Toda a raiva que Jake estava sentindo sumiu como por encanto, ele tinha um coração nobre e chegou a sentir pena de Mário.

- Mário! Vamos conversar depois...Eu entendo teu sofrimento, mas preciso pensar a respeito disso tudo. - disse Jake.

- O que você vai fazer quando ela acordar? - perguntou Mário curioso.

- Vou tentar explicar tudo a ela...Não vai ser fácil!

- Está bem! Cuide bem dela, Jake! E peça perdão a ela por mim também, diga que a procurarei mais pra frente e vou esclarecer tudo.

- Pode ficar tranquilo, Mário!

Mário foi embora e Jake ficou ali aos pés da cama de Carol, que estava completamente desacordada.

Como ela não voltava a si, Jake começou a ficar preocupado, pegou um pouco de água no copo e começou a molhar seus pulsos, para provocar uma reação.

Aos poucos ela foi voltando a si, mas não dizia coisa com coisa, estava completamente zonza, confusa.
Carol não tinha se recuperado do choque emocional completamente, não havia entendido direito o que havia acontecido, teve a impressão de ver Jake Willians em seu quarto e pior ainda, achava que ele era seu Zorro, aquilo era surreal demais para uma mulher de negócios como ela. Procuraria um médico urgente, pois estava precisando.

Mas ele estava lá sentado ao pé de sua cama, olhando para ela, com cara de preocupado, ela o via e mesmo assim não acreditava no que via.

-Você é de verdade, ou estou delirando? - perguntou Carol com um restinho de voz, fazendo um esforço enorme.

- Sou de verdade...E sou todo seu!

- Ai meu Deus! Ai meu Deus! - era só o que ela conseguia dizer sem parar.

- Quer dizer então que VOCÊ era meu Zorro esse tempo todo e eu não sabia?

- Isso mesmo, nena! - confirmou Jake.

- O que vou fazer? Estou perdida e minha vida está acabada, minha carreira vai para o buraco, vou parar nas páginas de um desses jornais sensacionalistas e minha vida vai virar alvo de piada internacional.

- Por que está dizendo essas coisas, nena?

- Vamos ser realistas, Jake! Sou uma mulher do mundo dos negócios, sou uma espécie de "Jake Willians das finanças", você acha que alguém vai me levar a sério depois que minha foto for publicada num desses jornais sensacionalistas? Meus chefes não gostam desse tipo de publicidade no escritório. Entende?

Jake foi ficando irritado com o assunto e desabafou:

- Pois eles que se danem! Eu te amo e quero ficar com você pelo resto da minha vida! Se eles não entenderem isso, então eles que arranjem uma nova funcionária e você vêm trabalhar comigo. Estou precisando mesmo de um gênio das finanças em minha equipe. Sinceramente a opinião dos teus chefes pouco me importam...Quero saber se você vai me aceitar em sua vida? Te amo, nena!

Mais uma vez Carol perdeu a fala, não sabia o que dizer, ela o amava também, mas sentia-se tão confusa com tudo que ficou um tempo apena pensando em tudo o que acontecera nos ultimos minutos.
Depois de um tempo sem dizer nada, ela quebrou o silêncio....

- Querido, pensei um pouco sobre toda essa loucura que minha vida se transformou. Eu acho que toda essa situação é coisa grande demais pra mim nesse momento, então minha resposta a sua pergunta por agora é NÃO!

Jake ficou tão chocado que não sabia o que fazer, ou o que dizer, não esperava levar um fora assim da mulher que amava e que julgava também ser correspondido.

O FINAL...

Carol e Jake romperam seu romance naquela noite e não se falaram mais, ela iria mudar-se em breve para Nova York desde que fora contratada por uma empresa americana e Jake continuaria com a tour do novo CD.

Mas com o casamento de Mário e Olivia em agosto a rotina foi quebrada e eles foram obrigados a se encarar novamente, já que ambos eram padrinhos do casal, a situação era contrangedora e tanto Carol, quanto Jake limitaram-se a um cumprimento educado na igreja, mas não permaneceram na festa até o final.

Mário não se conformava com essa situação e achava um absurdo Jake e Carol não ficarem juntos e na Igreja, na hora dos cumprimentos aos noivos, Mário puxou Jake de lado para dizer o que pensava:

- Jake, meu amigo, fico feliz que você tenha vindo ao meu casamento, mas não me conformo de você e a Carol ainda não terem se acertado. Vocês nasceram um para o outro e essa situação é ridicula, porque vocês ficam fingindo o tempo todo que um não se importa com o outro, mas está na cara que vocês se amam.

- Mário, eu amo a Carol, mas ela não quis me aceitar, então não posso obriga-la a ficar comigo. Ela me fez sofrer muito e não há nada que eu posa fazer, porque ela já decidiu por nós dois quando me chutou da vida dela.

- Você está muito ferido ainda, amigo! Mas deve procura-la, ela está um trapo também, está sofrendo demais com tua ausência.

- Não te prometo nada, mas vou pensar. - disse ele sem saber mais o que dizer.

Jake deu mais um abraço no casal e saiu da Igreja, aquela noite ele embarcaria para Miami, onde seria dado o pontapé inicial de uma extensa tour pela America do Norte e Europa.

Carol viu quando Jake saiu pela porta dos fundos da Igreja e decidiu que poderia ir tranquila cumprimentar o feliz casal.

- Mário e Olivia, meus amigos, desejo que vocês sejam muito felizes na nova vida que vocês iniciam juntos como marido e mulher!

- Amiga Carol muito obrigada por ter vindo ao nosso casamento, estamos muito felizes! - disse Mário.

- Será que podemos conversar um pouco Carol?

- Claro, amigo! - respondeu Carol amavelmente.

- Carol, sei que você não quer ouvir falar sobre esse assunto, mas vou te dizer do mesmo jeito e você vai ter que me ouvir. - disse Mário decidido

- Mário, não quero falar sobre isso! Hoje é teu casamento, mas se você ficar falando nele eu vou ter que ir embora.

- Carol, ouça e você não irá se arrepender... - insistiu Mário.

Carol consentiu com a cabeça e sentou para ouvir o que o amigo tinha a dizer.

- Vou te dizer a mesma coisa que disse para o cabeça dura do Jake. Não me conformo, vocês tem que se acertar, está na cara que vocês se amam, pare um pouco com a frescura e aceite o Jake em sua vida. Ele te ama, embora ele esteja muito magoado ainda por você te-lo chutado de sua vida. Por favor, ligue para ele antes que ele vá embora do país hoje a noite...

Carol ficou calada ouvindo e depois disse:

- Vou pensar, Mário...é a única coisa que posso dizer. Agora se vocês me permitem, vou para casa descansar, porque amanhã embarco para Nova York.

- Está bem, querida! Mas pense com carinho no que te disse. Seja feliz!

Carol e Mário se abraçaram, ela deixou a Igreja também pela porta de trás para evitar muitas perguntas de amigos, pegou um táxi com destino a seu apartamento, na avenida Paulista, passou perto do apart-hotel em que Jake estava hospedado pensou em pedir para o motorista parar o táxi e ir lá ter uma conversa com ele, mas descartou logo a idéia temendo que Jake não quisesse recebe-la.
Tirou essa idéia de sua cabeça e foi direto para seu apartamento, ainda tinha que acertar todos os detalhes de sua mudança para Nova York e terminar de arrumar sua mala.

Já a caminho do aeroporto, as palavras de Mário ainda martelavam sua cabeça:"-Está na cara que vocês se amam...." Jake pensou até em desistir da viagem para ir atrás dela, mas manteve-se firme nos seus planos.

Já no aeroporto, Michael aguardava por Jake, já tinha feito parte do check-in das malas, ainda faltavam as coisas de Jake.

- Que cara é essa, Jake? O casamento estava tão chato assim? - perguntou Michael em tom de brincadeira.

Jake fechou mais ainda a cara.

- Quem morreu para você estar com essa cara? - continuou Michael.

- Ninguém morreu, Michael, mas encontrei com ela no casamento. Ambos fomos padrinhos de Mário.

- Agora entendi tudo...E o que você ainda está fazendo aqui? - perguntou novamente Michael.

- Como assim o que estou fazendo aqui? Está maluco homem? Nós temos uma agenda de shows a cumprir...Esqueceu? Helloooooo! - disse Jake em tom de sarcasmo.

- Claro que não esqueci...Você acha que justo eu esqueceria uma agenda lotada de compromissos? - devolveu Michael o sarcasmo.

- Michael, ela vai mudar-se para Nova York amanhã... - disse Jake com uma cara triste.

- Eu sei! - respondeu enigmaticamente Michael.

- Como assim sabe? Eu só fiquei sabendo hoje na Igreja, foi o Mário que me contou.
O que você está aprontando, Michael?

- Porque eu sei de TUDO, Jake! Tenho poderes paranormais! Você não sabia? Eu tenho uma bola de cristal aqui na minha maleta. - respondeu Michael mais uma vez em tom de brincadeira.

- Poderes paranormais? Sei...Sua única bola de cristal é um celular e um laptop, certo? - respondeu Jake.

- Claro, Jake! - respondeu Michael rindo.

- Michael, o que você sabe que eu ainda não sei?

- Jake, quem você acha que contratou a Carol para trabalhar em Nova York?

- Não sei, Michael! Algum conhecido teu?

- Não, você tá mesmo ruinzinho de advinhação...Fui eu quem contratou a Carol, ela ainda não sabe, mas usei o endereço do escritório de Nova York para contrata-la, ela só sabe que trabalhará para uma empresa de entretenimento, mas não sabe que a empresa é nossa.

- Por que você fez isso, Michael? Quando ela souber que sou o dono da empresa, ela vai recusar o emprego na hora.

- Eu fiz isso, porque não aguentava mais te ver assim, triste, chorando pelos cantos e pensei que se forçasse ambos a se verem, vocês resolveriam logo essa situação ridicula. Parecem duas crianças teimosas. Eu hein! - respondeu Michael.

- Está bem, Michael! Vamos esperar segunda, quando ela aparecer no escritório, duvido que a Carol irá aceitar esse emprego quando souber a verdade. Quanto você quer apostar comigo?

- Aposto que ela vai relutar no começo, mas creio que até o final do dia vocês se acertam de vez. - disse Michael com certeza de quem sabe o que diz.

- Aposta feita! - disse Jake dando-lhe a mão.

Ambos embarcaram para Miami, de lá voariam no domingo para Nova York a espera de Carol.

O domingo amanheceu ensolarado, Carol detestava despedidas e pediu para seus pais não irem ao aeroporto, senão ela não conseguiria embarcar. O check-in foi rápido e o embarque também, menos de 10 horas depois seu avião estava aterrisando no JFK, em Nova York.

Pegou um táxi com destino a Manhattan, onde ficava o apartamento/studio que a empresa alugara para ela, o lugar era encantador, era um prédio antigo, mas o apartamento era muito espaçoso com uma sala enorme e a vista para a ilha era tudo que ela sonhara.

Carol ajeitou suas coisas como pode, afinal estava muito cansada da viagem e queria aproveitar o final do dia para descansar um pouco, no dia seguinte logo cedo teria que se apresentar no escritório, era primeiro dia e ela não queria fazer feio.

Propositadamente, Michael colocara numa das gavetas do armário uma foto perdida de Jake, como se o antigo morador tivesse esquecido ali, ela pegou a foto na mão e ficou olhando por horas, algumas lágrimas insistiam em rolar em seu rosto, mas ela simplesmente amassou a foto e jogou no lixo e afirmou para si mesma que tinha tomado a decisão certa em mudar-se para Nova York e começar uma nova vida.

A poucos metros dali, Jake pensava em Carol e não via a hora de encontra-la, mas tirou a ideía de que ela ficaria feliz em ve-lo, ainda mais quando soubesse que ele estava "por trás" de seu novo emprego, de certo ela ficaria uma fera.

A segunda-feira logo chegou e Carol estava impecavelmente vestida para a ocasião, com um conjunto de blazer e saia azul marinho, camisa branca e sapatos altos. Pegou um táxi e dirigiu-se a sede da empresa, que ficava do outro lado da ilha.

O prédio era pomposo, subiu 23 andares de um lento elevador para chegar ao escritório, foi recebida pela secretária da empresa, Michelle, que num inglês carregado de sotaque espanhol apontou para uma das salas grandes e pediu que ela aguardasse o seu chefe, um tal de Michael que lhe explicaria todo o serviço.

Muito a vontade, Carol não se fez de rogada e foi para a sala indicada, que ainda estava vazia aquela hora da manhã, puxou uma cadeira e ficou esperando que seu chefe aparecesse.

A espera foi curta, logo Michael entrou na sala, vestido um terno escuro, cumprimentou Carol educadamente dando-lhe a mão.
Quando Carol reconheceu Michael, ficou branca que nem papel, já esperando por essa reação da parte dela, ele pediu que ela sentasse e começou a falar sem parar.

- Bom dia, srta Carolina! A srta me foi muito bem recomendada por seu antigo escritório no Brasil, por ter vasta experiência na área de finanças eu a contratei, porque de fato precisamos de uma pessoa com a sua experiência para integrar nossa equipe aqui. A srta tem alguma pergunta?

Ainda se sentindo mal, Carol só ouvia as palavras de Michael, mas não sabia direito o que pensar, fez um esforço enorme e algumas palavras sairam de sua boca:

- Você não é o Michael que trabalhava com o Jake Willians? - perguntou Carol.

- Sim, eu mesmo! - afirmou Michael. Só corrigindo, eu não trabalhava com ele, eu AINDA TRABALHO COM ELE.

- Por que tudo isso...? perguntou Carol sem terminar a frase.
Nem esperou por uma resposta de Michael, simplesmente levantou-se, pegou sua maleta e foi embora em direção ao elevador, não ficaria mais um dia em Nova York e naquele dia mesmo providenciaria sua volta ao Brasil.

Michael nem fez menção em seguia-la, deixou que ela voltasse para o studio, Jake que estava escondido na sala ao lado, ouviu e viu tudo através de uma câmera de segurança do circuito interno instalada ali.

- Eu te disse Michael que ela ficaria uma fera quando descobrisse tudo, não te disse?!

- Isso já era esperado Jake! Essa noite você tem que ir visita-la no studio, como "nos velhos tempos" e dessa vez vê se vocês se acertam...

- Está bem, Michael! Essa noite Zorro viverá outra vez em nome do amor! - afirmou Jake um tanto romântico.

- É assim que se fala, Zorro Willians! - disse Michael muito orgulhoso de seu amigo.

Carol foi direto para seu apartamento e começou a juntar suas coisas, ligou no aeroporto e reservou uma passagem para o Brasil no vôo das 22hs, teria tempo suficiente para arrumar suas malas e ir para o aeroporto.

Ela jamais desconfiara que Jake pudesse estar por de trás desse novo emprego, mas não importava agora, ela só queria ficar longe dele o mais rápido possivel.

Jake resolveu mais alguns problemas relativos a sua agenda e contratos, olhou no relógio e já eram quase 17 horas, fez um sinal para Michael de que iria embora e foi para o hotel, tomou um banho, se arrumou e tomou um táxi até Manhanttan, onde ficava o studio de Carol.

Chegando ao prédio, ele subiu até o apartamento, no hall, colocou a máscara de Zorro, pegou a chave extra que Michael tinha do studio e abriu a porta e não encontrou ninguém, olhou todo apartamento e parecia estar vazio, quando ia pegar o celular para ligar para Michael, ouviu um barulho vindo do banheiro, era o chuveiro ligado, ela devia estar tomando banho. Jake colocou o celular de volta no bolso, deitou na cama e ficou esperando Carol sair do banho, ela teria uma grande surpresa quando o visse ali, no seu quarto.
Carol logo saiu do banho e deu de cara com Jake deitado em sua cama, eles ficaram se olhando por alguns minutos, sem nada dizer, o amor que sentiam um pelo outro estava além das palavras.

Sem mais delongas, Jake se levantou e envolveu Carol em seus braços num beijo longo e profundo, ficaram assim apenas se beijando e se abraçando, até que Jake quebrou o silêncio...

- Eu te amo, Carol! Agora você já sabe quem eu sou...Você vai me aceitar em sua vida?

- Jake, é muito dificil pra mim...Eu e você somos de mundos muito diferentes, não sei se daria entre nós.

- Sim, vivemos em mundos diferentes, nena! Mas eu te amo e sei que você me ama também e creio que iremos vencer as dificuldades juntos, com muita coragem.

- Eu te amo, Jake!

Carol não suportava mais viver longe dele, simplesmente se atirou em seus braços e eles fizeram amor por horas.

Mário estava muito preocupado, ele sacudiu Carol pela terceira vez, ela não acordava por nada no mundo, ele já havia chamado uma ambulância que devia estar a caminho, foi quando ela mostrou os primeiros sinais de consciência.

- O que houve Mário? - perguntou Carol passando a mão no rosto, completamente zonza.

- Você dormiu na mesa de trabalho...Você não pode mais varar dias e noites nesse escritório só trabalhando. Precisa ir para casa e descansar..

- Eu estava dormindo na mesa de trabalho? Perai...Você não devia estar em Paris, em lua de mel?

- Que viagem de lua de mel? Pirou Carol?

- Como assim Mário? você se casou e devia estar com Olivia, sua esposa, em Paris.

- O que você está dizendo Carol? Eu conheço a Olivia do departamento pessoal, já saimos algumas vezes juntos, mas eu não me casei com ela. - disse Mário rindo sem entender nada.

- Mas sabe que você me deu uma boa idéia! Vou convida-la para ir comigo ao baile à fantasia aqui da empresa no sábado.

- Vai ter outro baile a fantasia?- perguntou Carol mais confusa ainda.

- Outro baile? Não, querida! Esse baile é anual...Esqueceu? Carol, você está me assustando...

- Onde está Jake?

- Que Jake? - perguntou Mário espantado.

- O meu Jake Willians! Eu sei que ele é teu amigo, Mário, mas por favor me diga onde ele está. Eu o amo muito!

- Como você sabe que Jake e eu somos amigos?

- Mário, eu e Jake estamos apaixonados e estavamos juntos em Nova York.

- Ele não me disse nada que tinha ido para Nova York e nem que te conhecia. Para com a brincadeira, Carol! Você está me assustando!

- Carol, eu acho que todo esse teu romance com Jake foi um sonho, assim como meu casamento com a Olivia e todo o resto. A prova é que não estou em Paris.- falou Mário meio assustado.

- Não pode ser! Mas era tudo tão real... Será que estou ficando louca?

- Não querida! Você só está muito cansada e quase desmaiou aqui no serviço de cansaço. Vá para casa e tire alguns dias de folga.

- Acho que você tem razão, Mário!
Carol pegou sua bolsa e desceu com Mário até a garagem para pegar o seu carro, ele e levaria para casa.

Mário estacionou o carro e resolveu acompanha-la até seu apartamento, para garantir que ela não desmaiaria de cansaço no caminho. Já no apartamento, ele a acompanhou até o quarto e esperou que ela colocasse uma camisola e a ajudou a se deitar.

Mário acendeu um abajour bem fraquinho, beijou sua testa, pegou sua mão e falou carinhosamente:

- Descanse bastante, querida! - disse Mário

- Mário, fica aqui comigo um pouco até eu pegar no sono? Por favor!

- Está bem, querida!

- Quero te ver bem até sábado! Até lá você tem que estar novinha em folha para o baile à fantasia.

- Nem sei se vou a esse baile, Mário! Eu acho que estou pirando.

- Vai sim e vai estar linda. Por falar em baile, quero te apresentar um amigo que está solteiro, ele acabou de sair de um relacionamento complicado e assim como você e precisa urgente conhecer alguém.

- Sei...já vi esse filme! - disse Carol.

- O que você disse? - perguntou Mário sem entender.

- Mário, no sonho que eu tive, eu conheci o Jake nesse baile, ele estava vestido de Zorro.

Mário já sabia dos planos de Jake de ir ao baile vestido de Zorro e ficou completamente espantado com que Carol lhe dissera.

- Carol, você realmente está me assustando, mas você sabe que não acredito nessas coisas de advinhar futuro, etc etc...

- Está bem, Mário! Fique tranquilo, te vejo no sábado!

- Até sabado! Pode deixar que eu te pego aqui para irmos juntos.

Carol aproveitou os dias de folga para descansar, ela estava realmente precisando, se sentia exausta, atribuiu seu estranho sonho ao cansaço e procurou levar a vida normalmente dali por diante.

Logo o sábado chegou e ela já estava pronta, na porta de seu prédio, aguardando por Mário. Sua fantasia de Odalisca, não era nada original, mas era a que tinha conseguido alugar para o baile.

Seu amigo era realmente muito pontual, 20 hs em ponto e ele já estava na porta de seu prédio, diferente do seu "sonho" ele estava fantasiado de Pirata e seu par, Olivia, vestida de Princesa.

- Mário, no meu sonho você estava vestido de Popeye! - comentou Carol.

- Ainda bem que desisti dessa fantasia a tempo! - gracejou Mário.

Logo eles chegaram ao Garden Hotel, o hotel onde seria realizado a festa, deixaram o carro com um manobrista e foram adentrando ao centro de convenções do hotel. Mário e Olivia ficaram conversando com Roberto, diretor da filial do Rio de Janeiro, um sujeito arrogante, que por sinal ela não ia muito com a cara e preferiu se manter longe.

Carol se sentia meio deslocada na festa, Mário percebendo que ela estava sozinha foi lá conversar com ela:

- Carol, sabe aquele meu amigo que te falei?

- Sim... - disse Carol com o coração disparado.

- Ele me disse que está a caminho da festa. Aliás, olha ele ali! - apontou Mário na direção da porta.

Foi quando Carol avistou Zorro, que era nada menos que o "seu Zorro", o seu Jake, que caminhava na direção de ambos.

- Carol, quero te apresentar meu amigo, Jake! - disse Mário lhe dando uma piscada.

- Muito prazer! Soy Zorro a seu dispor! - disse Jake lhe dando a mão.

- Muito prazer, Zorro! -disse Carol.

- Já não nos conhecemos de algum lugar? - perguntou Zorro.

- Sim! Talvez você reconheça isso - Carol beijou Jake sem mais explicações.

"Os sonhos algumas vezes podem revelar certas situações muito antes de elas realmente acontecerem". CGJung.

Talvez a psicologia pudesse explicar os sonhos, mas o amor que Carol e Jake sentiam um pelo outro, estava além dos contos de fadas, além dos sonhos e do tempo.

FIM

2 comentários:

Tânia Marchezin disse...

Texto emocionante, parecia que eu estava dentro da história...tbm quero um "zorro"!!!

Valeria M disse...

Obrigado pelos elogios, Tânia! Valeu!